The Book Eating Magician – Capítulo 114

Recompensa da Árvore do Mundo #3

O clima ficou mais relaxado depois das primeiras bebidas. No início, os magos tinham dificuldade em falar, mas logo suas bocas começaram a se abrir sob o poder do álcool, e os elfos superiores mostraram interesse em suas palavras.

Alucard mostrava interesse em um mago da Torre Amarela falando sobre o cultivo de cogumelos, enquanto as orelhas da Lumia se agitavam curiosamente ao ouvir as conversas entre os humanos. Naia ainda estava cochilando, mas perguntava ocasionalmente sobre assuntos que tinha interesse.

Entre eles, Alisa era a elfa superior mais ativa.

– “Ei, por que você está usando uma máscara hoje? Você esperava um baile de máscaras ou algo assim? Ou é por outro motivo?”

– “É por causa de um assunto pessoal.”

– “Entendi. Então você poderia me mostrar? Ou me dizer o motivo! Minha natureza curiosa não vai deixar passar até eu descobrir.”

– “Parece que sim.”

– “Eh.

Ela parecia estar interessada no Orta, enquanto a tagarelice continuava. De certo modo, ambos eram difíceis de se aproximar, então a área ao redor deles estava quieta.

Além disso, havia muitos elfos superiores para os magos conversarem, e o personagem principal desse banquete estava sentado em outro lugar. Theodore, o jovem que liderou a missão contra o monstro lendário Laevateinn e criou a oportunidade para esta missão em Elvenheim… merecia estar no centro deste banquete.

‘…A propósito, o que está acontecendo?’ No entanto, Theo estava em uma situação inesperadamente complicada.

À sua esquerda, estava a Ellenoa…

– “Theodore! Esta fruta chamada Zaoyan é deliciosa. É uma fruta rara da floresta do Norte, mas é uma iguaria famosa de Elvenheim, então você definitivamente tem que experimentar.”

– “O-Obrigado.”

À sua direita, estava a Sylvia…

– “Theo, dê uma mordida nisso. Eu polvilhei alguns temperos, ficou bem mais saboroso.”

– “E-Espere um minuto.”

– “O que? Ah, é por causa da casca. Eu vou remover, então espere um minuto. Se eu passar a lâmina aqui…!”

Não havia espaço para o Theodore parar essa situação. Ele não sabia quem começou, mas a competição ficou cada vez mais acirrada, enquanto isso ele não podia recusar e comia uma pilha de comida. Incapaz de ignorar a aparência daqueles dois pares de olhos, Theodore continuou mastigando.

Tinha tigelas vazias amontoadas diante dos três e o peso do seu estômago estava ficando cada vez mais perigoso.

‘Uhh, até quando eu preciso comer…?’ Theodore procurou desesperadamente por uma saída. Estaria o paraíso fazendo vista grossa…?

Felizmente, ele viu o Vince tomando algo nas proximidades. No momento em que ele sentiu o olhar do Theodore e estava prestes a perguntar o que ele queria…

Vince ouviu a voz de alguém atrás dele, – “Oh, você está tomando vinho?”

A elfa superior, Lumia, que estava parada nos arredores, se aproximou do Vince. Ela era uma elfa superior, uma sobrevivente de uma espécie dos mitos e uma existência normalmente difícil de encontrar. Como um mago e um dos representantes, ele não teve escolha a não ser responder às palavras da Lumia em vez de prestar atenção em seu discípulo.

– “Ah, sim. Tem um gosto estranho, mas é delicioso.”

– “Isso é um alívio. O vinho é feito das uvas que minha tribo cultivou e é muito apreciado por sua fragrância e sabor. Gostaria de experimentar outro tipo?”

– “Oh, seria uma honra.”

– “Huhu, eu que deveria dizer isso. Venha por aqui.”

Vince saiu sem pensar, e o Theo olhou para ele com uma expressão devastada. Simultaneamente, Lumia se virou para olhar para o Theo e deu um sorriso estranho em sua direção.

‘Por quê?’ Theo pensou.

Então um sussurro entrou em sua mente através do Ratatoskr. Era a voz da Lumia.

– Bem, experimente.

‘Hã?’

Ela não disse nada além disso enquanto levava o Vince embora.

Com isso, a oportunidade de fuga do Theo desapareceu. Havia duas tigelas diante do Theodore, cheias de mais comida que ele não conseguia comer. Será que ele poderia suportar se usasse a Canção de Batalha para acelerar seu metabolismo?

Então uma ideia estúpida surgiu em sua cabeça. – “…Álcool.”

Ele não gostava muito, mas seus olhos notaram uma garrafa de vinho fechada. Entre as especialidades de Elvenheim, tinha um vinho que não podia ser feito em nenhum outro lugar.

Ellenoa foi a primeira a notar sua atenção na garrafa.

– “Oh, você quer uma bebida? Eu não sei qual é o sabor, mas este vinho é bem conhecido na floresta. Talvez o Theodore irá gostar.”

– “Hum… Se você diz.”

– “Sim, tome um pouco.” Enquanto ela assentia, um líquido perfumado emergia da boca da garrafa.

Ellenoa serviu uma taça para o Theodore e uma para si mesma antes de colocar a garrafa no chão. Na verdade, ela não serviu nada para a Sylvia. A ação sutil fez a Sylvia murmurar em voz baixa, – “…Por que você não está me servindo nada?”

Ellenoa inclinou a cabeça e respondeu, – “Com base nos padrões da espécie humana, você não está autorizada a beber até que você passe pela cerimônia de maioridade, não é mesmo?”

– “Eu já tive a minha cerimônia de maioridade! Foi este ano!”

Talvez isso implicasse que ela parecesse jovem. Sylvia olhou fixamente para a Ellenoa, pegou a garrafa e despejou o vinho em sua taça. Ela foi um pouco atrasada, então o vinho encheu a taça muito rápido e começou a trasbordar.

Sem esperar por um brinde, ela despejou o conteúdo em sua boca.

Gulp. Sylvia terminou rapidamente a bebida e se virou triunfantemente para os dois.

– “…Hua.”

Ela caiu de bruços sobre a mesa.


Normalmente, o corpo de um mago era mais forte do que o das pessoas comuns, então eles eram mais resistentes a substâncias nocivas, como o álcool. Não havia dados estatísticos, mas era natural, já que uma densidade alta de mana circulava no corpo dos magos.

Portanto, Theo não pôde evitar de ficar surpreso pela Sylvia ter ficado bêbada com uma taça.

Ele suspirou um pouco e murmurou, – “Ah, estou feliz por ter mudado de ideia e bebido água em vez de vinho…”

– “Ahahaha.” Ellenoa ouviu suas palavras e riu sem jeito.

Ela também não esperava que isso fosse acontecer. Consequentemente, agora os dois foram deixados sozinho. Como a Sylvia, seu maior obstáculo, se autodestruiu, Ellenoa poderia alcançar seu objetivo sem qualquer interferência. Imediatamente, ela usou o pretexto de uma caminhada para ficar sozinha com o Theo.

Independentemente do Theo saber ou não o significado da caminhada, ele olhou para o chão sob seus pés e exclamou, – “A propósito, é incrível de se ver. Eu não esperava que o banquete fosse em um lugar tão alto.”

– “É mesmo? Eu tive uma reação semelhante quando fui trazida pela primeira vez aqui. Tinha uma árvore grande na minha cidade natal, mas não chegava até a altura das nuvens.”

– “Eu nunca pensei que um dia poderia tocar as nuvens dessa forma…”

As nuvens ao redor das pontas dos dedos se espalhavam como uma teia de aranha partida, deixando um sentimento úmido para trás. Ele parecia uma criança maravilhada, fazendo a Ellenoa dar um passo em sua direção com olhos calorosos. O lugar para onde eles estavam indo agora era impossível de alcançar sem a habilidade de um elfo superior.

– “Por favor, siga dentro de três passos de distância de mim.” Após dizer isso, Ellenoa se moveu lentamente.

Quanto mais perto eles chegavam da árvore do mundo, mais os elfos superiores podiam exercer um poder que estava próximo ao de seus ancestrais. Eles conseguiam abrir uma porta espacial ou pular certa distância sem usar uma fenda espacial. A fundação desse fenômeno era diferente da magia, mas o resultado era semelhante.

Pouco depois, os sentidos aguçados do Theo notaram a mudança. – “Ah.”

Era semelhante ao método Shukuchiho usado pelo Mestre da Torre Branca. Ele deu alguns passos depois da Ellenoa, e sua posição mudou de repente.

Theo acompanhou as mudanças. Não era tão difícil observar a altura das nuvens, a perspectiva da paisagem e a densidade de mana. O problema era que as mudanças não aconteciam apenas uma ou duas vezes.

‘O salão de banquetes está 350 metros abaixo de nós… Não, acabou de mudar para 500 metros. Agora descemos 100 metros…’

Era em um ritmo muito mais do que rápido! Theo ficou maravilhado com a velocidade da mudança enquanto o mapa em sua cabeça era destruído. Eles subiram e desceram tantas vezes que ele não sabia onde estava agora.

Após cinco minutos de caminhada, Ellenoa foi capaz de chegar ao destino desejado. Quando Theodore viu o destino, ele falou cuidadosamente, – “Aqui é…?”

Os dois pararam em frente a uma cabana surrada. As tábuas de madeira da cabana estavam tão podres e os pilares eram tão velhos que não seria estranho se a cabana logo desmoronasse. Era muito pobre em comparação com a magnificência da árvore do mundo.

No entanto, Ellenoa mantinha uma aparência bem solene na frente da cabana enquanto olhava para o Theo.

– “Este é um lugar onde você não pode entrar ou sair, a menos que tenha o consentimento de uma elfa superior como eu.”

Em tais casos, a maioria dos elfos superiores tinha que concordar para deixar a pessoa entrar.

Então a Ellenoa começou a explicar sobre a cabana. Era diferente da sua aparência insignificante. Sua voz afundou ligeiramente quando ela disse que continha a história e a sabedoria que eles mantiveram por milhares de anos.

Então ela olhou nos olhos do Theodore com uma expressão séria, enquanto seus olhos dourados brilhavam ao lado do seu cabelo verde claro. – “Theodore. Pela segunda vez na história dos elfos, você foi reconhecido como um visitante da Fonte da Sabedoria.”

– “Fonte da Sabedoria… esta cabana?”

– “Sim. Ela foi chamada de um nome diferente durante os tempos antigos, mas agora é um legado de uma era esquecida. Na história da raça humana, existe alguns registros de quando eles lidaram com isso na Era da Mitologia.”

Theo engoliu em seco ao entender o valor dessa cabana decadente.

A Era da Mitologia foi uma época em que os humanos ainda não haviam se tornado os mestres do continente. Isso foi há milhares de anos, quando os deuses, demônios, dragões e espécies antigas andavam pelo mundo. Meltor era um reino que coletava artefatos e relíquias com mais entusiasmo do que qualquer outro lugar, mas eles não conseguiram encontrar vestígios desse período.

Se houvesse apenas um livro ou pergaminho nessa cabana, talvez valesse dezenas de bibliotecas nessa época. No entanto, a surpresa do Theo estava apenas começando.

– “Eu trouxe o Theodore para esta cabana porque um homem sábio previu que você viria.”

Theodore ficou chocado com essas palavras. Quem os elfos chamam de “sábio” e como ele previu essa situação?

A aparição do grimório lendário, Laevateinn, bem como os poderes de Andras e Meltor… Este momento ocorreu como resultado de inúmeras relações de causa-efeito. Theo não teve escolha senão ficar surpreso.

Então a Ellenoa deu o golpe mais pesado. – “O homem sábio que previu a visita do Theodore foi o primeiro do seu tipo no mundo, o primeiro humano a fazer um contrato com um governante elemental.”

‘Sem chance.’ As palavras entraram nos ouvidos do Theodore enquanto ela a encarava.

– “Myrdal Herseim, o grande elementalista, disse que deixou algo para você na Fonte da Sabedoria.”

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar