The Beginning After The End – Capítulo 326

Repercussão

ELEANOR LEYWIN

Eu cerrei os dentes, tentando manter o foco através da dor latejante que cobria cada centímetro do meu corpo, enquanto o Comandante Virion se dirigia a todos os presentes. Mamãe foi muito teimosa em seus esforços para me manter em casa na cama, mas eu não poderia perder a reunião do conselho. Eles estavam esperando que eu melhorasse para que eu pudesse dizer a eles o que aconteceu depois que todos os outros se teletransportaram de volta para o santuário de Elenoir… e por que Tessia nunca havia retornado.

Mas agora que eu estava sentada na sala de conferências principal da Prefeitura – a mesma onde Tessia me trouxe pela primeira vez para uma reunião do conselho – com cada figura importante em Dicathen me encarando, eu meio que gostaria de ter ouvido minha mãe.

Eu já tinha contado a Virion e Bairon sobre a maior parte disso de qualquer maneira, mas eu estava meio que perdendo a consciência nos últimos dias, então não achei que tivesse sido muito útil.

“—Leanor?”

De repente, percebi quanto tempo fiquei quieta. “Desculpe, o quê?”

Virion pigarreou. Ele parecia …velho. Velho e cansado. “Você gostaria de contar ao conselho sobre sua missão em Elenoir?”

Levantei-me devagar, me arrependi rapidamente e caí de volta na cadeira. “Hum, bem, você vê, eu… uh…”

Houve um leve estalo  atrás de mim e um coro de gritos encheu a sala. Kathyln, que estava sentada bem ao meu lado, respirou fundo surpresa. Seu irmão tinha metade da espada fora da bainha antes de perceber o que estava acontecendo.

Lord Bairon estalava com uma energia estrondosa, mas recuou quando me virei e descansei a mão na criatura peluda que se manifestara atrás de mim.

“Boo, eu disse para esperar lá fora. Você não pode simplesmente pular para mim toda vez que eu ficar um pouco nervosa,” eu o repreendi, mas foi apenas com metade da minha vontade. Sua presença me dava força.

Ele grunhiu de uma forma que me disse que não sentia muito, então se deitou na frente da porta em arco.

“Desculpe,” eu murmurei, olhando para Virion. Se o velho elfo estava irritado, ele não demonstrou.

“Não se preocupe, Ellie. Vá em frente, se você estiver pronta.”

Eu respirei fundo, estremecendo antes que as palavras começassem a sair de mim. Expliquei minha parte em nosso plano para libertar os prisioneiros élficos da pequena cidade de Eidelholm, repassando minha luta contra o irmão do retentor. Eu disse a eles como dei meu medalhão a Albold para que os elfos que sobraram pudessem escapar, e como Tessia finalmente matou Bilal.

A parte mais difícil foi descrever a chegada de Elijah, mas ninguém interrompeu enquanto eu gaguejava para passar por isso. Kathyln me lançou um olhar chocado quando cheguei à parte em que fingi ser um estudante-soldado alacryano e até Bairon soltou um assobio baixo, o que achei que significava que ele estava impressionado.

Finalmente, eu disse a eles como Tessia reapareceu ao lado de Elijah, e sobre o ataque, e como eu tentei salvar os escravos élficos… mas…

Era demais, e deixei a história terminar com a explosão que me arrancou de Elenoir, então me inclinei para frente para descansar minha testa na mesa fria.

Helen Shard deu a volta na mesa para colocar a mão no meu ombro. “Ninguém poderia ter feito mais, Eleanor. O que você conquistou… francamente, é incrível.”

Kathyln apertou minha mão. A princesa normalmente composta tinha lágrimas brilhando nos cantos dos olhos. Atrás dela, Curtis estava abatido e pálido.

“Como no mundo você escapou?” a velha soldada, Madame Astera, perguntou.

Sentando-me ereta, puxei o pingente de fênix wyrm de debaixo da minha camisa. Era branco leitoso e todo rachado, vazio de mana. “Isso.”

Eu ainda podia imaginar claramente como os servos élficos olharam para mim enquanto eu tentava e falhava em ativar o medalhão de Tessia e levá-los todos comigo. Eles sabiam que eu não poderia fazer isso. Eles sabiam que iam morrer. Então a parede de luz passou por mim e tudo ficou rosa.

Por alguns segundos, eu pude ver o mundo sendo despedaçado ao meu redor através da concha de azulejos rosa de energia conjurada pelo pingente de fênix wyrm. Os alacryanos, os elfos, as arquibancadas, o pequeno palco, a mansão… tudo desapareceu em um piscar de olhos. E então eu também.

Eu tinha acordado gritando, minhas pernas balançando no pequeno riacho que corria pelo santuário subterrâneo. Boo estava lá, fumaça subindo de seu pelo chamuscado, de alguma forma vivo. A última coisa que ouvi foi seu rugido profundo enchendo a caverna antes que eu desmaiasse com a reação.

“Nós sabemos – quão grande foi a explosão?” Uma voz trêmula perguntou. Foi um dos elfos que resgatamos, o homem que conhecia Tessia e Kathyln: Feyrith.

Virion e Bairon trocaram um olhar sombrio. “Assim que Eleanor voltou, o General Bairon voou direto para a Clareira das Bestas e subiu em direção a Elenoir,” disse Virion, acenando com a cabeça para a Lança humana.

“Elenoir se foi,” disse a Lança rispidamente.

“Como assim ‘se foi’? Um país não pode simplesmente desaparecer!” Feyrith argumentou.

“Bem, desapareceu.” A Lança olhou atentamente para o elfo. “Nada resta entre as Clareiras da Besta e a costa norte, a não ser uma terra devastada queimada e retorcida.”

A respiração de Kathyln estremeceu quando suas mãos cobriram a boca.

O jovem elfo tinha ficado pálido como um fantasma, mas parecia congelado, sua boca entreaberta, os nós dos dedos brancos de agarrar a borda da mesa. Uma mulher élfica, cujo nome eu não conseguia lembrar, embora ela estivesse no santuário desde o início, começou a soluçar.

Atrás de mim, Helen apertou meu ombro novamente em um gesto de apoio.

“Mas os asuras-” Curtis começou a dizer, sua voz baixa e cheia de energia crepitante.

“Foram e ainda são nossos aliados,” Virion disse com firmeza. “Apesar das aparências, não acreditamos que a maior parte da destruição foi causada pelo ataque dos asuras, que pretendia apenas destruir os alacryanos reunidos em Eidelholm.”

Da porta atrás de mim, uma voz suave disse, “Como você poderia saber disso?”

Pequenas ondas de dor percorreram todo o meu corpo enquanto eu me virava na cadeira para olhar para a pessoa que falava. Albold, o guarda élfico, estava em pé enquadrado na entrada em arco do outro lado da forma corpulenta de Boo.

Ele se segurou sem jeito, inclinando-se para o lado direito. Ele havia se machucado gravemente durante a luta contra o retentor; Fiquei meio surpreso ao vê-lo já de plantão.

Albold continuou, sem esperar por uma resposta à sua pergunta. “Ellie viu o asura conhecido como Aldir iniciar o ataque com seus próprios olhos.”

Eu não conseguia ver o rosto de Virion, mas podia ouvir o rosnado baixo de raiva em sua voz. “Esta é uma reunião fechada do conselho, Albold. Volte para o seu posto. Nós vamos discutir isso mais para a frente.”

Albold fez uma careta, mas se virou e marchou fora de vista.

Abaixei-me para coçar Boo antes de girar lentamente de volta para encarar os outros.

Não é apenas Albold. Os outros também não estão exatamente entusiasmados com a explicação de Virion. Curtis Glayder estava carrancudo profundamente, seu olhar nivelado na mesa em vez de Virion. A elfa continuava a chorar baixinho.

Feyrith se levantou. Suas pernas estavam um pouco trêmulas e ele teve que se apoiar com uma das mãos na mesa. “Comandante Virion, se o General Bairon estiver correto, então nossa terra natal… a vasta maioria do povo élfico…” Ele fez uma pausa e respirou fundo. “Alguém tem que responder por esta atrocidade. Sabemos que os alacryanos são nossos inimigos, mas que prova temos de que os asuras ainda são nossos aliados?”

A raiva que subitamente tomou conta de Virion com a intrusão de Albold foi embora com a mesma rapidez. Ele acenou para Feyrith se sentar. “Eles têm sido desde o início, Feyrith. Não se esqueça de que eles nos salvaram da traição do Rei e da Rainha Greysunders. Eles guiaram o esforço de guerra nos primeiros dias, antes que soubéssemos contra o que estávamos lutando. Eles tentaram acabar com a guerra antes que ela começasse.”

“Essa é uma maneira estranha de dizer que eles nos traíram quando atacaram os Vritra pelas costas do Conselho, um ato que os forçou a um acordo para parar de nos ajudar totalmente e resultou na queda de Dicathen,” disse Curtis. Embora ele mantivesse a voz calma, as bochechas do príncipe ficaram vermelhas e ele estava olhando fixamente para Virion.

Virion acenou com o argumento de Curtis de lado. “Um ato que, se tivesse sido bem-sucedido, teria salvado Dicathen. Os líderes tomam decisões, Curtis, você sabe disso tão bem quanto eu, e nem todas essas decisões terminam da maneira que esperamos.”

Madame Astera se inclinou para frente, sua perna falsa estendida de forma não natural para um lado da cadeira. “Mas como os alacryanos fizeram isso, então? Se você está me dizendo que nosso inimigo tem o poder de varrer países inteiros, por que não fizeram isso antes? E que esperança temos de derrotá-los?”

Virion acenou com a cabeça. “Essa é uma pergunta melhor. Para a primeiro, ainda não sabemos, mas acho que podemos adivinhar o motivo de não fazê-lo antes. Afinal, eles queriam dominar Dicathen, não queimá-la até o chão.”

“E o que mudou?” Ela atirou de volta.

“De fato, o quê?” Virion disse, e eu não pude deixar de notar que ele nem mesmo tentou responder à pergunta.

“Estamos falando sobre a destruição completa de nossa casa!” Feyrith gritou, seus olhos grandes e furiosos saltando de Virion para Madame Astera e vice-versa. “Nada do que você está dizendo faz sentido! É como se você nem se importasse—”

O punho de Virion bateu na mesa, fazendo todos pularem. Boo se sentou e olhou por cima do meu ombro para o comandante.

“Não fale comigo como se eu fosse um espectador, garoto. Eu, também, sou um elfo! Aquele que acaba de perder o próprio país em que cresceu, pelo qual lutou duas guerras!”

“Escutem a si mesmos!” O rosto de Virion ficou selvagem e desesperado enquanto sua fachada calma rachou. “Como se ter um asura como inimigo não fosse ruim o suficiente, você quer ir para a guerra com todos os de Epheotus? Não, se os asuras fossem realmente nossos inimigos, então não temos chance de vencer esta guerra.”

A explosão de Virion foi recebida com um silêncio chocante. Eu não tinha certeza do que dizer ou mesmo o que pensar. Parecia mais que ele estava apenas esperando que os asuras não tivessem destruído Elenoir do que que ele tivesse descoberto qualquer tipo de prova…

Mas o que aconteceu? Eu tinha visto o asura, elevando-se muito acima da cidade e irradiando uma pressão tão forte que paralisou a todos, disparar uma rajada de mana que rasgou Eidelholm… mas poderia realmente ter sido forte o suficiente para destruir o país inteiro?

Eu balancei minha cabeça, embora ninguém estivesse olhando para mim. Eu estava  e nem mesmo sei o que aconteceu.

Apesar de suas palavras duras, quando o olhar de Virion viajou ao redor da sala, encontrando os olhos de todos por sua vez, sua expressão não era dura ou zangada, apenas cansada. “Mas temos que colocar a culpa onde é devida, não nos envolver em alguma caça às bruxas contra nossos aliados. Foram os alacryanos que nos atacaram e nos expulsaram de nossas casas. Foram os alacryanos que assassinaram nossos reis e rainhas do Conselho e colocaram nosso povo nas correntes. Foram os alacryanos que roubaram nossas terras e queimaram nossa floresta.

“Os asuras são agora nossa única esperança de recuperar Dicathen. Eles correram um grande risco para atacar os alacryanos em Elenoir, um ato que teria quebrado o controle de Agrona sobre nossa terra natal, mas os Vritra sabiam disso. Em vez de permitir que Elenoir fosse retomada, os Vritra a destruíram totalmente.”

O resto do conselho olhou com cautela para Virion. A pergunta de Albold e Feyrith ainda estava presa na minha cabeça. Mas como você sabe?

Como se estivesse lendo meus pensamentos, ele disse, “A anciã Rinia veio até mim com uma visão.” A voz de Virion era afiada e decidida, como se aquelas palavras explicassem tudo. “Ela me disse que os asuras de Epheotus viriam em nosso auxílio, mas que o Clã Vritra esperava que seu acordo fosse quebrado e voltaria o ataque contra nós. Ela disse que eles tentariam fazer parecer que os asuras eram nossos inimigos, mas não são.”

Até Bairon pareceu surpreso ao ouvir essa notícia. Curtis e Kathyln trocaram olhares, enquanto os elfos se apoiavam uns nos outros.

Madame Astera bufou, seu rosto velho se enrugando em um sorriso de escárnio. “A velha adivinha que afirma ter visto tudo isso vindo, mas nada fez para impedi-lo? É muito conveniente que sempre haja alguma visão que só aprendemos depois que é tarde demais para fazer qualquer coisa.”

Isso não é justo, eu queria dizer. Sem a vidente, Tessia, minha mãe e eu teríamos sido capturados pelos alacryanos há muito tempo. Mas eu mordi meu lábio e segurei porque Madame Astera não era a única que se sentia assim.

Era parte do motivo pelo qual a Anciã Rinia escolheu se isolar tão profundamente nas cavernas. Porque quando as pessoas descobriram o que a Anciã Rinia sabia – e o que ela poderia ter feito -, nunca mais olharam para ela da mesma forma.

Eu pensei – esperava – que Virion pudesse ficar chateado com Madame Astera, mas ele apenas balançou a cabeça e parecia ainda mais cansado. “Não é culpa dela, Astera, embora eu saiba que pode ser difícil confiar nela. Rinia tem se sacrificado muito para nos ajudar no que puder, e isso tem cobrado um preço terrível para ela.”

Percebi com uma pontada de culpa que tinha esquecido inteiramente esse aspecto das habilidades mágicas da Anciã Rinia; ela trocava sua própria força vital para ver nossos possíveis futuros. “Ela está bem?” Eu perguntei, minha voz soando muito baixa.

Virion segurou meu olhar por vários segundos antes de responder. “Ela está perto do fim de seu poder, eu temo.”

Madame Astera parecia não se importar menos com a saúde debilitada da Anciã Rinia, mas teve a boa graça de não compartilhar o que estava pensando.

Peguei a ponta solta de minha unha ao me lembrar de quando visitei a Anciã Rinia.

Ela parecia muito saudável para mim. Não duvidei das palavras de Virion, mas, ao mesmo tempo, tive dificuldade em imaginar a saúde da elfa idosa piorando tão rapidamente.

E o que ela estava procurando quando teve essa visão? Quando perguntei a ela sobre nossa missão, ela me deu um vago aviso sobre o custo ser mais do que Virion queria pagar. Eu pensei que ela estava falando sobre Tessia… mas ela já tinha visto o ataque asuran em Elenoir, e significava perder o país inteiro em vez disso? Mas se fosse esse o caso, por que ela não me disse mais na época? Ela acabou de ver mais tarde?

Odeio esse lixo de visões do futuro, pensei miseravelmente. Isso nunca fez sentido.

Decidi ir vê-la novamente e voltei minha atenção para a reunião, mas a reunião parecia ter acabado. Todos os outros pareciam tão pegos de surpresa pela dispensa repentina quanto eu.

Feyrith já estava ajudando a elfa a sair da sala, nervosamente contornando Boo, que ocupava a maior parte da porta. Virion estava tendo uma conversa sussurrada com Bairon, enquanto Curtis e Kathyln esperavam por uma palavra em particular com o Comandante.

Helen me ajudou a ficar de pé e me guiou em direção à porta.

“Obrigada,” eu disse agradecida.

Seguimos pelo corredor e passamos pela pesada aba de couro que servia de porta. Albold não estava em seu posto quando saímos, mas a outra guarda, Lenna, me deu um aceno firme enquanto passávamos.

As laterais de Boo arranharam as paredes do corredor atrás de nós, e ele teve que se espremer para passar pela porta. Meu vínculo me deu um grunhido resmungão miado quando ele finalmente conseguiu subir os degraus.

“Não olhe para mim. Eu disse para você esperar lá fora,” eu disse, esperando que ele me alcançasse. Quando ele o fez, enrosquei meus dedos em seu pelo denso e o deixei me apoiar enquanto caminhávamos.

“Eu sei que você não se sente assim, Ellie, mas… você fez bem,” disse Helen quando voltamos a conversar.

“Sim…” Você está certa, eu realmente não me sinto assim

“Uma coisa que eu realmente não entendo”, disse Helen, seu tom coloquial. “Como o Boo escapou? O pingente que Arthur deu a vocês trouxe vocês dois de volta?”

Eu não respondi de imediato. A verdade era que tudo depois que Aldir e Windsom apareceram em Elenoir foi uma espécie de borrão. Boo estava escondido na floresta ao redor de Eidelholm e deveria ter sido morto, mas… quando voltei para o santuário, ele estava bem ao meu lado.

“Ou você tem mantido essas habilidades poderosas e misteriosas em segredo de sua professora?” Ela perguntou, me dando um olhar de surpresa fingida.

Eu balancei minha cabeça, permitindo um leve sorriso. “Eu não acho que era o amuleto da fênix wyrm, e isso definitivamente não era algo que eu estava escondendo de todos. Para ser honesta, eu nunca realmente descobri que tipo de besta de mana ele é, então não temos certeza de quais são seus poderes.”

Ele gemeu atrás de nós. “Sim, estamos falando de você. Desde que voltamos, sempre que fico… estressada ou com um pouco de medo, ele simplesmente pula bem ao meu lado. Então deve ser assim que ele escapou. No entanto, ele tira minha própria mana e quase me matou com a reação…”

Os olhos de Helen se arregalaram até que suas sobrancelhas se ergueram fora de vista por trás da linha de seu cabelo. “De qualquer forma, eu acho que você é mais parecida com aquele seu irmão do que qualquer um já tenha dito.”

Desde Elenoir, eu sentia que havia um tipo de rachadura que percorria todo o meu interior, e ficava um pouco maior com cada coisa legal que alguém me dizia. Eu não me sentia como Arthur. Eu não era heróica, ou corajosa, ou talentosa, ou poderosa… se eu fosse, então poderia ter feito algo. Eu poderia ter resgatado Tessia, ou salvado aqueles elfos ou…

Arthur poderia tê-los impedido de destruir Elenoir? Eu pensei.

“Ei, olha pra mim.” Helen segurou meu queixo firmemente em sua mão e puxou minha cabeça para que nossos olhos se encontrassem. “Não se culpe por tudo que deu errado e não se recuse a aceitar onde você ajudou as coisas a darem certo. Sua missão – você, Ellie – salvou muitas pessoas.”

“Eu sei,” eu disse, mas as palavras saíram meio engasgadas quando minha garganta apertou e meus olhos começaram a transbordar de lágrimas. “Eu só – eu…”

Fiquei sem palavras. Os braços de Helen estavam em volta de mim e eu me deixei afundar nela. Cada soluço devastador enviou uma onda quente de dor por mim. O calor pesado de Boo pressionou contra minhas costas quando ele se juntou ao nosso abraço.

“Por que eu não levo você para conhecer algumas daquelas pessoas que você salvou?” Helen disse suavemente. “Lembre-se para o que tudo isso foi.”

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar