The Book Eating Magician – Capítulo 216

A Turbulência de Uma Guerra Civil #3

Enquanto o Theodore observava os olhos da Sylvia brilharem com determinação, ele respondeu, – “Sim, eu estarei esperando.”

No entanto, não seria fácil. Theodore apoiou a determinação da Sylvia, mas ele também olhou para ela com os olhos sóbrios de um mago.

Considerando a idade dela, ela era um gênio por ter alcançado o 6º Círculo sem usar nenhuma trapaça como o Gula. Esse talento era uma bênção que fez o Blundell Adruncus recebê-la como filha e fez ela ser valorizada com um tesouro pela Torre Azul.

No entanto, a barreira do 7º Círculo era sólida e espessa.

Ao contrário dos círculos anteriores, o 7º Círculo era o caminho para deixar o reino da “humanidade”. Como o Gula disse antes, construía o darma e eliminava as restrições do karma. Um mortal que confiasse apenas em seu talento inato chegaria a um impasse.

Dependia da mente e da sorte da Sylvia para saber se ela poderia atravessar a barreira.

– “Ah, eu estou realmente envergonhado. Eu estou apenas ouvindo meus juniores terem esse tipo de conversa…” À primeira vista, William parecia estar falando com o Theodore, mas na verdade ele estava se culpando.

Ele sempre foi um prodígio desde a infância, e sua confiança aumentou à medida que ele mostrava suas habilidades na torre branca. William ainda não era um mestre, mas era muito raro alguém se tornar um mestre com 30 e poucos anos. Ele pensou que poderia se tornar um mestre nos próximos 5 a 10 anos para então se tornar o próximo Mestre da Torre Branca.

No entanto, Theodore não tinha nem 30 anos e ele já superou o William.

‘É muito vergonhoso.’ William pensou. Ele ficou parado por muito tempo. Embora ele passasse 10 horas por dia praticando magia, a ferocidade de seus dias de aprendizado foi esquecida. William precisava trabalhar duro. Sua visão não estava mais nublada enquanto ele decidia isso.

Apenas Paragranum estava consistente com sua atitude habitual.

Ela olhou para o William e para a Sylvia com uma careta. Então, assim que eles saíram, ela sorriu brilhantemente. Theodore sentiu o calafrio habitual em sua espinha enquanto ela se aproximava. Para exclamou, – “Você finalmente está sozinho!”

Theodore ficou surpresa com a abordagem apressada dela e perguntou com cuidado, – “S-Sim, por quê?”

– “Eu te disse. Eu explicaria quando estivéssemos sozinhos!”

– “Ah.”

Foi quando ele perguntou se algo bom havia acontecido? Theodore se lembrou tardiamente e olhou atentamente para Paragranum, que não se parecia nada com seu “eu” habitual. Sua aparência externa era de uma garota bonita no final da adolescência, mas sua essência era algo que transcendia a humanidade.

‘Hah, eu preciso estar preparado.’

O Gula relativamente moderado não hesitava em recomendar “sacrifícios humanos”. Ele não conseguia imaginar o que um grimório que fazia experimentos em humanos repetidamente podia fazer. Theodore suspirou cansado e manteve os olhos cautelosamente na Para. Era assustador só de olhar para o rosto corado dela.

– “Você definitivamente vai gostar!” Paragranum exclamou enquanto tocava um bracelete no pulso direito. Era semelhante ao bracelete usado para invocar a Armadura Viva. Sem surpresa, um feitiço de invocação foi usado, – “Invocar Autômato!”

Simultaneamente, houve um flash do bracelete. As pessoas normais não podiam ver através da luz mágica, mas o Theodore percebeu gradualmente uma forma em movimento.

‘Um humano?’ Não foi por acaso que o Theodore pensou isso.

O objeto que Paragranum invocou tinha uma aparência que não era diferente da de um homem humano. Tinha pele, corpo, cabelo e peso como os de um humano. Vestido com uma armadura deslumbrante, o objeto era como um cavaleiro de um livro de histórias.

Então, Theodore hesitou brevemente enquanto a luz desaparecia. – “Lloyd Pollan?!”

O cabelo não era a única coisa que parecia semelhante. Lloyd Pollan estava totalmente armado e parecia exatamente igual a quando tentou invadir o laboratório do Paracelsus. Foi porque o Theodore não sentiu nenhuma sensação vindo do corpo que ele não tomou ações bruscas.

Theodore compreendeu o sentimento desconfortável que ele sentiu e murmurou, – “Cadáver…?”

– “Sem chance!” Paragranum, no entanto, negou com uma voz alta. – “Você já se esqueceu? Tem o golem que você me deu do laboratório.”

– “…Pensando bem.”

Era o modelo de um cavaleiro de armadura completa. Theodore se lembrou e olhou para Paragranum. Essa não era apenas uma armadura vazia. Consistia de peças de metal e artefatos. Nesse caso, como o modelo pôde recriar a aparência do Lloyd Pollan?

– “Os magos desta época não sabem sobre os autômatos.” Paragranum percebeu as dúvidas do Theodore e bateu no rosto do autômato. Era um sinal para avaliá-lo. Theodore não tinha o que fazer, então ele obedeceu.

‘Avaliação.’

A língua escorregadia tocou a bochecha do autômato. Theodore franziu a testa ao ver a língua lambendo a bochecha dele, mas foi apenas brevemente. Isto era natural.

– “Loucura!” Theodore exclamou. – “Isso não é diferente de um morto-vivo de um necromante!”

Usar o corpo como material, era como criar mortos-vivos a partir de cadáveres. Era como magia negra que era tabu em todo o continente.

No entanto, Paragranum sorriu e balançou a cabeça negando as palavras do Theodore. – “Seu tolo! Como você pode comparar os mortos-vivos desagradáveis a um autômato, quando suas composições são completamente diferentes? Você trata goblins e ogros como a mesma espécie porque ambos têm duas pernas?”

– “Por favor, explique devidamente. Qual a diferença?”

– “O autômato não é vulnerável ao poder divino como os mortos-vivos e pode funcionar semi-permanentemente, desde que o poder mágico seja fornecido. Os modelos de autômatos mais avançados podem fundir os egos. Mas esse é um modelo mais antigo, portanto não é possível.”

De qualquer forma, já que era um inimigo, Para chutou a canela do autômato. Seria devido à sua inimizade em relação ao Lloyd?

Os pensamentos do Theodore eram complicados. Segundo Paragranum, esse autômato não era um morto-vivo. No entanto, era claramente uma existência muito semelhante aos mortos-vivos. Essa era uma arma de combate feita a partir de um corpo e era absolutamente obediente à vontade de seu mestre.

Theodore sabia a causa de sua relutância. ‘Não está fora dos padrões humanos?’

Quando se tratava do propósito de existência, grimórios e humanos eram diferentes. No passado, Theodore recebeu um limite de tempo que colocava sua vida em risco, mas ele não hesitou em recusar sacrifícios humanos. Podia ser um trabalho de Paragranum, mas o Theodore não seria cúmplice se ele se aproveitasse da criação dela? Esta pergunta incomodou sua consciência.

– “Então? Você aceitará meu presente?” Apesar de saber da angústia do Theodore, Paragranum o pressionou por uma resposta com uma expressão inocente. Para o grimório que desejava criar um humano, o autômato era apenas um dado.

Theodore não demorou muito para tomar uma decisão. – “…Eu vou aceitar.”

– “Hoh, tem certeza? Você parece bem preocupado.”

– “Força é poder. O problema é como utilizá-lo. Se eu puder usá-lo na direção correta, eu terei criado um meio.”

– “Eu já vi muitos hipócritas inventarem desculpas. E quanto a você?” Os olhos vermelhos da Para olhavam o Theodore de cima a baixo com um interesse diabólico. Theodore sentiu um calafrio na espinha enquanto ela tirava o bracelete do punho e jogava para ele.

– “Despeje seu poder mágico e indique seu nome. Então dê um nome a esse cara. Isso fará com que o autômato se mova como uma marionete de acordo com seus comandos.”

Como tal, Theodore injetou poder mágico no bracelete.

Wuuuong…

Houve uma ressonância mágica intensa, e o Theodore pôde sentir o autômato diante dele. Foi parecido com a sensação que ele teve quando fez o contrato com a Mitra e com o Hugin.

‘Conectando as almas.’

No momento em que se convenceu de que a sequência do contrato foi estabelecida, Theodore abriu a boca, – “Theodore Miller.”

Então, a janela de informações do autômato foi atualizada.

Atualmente, o autômato é de propriedade do “Theodore Miller”.

Uma forte demanda foi repassada pela conexão do contrato. O autômato era como uma boneca que havia perdido toda a liberdade, mas queria um nome. Theodore não simpatizava com o Lloyd. Lloyd era um inimigo e perdeu a vida. Ele chegou a um fim unilateral, ao mexer com um grimório.

Então, Theodore daria ao autômato um novo nome. Depois de receber o nome, Lloyd seria o fantoche do Theodore, perdendo seu nome e status.

– “Gladio.”

Apenas “espada”.

Kiiing–

Os olhos do autômato se iluminaram em resposta à palavra. Uma aura profunda fluiu do corpo imóvel e recuperou sua vitalidade. A pressão que enchia os arredores era o poder remanescente do Lloyd Pollan, uma das Sete Espadas do império.

No entanto, Theodore observou com um rosto inexpressivo.

‘O mestre da espada chamado Lloyd Pollan não existe mais.’

Era um relacionamento em que a alma foi subjugada. O ego do Lloyd já foi espalhado como poeira, e agora o autômato com vontade mecânica executaria os comandos do Theodore. Foi nesse momento que o Lloyd Pollan morreu e a arma de batalha, o autômato “Gladio”, nasceu.

Kiik, kik, kkiiik.

Gladio estava rígido inicialmente, mas acabou se movendo na frente do Theodore. Então, naturalmente, fluiu para a etiqueta apropriada, o que evidenciava a grande lealdade que o Lloyd teve ao imperador de Andras durante sua vida.

Então, uma voz veio da conexão da alma deles, [ Gla—dio cumprimenta o mes—tre. ]

Theodore olhou para o cavaleiro ajoelhado diante dele e, eventualmente, assentiu. Era um poder que ele escolheu e uma responsabilidade que ele tinha que carregar.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar