Participe do nosso novo grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx
Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação e veja os benefícios.

The Runesmith – Capítulo 398

Fim do Horror.

“Não permita que a besta profana tenha tempo para se recuperar! Ataquem! Por Solaria!”

Um pelotão de cavaleiros, com suas armaduras adornadas com o símbolo do sol, avançou valentemente para enfrentar a criatura ameaçadora. Atrás deles, um grupo menor de sacerdotes entoava encantamentos sagrados e invocava lanças douradas de luz radiante. Cada sacerdote estendeu a mão, direcionando os raios de energia divina para a monstruosidade que se aproximava.

A criatura, apesar dos ferimentos e de estar em grande desvantagem numérica, não demonstrou medo e continuou seu ataque implacável, sem se deixar intimidar pelo poder combinado dos cavaleiros e sacerdotes. A batalha entre a luz e as trevas começou e a monstruosidade utilizou seus muitos tentáculos contra os atacantes. Eles colidiram com os muitos escudos pesados que os cavaleiros seguravam. Alguns deles se mantiveram fortes, enquanto outros foram perfurados pelos estranhos apêndices que se transformaram em brocas carnudas.

“Fogo! Dê apoio aos Paladinos!”

Um grupo secundário, composto por mais de cem homens, avançou por trás da formação de paladinos Solarianos. Ao receber o comando, os arqueiros responderam rapidamente, liberando uma saraivada de flechas que se transformaram em chamas enquanto desciam sobre a criatura ameaçadora. O céu noturno foi iluminado com flechas de fogo enquanto choviam, um esforço para enfraquecer a fera e desgastá-la com o tempo.

Embora a criatura fosse uma ameaça de alto nível, o dano acumulado desses ataques à distância gradualmente cumpriria seu papel. A estratégia era clara: esgotar a saúde e a resistência da criatura a uma distância segura, diminuindo sua força formidável. Uma vez enfraquecida a criatura, o ataque final poderia ser lançado, pondo fim à ameaça que aterrorizou esta cerimônia de casamento.

Os gritos dos homens reverberaram e a criatura respondeu com gritos agudos enquanto seu corpo suportava golpes implacáveis. Apesar de suas tentativas de se proteger com numerosos tentáculos, o tempo da criatura estava claramente acabando. Ele havia se agarrado à vida através do ritual de transformação incompleto, mas agora sua condição estava se deteriorando rapidamente. Lama preta escorria de seu corpo principal, borbulhando para liberar gás nocivo quando começou a morrer.

“A criatura Profana está vacilando! Agora é a nossa chance!”

Alguns dos cavaleiros sagrados reconheceram que a criatura estava chegando ao fim. Embora a paciência fosse uma opção, os muitos tentáculos do monstro ainda representavam uma ameaça para seus aliados. A fumaça negra que emanava de seu corpo não era apenas venenosa, mas possivelmente também amaldiçoada. Era mais sensato pôr fim a isto rapidamente para evitar mais vítimas. Assim, de dentro do grupo de cavaleiros Solarianos, um pequeno esquadrão de cinco deu um passo à frente. Eles estavam todos adornados com armaduras douradas distintas, seu brilho servindo como um símbolo de sua fé e poder.

Suas armaduras emitiram uma luz radiante e foram envolvidas por uma aurora de energia divina. No instante em que entraram no alcance da nuvem escura que se formou, ela se desintegrou diante de seu brilho sagrado. Dois indivíduos, cada um empunhando um grande escudo, avançaram e absorveram o impacto dos ataques do monstro. Seus escudos resistiram a uma saraivada de golpes dos apêndices da criatura e, embora estivessem dobrados em alguns lugares, os dois paladinos avançaram com seu ataque.

Seguindo os paladinos com escudos, três espadachins avançaram, cada um empunhando um tipo diferente de lâmina. Essas espadas foram rapidamente envolvidas por uma aura dourada, que usaram para entregar a retribuição divina à fera profana. Com cada golpe, eles conseguiram desalojar gavinhas e tentáculos, avançando continuamente em direção ao núcleo danificado do monstro, que continuava a irradiar energia abissal corrupta.

Apesar do seu estado enfraquecido, a monstruosa criatura permaneceu ferozmente determinada. Recusou-se a ceder e, em vez disso, continuou a defender-se com tenacidade implacável, lançando contra-ataques contra os cavaleiros de dourado que ousaram enfrentá-lo. A batalha entre a criatura abissal e os cavaleiros do sol continuou a acontecer enquanto seus gritos cobriam toda a área.

Enquanto esses valentes esforços se desenrolavam, uma cena diferente acontecia nas proximidades. Em um local que a criatura abissal já ocupou, um homem vestindo uma armadura rúnica danificada segurava outro indivíduo. Abaixo deles, uma pequena poça de sangue se formou, originada de um braço desmembrado que agora havia se tornado completamente obscurecido.

“Como ele está?”

“Não sei, ele perdeu muito sangue, e esse ferimento… não está cicatrizando direito, deve ter sido algum tipo de maldição.”

“Bernir…”

Roland desviou o olhar para o lado onde a mão decepada de Bernir havia caído. Em meio ao ataque da criatura, o exoesqueleto foi danificado em vários lugares e, com ele, a mão de Bernir foi decepada no meio do antebraço. Roland foi forçado a amputar ainda mais a parte restante devido à propagação de uma estranha corrupção. A mão restante agora ficou preta, borbulhando e se transformando em uma lama escura diante de seus olhos.

Sua armadura foi quase toda destruída, mas ele tinha mana suficiente para reformar o suficiente para continuar fornecendo mana sagrada emulada para o local afetado. Mesmo depois do corte secundário, a corrupção só foi estancada graças à rápida intervenção da sua parte. Parecia que uma pessoa como Bernir, que não possuía nenhum tipo de classe de combate e um corpo mais fraco, era altamente suscetível de ser ferida por aquele monstro. O próprio Roland foi cortado em alguns lugares, mas seu corpo foi capaz de resistir à corrupção e, junto com isso, ganhou um novo tipo de resistência. 

Essa forma de dano provavelmente era exclusiva do Horror Sobrenatural que ele enfrentou, talvez também específica de outras criaturas abissais corruptas. Era possível que Bernir tivesse adquirido essa habilidade, mas sem um atributo de vitalidade suficientemente alto para apoiar a recuperação de seu corpo, ela se mostrou insuficiente para neutralizar a doença. Ele havia perdido o braço direito e seu sustento como ferreiro poderia estar em perigo. No entanto, ainda estava vivo e seu coração enfraquecido foi gradualmente recuperando as forças.

“A vida dele não deveria estar em perigo, mas precisamos sair daqui, aquela coisa continua ali.”

Inicialmente, Roland considerou recuperar a mão decepada de seu amigo. A partir de sua pesquisa, ele sabia que certos clérigos de alto nível possuíam a capacidade de recolocar membros perdidos se a cura ocorresse logo após o incidente. No entanto, a mão em questão estava se deteriorando rapidamente e se transformando em uma poça de lama corrompida, tornando-a provavelmente inútil para qualquer procedimento desse tipo. A segurança ainda não estava garantida na situação atual. Embora os soldados tivessem chegado de fora e estivessem lutando contra o monstro, o perigo ainda pairava nas proximidades.

“Precisamos… ugh…”

“O que está errado?”

“Não é nada…”

Elodia perguntou enquanto ajudava Roland a se levantar. A batalha afetou seu corpo, com algumas costelas quebradas e provavelmente ossos quebrados nas pernas. Ele mal conseguia suportar o próprio peso, muito menos carregar Bernir para um local seguro. Sua esposa, em melhores condições, decidiu apoiar o amigo. Apesar de Bernir estar inconsciente e ser bem pesado, ela persistiu, determinada a evitar que mais danos acontecessem às pessoas nesta situação terrível

Felizmente para os três, a noite do horror estava chegando ao fim rapidamente. O feitiço que mantinha o monstro no lugar começou finalmente a vacilar. Outro grito estranho da monstruosidade percorreu todo o complexo, embora desta vez Roland pudesse sentir que a mana corrompida estava se dissipando rapidamente. Logo depois ele recebeu uma confirmação de uma janela informando que ele havia ganhado alguma experiência.

[Eldritch Horror foi morto. A experiência será distribuída de acordo com a contribuição.]

Embora ele não tivesse dado o golpe final e não fosse diretamente responsável por lançar a grade no coração do monstro, a contribuição que deu foi substancial. Foi o suficiente para ele subir de nível várias vezes, reforçando a possibilidade de que esta fosse de fato uma criatura de nível 4. Agora não era o momento de olhar para sua tela de status, pois havia assuntos mais urgentes em mãos. Os indivíduos que derrotaram a criatura permaneceram um mistério e, a julgar pelos padrões de mana que ele sentiu, pareciam ser afiliados à igreja.

Em sua condição atual, enfrentar um novo detentor de classe de nível 2 provavelmente seria uma tarefa impossível. Bernir permaneceu inconsciente e Elodia esgotou sua bateria rúnica, oferecendo poder de fogo limitado. O único consolo nesta situação era que o monstro estava morto e alguns reforços se aproximavam por trás deles. Ele não estava sozinho, mas outro problema surgiu logo depois e levou a algo que ele desejava manter escondido por mais algum tempo.

“Há pessoas aqui!”

“É o Cavaleiro Comandante!”

“Apoie o Cavaleiro Comandante!”

Entre o grupo que chegou primeiro, Roland reconheceu alguns rostos familiares. Eles eram os soldados que ele fornecia armas e ajudava em seu treinamento. Um contingente considerável deles rapidamente se reuniu em torno dele. Não muito longe deste grupo, materializou-se outra assembleia de pessoas. Era evidente que este grupo pertencia à igreja, e alguns dos seus membros pareciam ser paladinos de alto nível, possivelmente parte da unidade da Inquisição.

Agni, em sua forma divina como o Lobo da Luz Solar, emergiu de repente da vegetação rasteira. Ele retornou rapidamente para seu mestre assim que recuperou as forças. Embora seu corpo estivesse machucado e ferido, com a ajuda de suas energias sagradas, ele estava se recuperando rapidamente. A potente mana radiante que ele emitiu era bastante visível e provavelmente chamaria a atenção da igreja, uma situação que ele procurava evitar.

Dentro do grupo de cavaleiros Solarianos, Roland pôde discernir algumas peças distintas de armadura. Eles tinham uma semelhança com aqueles que ele tinha visto no passado enquanto interagia com o Alto Inquisidor, que supostamente conhecia seu pai. Os cinco indivíduos vestindo essas armaduras semelhantes não pareciam ocupar as mesmas posições de alto escalão, mas provavelmente eram pelo menos detentores de classe de nível 3.

Os membros da Igreja pararam abruptamente ao ver o lobo de fogo. Era uma criatura mencionada em algumas lendas antigas, embora Roland não estivesse totalmente familiarizado com elas. A possibilidade de que eles tentassem separar Agni dele depois de perceberem suas origens era uma preocupação. No entanto, em seu atual estado enfraquecido, seria impotente para detê-los. Embora seu lado tenha sido reforçado por alguns soldados, nenhum deles poderia igualar a força dos paladinos Solarianos.

À medida que os membros da igreja e os paladinos Solarianos começaram a convergir, Roland teve que tomar uma decisão difícil. Ele precisava garantir a segurança de sua esposa, Elodia, e de seu amigo ferido, Bernir, ao mesmo tempo que protegia Agni de ser sequestrado. Sua mente correu para encontrar uma boa desculpa para esta situação, mas antes que ele pudesse abrir a boca, sua visão começou a vacilar.

“E-ei, controle-se!”

Ele lutou para ouvir a voz de Elodia enquanto caía de joelhos. Seu corpo estava sucumbindo rapidamente à tensão, e a consciência desapareceu antes que ele pudesse pronunciar uma palavra, a escuridão envolvendo-o enquanto ele desmaiava. De repente, ele estava caindo em um túnel estranho com vozes de seus encontros passados chamando por ele enquanto ele mergulhava no vazio.

Primeiro, ele viu seu eu mais jovem, confinado a uma biblioteca e olhando pela janela. Seu irmão Robert praticou diligentemente sua esgrima, lançando olhares de desaprovação em sua direção. A visão logo mudou para um trio de jovens navegando em uma masmorra, com ele iluminando o caminho usando o mais simples dos feitiços de luz.

Então, ele se viu de volta a uma oficina, trabalhando em sua primeira espada rúnica. Abruptamente, o cenário escureceu e ele foi lançado em seu primeiro encontro com os cultistas. Finalmente, ele estava na cidade de Albrook, rodeado de pessoas com rostos sorridentes que logo viraram de cabeça para baixo.

O cenário ficou vermelho e escuro, e tudo o que ecoou foram gritos incessantes. Ele estendeu a mão desesperadamente, tentando agarrar alguma coisa, mas em vez disso, continuou a mergulhar ainda mais no abismo. As imagens de seu passado desapareceram gradualmente, deixando apenas um silêncio misterioso e opressivo de vazio.

Então, ao se virar, algo se materializou: um olho colossal se abriu diante dele no vazio do nada. Ele olhou para ele, observando sua descida como se estivesse julgando seu valor. Seu próprio olhar foi atraído para aquele olho gigantesco, parecia saber tudo e encarava profundamente sua alma, despojando-o de sua essência. No entanto, quando ele estava prestes a ser consumido pelo olhar, seus próprios olhos se abriram.

“…”

A primeira coisa que Roland notou foi um teto desconhecido, um desenho do qual ele não conseguia se lembrar. Memórias dos eventos envolvendo os cultistas em sua casa rapidamente voltaram para ele, despertando-o. Ele tentou levantar o corpo, mas algo parecia errado. Não era a dor que o deteve, mas sim um peso pressionando seu peito. Quando ele olhou para baixo, rapidamente percebeu que era uma pessoa em cima dele, e essa pessoa era sua esposa, Elodia.

Elodia estava apoiada em seu peito, sentada ao lado da cama onde ele estava deitado. Como teve um momento para avaliar a situação, reconheceu o que estava ao seu redor. Os lençóis brancos que separavam sua cama das demais eram uma indicação clara. Ele estava na enfermaria da Igreja de Solaria e agora, aparentemente, também era um dos pacientes.

Sua mão se moveu em direção às longas mechas de Elodia quando ele decidiu não se mover mais. A presença dela aqui deu-lhe algum consolo e permitiu-lhe pensar. No entanto, logo ele ouviu o barulho de armaduras pesadas se aproximando deles. Os padrões de mana que cercavam os indivíduos que se aproximavam eram inconfundivelmente de natureza divina. Não era estranho supor que eles eram paladinos da igreja, provavelmente vindo para conversar com o homem envolvido no recente encontro cultista…

……

“… Finalmente aqueles bastardos solarianos se foram… você precisará de mais do que isso para matar o grande Kovak!”

Sem o conhecimento de todos os envolvidos no incidente, uma estranha criatura emergiu de uma árvore oca. A princípio, parecia ser uma pessoa enrugada, mas logo se tornou aparente a falta de uma parte inferior do corpo. Em vez disso, a criatura ostentava algo semelhante a pernas de aranha, permitindo-lhe rastejar silenciosa e rapidamente pelo ambiente.

“Malditos idiotas arruinaram toda a missão! Levarei anos para recuperar todos aqueles mortos-vivos perdidos e meu corpo…”

Kovak, o necromante, murmurou para si mesmo enquanto navegava pela floresta. O Horror Sobrenatural que ele convocou foi derrotado, mas ele sobreviveu. Durante o caos da batalha, conseguiu proteger a cabeça e escapar. Temendo vingança, permaneceu escondido em uma das árvores por várias noites até que a presença solariana diminuísse.

“Usei a maior parte da minha mana para me esconder, mas valeu a pena! Preciso voltar para a Arqui-sacerdotisa!”

A cabeça da aranha desapareceu na noite, caminhando furtivamente em direção à liberdade. Todos estavam muito preocupados com as consequências do Horror Sobrenatural e com o controle de danos para perceber que Kovak havia sobrevivido. O necromante riu sozinho enquanto corria por entre as árvores, sentindo uma sensação de segurança. Levaria algum tempo, mas eventualmente ele poderia encontrar refúgio em um de seus templos secretos.

A liberdade estava ao seu alcance, e se ele conseguisse escapar, poderia revelar a verdade sobre seu verdadeiro inimigo, Wayland, o Cavaleiro Comandante, ao culto. Em breve, seus exércitos desceriam para capturar o irregular e revelar todos os seus segredos. Ficou claro que ele era o único capaz de afetar sua relíquia e seu culto não hesitaria em virar toda a ilha de cabeça para baixo para pegá-lo.

“Oh? O que é isso? Uma criatura muito feia…”

“O quê?”

De repente, o necromante sentiu uma mudança no ambiente. Ele podia sentir que alguma magia foi usada, mas em seu estado atual, não podia fazer nada sobre isso. Alguém estava lá, observando-o e ele não tinha certeza de sua localização, apenas precisava escapar rapidamente. Sua forma mudou para as sombras enquanto tentava se esconder na grama alta e atrás das árvores, mas a sensação de estar sendo observado nunca desapareceu.

Kovak continuou sua fuga, mas parecia que ele estava atravessando o mesmo local repetidamente. Em seu estado enfraquecido, ele não conseguia compreender ou resistir ao feitiço que o havia enredado, mas tinha certeza de que havia sido pego em alguma forma de ilusão. Por fim, quando parou, surgiu um indivíduo. Eles estavam envoltos em uma aura de chamas azuis, claramente direcionadas à sua forma atual.

“Cansado de correr? Boa escolha, agora o que devo fazer com você…”

A pessoa perguntou, sua voz sensual e sedutora. Logo sua forma surgiu para apresentar ao furioso necromante seu inimigo, uma mulher atraente com várias caudas e grandes orelhas de raposa. As chamas atrás dela voaram para cercar a cabeça da aranha morta-viva, não permitindo que ela escapasse.

“Pare! Segure sua mão! Tenho certeza que podemos fazer um acordo!”

“Ah, você quer fazer um acordo?”

A mulher riu enquanto apontava com o dedo, as chamas azuis se aproximaram da cabeça contorcida do necromante.

“Pare! Você quer riqueza? Poder talvez? O culto pode realizar todos os seus desejos! Vou firmar um contrato vinculativo com você agora!”

“Um contrato?”

“Sim!”

“Desculpe… mas eu não faço acordos com sua espécie ~”

A mulher sorriu antes de direcionar sua atenção mais uma vez para acender as chamas, visando a cabeça da criatura grotesca. No instante em que as chamas fizeram contato com o pequeno monstro, a longa vida de Kovak chegou ao fim. Seus gritos e uivos agonizantes não foram ouvidos por ninguém e, em pouco tempo, ele foi reduzido a nada além de uma pilha de cinzas no chão.

“Hm… Talvez eu devesse tê-lo capturado ou entregue-o à Igreja?”

Ela se perguntou enquanto olhava para a pilha de terra no chão. No entanto, logo ela apenas balançou a cabeça para afirmar que sua decisão agora era a certa.

“Não, confiar nesses monstros nunca é uma boa ideia, é melhor assim…”

Logo sua forma desapareceu da floresta e o cenário nublado de ilusão e silêncio voltou ao normal. A invasão deste território finalmente terminou e nenhum cultista sobreviveu, a mulher aqui se certificou disso.


Gostaria de ter sua novel favorita em PDF ou algum outro formato digital para ler offline?? ACESSE AQUI e saiba como!!

Comentários

0 0 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar