Participe do nosso novo grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx
Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação e veja os benefícios.

The Beginning After The End – Capítulo 466

A Ordem

POV SETH MILVIEW

Era um dia nublado, um bom dia para uma luta. Nuvens vermelhas profundas pairavam baixas no alto, como se estivessem carregadas de sangue prestes a derramar-se sobre nós. Mas é meu sangue ou dos meus inimigos? Eu me perguntei preguiçosamente, a mão apertada em torno do cabo da minha lâmina.

— Se-eth! Se-eth! Se-eth! — A multidão cantava, meu nome se tornando duas sílabas enquanto rugiam alto o suficiente para sacudir o solo sob meus pés.
Olhei através do campo de batalha para meu oponente. Seu cabelo fino e desgrenhado caía sobre a pele pálida, inchada e com um tom esverdeado. Parecia que ela havia se enrolado em um lençol velho, ou talvez em uma cortina, em vez de roupas. Ondas doentias de mana venenosa saíam dela, mas não me importei.
Eu não estava com medo. Nem um pouco. Não conseguia escapar da sensação de que deveria estar, mas com minha espada em punho e meu nome sendo cantado, era impossível ter medo de qualquer coisa.

Dando um sorriso vitorioso a Bivrae dos Três Mortos, eu andei em frente. Só que… meus pés não se moveram. Era como se estivesse enraizado no chão, presos firmemente. Minha mão agarrou a empunhadura da minha espada, que estava na bainha, mas a lâmina não se soltou. Eu puxei e puxei, mas foi inútil. Então, de repente e com uma certeza inegável, compreendi que iria morrer.

Meu corpo ficou congelado enquanto a mulher pesadelo corria pelo estádio em minha direção. Tentei gritar, mas o barulho engasgou em minha garganta. Mana se acumulou na atmosfera, crescendo cada vez mais até que…

Levantei-me em um salto e pisquei rapidamente por causa do suor que ardia em meus olhos. Grogue, olhei em volta, lutando para entender o que estava vendo.

O interior mal iluminado de uma habitação simples de um cômodo abria-se para um exterior sombreado pelo crepúsculo.

Pulei da cama áspera e peguei meus sapatos, calcei-os e corri para a porta.

— Seth, seu idiota, você caiu no sono! — Já haviam se passado longas semanas, talvez um pouco mais, não tinha certeza, desde o aparecimento do Soberano e o ataque. Eu só queria me deitar e fechar os olhos por um minuto, mas…

Olhando para o oeste, o sol já havia ido além das montanhas distantes. Eu dormi a tarde inteira!

Enquanto olhava em volta em busca de Lyra Dreide, uma carranca profunda apareceu em meu rosto. Algo estava errado. Todos haviam parado e estavam olhando para o sul. Meu próprio olhar seguiu o deles e de repente senti: mana, tanta mana que mal consegui entender. Aquilo desfaleceu e inchou, indo para frente e para trás, lançando um brilho rosa distante contra o céu crepuscular.

— Pelos chifres de Vritra, não pode ser uma batalha — disse uma jovem que eu não conhecia, a alguns metros à minha direita. Sentindo meu olhar, ela olhou de volta para mim. A cor havia sumido de seu rosto. — Que tipo de batalha poderia causar tal… tal… — Suas palavras foram sumindo enquanto lutava até mesmo para pensar em uma descrição apropriada para a sensação.

Então, todos nós, como um só, nos agachamos ou nos encolhemos, gritos ecoando pelo acampamento enquanto uma sombra caía sobre nós, fraca na luz pálida. Olhando para cima assustado, observei duas enormes feras reptilianas aladas voarem acima, deixando o acampamento para trás em um instante enquanto cortavam o ar em direção à batalha distante.

Engoli em seco e desenraizei meus pés, um eco do meu pesadelo acelerando momentaneamente meu pulso. Eu precisava encontrar Lyra ou Lady Seris!

Quando comecei a correr, a cena imóvel ao meu redor também descongelou e as pessoas correram para encontrar seus sangues — suas famílias — com alguns outros gritando por liderança e alguns se agrupando ansiosamente para discutir o evento. Mais de um, percebi com desconforto, observava a linha das árvores ao sul com expressões ansiosas que pareciam deslocadas diante do medo de todos os outros.

Eu não tinha corrido muito quando Lyra Dreide dobrou a esquina de um prédio maior, de tamanho familiar, com as sobrancelhas franzidas e uma expressão intensa enquanto observava os dragões se dissolverem em pontos distantes antes de serem escondidos pelo horizonte.

— Lady Lyra, algo está acontecendo — disse sem fôlego. — Uma batalha… nas Clareiras das Bestas.

Seus olhos vermelhos pousaram em mim e uma expressão estranha suavizou suas feições. Arrepios subiram pelos meus braços e pescoço, e dei um passo para trás.

— Venha comigo, Seth. — Ela disse com sua voz suave e uma espécie de… dor meio escondida por trás dela. Sem esperar por mim, ela passou em direção ao extremo sul do acampamento.

Lá, encontramos a maioria dos aldeões, aqueles que ficaram lá permanentemente e um grande número que só esteve lá por alguns dias a fim de ajudar a construir algumas casas novas, já reunidos e quase todos ainda olhando para o sul. Muitos se viraram para nos observar e alguns gritaram em resposta à aparição de Lyra.

— Retentora Lyra!

— O que é isso, o que está acontecendo?

— Um dragão! Eu vi um dragão!

— Alto Soberano Agrona finalmente chegou!

A multidão ficou em silêncio e todos os olhares se voltaram para a jovem soldado que gritou isso. Ela pareceu perceber seu erro imediatamente e se encolheu sob tanta atenção, a maior parte claramente hostil.

— Por favor, devo pedir a todos que tenham calma — disse Lyra, sua voz se projetando pela pequena cidade de modo que soasse para cada pessoa como se ela estivesse bem ao lado delas. — Não façam ou digam agora nada que possam se arrepender depois. Devemos confiar que os dragões estão nos protegendo como concordaram, até o momento em que nos derem motivos para duvidar.

— Onde está Lady Seris? — perguntou um homem com cabelo preto curto e barba levemente desgrenhada, saindo da multidão. — Certamente ela teria mais para nos contar do que isso!

— Sulla — disse Lyra, apaziguadoramente. — Compreendo o seu medo, mas independentemente do que esteja acontecendo no sul, não podemos entrar em pânico.

— Não estou sugerindo que entremos em pânico, mas talvez devêssemos fazer algo além de sentar aqui e esperar para sermos salvos. — Ele respondeu.

Olhei rapidamente entre eles, momentaneamente atordoado com a atitude dele antes de lembrar que Lyra não era mais uma Retentora, assim como Seris não era uma Foice. Elas se tornaram nossos iguais, mas isso não impediu que a maioria de nós as considerássemos nossas líderes. Em Alacrya, ela provavelmente teria arrancado a pele de seus ossos sem pensar, mas foi exatamente disso que trabalhamos tanto para escapar.

— Se parecer que o perigo é…

Caí de joelhos enquanto o mundo tremia. A pele das minhas costas queimava como se eu tivesse sido marcado, e uma presença… uma consciência que não era minha, envolta em um invólucro de poder, agarrou-se no espaço logo atrás dos meus olhos. Tentei olhar em volta e ver se era só eu, incerto se seria melhor assim ou não, mas não conseguia me concentrar, mal conseguia enxergar, como se um grosso cobertor de lã cinza tivesse sido puxado sobre meus olhos.

Então ouvi a voz e soube que não era só eu, porque ao meu redor as pessoas gritavam. O estrondoso barítono fez meus ossos tremerem de desespero, como se meu esqueleto quisesse abrir caminho para fora de mim e fugir. Mesmo que nunca tivesse ouvido aquela voz antes na minha vida, sabia imediatamente quem era.

— Filhos de Vritra — começou, estrondoso de forma que não poderia dizer se estava na minha cabeça ou explodindo no próprio ar —, vocês esperaram. Aguardaram pacientemente e agora sua longa espera chegou ao fim.

Minha visão retornou lentamente e vi dezenas de outros Alacryanos da mesma forma que eu. Como se tivesse sido forçado a me ajoelhar diante do próprio Alto Soberano, pensei descontroladamente. Alguns permaneceram de pé, cambaleando ou encostados em uma parede ou cerca, mas apenas Lyra parecia fisicamente inalterada. A maneira como ela se concentrou no horizonte, olhando cegamente para o nada, foi o suficiente para me dizer que ela também podia ouvir a voz.

— A hora chegou. A guerra começa de novo, e vocês serão o fio da lâmina que cortará as gargantas dos seus senhores dragões. Vocês levantarão suas armas mais uma vez e seus subjugadores se tornarão apenas poeira e sangue pisados ​​nas estradas em seu caminho para a vitória. Começando com aquele que te colocou aqui, que roubou sua força e sua liberdade.

Sem olhar para mim, a mão de Lyra agarrou minha camisa e me levantou desconfortavelmente. Sua mão continuou lá, presa no tecido como a garra de alguma besta de mana, enquanto a cor sumia de seu rosto.

— Encontrem Arthur Leywin. Encontrem a Lança que presunçosamente chamam de Godspell e tragam-na para mim. Vivo se você puder, mas seu núcleo também será o suficiente.

Como uma pedra caindo do céu, uma figura bateu no chão próximo, cabelos perolados esvoaçando em torno de seus chifres antes de cair sobre suas vestes de batalha pretas. Os olhos escuros de Seris percorreram a multidão, fixando-se em Lyra. Ela parecia sombria.

— Não ousem recusar-me.

Eu me encolhi tanto que poderia ter caído se não fosse pelo aperto de Lyra quando o mesmo homem de antes gritou para o céu. — Mas eu recuso! — Sua voz cortou o silêncio como o barulho de uma espada colidindo contra um escudo, então ficou lá, desconfortável.

— Sulla, fique em silêncio! — Seris sibilou, dando um passo em direção a ele e acenando para que se acalmasse.

Em vez disso, ele deu alguns passos para fora, virando-se para olhar para todos os outros.

— Não sei que magia é essa, mas ele só está tentando nos assustar! Pegar nossas lâminas e ir para a guerra? A maioria de nós fez tudo o que pôde para escapar do serviço eterno aos Vritra! Arriscamos nossas vidas! Lutar por ele agora? Não. Não, acho que não.

Avistei Enola avançando, o rosto determinado, claramente pronta para se juntar a ele, mas seu avô a pegou pelo pulso e a puxou para trás, repreendendo-a com tanta violência que até minha destemida colega de classe empalideceu e ficou quieta em resposta.

Todavia, outros avançaram para ficar ao lado de Sulla. Reconheci todos, mesmo que não os conhecesse individualmente. A maioria eram aqueles que lutaram ao lado de Seris em Alacrya como parte de sua rebelião, mas alguns que reconheci eram soldados. Entre eles estava o Sentinela, Baldur Vessere. Eu o conhecia muito bem, pois ele havia trabalhado próximo de Lyra, tendo se tornado um verdadeiro líder entre os soldados quando o Professor Grey — Arthur, lembrei a mim mesmo — encarregou Baldur de reunir as tropas após a rota em Blackbend City.

— Lauden, não! — Uma mulher sibilou, arrastando meu olhar confuso através da multidão até onde um homem estava se afastando de um casal mais velho (claramente seus pais, ele se parecia com eles) e caminhando orgulhosamente para se juntar à multidão crescente.

— Por favor, mãe. Chegamos até aqui. Já não desistimos de todo o poder que o nome Denoir já carregou? O abismo nos levou, mas foi a decisão certa, não foi? — Ele deu um tapinha no ombro de Sulla. — Não vou voltar atrás agora.

Lauden Denoir. Irmão de Lady Caera, reconheci vagamente, meus pensamentos se recusando a entrar em foco. Meu cérebro parecia estar sendo comprimido dentro do crânio.

— Parem! Fiquem quietos, em silêncio — ordenou Seris, de repente estridente, um pânico crescendo dentro dela que nunca tinha visto antes. Ao meu lado, Lyra estava tensa, a mão que segurava minha camisa tremia.

— Lady Seris, todos nós juramos pela sua causa em Alacrya — disse Sulla. — Não vou me intimidar com Agrona agora, nem nunca mais. Não enquanto eu… eu… — O suor escorria por seu rosto, ele fez uma careta quando as palavras pareciam lhe faltar. Uma mão começou a coçar suas costas e um terror crescente tomou conta de suas feições. De repente, ele estava se arranhando, grunhindo baixo no fundo da garganta, e todos os que estavam por perto recuaram, horrorizados.

Com olhos arregalados e horrorizados, ele olhou para Seris, mas ela balançava a cabeça.

— Sinto muito, Sulla… todos vocês. Eu sinto muito.

Sua camisa, que cobria suas runas, estava fumegando, um brilho emanando do tecido. Quando pegou fogo, queimando sua espinha, ele caiu de joelhos e gritou. Uma súbita rajada de vento negro levantou-o do chão, girando-o e jogando-o de volta no solo. Lâminas de vento e fogo brotaram de seu corpo, espalhando sangue na área circundante ao seu redor, depois giraram, eviscerando seu corpo e silenciando seus gritos agonizantes.

Tarde demais, me virei e fechei os olhos.

— Acalmem-se! — Seris gritou, ambas as mãos pressionando o ar ao seu redor como se pudesse sufocar o terror crescente. — Não respondam a ele! Não em voz alta, não em seus próprios pensamentos, continuem…

Alguém gritou e não pude deixar de olhar. Um dos que se juntaram a Sulla foi engolfado por chamas azuis, a pele escurecendo e os olhos virando geleia enquanto arranhava o chão.

A multidão gritou em uníssono e afastou-se ainda mais do pequeno grupo daqueles que tinham sido corajosos o suficiente para se levantarem e gritarem sua negação às ordens de Agrona.

Aterrorizado, tentei fazer o que Seris ordenou, sufocando meus próprios pensamentos. Sem querer, me aproximei de Lyra e seu braço envolveu meu ombro, puxando-me para perto.

Contudo, meus olhos se fixaram em uma pessoa. O irmão de Lady Caera, Lauden, estava tropeçando para trás da mancha carmesim que tinha sido o homem, Sulla. Estava manchado com o sangue de Sulla, mas seu rosto estava inexpressivo, confuso. Pensei vagamente que meu próprio rosto devia ser praticamente igual.

Ao lado dele, outra pessoa começou a morrer, suas runas acendendo e seus próprios feitiços destruindo-os por dentro. Os olhos de Lauden percorreram a multidão para encontrar sua mãe e seu pai. A mulher chorava abertamente, implorando ao marido enquanto ele a impedia de correr para o filho.

Meu estômago se apertou, contorcendo-se nauseantemente dentro de mim, mas não importa o quanto quisesse desviar o olhar, simplesmente não conseguia. Eu não podia.

Então assisti, envolto no conforto inesperado do braço de Lyra Dreide, enquanto as runas de Lauden Denoir explodiam, sua energia queimando sua camisa e a pele de suas costas. Mana jorrou dele como sangue de um wogart massacrado, borbulhando de seus pulmões e saindo pelo nariz e boca enquanto ele engasgava e se afogava. Uma veia em seu pescoço estourou, espirrando para fora, depois outra, então… então eu desviei o olhar, no último instante.

Por um momento, tive medo de que a mesma coisa estivesse acontecendo comigo, mas quando me senti mal, só a bile e meu almoço quase digerido surgiram, respingando no chão e em meus sapatos.

— Eu lhes dei o poder que possuem, então ele é meu. Trabalhem contra mim, seja em ação, palavra ou até mesmo em pensamento, e a magia que foi meu presente para vocês se tornará sua ruína. Esses primeiros poucos corajosos, por servirem de exemplo para vocês, pouparam seu sangue do mesmo destino, mas quaisquer outros que desobedecerem, condenarão suas mães, pais, filhos e filhas a compartilharem seu fim doloroso e horrível.

A voz ficou em silêncio, mas a presença ainda pressionava a parte inferior da minha coluna. Enquanto limpava a boca, olhei para cima, de volta à aldeia, e encontrei um par de olhos vermelhos sorridentes.

Parado como se estivesse petrificado, com a manga meio arrastada sobre os lábios e as costas curvadas enquanto tentava me endireitar, olhei para a Assombração. Perhata, lembrei-me. A mulher que subjugou um soberano.

Talvez percebendo minha angústia, Lyra também se virou, respirando fundo ao notar a mulher.

— Foice Seris! — Ela chamou com urgência, acidentalmente adquirindo o hábito de usar seu antigo título.

A multidão inteira desviou o olhar dos restos fumegantes daqueles que haviam morrido e se encolheram ao ver a Assombração espreitando atrás deles, seus lábios curvados em um sorriso malicioso, sua postura e expressão relaxadas, quase preguiçosas. A energia daquele momento formigou sob minha pele, arrepiando os cabelos da minha nuca. Não conseguia me lembrar de ter experimentado tanto medo.

Então Seris estava ao meu lado. Seus dedos roçaram meu ombro e foi como se ela me libertasse de algum feitiço. Levantei-me rapidamente e dei alguns passos para trás, pisando no meu próprio vômito enquanto tentava me esconder atrás de Lyra como uma criança.

— Eu te disse — cantarolou Perhata. Ela deu um passo saltitante à frente, seus olhos vermelhos profundos saltando de Seris para os cadáveres e depois voltando. — Esses são os soldados de Agrona, entendeu? E chegou a hora em que o Alto Soberano está pronto para fazer uso deles. A ordem foi dada e vocês marcharão, como eu disse antes. Ou… — Seu sorriso se aguçou, como uma adaga sendo afiada sobre uma pedra de amolar. — Leve-os para outro lugar, Seris. Diga-lhes para recusarem, para ficarem aqui, para fazerem qualquer coisa exceto exatamente o que ele ordena. Você sabe o que vai acontecer.

Olhei para Seris, sabendo que ela precisava encontrar uma maneira de contornar isso, superar isso. Ela precisava; caso contrário, para que serviria tudo isso?

Ao meu lado, Lyra se mexeu.

— Lady Seris…

A mão de Seris se ergueu, rápida como um chicote, ela se virou para olhar além de Lyra, para todos os outros reunidos ali, depois para leste e oeste, sem dúvida pensando nos milhares e milhares de Alacryanos nos outros acampamentos. Todos eles experimentaram a mesma coisa? Eu me perguntei em algum lugar no fundo da minha mente.

Finalmente, Seris falou.

— Reúna as armas e armaduras que temos. Nós… nós marcharemos para a guerra.


POV CAERA DENOIR

Alice colocou sobre a mesa uma tigela de ensopado de cogumelos, ainda fumegante e exalando um aroma rico de carne, e empurrou o prato de biscoitos recém-assados ​​para mais perto de mim.

— Por favor, coma, querida. Você e Ellie têm treinado tanto que me preocupo com você.

Não pude deixar de rir, mas foi mais um som de apreciação e admiração do que diversão.

— Obrigada, isso tem um cheiro maravilhoso.

E um sabor também. Era estranho que uma refeição tão simples pudesse parecer tão… completa, complexa e… caseira. Eu cresci com chefs particulares que ficavam felizes em preparar uma refeição totalmente separada para cada membro da minha família, mas já fazia muito tempo que algo tão simples como uma refeição não parecia especial como esta.

Ellie riu também, engolindo uma colherada de seu próprio ensopado, seu foco em algum lugar bem abaixo de nós.

— Falando nisso, você viu Gideon hoje? Ele queimou as sobrancelhas de novo! — Ela riu e derrubou ensopado na mesa, o que só a fez rir ainda mais quando Alice olhou carrancuda para ela.

— Eu sei, coitadinho — respondi, escondendo meu próprio sorriso atrás de uma mão com a colher cheia. — E ele estava indo tão bem também.

Alice tentou sorrir enquanto jogava uma toalha em Ellie para limpar sua bagunça, mas não parecia totalmente focada no momento, pensei que poderia adivinhar o porquê. Porém, não me intrometi e, ao invés disso, peguei uma colherada do meu jantar, soprando suavemente o caldo para esfriá-lo.

— Espero que Arthur esteja bem — disse ela, de qualquer forma nos convidando a entrar em seus pensamentos.

Coloquei a colher de volta na tigela sem provar o ensopado, então olhei nos olhos dela. Ela devolveu o olhar apenas por um momento antes de seus olhos se desviarem novamente, e senti uma culpa se contorcendo dentro de mim. Eu ainda não tinha contado a Ellie ou Alice sobre minha conversa com Arthur. Ele ficaria chateado em saber que Ellie tinha me convidado para jantar… embora talvez ainda mais por eu ter aceitado. Talvez tenha sido um momento de rebeldia, ou…

Não, eu disse a mim mesma em tom de repreensão. Você estava sozinha e aceitou um momento de gentileza, mesmo que não devesse, só isso.

— Ninguém é mais capaz de enfrentar o que está por vir do que Arthur — disse em voz alta. Quando Alice encontrou meus olhos novamente, foi minha vez de desviar o olhar, correndo para enfiar outra colher de ensopado na boca e me arrependendo instantaneamente quando o tecido sensível da minha língua queimou. — Hah — exalei, procurando por uma mudança de assunto. — De qualquer forma, fiquei surpresa quando Ellie me convidou para jantar. Achei que Arthur iria esconder vocês duas em algum cofre ou algo assim — disse, apenas meio provocante.

— Windsom deveria vir nos buscar hoje, mas até agora ele não foi encontrado em lugar nenhum — explicou Ellie, agindo como se não fosse grande coisa. O irmão dela, eu esperava, discordaria totalmente.

— Eu só… — Alice suspirou profundamente e empurrou sua tigela para longe antes de continuar com seu pensamento anterior como se não tivesse sido interrompida. — Eu sei que ele tem Sylvie e Regis, mas eles são… bem, são tão parte dele quanto seus próprios pensamentos, sabe? Eu me preocupo com ele estar sozinho.

Aquilo me pegou desprevenida, como um eco dos meus próprios pensamentos de apenas um minuto antes. Limpei a garganta e enxuguei os lábios com um guardanapo, sem saber como responder.

— É que o mundo o colocou neste pedestal. — Alice olhou não diretamente para o vapor que lentamente saía da minha tigela. — E ele está tão lá em cima, e sem ninguém para lhe fazer companhia. Ninguém que o compreenda, que possa lhe oferecer companhia. Não de verdade.

Refleti sobre suas palavras, pensando se eu — ou qualquer pessoa, aliás — poderia ser essa companhia. Ou eu era apenas um dos muitos olhando para ele naquele pedestal?

Depois de um momento de silêncio, abri a boca para lhe oferecer palavras de consolo que ainda não havia decidido, mas tudo o que saiu foi um suspiro entrecortado. Um calor se espalhou pelas minhas runas e minha mana parecia latejar e inchar, apenas parcialmente controlada.

Então ouvi a voz violadora.

— Filhos de Vritra, vocês esperaram. Aguardaram pacientemente e agora sua longa espera chegou ao fim.

Meus olhos se abriram e olhei horrorizada para Alice e Ellie. Ambas olharam de volta, refletindo apenas uma confusão crescente. Empurrando minha cadeira para longe da mesa, cambaleei em direção à porta da sala de estar, mas à medida que a voz ganhou força, meu controle pareceu enfraquecer e mal consegui chegar à abertura antes de desabar contra a moldura, olhando através do espaço como se eu estivesse vendo o rosto de Agrona em uma projeção, seu rosto zombeteiro e sorridente olhando para mim enquanto ele continuava explicando tudo.

— Não, não, isso não é possível. Eu não vou… não posso! — engasguei, avançando em direção à porta da frente.

Uma forma marrom volumosa apareceu diante de mim e bati na parede peluda, caindo de costas, apenas parcialmente entendendo. A criatura que se assemelhava a um urso soltou um rosnado baixo e perigoso enquanto pairava acima de mim.

— Boo! — Ellie gritou, horrorizada. — O que você está…

— Encontrem Arthur Leywin. Encontrem a Lança que presunçosamente chamam de Godspell e tragam-na para mim. Vivo se puder, mas seu núcleo também será suficiente. Não ousem recusar-me.

— Arthur… — grunhi. Ele sabia, mas como? Como ele poderia ter previsto isso? — Eu tenho que… sair daqui — disse, olhando para os olhos escuros, úmidos e redondos. — Mas não farei isso. Não vou. Eu recuso. Eu prefiro morrer.

— C-Caera? — Ellie gaguejou, pairando acima e atrás de mim. Quase pude sentir suas mãos estendidas em minha direção, congeladas e fora de alcance. — O que está acontecendo?

Com os dentes cerrados, tentei explicar, mas uma onda repentina de dor e poder das minhas runas dividiu as palavras em um grito. Eu me joguei de costas, me contorcendo. Alice agarrou Ellie e puxou-a para longe, Boo rugiu e saltou sobre mim, colocando-se entre os Leywin e o meu corpo.

Meu corpo… mas era meu mesmo? Ou meu sangue Virtra fez dele o corpo de Agrona? Era sequer um corpo agora? Ou ele me transformou em uma arma, uma bomba? E eu tinha me plantado exatamente onde não deveria estar. Eu teria amaldiçoado se pudesse dizer ao menos uma palavra em meio à dor.

Minha mente passou por meu sangue adotivo — minha família — e esperava além da esperança que estivessem bem, mas mesmo esse pensamento foi engolido quando o vento começou a soprar ao meu redor, virando meu corpo e então me levantando e me batendo contra a parede. Patas pesadas me prenderam no chão, os dentes à mostra em meu rosto. Senti uma lâmina de vento cortar uma linha em minha bochecha.

— Corram! — engasguei, esfarrapada e desesperada. — P-por favor, vocês precisam…

Mãos pequenas agarraram as minhas e olhei para ver Ellie ajoelhada ao meu lado, lágrimas escorrendo despercebidas por seu rosto.

— Agrona… ele sabe… procurando por Arthur… usando os Alacryanos que já estão em Dicathen… — gaguejei, lutando para pronunciar cada palavra. — Minhas runas… usando minhas runas…

A presença de Ellie era como um bálsamo refrescante contra minha pele em chamas, mas quando olhei para ela, uma lâmina de vento atingiu seu antebraço. Ela estremeceu e eu tentei me libertar, mas não tive forças.

Fechei os olhos, sentindo as lágrimas escorrendo pelo meu rosto agora. Eu precisava que ela entendesse, precisava que todos corressem.

Não serei eu a razão pela qual Arthur perderá a família, pensei desesperadamente. Não depois do que aconteceu, das coisas que ele disse. Não posso.

Então… Ellie estava lá, não apenas com sua presença física, mas com sua mana, empurrando-a para dentro de mim. Estava alcançando a minha própria mana, acalmando-a e acalmando a tempestade dentro de mim. Aquilo atirou de volta para ela, sua agitação controlada, mas não reprimida. Sua forma mágica era uma peça mágica maravilhosa, mas essa adolescente não conseguia se igualar ao poder do próprio Agrona Vritra e esperar derrotá-lo. Eu sabia muito bem disso.

A forma mágica! Minha mente vacilou, meus pensamentos estavam apenas parcialmente conectados uns aos outros.

Minhas runas Alacryanas estavam engolindo minha mana, ativando e liberando seus feitiços reprimidos contra meu corpo, mas a forma mágica que recebi em Dicathen estava adormecida, à vontade…

Enquanto Ellie lutava para controlar a mana autodestrutiva, abri meu núcleo e empurrei o máximo de mana que pude controlar, inundei a forma mágica e Alice ofegou. Abri os olhos para ver chamas fantasmagóricas dançando pelo meu corpo. Alice recuou mesmo quando a mandíbula de Boo alcançou minha garganta.

— Boo, não! — Ellie gritou e a criatura hesitou.

— Essas… chamas… não vão doer… — engasguei, mas não consegui falar mais do que isso.

Embora tivesse praticado constantemente com a nova forma de feitiço durante semanas, agora as chamas se espalhavam ao meu redor e pelo chão sem direção. A sala desapareceu abaixo delas, então éramos apenas eu, Alice, Ellie e Boo, amontoados em meio a um incêndio sem calor. E… parte da tensão diminuiu com menos mana sendo puxada para minhas outras runas.

O vento puxou meu calcanhar e minha perna dobrou de forma anormal com um som de rasgo e estalo que fez com que a bile subisse até o fundo da minha garganta. As chamas diminuíram e o vento explodiu, jogando Ellie para trás. O resto dos meus ossos rangeram quando Boo pressionou seu peso com mais força, prendendo-me no chão enquanto os ventos fortes tentavam me despedaçar.

Lutei contra a dor, continuei canalizando mana para a nova forma de feitiço, então mãos quentes pressionaram meu rosto e pescoço, um brilho prateado me inundou e magia de cura se derramou através de mim. A agonia em minhas costas e pernas esfriou. Ellie estava lá mais uma vez, sua vontade surgindo contra a maldição se ativando dentro de mim, contra a força das minhas próprias runas tentando me despedaçar.

Mais mana inundou-se como fogo fantasmagórico, queimando tudo. Desesperada e sem opções, ativei a pulseira de prata também, enviando as finas pontas de prata para pairar ao redor de todos nós, imbuindo-as com toda a mana que minha consciência desfocada poderia capturar.

E à medida que meu núcleo se esvaziava, senti os dedos exploradores de mana pura de Ellie se fortalecerem e apertarem. Ela estava assumindo o controle, segurando minha mana enquanto eu a esgotava, tirando desse ataque o combustível necessário.

Minha perna se mexeu e estalou quando voltou ao lugar. Um corte sangrento no meu quadril que não tinha percebido estava selado. Meu núcleo doeu quando esmaguei até a última partícula de minha própria mana nativa.

Com a mesma rapidez com que o ataque começou, ele cessou e meu corpo foi purificado de qualquer mal que o estivesse causando.

Ellie e Alice continuaram trabalhando, garantindo que meu corpo estivesse curado e que o pouco de mana remanescente em minhas veias permanecesse sob controle, então Boo recuou, tirando as patas de mim. Minha clavícula se fundiu novamente e cicatrizou sob o toque de Alice.

Minutos se passaram enquanto estávamos todas deitadas, sem fôlego e encharcadas de suor, antes de Alice quebrar o silêncio.

— Caera, você está bem?

Eu apenas murmurei minha resposta afirmativa, sem ter certeza de quão “bem” eu realmente poderia estar.

Ela engoliu em seco e olhou para Ellie antes de continuar.

— Você… bem, você disse… algo sobre Arthur.

Eu enrijeci de repente quando a voz de Agrona mais uma vez encheu minha mente.

— Eu lhes dei o poder que possuem, então ele é meu. Trabalhem contra mim, seja em ação, palavra ou até mesmo em pensamento, e a magia que foi meu presente para vocês se tornará sua ruína. Esses primeiros poucos corajosos, por servirem de exemplo para vocês, pouparam seu sangue do mesmo destino, mas quaisquer outros que desobedecerem, condenarão suas mães, pais, filhos e filhas a compartilharem seu fim doloroso e horrível.

— Não, por Vritra, não… — Corbett, Lenora, Lauden e os outros. Estavam todos em perigo. Por minha causa.

Lutei para me sentar, mas Alice pressionou a mão no meu ombro.

— Descanse, Caera. Você precisa…

— Vajrakor — grunhi, afastando a mão dela e continuando a lutar para levantar. — Eu tenho que avisar os dragões. Eles devem saber.

Alice piscou surpresa, mas Ellie se levantou e pegou minha mão, colocando-me de pé.

— Eu irei com você.

— Todos nós iremos — disse Alice com firmeza, uma expressão de amor feroz e protetor endurecendo suas feições. Sem esperar permissão ou mesmo compreensão, ela se dirigiu para a porta.

Tropecei atrás dela, Ellie ajudando a me apoiar.

Todo o meu corpo protestou contra o movimento, mas comecei a correr atrás de Alice, através dos corredores labirínticos do Instituto Earthborn, até a cidade de Vildorial e subindo a longa estrada até Lodenhold, o palácio dos anões.

Meu coração afundou quando encontramos os corredores externos cheios de anões sussurrando nervosamente. Ninguém nos parou mesmo quando entramos na sala do trono.

Estava vazio. Os dragões se foram.


Gostaria de ter sua novel favorita em PDF ou algum outro formato digital para ler offline?? ACESSE AQUI e saiba como!!

Comentários

4.9 18 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
48 Comentários
Mais recente
Mais Antigo Mais votado
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Senor del Café
Visitante
Senor del Café
26 dias atrás
Resposta para  BanKai

vlw pelo cap

Lukas
Visitante
Lukas
25 dias atrás
Resposta para  BanKai

Muito obrigado pelo cap, meu amigo

Mathh_01
Visitante
Mathh_01
16 dias atrás

Hahahahahaha, se alg soldado do agrona encostar um mísero dedo na Ellie ou na Alice, o Arthur vai ativar a destruição, matar todo mundo e viver nas relictumbs com sua família

Wesley Almeida
Visitante
Wesley Almeida
19 dias atrás

É O Arthur deveria te selado o poder dos antigos povo do agrona ou tentando remover o controle ou a ligação deles com agrona já que em uma semana dava pra pelo menos tem cotado a ligação dos mais forte com o Agrona 🤔 , o Arthur pode ficar muitos dias sem dormir 🤔

Enderman.mp4D
Membro
Enderman.mp4
7 dias atrás
Resposta para  Wesley Almeida

Se não me engano ele pode ficar mais de 1 semana sem dormir de boassa.

caio souza
Membro
caio souza
19 dias atrás

Esperando o tio turtle lançar um novo cap

Dcouto
Visitante
Dcouto
21 dias atrás

Oooooo galera, o botão de “próximo” sumiu aqui. Oque eu faço agora?, vai me dizer que tenho q esperar

Sanji
Visitante
Sanji
22 dias atrás

Eu esperava que ela explodisse, tá querendo pega o lugar da elfa

GutoD
Membro
Guto
22 dias atrás
Resposta para  Sanji

Tomara que a elfa morra. Caera é muito superior a elfa burra até quando tá sendo controlada pelo Agrona

Wesley Almeida
Visitante
Wesley Almeida
19 dias atrás
Resposta para  Sanji

Eu Sou mais ela a Elfa já não tem salvação 😂😂😂

Hery
Membro
Hery
23 dias atrás

Primeira vez que não encontro o botão para o próximo capítulo…

Senor del Café
Visitante
Senor del Café
21 dias atrás
Resposta para  Hery

Eh amigo.. bem vindo ao clube dos que acessa todo dia a página pra ver se saiu novo cap

Antônio Icaro
Visitante
Antônio Icaro
23 dias atrás

Eu achei q o tutleME ia matar a Alice nesse cap 🥲🥲

mercyD
Membro
mercy
24 dias atrás

…,,,nm,nm,nm,

Millies S2
Membro
Millies S2
24 dias atrás

Mas lembrando que o motivo pra Caera está com Alice e Eli foi pura conveniência de roteiro ou pra os mais íntimos Destino.

Ksdkks entendo que vc precisa de umas conveniência pra a história seguir mas quero umas explicações as vezes do por que o personagem está em um local específico

Noite
Visitante
Noite
2 horas atrás
Resposta para  Millies S2

Ela foi rejeitada pelo art e por conta disso foi se despedir da família dele ou coisa do tipo, parece bem merda mas nem li o capítulo ainda e to tentando pensar em algo tirando informações do cu.
Mas na minha cabeça isso faz sentido, ela simplesmente quis ver a Alice e a Ellie

CHiHIRO
Membro
CHiHIRO
24 dias atrás

Já quero mais capítulos kkkkk

Victor Arthur
Membro
Victor Arthur
25 dias atrás

The Beginning After The End provando o porquê de ser uma das maiores e melhores light noveis de todos os tempos, que sequência de capítulos! Senhoras e senhores! Capítulo incrível, a guerra avança!
Agora que a questão da “maldição” do sangue Vritra deu as caras, abre o questionamento: Será que a Cecília foi corrompida da mesma forma que os alacryanos? O que impediria ela de tornar-se contra o Alto Soberano futuramente, o que deu a entender é que o Nico estaria disposto a trabalhar com o Arthur, se a Cecília fosse salva no processo. E pelo que parece o Nico após perder seu núcleo: A “idolatria” que ele tinha pelo Agrona perdeu força, será que o Agrona fez algo semelhante nos reencarnados? Principalmente na Cecília que está cegamente seguindo as ordens de Agrona; Logo, se for o caso, Nico poderia pedir ajuda do Arthur e da Ellie, se descobrir que foi possível “quebrar” a maldição imposta pelo sangue Vritra.
O que eu preciso comentar é a sequência de capítulos envolvendos diferentes núcleos de personagens, é incrível. Os dragôes revelando sua natureza mesquinha, percebendo que sua auto-proclamada divindade está em risco pelas mãos das cobras traidoras do Clâ Vritra. Agora, que Agrona mostrou seu jogo, temos que ver se o Rei dos Dragões irá mostrar suas garras.
E uma coisa que foi comentada e eu que pensei ser uma hipótese interessante: Seria possível o KI ser a peça que falta na compreensão do Destino? O Oludari comentou que os Vritras são loucos por qualquer tipo de conhecimento referente a magia, isso me lembra muito o Odin, os Aesires eram uma raça de deuses guerreiros, e Odin sempre foi psicótico e compulsivo por conhecer novas magias, profécias etc. Seria Agrona um paralelo ao “pai de todos”? No quesito nomenclatura: Alto Soberano, todos pertencentes ao seu sangue, como uma relação de família, não diretamente expressando a ideia de paternidade, mas de forma indireta, daria entender que Agrona quando trouxe os reencarnados, esperava não apenas ter o Legado para sí, mas, também trazer os conhecimentos de KI, uma nova forma de magia, diferente e nova, algo que nem os próprios dragões poderiam controlar.

Lukas
Visitante
Lukas
25 dias atrás
Resposta para  Victor Arthur

Interessante, mas fico me perguntando como ele conseguiria usar KI se no mundo onde eles estão só possui mana (em abundância) e éter na atmosfera. Pensando um pouco, será que KI é uma energia interna? Como uma alma. Não sei. Não sabemos como o KI funcionava na Terra, mas acredito que seria parecido com a mana na forma de usar. Enfim, ansiosíssimo para o próximo capitulo. Vamos ver quais serão as próximas desgraças no mundo do nosso menino Arthur (que aliás está numa pegada Grey no último capitulo que ele apareceu).

Laio KentD
Membro
Laio Kent
25 dias atrás
Resposta para  Victor Arthur

Com certeza foi, e se não mais corrompida por Agrona, mas é óbvio que bem disfarçado.

Agora sobre o psicose de conhecimento de Agrona é análogo à Odin e os Wraiths como einherjar, enquanto os indrath parecem um monte Olimpo, embora Kezess goste de tomar distância, e Agrona não é guerreiro.

Agora quanto ao KI neste mundo não chega a ser viável, mas sim o controle da mana de formas impossíveis, não apenas ao controle fisico, mas metafisico. Talvez pelo limite que o conhecimento racional possui, só com a razão não se explica tudo, mas também pelo mito, mesmo não deixando de lado a necessidade de se aprofundar na natureza das coisas.

Sim, Agrona mostrou seu jogo, é capaz de influenciar a mana dos lacaios a distância, mas pode ser confrontado por um controle mais específico. Parece ser uma sobrecarga ativada em certas condições. Mas só funciona em mana tipo decadência. Ou seja, aquelas runas de Alacrias são uma lembranca de forma mágica, que por sua vez lembra da mana que deu origem. Isso explica porque não funcionou na nova runa de Caera, nem na Ellie.

Fora os outros tipos de magia: éter, destino, caos primordial.

Última edição 25 dias atrás por Laio Kent
ꓷၜȋၜꓓD
Membro
ꓷၜȋၜꓓ
22 dias atrás
Resposta para  Victor Arthur

Esquece ajuda de Nico, ele é tão filhodaputa quanto Cecilia, ele quem reativou os portais para dar inicio a Guerra novamente.

Kiyo Cosmos
Visitante
Kiyo Cosmos
25 dias atrás

Esse capitulo provou mais uma vez q Caera é melhor q Tessia.
Caera estava disposta a morrer so pra salva o Art e sua familia, enquanto Tessia q teve a oportunidade de matar Cecilia e salvar o mundo, decidiu nao faze-lo.

Tessia é egoista.
Caera>>>>>Tessia

Art
Visitante
Art
25 dias atrás
Resposta para  Kiyo Cosmos

Acho que tu chapou um pouco, ela não queria trair Arthur e por isso foi contra agrona e por isso seria morta, e a tess não matou a Cecília por causa da promessa que ela fez pro Arthur, Mas depois de ver claramente o problema que Cecília era, mesmo ela querendo viver e podendo ela tenta colocar Cecília em riscos de morte. A caera já iria morrer de qualquer forma, ela nunca iria escutar agrona e então ela só pediu para família do art fugir. (Além de que nem o próprio art consegue matar a Cecília por conta da tess)

Kiyo Cosmos
Visitante
Kiyo Cosmos
21 dias atrás
Resposta para  Art

Caera negou Agrona, ela nao queria ser uma peça pra atigir o Art.
Ela nao estava destinada a morrer, ela ia morrer pq negou agrona.

Millies S2
Membro
Millies S2
24 dias atrás
Resposta para  Kiyo Cosmos

Realmente ela e egoísta, mas ser egoísta não e necessariamente ruim, quem no mundo prefere morrer pelos outros? Ela não e um messias não amigo. Mas realmente prefiro Caera, muito mais divertida

Kiyo Cosmos
Visitante
Kiyo Cosmos
21 dias atrás
Resposta para  Millies S2

Arthur fez isso por ela no final do volume 7.

Ryomen Sukuna
Visitante
Ryomen Sukuna
25 dias atrás

Agrotóxico está usando a Cecilia e o portal para o reino dos asuras como um desface pros dragões desviar o olhar dos alacryanos, enquanto os usas para ir atrás de Arthur.

Marcos Vinícios de Moraes
Membro
Marcos Vinícios de Moraes
26 dias atrás

Acabei de ler então esta muito cedo para formular algo. Mas observando os ultimos dialogos Lyra com Arthur e os avisos deste a Caera. Acredito que Arthur tenha desenvolvido uma contramedida em conluio com Seris, afinal são os dois contrapontos estretégicos do lado de cá contra Agrona.

SunnyD
Membro
Sunny
26 dias atrás

Complicado

Wanzita
Visitante
Wanzita
26 dias atrás

Quando saiu do pov do Seth eu já tinha previsto a merda acontecendo com a Caera e depois pensei que a regalia ela que ganhou em Dicathen poderia a ajudar, mas saiu meio… precoce esse pendamento. Imaginava, sei lá, algo que daria um buff na mente dela – pega o exemplo do gambito do rei, mas não totalmente ele – e ai não sofreria do controle do Agrona e de alguma forma ainda ser útil em batalha.

Pensei rápido, no desespero, e logo voltei e emergir no capítulo. Eu definitivamente não esperava que a Ellie fosse a heroína da Caera no final. Olha ai ela salvando a cunhada, que lindo. A Ellie tem uma skill muito roubada, só falta ela ter poder bruto mesmo.

Wesley Almeida
Visitante
Wesley Almeida
19 dias atrás
Resposta para  Wanzita

Verdade mana 😎👏 .Wanzita eu também sou infinitamente mais caera 💯♥️♥️♥️♥️♥️♥️♥️♥️♥️♥️♥️♥️♥️🤗❤️😇😎👏

himurahiunD
Membro
himurahiun
26 dias atrás

é glr fudeo

David
Visitante
David
26 dias atrás

O cara há 3 capítulos atrás se pergunta do porquê o Agrona sempre parece estar vários passos a sua frente e nesse capítulo ele descobre o controle do vilão sobre seus habitantes. Que foda. Será que agora o irmão de Caera foi de caixa mesmo? Veremos nos próximos episódios.

Lukas
Visitante
Lukas
25 dias atrás
Resposta para  David

Acho que sim, mano. Lauden é o irmão dela, né? Lá em cima descreveu a morte dele (horrível, por sinal. Tive até dor só de imaginar a cena).

Laio KentD
Membro
Laio Kent
26 dias atrás

Transformar rebelião do pessoal em decadência contra eles mesmos… Agrona tem de cair… eu não entendo, com trocentos guerreiros porque ele iria precisar dos refugiados?Eles são o “soldado ferido” e “aquele que faz coisas ruins por bons motivos”. Só resta saber onde “o melhor nem sempre é o certo”.
Poxa, os dragões se superaram , nem pra deixar umzinho pra dar recado. E Mordain, o que vai fazer?
E Ellie, ela conseguiu controlar mana dentro de Caera? Um ótimo avanço de paradigma, muito bom, Caera se safou, mas e Arthur, tudo está de acordo com suas previsões, se ele salvar os refugiados também conseguirá salva Tessia. Só resta saber se a pedra nº 4 venha a calhar. Mas se Seris, Lira ou Seth – tomara que não – morrer, ele vai usar as lagrimas para salva-los?

himurahiunD
Membro
himurahiun
26 dias atrás
Resposta para  Laio Kent

1 pq o Agrona é um fdp do krl, talvez seja só pra demonstrar q ele pudia ter acabado com eles o tempo todo
2 a ellie ja pudia meio que transferir mana a vontade antes, o q aconteceu agr é q ela além de transferir meio que segurou? ajudou no controle mas controlar é uma palavra mt forte, aí só Cecília
3 ele conseguindo a pedra do destino provavelmente conserta a maioria das cagadas, impossível que volte a acontecer tanta merda com ele quanto na época q ele foi parar nas relictombs
4 ele ainda tem mais 2 pérolas e pelo visto cada uma delas vai ter um uso importante, pq aquele velho lá previu, a partir disso aquele fenix lá é importante pq além de ser companheiro do arthur tem um baita potencial pra poder ajudar mt na história, agora seth eu acho difícil

Victor Arthur
Membro
Victor Arthur
25 dias atrás
Resposta para  Laio Kent

Provavelmente, pelo quesito localização, Agrona deve querer usar os refugiados, porque crê que eles devem saber o paradeiro do Arthur, tendo em mente que o Arthur possa ter contado a eles o plano como um todo.

ꓷၜȋၜꓓD
Membro
ꓷၜȋၜꓓ
22 dias atrás
Resposta para  Laio Kent

Bom.. TM disse que o(a) Insight/Habilidade contida dentro da 4° Pedra-Angular seria bastante OP.. então temos que aguardar pra ver o foco voltar ao Art para ver ele desbloqueando 🧘 ..

CHINIT
Visitante
CHINIT
26 dias atrás

Parece que é inevitável um grande derramamento de sangue ocorrer. Pra alegria de muitos, aparentemente a Caera conseguiu se safar das mãos do Agronegócio.

Senor del Café
Visitante
Senor del Café
26 dias atrás

Galera.. KD nosso Prota?? Arthur tava certo previu esse movimento do Agrona, só não entendi pq não alertou ninguém sobre isso, mas ok. ESSES DRAGÕES SÃO MT FDP, na hora que a Fenda tá em indo de vala eles correm tudo pra lá e Dicathen que se foda!! Sinto que a Lyra vai de vala, n sei pq.
Previsões pro next cap:
Dicathen vai levar uma surra, Nico e Dragoth, vão ser flanqueados pelos Alacryanos refugiados, As Lanças vão segurar até o ultimo momento e o cap encerra com o local do Arthur descoberto. E alguém importante vai morrer

himurahiunD
Membro
himurahiun
26 dias atrás
Resposta para  Senor del Café

o cara provavelmente acertou 80% da previsão slk, agr ele não sabia exatamente o problema das runas até onde eu sei e alertou geral da invasão, até duvidaram, e se ele soubesse ele não ia falar do msm jeito provavelmente presença de algm de alacrya

Victor Arthur
Membro
Victor Arthur
25 dias atrás
Resposta para  Senor del Café

Baita previsão, mas, eu acho que não será tão rápida a descoberta assim. Tudo bem que as tropas de Alacrya estão pertos da muralha, mesmo assim, creio que teremos primeiro uma movimentação vinda dos Dragôes, se a Fenda for fechada, a terra deles morrem, eles vão usar tudo o possível para evitar que isso aconteça, creio que será um capítulo de luta entre dragôes vs assombrações e inquisidores, enquanto as tropas alacryanas irão caçar o Arthur por Dicathen inteira. Talvez, eu penso que a Seris irá fazer algum plano para tentar prejudicar nessa procura, sei lá, já que as mortes devem começar cedo, e se a Seris usar a maldição do sangue Vritra contra ele próprio? Se sacrificando para explodir as tropas ou os portais. A magia de void dela numa explosão em altas escalas pode ser perigosa.

ꓷၜȋၜꓓD
Membro
ꓷၜȋၜꓓ
22 dias atrás
Resposta para  Senor del Café

Cara ninguém sabe aonde o Arthur está, nem a própria Ellie. E ele escondeu completamente a assinatura da Sylvie com o Etér, e a única que pode “tentar” conseguir localizar o Arthur é a Cecilia, mas ela ta do outro lado da Fenda e tem que lidar com os Dragões tentando toma-la de volta.. E quem está responsável de procurar por Arthur não tem esse controle enorme de mana, nem o próprio Agrona tem rs.

Alpha
Visitante
Alpha
26 dias atrás

First, cara com isso a gente percebe como q o arthur é um gênio, e com o combo do gambito do rei ele é imparável, o cara previu q agrona ia controlar os alacyanos, mas fico triste q muitos alacyanos vao morrer em vao, e to sentindo a morte de seris e lyra vindo ai, mas to sentindo q assim q o exercito chegar no arthur, a fera vai acordar

Última edição 26 dias atrás por Alpha
CHINIT
Visitante
CHINIT
26 dias atrás
Resposta para  Alpha

Na verdade, em parte, foi graças ao esforço da Lyra ao informá-lo sobre o que a Perhata havia dito. Mas a frieza que ele assumiu, ao prever que isso poderia acontecer, foi realmente digno de elogios.

David
Visitante
David
26 dias atrás
Resposta para  Alpha

Não acho que a Seris vá morrer agora não. Foi praticamente ela quem transformou o Arthur no que ele é hoje. E o próprio mesmo já disse que não é páreo para o Agrona e nem pro Indrath. Ele ainda precisa da engenhosidade da Seris.

himurahiunD
Membro
himurahiun
26 dias atrás
Resposta para  David

tu tem um ponto e ela ainda disse que ia pra guerra, então talvez não morra tão rápido mas pelo tanto de gente q ja morreu n duvido nada da Seris ir junto, isso ta quase um akame ga kill 2.0

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar