Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

The Runesmith – Capítulo 390

As Abordagens do Culto.

“Parem!”  

Uma voz ecoou na escuridão enquanto um grupo de figuras encapuzadas se aproximava das proximidades do território do artesão. O grupo se reuniu aqui para capturar e apagar qualquer pessoa envolvida no recente evento envolvendo sua relíquia. Liderando o ataque estava Kovak, e quando ele removeu a névoa que escondia sua presença, os outros também foram revelados.  

Primeiro, havia um homem grande, com todo o corpo escondido por uma túnica preta. Seu tamanho e forma mudavam constantemente conforme ele se aproximava da parede diante deles, como se a magia rúnica estivesse tornando sua forma abissal mais indisciplinada. Não muito longe dele estava sua parceira, uma mulher pálida que lembrava uma elfa morta. Sua figura atraente tornou-se aparente quando ela descartou o roupão que a cobria, pronta para a carnificina iminente e mal capaz de conter sua excitação.  

Eles não eram os únicos presentes, pois alguns outros membros competentes desta região foram convocados para ajudar. Sacerdotes e assassinos abissais começaram a emergir do feitiço de ocultação que os ocultava. Esses indivíduos eram todos elites do culto, reunidos aqui com um propósito singular: desvendar o mistério por trás do fracasso de sua relíquia.  

“A mana neste lugar está mudando…”  

Kovak respondeu enquanto examinava a área diante dele. Como necromante, seu senso de mana era mais desenvolvido aqui e podia sentir uma mudança ocorrendo. Toda a área estava cheia de armadilhas escondidas e dispositivos mágicos que estavam começando a ser ativados. 

“Oh, a relíquia secreta não funcionou?”  

“Isso não pode ser!”  

Os aliados do Necromante começaram a conversar enquanto ele tentava avaliar a situação. Era um desafio para ele tolerar a presença desses dois, mas sabia que tinha que obedecer às ordens. O homem grande, cujo corpo mudava constantemente de estrutura, provou ser um aliado formidável e um seguidor devotado de seu deus. Isso era em um grau extremo e ele chegaria ao ponto de atacar aliados se eles falassem o nome de seu senhor em vão.  

No entanto, o segundo indivíduo representava uma ameaça significativa para todo o plano. Se dependesse apenas dele, a mulher teria sido totalmente excluída desta missão. Ela demonstrou uma incapacidade persistente de seguir ordens e os pressionou a avançar no plano mais rápido do que haviam previsto.  

Se ele tivesse controle total da situação, teria recorrido à realização de rituais amaldiçoados para lutar pelo domínio sobre este lugar. Lançar maldições contra adversários formidáveis era uma de suas táticas características, embora exigisse tempo e preparação consideráveis. O seu desconforto com este local tinha sido justificado e, à medida que se aproximava da parede, tornou-se cada vez mais certo da sua suposição anterior – a presença do divino permeava este lugar. Sendo um necromante, ele possuía uma sensibilidade elevada às forças que se opunham a ele, e algo dentro desta área emitia uma aura suja de santidade.  

“Eu esperava pelo menos um pouco de diversão… Então podemos entrar agora? Minhas adagas estão ansiosas por um pouco de sangue!”  

A mulher pálida sorriu enquanto segurava com força duas adagas pretas em suas mãos. Sua ansiedade era evidente, ela parecia pronta para pular o muro e iniciar um rápido massacre dos indivíduos inconscientes além. Kovak, por outro lado, preferia uma abordagem mais metódica. Seu objetivo principal era determinar como sua relíquia havia sido dissipada e, embora a eliminação do perpetrador resolvesse o problema, era mais sensato capturá-los vivos para interrogatório. Se conseguissem descobrir a razão por trás disso, estariam mais bem equipados para combater tais ações no futuro – uma conquista pela qual seus líderes provavelmente os recompensariam.  

“Pare, seu idiota, a magia em torno deste lugar já está se movendo! Não temos tempo para sua idiotice!”  

“Oh, o Sr. Necromante está louco? O que você quer fazer então~?”  

“Mulher nojenta, fique quieta e observe. Não devemos permitir que ninguém de fora perceba a intrusão, já preparei um feitiço.”  

Enquanto a mulher élfica encorajava Kovak a acelerar o passo, ele tentava manter a compostura. Erguendo seu cajado adornado com caveiras e símbolos esotéricos no ar, ele começou a aproveitar a energia. Uma névoa esverdeada começou a emanar da arma mágica, girando e envolvendo toda a vizinhança. Em poucos instantes, uma densa mortalha de neblina verde-escura envolveu todo o complexo.  

“Uau~” 

O sorriso da mulher se alargou e ela começou a bater palmas como se estivesse testemunhando a performace cativante de um mágico. Kovak, no entanto, entendeu o verdadeiro significado deste encantamento generalizado, pois permitiria que permanecessem ocultos. Mesmo que os ocupantes lá dentro fossem despertados ou ocorressem explosões mágicas, ninguém seria capaz de ver do lado de fora. Era um feitiço potente com amplos efeitos, capaz de interromper dispositivos como bolas de cristal que poderiam ser usadas para pedir ajuda. Lançar o feitiço custou-lhe cerca de quinze por cento de sua reserva de mana, mas era um preço pequeno a pagar para garantir sua segurança. Enquanto permanecesse invicto, o encantamento protetor perduraria.  

“Oh? Algo está se movendo!”  

Kovak lançou seu feitiço com sucesso, mas acionou inadvertidamente as defesas mágicas de toda a área. Ele esperava que o manto de escuridão que criou também perturbasse essas defesas, mas para seu aborrecimento, elas permaneceram totalmente operacionais. Sua relíquia era inegavelmente potente, mas sua influência era limitada a criaturas vivas e não podia afetar construções como golens e equipamentos rúnicos.  

O que eles enfrentavam era um dispositivo mágico peculiar, que parecia possuir um certo grau de consciência em relação à sua presença e à capacidade de gerar efeitos mágicos. Esses dispositivos enigmáticos se concentraram em seu grupo enquanto estavam fixados nas paredes. Eles apresentavam articulações e extremidades peculiares adornadas com runas, que prontamente começaram a brilhar em um tom azulado antes de desencadear uma porção de implacáveis ataques mágicos contra eles.  

Os cultistas se viram sob um ataque repentino e intenso quando os dispositivos rúnicos ganharam vida. Raios de energia arcana dispararam das paredes, cada um atingindo com precisão os intrusos. O necromante, Kovak, reagiu rapidamente, erguendo seu cajado adornado com caveiras para criar uma barreira protetora de energia escura ao seu redor. A mulher élfica com suas adagas se movia com uma rapidez incrível, desviando os projéteis mágicos com suas lâminas enquanto saltava e girava no ar.  

Mas o homem com a forma sempre mutável permaneceu indiferente. Ele simplesmente ficou ali, permitindo que o ataque implacável de explosões mágicas atingisse seu corpo. A energia azul rasgou seu manto escuro, expondo a forma malévola por baixo. Sua cabeça estava envolta em alguma substância escura, parecida com carne, que parecia tentar consumi-la completamente. A característica mais marcante era uma enorme protuberância no ombro direito, que abrigava um olho singular no centro. Este olho estava conectado a um braço colossal equipado com quatro dedos, cada um longo e afiado como adagas.  

Seu corpo continuou a ser consumido enquanto a carne escura assumia o controle, fazendo-o crescer cada vez mais. Enquanto isso, as explosões mágicas pareciam ter pouco efeito, aparentemente não fazendo nada para deter o avanço implacável da transformação sombria. Embora parecessem capazes de quebrar alguns de seus tecidos e produzir um fluxo de sangue, o dano estava se curando mais rápido do que estava sendo feito.  

Graças ao seu grande corpo ser o foco das torres mágicas, os outros membros do culto podiam relaxar. Eles observaram enquanto seus líderes realizavam ataques contra os misteriosos dispositivos rúnicos com precisão crescente. A mulher élfica dançou e se defendeu com suas adagas, desviando habilmente os raios de energia arcana de volta às torres. Kovak, por outro lado, entoava encantamentos e lançava feitiços sombrios de seu cajado, que assumiam a forma de crânios em chamas e colidiam com as paredes para explodi-las.  

Não demorou muito para que o número de vítimas nas torres se tornasse perceptível. Eles não tiveram chance contra um grupo de poderosos detentores de classe de nível 3 e não representavam nenhuma ameaça para eles. À medida que o último dispositivo rúnico se desfez em pedaços, o ar no território do artesão começou a ficar parado. O silêncio que se seguiu foi assustador, pontuado apenas pelo som da contínua transformação do grande homem.  

“Não acabou, olha…” 

O homem com a forma mutável proclamou enquanto apontava com os dedos em garras para as torres destruídas. Esses dispositivos peculiares, que já haviam desmoronado, começaram a se recompor. Era como se o próprio tempo estivesse retrocedendo, com as peças que faltavam voltando ao lugar. No entanto, um pequeno detalhe não passou despercebido: enquanto o equipamento rúnico estava sendo restaurado, os buracos nas paredes e no chão permaneceram.  

“E daí se puderem se restaurar? Sucata ainda é sucata!”  

Disse a mulher élfica enquanto dançava graciosamente pela área, evitando sem esforço todas as explosões mágicas. Seus movimentos eram tão fluidos que parecia que ela deslizava no gelo. Ela rapidamente emergiu acima da parede onde as torres mágicas estavam situadas. Para sua surpresa, no momento em que sua cabeça apareceu, algo disparou em sua direção, levando-a a utilizar rapidamente suas adagas para cortá-la.  

“Você quer me capturar?”  

A rede, feita inteiramente de metal, não era párea para o poder cortante de suas adagas negras amaldiçoadas. Ela rapidamente reconheceu que a fonte da rede era um grupo de golens de aparência peculiar, com exteriores parecidos com aranhas. Um grupo considerável deles emergiu de uma estranha caixa metálica que acabara de surgir do chão e eles estavam prontos para atacar ela e os outros intrusos.  

“Isso está ficando divertido!”  

Ela exclamou entusiasmada, enquanto Kovak, embora quisesse controlá-la, optou por deixá-la continuar seu envolvimento com o exército golêmico. Em vez disso, optou por confrontar os golens com seus próprios asseclas. Sendo um necromante, ele entendeu que sua verdadeira força estava em comandar seres mortos-vivos e atuar como general na retaguarda. Graças aos outros cultistas interceptando os feitiços, teve tempo suficiente para se concentrar em sua própria segurança e em conjurar.  

Sua boca se movia rapidamente, soltando uma série incoerente de frases que para a maioria das pessoas soaria como algo sem sentido. No entanto, quando desacelerados, esses sons formavam palavras e frases reais. Kovak estava utilizando uma habilidade ativa conhecida como “Canto Acelerado” projetado para ajudar os conjuradores a superar sua fraqueza primária de ter que falar enquanto se concentram simultaneamente no controle de mana. Embora eficazes, havia habilidades ainda mais avançadas disponíveis que poderiam agilizar ainda mais o processo de encantamento.  

“Abra, portão dos mortos!”  

Graças à habilidade, o necromante só precisava pronunciar a frase final do longo encantamento, um processo que levaria vários minutos para um mago normal ter concluído. Após a conclusão, um frio estranho desceu sobre a área e uma porta enorme se materializou atrás do mago. A aparição da porta foi acompanhada por gritos e lamentos horríveis que lembravam os gritos agonizantes de almas torturadas. Tinha rostos grotescos e desfigurados de pessoas e outras criaturas, que continuavam a gemer de angústia enquanto a porta se abria lentamente.  

De dentro, um grupo considerável de criaturas mortas-vivas começou a emergir. Tudo começou com esqueletos regulares vestidos com armaduras e progrediu para horrores de aparência mais horrível que rastejavam de quatro. Era um pequeno batalhão por si só, nutrido pelo necromante ao longo de incontáveis anos e armazenado em seu espaço espacial personalizado. Sempre que uma missão exigia garantia de sucesso, ele convocava esses reforços, capazes de esmagar todos os seus inimigos.  

À medida que a horda de mortos-vivos de Kovak saía do misterioso portal, eles se moviam com propósito, suas órbitas ocas preenchidas com uma estranha luz azul. Os guerreiros esqueléticos brandiam espadas e escudos enferrujados, enquanto criaturas grotescas com carne podre e dentes irregulares avançavam, prontas para atacar qualquer coisa em seu caminho.  

O pequeno exército de mortos-vivos avançou, mas encontrou forte oposição. Um enxame de golens-aranha emergiu de dentro do complexo que eles estavam atacando, determinados a impedir sua entrada. Esses golens estavam armados com armas semelhantes às torres rúnicas que eles já haviam derrotado uma vez, o que não representava um grande problema para as forças do necromante.  

“Destrua-os!”  

Ordenou Kovak, seu rosto adornado com um sorriso meticuloso. A vitória que ansiava estava ao seu alcance, tudo o que precisava fazer era eliminar esses soldados mágicos e o triunfo seria seu. Embora fosse um desafio examinar a estranha mana nesta área, ele permaneceu convencido de que todos haviam sido influenciados pela relíquia que ele estava capacitando.  

A relíquia que possuía tinha um alcance estendido que ele poderia aumentar ainda mais com sua própria mana necrótica. Já estava imaginando como o processo de interrogatório se desenrolaria. Se não conseguisse obter informações desses indivíduos, sabia que eles poderiam recorrer à reanimação deles e forçar o conhecimento de suas bocas relutantes.  

No entanto, à medida que a batalha iminente com o grande número de aranhas golêmicas se aproximava, surgiu uma variável imprevista. O grupo ainda não havia rompido o muro fortificado, que constantemente chovia torres de fogo sobre eles, além de uma barreira mágica protetora. Embora isso por si só não representasse um desafio significativo, um padrão de mana emergiu de repente de dentro, causando arrepios na espinha de Kovak.  

“Magia radiante imunda? Os bastardos Solarianos nos levaram a uma armadilha? … Não, isso é diferente…”  

A explosão de energia sagrada foi seguida por um uivo bestial que fez até mesmo os soldados mortos-vivos se conterem. Os mais fracos entre eles começaram a chiar porque já estavam recebendo danos. Seus ossos chacoalharam e a carne morta-viva começou a descascar enquanto chiava no calor radiante criado.  

“Uau! Esse é um cachorrinho grande~”  

Gritou a mulher élfica que conseguiu escalar a parede e agora residia em uma das torres rúnicas destruídas. Seus olhos estavam focados em um grande lobo flamejante que rosnava e subia para o céu. Ele não saltou acima da mortalha que Kovak criou, mas gerou plataformas estranhas de mana para uma melhor visão.  

“O que é essa criatura estranha? Como foi capaz de despertar do sono abissal?”  

Perguntou Kovak que estava claramente confuso sobre o que estava vendo. A fera mágica irradiava energias sagradas semelhantes às dos clérigos de Solaria. O lobo flamejante, com seu pelo flamejante tremeluzindo e dançando como um inferno sobrenatural, uivou novamente. Sua voz ecoou pelo complexo, causando pânico entre os cultistas e seus asseclas mortos-vivos. Até a mulher élfica, que estava tão ansiosa por uma luta, deu um passo para trás enquanto suas adagas amaldiçoadas reagiam às estranhas energias sagradas que estavam sendo produzidas.  

A estranha sensação diminuiu rapidamente quando a atenção de todos se voltou para a fera parada em uma plataforma radiante. Havia algo estranho nisso, e a luz intensa que emitia era difícil para os membros abissais contemplarem. Kovak, que nutria um profundo desdém por todas as coisas relacionadas à igreja de Solaria, ficou cheio de raiva. Ele rapidamente convocou sua mana necrótica para conjurar crânios voadores apontados para a fera. Sua mente vacilou um pouco, pois antes que ele pudesse conjurar o feitiço completamente, uma enxurrada de rajadas de mana foi lançada em sua direção.  

“Malditos autômatos arcanos… e o que você está olhando, vai ficar aí parado?”  

Kovak chamou os outros membros do culto que estavam com ele, especialmente o bruxo que mudava de forma. Embora ele se considerasse um feiticeiro formidável, o bruxo silencioso era um indivíduo que temia. Sem dúvida, o feiticeiro era o mais poderoso do grupo e provavelmente não obedeceria aos seus comandos. Somente os cultistas menores, aqueles emprestados a ele pela sacerdotisa, eram mais propensos a seguir suas ordens e a reconhecê-lo como seu líder.  

“Mais diversão para mim~, venha aqui cachorrinho!”  

Enquanto Kovak gritava, a mulher que ele desprezava saltou no ar. Seus olhos brilharam com determinação enquanto ela voava em direção à criatura canina flamejante. Bolas de chamas foram lançadas em sua direção, mas com um golpe rápido de suas lâminas, ela as despachou habilmente. A mulher deslizou pelo ar com uma habilidade que lhe permitiu aproximar-se do lobo de fogo. No entanto, quando estava prestes a alcançar o ápice acima do complexo do runesmith, um objeto peculiar se materializou de repente do seu ponto cego.  

“Huh?”  

Ela teve que contorcer o corpo de uma maneira extremamente desconfortável, uma manobra que teria deixado uma pessoa comum com uma lesão na coluna. Suas premiadas adagas pretas falharam pela primeira vez enquanto ela tentava empurrar o objeto para trás. Foi arremessado com tanta força que a forçou a recuar, jogando-a para trás. Ela olhou para o objeto que fazia um arco no ar e depois desceu até a mão grande do indivíduo que o havia jogado nela.  

“Eu vim aqui para ficar bêbado, não para lutar contra malditos cultistas!”  

A voz pertencia a um homem grande, com a cabeça brilhando na luz radiante emitida pelo lobo flamejante. Ele empunhava um machado enorme que parecia pesar mais do que um homem adulto sozinho. Por alguma razão, esse indivíduo havia despertado da ilusão da relíquia e estava fixando seu olhar na direção dela. Logo, o cultista perceberia que não era o único que despertou. 

Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

5 1 voto
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar