Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

The Runesmith – Capítulo 372

Rumores Estranhos

‘Quem é essa pessoa, estava tentando me fazer atacar?’

A bela mulher ponderou, com o olhar fixo no contrato de mana se materializando no ar. O indivíduo diante dela deveria ser o Cavaleiro Comandante da cidade, que veio discutir assuntos importantes. Escondida sob seu disfarce de dona de bordéis nesta cidade em crescimento, ela era, na verdade, a Mestre da Guilda dos Ladrões. Ela foi apanhada nessas negociações por circunstâncias infelizes.

Havia outras Madames semelhantes a ela, cada uma com seus bordéis, sob o olhar atento de Madame Natasha, que permanecia alheia à verdadeira identidade da mulher diante dela. Para salvaguardar o seu segredo, a mulher concordou relutantemente em organizar a reunião no bordel que ela supervisionava. Este estabelecimento tinha uma reputação única, já que suas raposas possuíam um fascínio inato que deixava os homens loucos. Seu cheiro passivo era uma habilidade racial real que tinha um efeito hipnotizante. Provavelmente contribuiu para a decisão de selecionar este local específico como local de encontro.

Ela usava o pseudônimo de Isis e era fundamental para ela manter essa fachada. Sem pensar muito, ela permitiu que a situação se desenrolasse. Mesmo a expectativa implícita de agradar aquele homem não a perturbava, pois ela possuía seus próprios métodos para realizar as coisas.

Sua magia era formidável, permitindo-lhe conceder sonhos agradáveis aos homens sem ter que se envolver em intimidade física. Essa sempre fora sua abordagem preferida e ela pretendia empregá-la novamente. Foi uma sorte que as circunstâncias se alinharam a seu favor, pois uma vez que ela prendesse o homem com seu feitiço, isso persistiria como uma salvaguarda para potenciais eventos futuros.

O nível do homem não era tão alto, mas ele foi capaz de derrotar um Cavaleiro Comandante em ascensão sobre o qual ela havia reunido informações. Até onde ela sabia, o homem chamado Wayland era complicado. Sua verdadeira classe permanecia um tanto evasiva, já que ele frequentemente se apresentava como um Mago Rúnico durante suas aventuras. No entanto, sua classe real era a de Mestre Runesmith, e sua habilidade foi verificada por vários indivíduos na cidade.

Suas origens permaneciam um mistério, pois ele aparentemente se materializou na cidade, possivelmente assumindo uma identidade falsa muito parecida com a dela. Ela possuía ampla experiência no domínio das personas ocultas, e o comportamento deste homem levantou várias preocupações. Esse encontro inesperado apresentou uma oportunidade para ela extrair dele informações valiosas, mas, infelizmente, as coisas tomaram um rumo desfavorável.

“Espero que possamos começar de novo agora, certo, Mestre da Guilda?”

Sua verdadeira identidade foi exposta, deixando-os em uma situação precária. A autenticidade do contrato mágico não deixava dúvidas e ela possuía conhecimento suficiente para confirmar sua legitimidade. Embora essa pessoa não fosse afiliada ao grupo que a perseguia, não podia se dar ao luxo de baixar a guarda. Ele tinha conhecimento de seu verdadeiro nome e ela não tinha certeza sobre a quem ele poderia divulgar essa informação. A maior prioridade agora era garantir que ele nunca revelaria esse segredo a mais ninguém.

“Recomeçar? Você me deixa em grande desvantagem, Cavaleiro Comandante, se quiser que recomecemos, terá que me garantir algo.”

“Seu nome? Presumo que minha palavra não será suficiente?”

“Você presume corretamente.”

“Um contrato, então? Mas o que você vai me dar por isso? Só sei o seu nome, nada além dele, e não me importo com quem você é ou com o que faz na cidade, desde que siga as regras.”

“O que lhe importa, então, Sir Wayland, não é? Se esse for o seu nome verdadeiro…”

Ela sutilmente infundiu um toque de veneno em sua interação, com o objetivo de provocar sua curiosidade e levá-lo a considerar a plausibilidade de ela possuir conhecimento adicional. Seus grandes olhos permaneceram fixos nele, procurando qualquer indicação que validasse sua afirmação. Embora seu rosto permanecesse escondido sob uma armadura completa, ela detectou sinais sutis. Um leve cruzamento de braços, posicionando-se defensivamente, e uma breve pausa para recuperar a compostura. Todos esses sinais sutis mostraram a possibilidade que ela havia sugerido.

“Por favor, não mude de assunto. Você provavelmente já sabe por que estou aqui, contanto que você coopere, seu segredo estará seguro comigo.”

“Assim como você mencionou antes, Sir ‘Wayland’, como posso acreditar apenas em palavras? O que o impedirá de contar aos outros o que descobriu aqui?”

Ela respondeu enquanto pegava o cachimbo pela lateral. O homem seguiu a mão dela, como se ela estivesse pegando uma adaga. Depois de inalar, ela soltou uma nuvem de fumaça, os ingredientes ali contidos aliviaram um pouco do estresse que ela estava sentindo agora. Ela estava em grande desvantagem aqui, matar o homem resolveria o problema, mas fazer isso aqui estava fora de questão. Talvez depois que eles terminassem de conversar, ela pudesse seguir e decidir sobre o destino dele ali.

‘Se eu matar um Cavaleiro Valeriano, eles podem invadir este lugar e terei que deixar esta cidade…’

Hanako não desejava começar de novo, pois chegar a esta região isolada já havia provado ser uma tremenda provação. A posição que ela ocupava atualmente não foi adquirida por meios justos, pois o mestre da guilda anterior teve que ser deposto. Aproveitando a oportunidade, ela escolheu buscar refúgio aqui até que surgisse o momento oportuno para seu próximo movimento. Atualmente, era crucial para ela permanecer parada e aumentar ainda mais seu poder. Os adversários que a perseguiam eram formidáveis e começar do zero implicaria um revés de vários anos.

“Sei que minha palavra não significa nada, mas tenho certeza que podemos fazer um acordo, não vou revelar seu nome e em troca você me ajudará em algumas coisas.”

“Algumas coisas? Você quer que eu me torne seu escravo?”

Sua sobrancelha arqueou-se com ceticismo enquanto ela examinava os motivos do homem diante dela. Suas palavras continham múltiplas interpretações e, com base em suas experiências passadas, isso geralmente indicava uma transação desequilibrada.

“O quê? Nada do tipo? Não quero escravos, seria mais uma parceria. Você pode não acreditar em mim, mas eu realmente não me importo com sua origem.”

Ela sabia que não podia confiar inteiramente nele, mas talvez houvesse uma maneira de tirar vantagem dessa situação. Ela deu outra tragada no cachimbo, a fumaça girando ao seu redor enquanto ela formulava sua resposta.

“Muito bem, Sr. Wayland.”

Ela disse, exalando uma nuvem de fumaça perfumada.

“Estou disposta a aceitar esta parceria que você propõe. Mas entenda isso, não serei manipulada ou usada como peão em seu jogo.”

O rosto oculto de Wayland permaneceu sem alteração, mas ela podia sentir sua curiosidade e uma pitada de surpresa com sua resposta. Estava claro que ele não esperava que ela estivesse tão disposta a negociar.

“O que você quer de mim? Você precisa de alguém morto? Ou seu senhor exige mais moedas?”

“Nada disso. Meu único desejo é tornar esta cidade mais segura e permitir sua prosperidade. Não se pode permitir que indivíduos como Ivor mantenham posições de poder.”

“Isso é tudo? Qual é o problema?”

Hanako respondeu confusa, essa pessoa era um verdadeiro cavaleiro cavalheiresco? Ela esperava que ele exigisse dinheiro ou recursos dela, mas o pedido dele a pegou de surpresa. Ele queria a ajuda dela para tornar a cidade mais segura, removendo das ruas desordeiros como Ivor e Kabir. Ela procurou por quaisquer motivos ocultos por trás de suas palavras, pois não acreditava que ele estivesse fazendo tudo pela bondade de seu coração.

Embora suas intenções iniciais parecessem puras, havia um tema subjacente de autoridade. Ao assumir o controle e eliminar os senhores criminosos da cidade, eles pretendiam diminuir a influência da guilda dos ladrões. Isto representava uma ameaça potencial para a sua organização, que dependia de métodos mais dissimulados e, portanto, poderia perder uma quantidade significativa de ouro em tal transação.

Porém, nem tudo era negativo. Com uma cidade mais segura, os indivíduos com recursos financeiros seriam atraídos para ela, incluindo o distrito de lazer. As casas de jogo e os bordéis que não precisavam recorrer à violência para gerar lucros. Se tudo corresse conforme o planejado, a guilda poderia realmente prosperar sem se colocar em perigo.

Após um momento de contemplação, Hanako decidiu correr um risco calculado. Ela concordaria em unir forças com Wayland, mas sob seus termos. Ela precisava garantir que seu segredo permanecesse seguro e que sua organização não fosse comprometida.

“Estou disposta a ajudá-lo em sua missão de tornar a cidade mais segura, se esse for o seu verdadeiro objetivo.”

Hanako finalmente respondeu, com a voz firme e confiante.

“No entanto, tenho certas condições que devem ser atendidas.”

O rosto oculto de Wayland permaneceu imóvel, mas ela podia sentir sua curiosidade crescendo.

“Quais são as suas condições?”

“Em primeiro lugar, tenho a condição de não ter meu nome exposto, então assinaremos um contrato. O qual já preparei de antemão…”

O homem de armadura ficou visivelmente assustado com a afirmação, fazendo-o estremecer ligeiramente. Hanako havia previsto várias preocupações de antemão, e a possibilidade de seu nome ser revelado definitivamente passou por sua cabeça. Neste mundo, o único meio de salvaguardar segredos era através de contratos vinculativos, e ela já havia redigido um que proibiria qualquer pessoa de falar contra ela. Ela tinha várias versões do contrato preparadas e armazenadas com segurança em seu cofre. Faltava apenas que o cavaleiro o assinasse antes de partir, caso contrário, ela teria que reconsiderar a opção de assassinato ou fuga precipitada.

“Em segundo lugar, quaisquer ações que tomarmos devem ser feitas de forma discreta. Não posso ter as minhas atividades reveladas ou comprometidas de forma alguma. Devemos trabalhar juntos secretamente, garantindo que as nossas ações sejam indetectáveis.”

“Concordo que a discrição é a nossa prioridade, mas você poderia voltar ao primeiro ponto, você preparou um contrato?”

“Sim? Uma dama precisa estar preparada para qualquer ocasião, até mesmo para cavaleiros bisbilhoteiros como você, Sir Wayland.”

Ela sorriu de maneira diabólica enquanto exalava mais fumaça. O homem claramente não esperava que ela estivesse tão preparada e a subestimou. No entanto, ele não podia negar a lógica por trás das condições dela. Se quisessem trabalhar juntos, era crucial que as condições fossem mantidas.

“Muito bem, Mestre da Guilda. Concordo com suas condições.”

Wayland finalmente respondeu, sua voz carregando uma nota de resignação.

“Mas precisarei revisar o contrato antes de assiná-lo.”

Hanako assentiu, seu sorriso se alargando. Ela enfiou a mão nas dobras do quimono e tirou uma chave solitária que tinha símbolos mágicos óbvios gravados nelas. Ela não pôde deixar de notar que o homem havia provavelmente identificado o uso desse item que só funcionava no cofre que ficava em uma sala secreta que dava para fora. Para conseguir o contrato aqui ela precisaria sair por um momento, o que talvez pudesse ser visto como uma tentativa de fuga.

“Agora não fuja, voltarei em apenas um minuto.”

“Entendo, não tenha pressa, estarei aqui.”

Ela piscou para o homem e desapareceu atrás de uma cortina que dava para uma sala lateral. Esses quartos levavam diretamente a uma passagem secreta que continha suas verdadeiras acomodações. Lá ela tinha os contratos junto com todos os tipos de brinquedos que poderiam ajudá-la nessa situação. A chave que ela apresentou foi um pequeno teste para ver se ele pediria mais informações. Se o homem decidisse sair de seu assento para examinar o interior da sala ao lado, ela saberia que ele não era confiável…

“Este contrato é… completo.”

Roland afirmou, sua voz revelando uma pitada de surpresa.

“Você cobriu todos os cenários e lacunas possíveis…”

O sorriso de Hanako se alargou e seus olhos brilharam de satisfação. Ficou claro que ela passou inúmeras horas aperfeiçoando a escrita desses pergaminhos que ele leu. Eles não apenas salvaguardaram os seus interesses, mas também garantiram a confidencialidade do seu segredo. Não havia espaço para ambiguidades ou falhas de comunicação, era um contrato sólido, projetado para resistir ao teste do tempo.

“No entanto… não tenho certeza se posso aceitar alguns desses termos, mais do que uma parceria, isso parece uma sentença de morte…”

Com sua excepcional capacidade mental, ele foi capaz de folhear rapidamente as letras miúdas. A maldição de decadência que ele incorporou ao contrato de Arthur parecia leve em comparação com o que a mulher exigia ser incluída. Se ele não fizesse algumas alterações em certas cláusulas, estaria caminhando para sua morte inevitável. Do jeito que estava, ele se sentia indiferente em relação à mulher. Embora ela fosse forte e potencialmente uma aliada valiosa, a ideia de destruir este lugar e enfrentar uma horda de assassinos parecia mais segura do que assinar este documento.

“Não foi você quem iniciou esta discussão sobre votos e contratos, meu querido? Será que um Cavaleiro Valeriano voltará em sua palavra agora?”

Roland teve o desejo de responder rapidamente, esclarecendo que ele não era realmente um cavaleiro e, portanto, não estava sujeito a nenhum juramento. No entanto, optou sabiamente por permanecer em silêncio, pois sua verdadeira identidade ainda estava oculta. Tudo estava indo bem e não tinha vontade de se envolver nos antigos assuntos de sua família. Tendo finalmente alcançado o sucesso em seus próprios termos, ele não pôde deixar de suspeitar que eles poderiam de repente tentar explorá-lo para seu próprio benefício se sua identidade de Cavaleiro Comandante fosse tornada pública.

“Isso é verdade… Que tal eu fazer algumas correções antes de continuarmos…”

Ao se aprofundar em mais um contrato, ele se viu investindo uma quantidade considerável de tempo. Apesar de seu amplo conhecimento em elaboração de documentos, essa mulher provou ser uma adversária formidável. Tornou-se cada vez mais evidente que ela havia considerado meticulosamente todos os aspectos, possivelmente ainda mais detalhadamente do que ele. A passagem do tempo foi tão grande que atraiu as pessoas que esperavam do lado de fora, o que provocou um mal-entendido.

“O que eles estão fazendo aí, já se passaram quatro horas… O homem tem resistência infinita? Isis ficará bem…”

Natasha sussurrou para Viper que junto com outras duas pessoas estavam diante do quarto de Madame Isis. Nenhum som pôde ser ouvido, pois algum tipo de encantamento de silêncio foi ativado. Todos esperavam que o cavaleiro mágico fosse o autor do feitiço e não tinham certeza da segurança do membro de sua guilda.

“Ele poderia ser um daqueles indivíduos peculiares?”

Viper expressou sua opinião enquanto ponderava sobre o assunto. Madame Natasha não gostou e rapidamente pediu esclarecimentos.

“Um daqueles?”

“Você sabe, do tipo tortuoso?”

“Tortura? Não, isso não vai servir… Acabamos de nos livrar daquele desgraçado do Ivor, não precisamos trocar um pelo outro. Viper…”

“Realmente? Eu realmente tenho que…”

Natasha estreitou os olhos para o homem com rosto de cobra que soltou um suspiro e deu um passo à frente. Em ambas as mangas ele escondia suas adagas, prontas para espetar sempre que fosse necessário. Depois de bater algumas vezes na porta eles esperaram e logo para surpresa de todos Isis colocou a cabeça para fora.

“Oh meu Deus, se não são a Senhora e o Sr. Viper.”

“Isis, você está bem?”

“Ohoho, estou bem… mas isso pode demorar um pouco… você não deve se preocupar comigo! Mas talvez você devesse dormir, isso pode levar até o sol nascer novamente. Agora devo retornar, não posso deixar o Comandante esperando.”

“É mesmo… Então continue…”

Isis sorriu enquanto ria e bateu rapidamente a porta atrás dela. Natasha junto com os outros tentaram espiar lá dentro. Quando o fizeram, avistaram um pouco do Comandante que por algum motivo ainda usava sua armadura. Natasha olhou lentamente para Viper que apenas encolheu os ombros e voltou.

“Ele gosta de manter sua armadura ou algo assim? Eu senti que ele não era comum…”

“Contanto que não esteja fatiando as meninas, então tudo bem, certo?”

“Eu acho que sim…”

Após este encontro inesperado, um boato começou a circular nestes círculos sociais. Sem o conhecimento de Roland, ele adquiriu o apelido de Garanhão Blindado. Tal como o povo o proclamou, o seu encontro estendeu-se até de manhã e mais além. Quando o Cavaleiro finalmente se despediu, tanto ele quanto seu companheiro demonstraram sinais evidentes de cansaço.

Assim concluia a visita do Cavaleiro Comandante, que não conseguiu conversar com a Senhora antes de sua partida. No dia seguinte, eles concordaram em conversar em um local diferente e ter uma discussão estritamente de negócios. Com a única intenção de resolver seus problemas e superar esse conflito.


Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

4 1 voto
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
1 Comentário
Mais recente
Mais Antigo Mais votado
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
super irônico
Membro
super irônico
5 dias atrás

HAHAHAHAHAHAHA, TADINHA DA ELODIA, É CORNA KKKKKKK

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar