The Beginning After The End – Capítulo 325

Sem dor

O grande punho de Lorde Granbehl atingiu meu lado. Seus guardas ficaram ao meu redor, me segurando pelos braços com minhas mãos ainda algemadas. O próximo golpe foi em meu rosto, depois uma série de socos em minhas costelas novamente.

O nobre de ombros largos estava suando, e alguns de seus cabelos estavam soltos do rabo de cavalo que descia por suas costas, dando-lhe uma aparência ligeiramente desgrenhada. Depois de mais alguns golpes, ele recuou e ajeitou o terno escuro.

Um jovem correu para enxugar o suor do rosto de Lorde Granbehl. O garoto tinha o mesmo cabelo claro de todos os outros Granbehls que eu conheci, mas ele não tinha a constituição de Kalon e Ezra.

Alguém pigarreou de fora da minha cela. “Lorde Titus?”

Meu anfitrião se virou e saiu para o corredor de pedra sombrio sem nem mesmo um segundo olhar em minha direção.

Fazia três dias desde que eu saí do portal e entrei direto nesta confusão política. Todos os dias, o pai de Kalon me visitava para fazer uma pergunta: eu matei seus filhos? E todos os dias, quando eu dizia que não, ele passava alguns minutos me batendo antes de sair. O resto do meu tempo foi gasto sozinho com Regis e meus pensamentos.

Não foi ruim, de jeito nenhum. Meu novo corpo de asuran era mais do que capaz de absorver alguns socos, e até agora também não houve interrogatórios demorados. A pior parte foi a expectativa… não do julgamento, mas sobre Ellie.

A relíquia ainda não havia recarregado. Eu estava verificando a cada poucos minutos, mas em algum momento durante o segundo dia, Regis observou que eu parecia uma pessoa maluca, então eu estive me contentando com uma vez por hora.

O velho que havia liderado minha prisão, que eu descobri como mordomo de Lorde Granbehl, apareceu na porta apenas o tempo suficiente para acenar para os guardas me soltarem, e em instantes eu estava sozinho de novo.

‘Por mais divertido que seja vê-lo fingir ser um saco de pancadas, estou entediado,’ pensou Regis no momento em que os guardas fecharam a porta. ‘Vamos mesmo fazer isso por três semanas inteiras?’

Vá tirar uma soneca então, eu rebati.

‘Rude,’ resmungou ele de volta.

Depois de olhar para fora da porta gradeada para ter certeza que o guarda no final do corredor não poderia ver minha cela, eu deitei na cama e retirei o brinquedo duro de fruta da minha runa dimensional. O barulho da semente chacoalhando dentro dele imediatamente me levou de volta à vila no topo da montanha nevada onde eu havia treinado com Three Steps.

Imaginando os picos subindo e os vales cada vez mais profundos, e deixando-me escorregar para o estado meditativo que usei enquanto treinava com as Shadow Claws, liberei uma pequena quantidade de éter do meu núcleo e empurrei em direção à ponta do dedo indicador.

A energia roxa zumbia suavemente enquanto se formava em uma extensão fina e ligeiramente curva do meu dedo. Eu deslizei a “garra” etérica na fenda e pesquei ao redor pela semente do tamanho de uma ervilha. Embora eu pudesse levar a semente até o buraco, quando tentei puxá-la, o éter perdeu sua forma e se dissipou.

Respirando fundo, conjurei a garra uma segunda vez e tentei novamente com resultados semelhantes. Continuei na semente por mais uma ou duas horas antes de Regis interromper minha prática.

‘Você esteve fazendo isso por horas,’ resmungou Regis. ‘Você não se cansa disso?’

Não exatamente. Isso me dá algo para focar… para ocupar minha mente, eu acho.

‘Oh. É mais ou menos como tricô?’

Eu revirei os olhos. SimRegis. Manipular o éter em uma arma sólida e mortal é exatamente como tricotar. Eu pretendia voltar à minha prática, mas passos na escada me disseram que alguém estava vindo.

Armazenando rapidamente a semente, levantei-me, caminhei até a porta da cela e descansei minha mão nas barras. Um abalo de mana saltou em minha mão, subindo pelo meu braço como um raio. Eu grunhi e me afastei, flexionando meus dedos formigando.

O mordomo apareceu mais uma vez. Ele me deu um sorriso malicioso quando percebeu meu óbvio desconforto. “Oh, sinto muito, Ascendente Grey, eles se esqueceram de mencionar a porta? As barras são fortemente encantadas contra o contato físico – para garantir que nossos hóspedes não tentem se libertar, é claro.

“Agora, se você pudesse voltar para a parede…”

Eu fiz o que ele pediu. O ancião acenou com a mão e a parede atrás de mim começou a se mover. As restrições apareceram, crescendo fora da pedra e ao redor de minhas pernas e braços, prendendo-me na parede.

“Não se preocupe em lutar,” disse ele com segurança. “Essas algemas foram projetadas pelos melhores Instiladores no Domínio Central. As correntes e suas amarras são inquebráveis.”

Testei sua força, flexionando meus braços e ombros até que a pedra começasse a tremer.

Oops, pensei. Quase as quebrei.

O ancião de cabelos dourados ainda estava sorrindo, aparentemente não tendo notado. Eu devolvi o olhar com um olhar inexpressivo, quase entediado. “Legal,” eu disse categoricamente.

Seu sorriso vacilou. “Eu percebo, Ascendente Grey, que seu tempo nas Relictombs provavelmente o inoculou contra o medo básico, e você já se mostrou um adepto de resistir à dor. Admito que Lorde Titus está muito frustrado com sua falta de expressividade. Ele gostaria de ver você se contorcer, para usar a palavra dele.”

O ancião se afastou para que outro homem pudesse abrir a porta e entrar na cela. Este homem era alto e esguio. Ele usava uma armadura de couro escuro com tachas de ouro que cheiravam fortemente a óleo, que combinava com seu cabelo preto oleoso e o anel de ouro em sua orelha.

“Por onde devo começar, Mestre Matheson?” Ele perguntou em uma voz alta e afetada enquanto seus olhos negros percorriam meu corpo.

O velho torceu o nariz para o torturador. “Oh, eu não teria a pretensão de dizer a você como fazer seu trabalho. Basta fazê-lo falar.” Matheson encontrou meus olhos por trás do torturador. “Estarei de volta em, digamos, vinte minutos para o interrogatório.”

O torturador sorriu, revelando dentes pretos e podres. “Sim, Mestre Matheson.” Para mim, ele disse, “Gray, não é? Sou Petras. Eu diria que é um prazer, mas”- seu sorriso se alargou – “Eu prometo que não será.”

‘Ugh, isso foi tão estranho que fez meus dedões do pé inexistentes se curvarem,’ Regis gemeu.

Eu não disse nada, mas mantive minha expressão nivelada e desinteressada.

Minha falta de resposta não pareceu incomodar Petras. Ele sacou uma adaga de aparência perversa com um floreio e, no mesmo movimento, passou a lâmina pelo meu braço. Estava tão afiada que quase não senti.

A ferida deixou escapar um fio de sangue antes de cicatrizar.

O sorriso de Petras desapareceu. Ele me olhou com cautela antes de cortar no mesmo local, mais lento e mais profundo desta vez. Percebi que minha cura extrema atrairia atenção indesejada e tentei fechar o filete de éter do meu núcleo. Foi apenas parcialmente bem-sucedido.

Regis, vá para o meu pé esquerdo.

‘Se isso é sobre o meu comentário anterior, eu estava apenas sendo’

Eu preciso limitar meu fator de cura. Vá em frente.

Meu companheiro flutuou através do meu corpo até o meu pé, e o gotejar lento do éter redirecionou, puxado em sua direção por qualquer força gravitacional que ele tinha sobre ele.

O segundo corte foi mais lento para cicatrizar. Petras não fez um terceiro imediatamente, em vez disso observou com interesse enquanto o éter restante costurava minha carne novamente. Para mim, a cura foi lenta, mas comparada a uma pessoa normal, ainda era incrivelmente rápida.

Ele passou um dedo áspero sobre onde o corte havia desaparecido sem nem mesmo uma cicatriz.

Ele verificou minhas algemas de supressão de mana para se certificar de que estavam bem fechadas, então deu um passo para longe de mim. “Como você está fazendo isso?”

“Fazendo o quê?” Eu respondi, meu rosto perfeitamente em branco.

Franzindo a testa, o torturador segurou a parte plana de sua lâmina nas costas da minha mão. A adaga começou a brilhar em brasa, minha pele chiando e estourando e enchendo a cela com o fedor de carne queimada.

Eu deixei minha mente escapar da dor, meditando sobre meu núcleo e o éter girando dentro dele, o qual eu segurei o mais forte que pude. Um pequeno riacho estava vazando, meio puxado em direção a Regis, mas alguns viajando ao longo de meus canais de éter em direção à minha mão.

Quando Petras ergueu sua adaga brilhante, a marca de queimadura que ela havia deixado era uma cicatriz profunda em minha carne imaculada. Em vez de doer, porém, eu só senti uma espécie de formigamento quando o éter começou a reparar o dano, mas estava trabalhando ainda mais lentamente agora no ferimento maior.

O torturador enfiou o polegar na queimadura crua e pressionou com força, seus olhos negros absorvendo cada contração, cada lampejo de movimento de mim, mas a dor não era nada. Seu rosto frouxo se curvou em uma carranca exagerada.

“Habilidades de cura menores, mesmo com mana suprimida,” ele murmurou para si mesmo. “Alta tolerância à dor, provavelmente devido à mesma habilidade. Sim, é hora de tentar outra coisa.”

Ele jogou a adaga, a lâmina ainda brilhando, no canto e estalou os nós dos dedos.

“Normalmente eu guardo isso para mais tarde, mas…” Ele me deu um sorriso malicioso. “Posso dizer que você precisa de… tratamento especial.”

‘Ooh Arthur,   tratamento especial. Acho que ele gosta de você,’ provocou Regis.

A sugestão de um sorriso cruzou meu rosto. Petras fez uma careta furiosa em resposta.

“Acha que isso é engraçado, Ascendente Grey?” Ele perguntou, sua voz ficando ainda mais alta. “Para a dor, então!”

Seus dedos ossudos se agarraram com força aos meus, e uma espécie de alegria selvagem tomou conta dele. Eu poderia dizer pela concentração em seu rosto que ele estava lançando um feitiço, mas nada aconteceu, mesmo quando o suor começou a escorrer por seu rosto e cada respiração se tornou um suspiro desesperado.

A queimadura nas costas da minha mão ainda estava curando e Petras não parava de olhar para ela, sua expressão se tornando mais frustrada a cada segundo.

Ele segurou minhas mãos assim por mais um minuto antes de jogá-las no chão com nojo. “Isso não é possível!” Ele gritou, indo e voltando pela pequena cela. “Totalmente impossível!” Ele se virou para mim, olhando ferozmente. “O que diabos você é?”

“Inocente,” eu disse categoricamente. “E um pouco faminto.”

Sibilando, Petras agarrou sua adaga do chão, deu dois passos rápidos em minha direção e cravou a arma em meu lado, logo abaixo das minhas costelas. Embora não estivesse mais brilhando, ainda estava muito quente e eu podia sentir isso queimando dentro de mim.

Eu já tive piores dores.

Seus olhos negros como um besouro procuraram os meus por qualquer indício de dor ou medo com que ele pudesse se consolar, mas eu não dei nada a ele.

Ele arrancou a adaga e olhou para o ferimento. Eu deixei o éter fluir livremente. Metade ainda se filtrou para baixo em direção a Regis, mas o resto foi para o corte profundo na minha lateral. Lentamente, começou a cicatrizar. Por fim, Petras desabou na minha campa esfarrapada e se afundou nela. Ele ficou assim por alguns minutos, silenciosamente olhando para o teto baixo.

“Eu nunca vi ninguém curar tão rápido quanto você, e ainda assim sua mana não reage ao meu brasão. Meu toque deve colocar todos os nervos do seu corpo em fogo, se você tiver qualquer mana em você. Não entendo.” Ele virou a cabeça para me encarar. Sua fúria se transformou em uma curiosidade cautelosa. “É um emblema? Uma… uma regalia? Disseram-me que suas runas eram vagas, mas nada incomum.”

Encolhi os ombros sem jeito, preso à parede como eu estava.

“Um homem misterioso…” Petras disse baixinho, olhando para o teto. “Nada a fazer, então, a não ser ver o quão forte é essa habilidade.”

O torturador rolou para fora da cama e sacudiu sua adaga com um sorriso maldoso.

***

Quando o ancião de cabelos dourados voltou, minhas roupas estavam em farrapos e manchadas de vermelho com meu sangue. Petras não tinha pressa, infligindo ferimento após ferimento com foco lento e deliberado. Meus ferimentos estavam fechando um pouco mais devagar agora, então me lembrei de Regis do meu pé, mas não havia recompensado os esforços do torturador nem com o piscar de uma pálpebra.

O velho, Matheson, pareceu surpreso com meu estado. Ele olhou para Petras, mas o magro alacryano apenas encolheu os ombros se desculpando. “Você pode se retirar. Espere no corredor.”

Os ombros de Petras caíram e ele saiu da cela de mau humor. Matheson esperou até que ele saísse para começar a fazer perguntas.

“Ascendente Grey,” ele começou, “Eu gostaria que você me explicasse por que você assassinou Lord Kalon do Sangue Granbehl, Lord Ezra do Sangue Granbehl e Lady Riah do Sangue Faline. Por favor, não poupe detalhes.”

Falando o mais calma e francamente que pude, disse, “Eu não matei ninguém. As Relictombs provaram ser muito mais difíceis do que Kalon havia previsto, e eles caíram nas mãos dos monstros lá dentro.”

As sobrancelhas de Matheson se juntaram em uma pequena carranca. “Você deve entender, Ascendente Grey, que temos uma testemunha ocular desses atos. Todos sabem o que aconteceu. Meu Lorde e Lady Granbehl agora desejam entender o porquê.”

Ele deu um passo mais perto. “Este ataque foi de natureza política? Você é um assassino enviado por um sangue rival?”

“Se eu fosse, fiz um péssimo trabalho vendo que deixei uma testemunha ocular.”

As coisas não melhoraram a partir daí. Matheson me pressionou para explicar os detalhes de nossa ascensão, de como eu encontrei os Granbehls, até as formas que as feras dentro das Relictombs assumiram, até pequenos detalhes como o que todos nós comemos enquanto estávamos presos na sala do espelho, e o que as figuras nos espelhos pareciam.

Eu disse o máximo de verdade que pude confortavelmente, mas tomei nota de todas as omissões que fiz quando eles inevitavelmente me pediram para repetir tudo o que eu disse.

Finalmente, Matheson se virou para sair da cela, mas parou na porta. “Ah, sim. Mais uma coisa, Ascendente Grey. Onde você escondeu seu anel dimensional?”

“Eu o perdi,” respondi em tom de pesar, “junto com todos os meus pertences. Mas eu já disse isso ao guarda.”

“Entendo. Muito bem então.” Matheson saiu sem dizer outra palavra, fechando a porta da cela com um barulho forte atrás de si.

Regis, que tinha estado estranhamente quieto durante a tortura e a entrevista seguinte, despertou dentro de mim. ‘Você está bem?’

Tudo bem, respondi, sentando-me na cama. Eu me coloquei em situações muito piores ao forjar meus canais de éter e treinar nas Relictombs.

O hábito me fez retirar a relíquia multifacetada da minha runa dimensional para verificar, e eu senti uma onda de adrenalina e me sentei rapidamente quando percebi que a pedra era quente ao toque e zumbia suavemente com uma fraca energia etérica.

Está recarregada!

‘Já era tempo. Então, o que fazer primeiro?’

Não havia dúvida. Cerrando a relíquia em meu punho, pensei no nome de Ellie. A névoa branca girou pela superfície da pedra, e eu não fui imediatamente atraído como antes. Fechando meus olhos, me concentrei mais, imaginando seu rosto e entoando seu nome em minha mente: Eleanor Leywin, Eleanor Leywin Ellie…

‘Arthur,’ pensou Regis consoladoramente, ‘sinto muit-‘

Mesmo que meus olhos estivessem fechados, eu senti minha percepção mudar repentinamente. A presença de Regis se foi, assim como a sensação de pedra fria sob meus pés.

Lentamente, abri meus olhos.

A primeira coisa que vi foi Ellie. Minha irmã, viva e segura.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar