Participe do nosso novo grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx
Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação e veja os benefícios.

The Runesmith – Capítulo 400

Mana Fantasma.

A sala ficou em silêncio enquanto a noite dava lugar ao amanhecer e os primeiros raios de sol entravam pela janela. Uma figura enfaixada olhou para o braço perdido de outra pessoa, decepado no cotovelo, sem nada além de um coto lamentável. Porém, em sua visão, havia algo mais ali, um fantasma azul do membro perdido. 

‘A mana está formando o que antes era sua mão?’ 

Enquanto Roland contemplava, seus olhos brilharam com uma tonalidade azul. Ele empregou a mesma habilidade que usou para prever os movimentos de seus inimigos,  mas desta vez, para sua surpresa, proporcionou-lhe uma visão única deste mundo. Foi a primeira vez que usou essa habilidade em uma pessoa sem um membro, e isso revelou algo intrigante. Embora o braço de Bernir estivesse faltando, o mana que refletia seu corpo retratava o membro como um fantasma completo e azulado. 

‘Mana também armazena informações de uma pessoa como algum tipo de dispositivo de armazenamento? Talvez seja assim que os feitiços de cura divina podem funcionar?’ 

Ele não estava totalmente certo sobre essa teoria, mas parecia fazer sentido em sua mente. Existiam feitiços divinos capazes de restaurar membros, mas seus mecanismos permaneciam um mistério. Inicialmente, ele presumiu que eles usavam o DNA de uma pessoa para reconstruir o membro à sua forma original, mas talvez houvesse um método totalmente diferente em jogo. Se o mana dentro de uma pessoa armazenasse todas as suas informações, isso forneceria uma explicação alternativa. 

Existiam dois tipos principais de feitiços e poções de cura. O primeiro tipo ampliava as habilidades regenerativas de uma pessoa para ajudar na recuperação de feridas. Alguns monstros poderiam restaurar membros e até mesmo massa cerebral, representando uma variação deste tipo. O segundo tipo consistia em feitiços divinos que poderiam reverter magicamente uma pessoa ferida a um estado anterior. Ao examinar o fantasma de mana, ele contemplou a possibilidade de que esse estado pudesse estar armazenado dentro do próprio mana. 

Essa ideia era um conceito novo para ele, já que ele havia pensado em mana mais como uma fonte de energia que circulava por todo o mundo. Era um recurso que apareceu em quase todos os seres vivos. Desde telas de status e a ser consumido ao lançar feitiços. A noção de que a mana pode possuir capacidades de armazenamento poderia abrir novos caminhos para a sua investigação, particularmente no campo das próteses. 

As próteses mágicas não eram um conceito novo neste mundo, no entanto, eles normalmente eram acessíveis apenas para conjuradores. Essas próteses dependiam da habilidade de uma pessoa de manipular mana e só podiam ser operadas por indivíduos que pudessem usar magia. Tais indivíduos não estavam realmente usando o membro perdido, mas sim substituindo-o por algo semelhante a uma mão mágica. Com o tempo, eles se acostumavam a movimentar a prótese como se ela fosse uma extensão natural de si mesmos. Para indivíduos normais, replicar esse feito era impossível. 

Esta nova descoberta oferecia um vislumbre de esperança na situação de Bernir e abriu a possibilidade de desenvolver próteses para indivíduos que não conseguiam manipular mana. Se as informações da mão perdida fossem armazenadas no próprio mana, seria viável conectar esses dados a um braço substituto. Embora este esforço exigisse extensa pesquisa e desenvolvimento, tinha potencial para criar um dispositivo que pudesse replicar as funções da mão perdida e até mesmo restaurar a sensação do tato. 

Esta revelação acendeu uma centelha de inspiração em Roland e deu-lhe alguma esperança. No entanto, havia alguns problemas gritantes com todas as teorias que estavam surgindo em seu cérebro. Ele percebeu que a teoria que encontrou poderia não ser uma descoberta nova e que outros magos poderiam ter tentado fazê-lo antes, possivelmente sem sucesso. Bernir não era o único não-mago que precisava de um membro substituto, parecia um empreendimento lucrativo, o que significava que esse feito não seria fácil. 

“Uhhh… é você chefe?” 

“Ah? Você está acordado?” 

“Sim…” 

Roland saiu de seus pensamentos ao perceber que Bernir recuperou finalmente a consciência. Sua esposa, Dyana, estava fora da sala, fazendo uma pausa para cuidar dele. O primeiro instinto de Roland foi chamá-la de volta, pois ela provavelmente estava esperando ansiosamente o marido acordar. 

“Eu provavelmente deveria chamar Dyana, ela acabou de sair. Tenho certeza de que ela gostaria de saber que o marido acordou.” 

“E-espere…” 

Porém, antes que pudesse se virar para sair da sala, Bernir tentou sentar-se. Porém, houve um problema – devido à falta do braço direito, a tentativa foi estranha. Ele tentou se levantar como se o membro perdido ainda estivesse lá, mas acabou caindo de volta na cama. Ao olhar para a parte que faltava, ele começou a se lembrar dos acontecimentos daquele dia. 

“Sim… isso mesmo, meu braço direito… aquele monstro pegou…” 

“Sim… me desculpe, é por minha causa, se você não voltasse…” 

Bernir salvou a vida de Roland ao trazer o canhão ferroviário experimental, mas também sofreu muito por isso. Se ele tivesse recuado pelo túnel de fuga, seu braço ainda estaria intacto, mas, por outro lado, Roland poderia não estar aqui. 

“Nah, eu tomei uma decisão, agora tenho que conviver com isso e faria o mesmo se eu… uhg…” 

Quando Roland respondeu, ele soltou uma risada fraca, mas logo sua risada se transformou em uma respiração ofegante. A energia divina curou seus ferimentos e restaurou seus ossos e órgãos, mas os efeitos de debuff ainda persistiam, deixando seu corpo fraco e com dor. Ele sabia que a recuperação levaria algum tempo e Bernir precisava ser paciente até que sua saúde fosse restaurada. 

“Vai levar algum tempo até que essa energia amaldiçoada deixe seu corpo, apenas descanse.” 

“Sim, isso pode ser uma boa ideia…” 

Logo ele estava voltando a dormir com sua respiração se tornando mais regulada. Sem poder fazer muito, decidiu apenas visitar os outros pacientes. Armand e Lobélia também estavam aqui, faltando apenas o mestre da guilda. Considerando que ele tinha o nível mais alto, não era estranho que tivesse acordado mais rápido e seguido seu caminho. 

‘Eu me pergunto o que ele fez com meu machado…’ 

Roland foi até a cabeceira de Armand e observou a disposição dos pacientes. Ficou claro que todas as pessoas que ele conhecia estavam juntas e não parecia haver estranhos entre elas. Era evidente que a igreja lhes dava tratamento preferencial ou os mantinha sob estreita vigilância. Dado o seu envolvimento no encontro com os cultistas, fazia sentido que estivessem sendo observados de perto e tratados pela igreja. Havia também uma cama vazia que tinha a assinatura de mana residual de seu careca favorito para confirmar sua teoria. 

‘Como aquele careca foi embora? Ele se dissuadiu?’ 

A ausência do mestre da guilda indicava que ele havia sido autorizado a sair, possivelmente após ser interrogado e determinado a não ser uma ameaça significativa. Como já havia passado algum tempo desde o incidente, este parecia ser o cenário mais provável. Isso também trouxe um problema à tona: ele ainda não havia sido interrogado e não tinha certeza de como isso iria acontecer. 

Era preocupante que seu pingente, que ele usava desde Edelgard, estivesse faltando. Ele havia sido destruído junto com sua armadura, que também tinha um encantamento de mascaramento semelhante. Embora ele pudesse criar novas runas em objetos metálicos que estavam aqui, isso não era mais necessário. Durante seu tratamento, o pessoal da igreja provavelmente teve tempo suficiente para inspecionar sua tela de status, possivelmente descobrindo seu nome verdadeiro e sua verdadeira classe, Overlord Runesmith. 

‘Pode ser imprudente mentir para a igreja, não tenho ideia do que eles podem fazer e também…’ 

A ausência de Agni na sala era perceptível, mas o fato de Elodia não estar em perigo provavelmente significava que seu companheiro canino estava seguro. Roland teria que perguntar sobre o paradeiro de Agni mais tarde, quando tivesse a chance de falar com sua esposa ou outras pessoas na sala. 

‘Ainda tenho algumas coisas com as quais posso negociar, então nem tudo está perdido…’ 

Enquanto andava pela sala da clínica, ele continuava a pensar no futuro. Vários problemas o impediram de continuar com sua vida como antes. Em primeiro lugar, os cultistas lançaram um ataque à sua casa e estavam claramente cientes da sua existência. Havia a possibilidade de que eles soubessem de seus segredos e de como ele foi capaz de desativar sua relíquia. 

Por outro lado, o fato de ter passado uma semana sem qualquer retaliação direta dos cultistas sugeria que eles talvez não estivessem totalmente cientes de suas capacidades.

Anteriormente, eles lançaram um ataque total para destruir o monólito capturado apenas para salvaguardar os seus segredos. A história geralmente se repetia, se eles soubessem o que aconteceu aqui deveriam ter agido antes. 

‘Eles poderiam ter medo da Ordem Dourada? Poderia haver outro ataque?’

Ele continuou a fazer essas perguntas enquanto voltava para a cama que ocupava anteriormente. Ao olhar pelas janelas, ele viu numerosos cavaleiros e soldados patrulhando a área. Este local ficava dentro da cidade, tornando-o um alvo desafiador para qualquer aquisição hostil. Ao contrário da situação na outra cidade, os cultistas aqui não tinham abominações e escravos para obstruir a guarda da cidade. 

No entanto, ele tinha que estar pronto para qualquer situação, incluindo a chance de descobrirem suas habilidades no futuro. Mesmo que eles não estivessem cientes de seu verdadeiro potencial no momento, era evidente que os membros do seu culto haviam sido implantados nesta região mais uma vez. Eles sem dúvida tentariam desvendar o mistério e eventualmente enviariam alguém para investigar. Este local já havia se tornado uma área perigosa para qualquer pessoa ligada a este incidente. 

‘Minha melhor aposta seria empurrar tudo para a Ordem Dourada, mas isso será suficiente?’ 

O envolvimento com a Igreja de Solaria poderia de fato ser um movimento estratégico para salvaguardar a sua casa e os seus entes queridos. A sua oposição aos cultistas tornou-os num potencial aliado na luta contra esta ameaça comum. Roland precisava encontrar uma maneira de estabelecer comunicação e construir confiança com a igreja, ao mesmo tempo em que era cauteloso para não revelar muito sobre suas próprias habilidades e conhecimentos. Seria um ato de equilíbrio delicado, mas poderia ser a chave para garantir o seu futuro e proteger aqueles com quem ele se importava. 

Mesmo que a igreja tivesse escolhido protegê-lo, isso não era suficiente. Ele presumiu erroneamente que alcançar o nível 3 garantiria sua segurança. No entanto, após seu encontro com o Horror Sobrenatural, tornou-se evidente que havia forças além de sua compreensão. Não era um desafio que ele pudesse simplesmente superar subindo de nível e isolando-se em uma jornada interminável de masmorras. Ele precisava de assistência adicional e acesso à tecnologia rúnica avançada. 

Havia vários caminhos para explorar, mas primeiro ele precisava iniciar uma discussão com a Ordem Dourada. Tudo dependia desses potenciais aliados e do valor que ele poderia oferecer-lhes. Sua principal ferramenta de barganha seria sua habilidade de desabilitar as habilidades dos cultistas. Os dispositivos ilusórios, uma habilidade que ele dominava principalmente agora. Antes de compartilhar esse conhecimento, tinha que negociar algum tipo de acordo que iria, pelo menos temporariamente, mantê-los ligados a Albrook. 

“Estamos de volta.” 

Suas contemplações foram interrompidas por Elodia e Dyana, que finalmente retornaram de seu pequeno intervalo. A dedicação de Elodia e Dyana aos maridos e ao seu bem-estar era evidente, devido às olheiras. Foi um lembrete de que Roland não estava sozinho ao enfrentar os desafios futuros e também lhe deu o combustível para prosseguir com o seu plano atual. Ele encontraria uma maneira de se livrar desses cultistas sendo mais proativo. 

“Bem-vindo de volta, ah Bernir acordou um momento, acho que ele está melhorando.” 

“Ele acordou?” 

Ele deu rapidamente uma boa notícia a Dyana e a observou decolar. Elodia, que segurava a criança, sorriu. Logo os dois a ouviram soluçar levemente e Bernir tentando acalmá-la. Armand e Lobélia também logo acordaram para contar sua própria história de terem sido jogados em várias árvores e terem seus ossos quebrados. A única pessoa que escapou ilesa de toda a situação foi Elodia, que se encarregou de atender às necessidades de todos. 

Quando todos começaram a se recuperar, Roland perguntou sobre os acontecimentos que ocorreram depois que ele desmaiou. A única pessoa que testemunhou tudo foi Elodia, e ela pintou um quadro detalhado dos acontecimentos sem deixar nada de fora. Ela começou exatamente no final do encontro, onde um grupo de cavaleiros Solarianos correu para descobrir Agni. 

A forma da variante Luz Solar era bastante perturbadora, e Elodia ficou surpresa com a rapidez com que os cavaleiros Solarianos começaram a recuar. Parecia que eles estavam com medo de tocar no lobo rosnante que protegia os desmaiados Bernir e Roland. Foi só depois que os soldados da cidade, junto com Arthur, apareceram alguns minutos depois que a tensão se dissipou. 

Com a chegada deles e a habilidade de Elodia de acalmar Agni, os dois poderiam receber ajuda imediata dos clérigos ali reunidos. A Irmã Kassia estava presente porque participou da subjugação do monstro. Assim que suas vidas não estavam mais em perigo, todos foram levados às pressas para a cidade, e toda a casa de Roland foi tomada pela Igreja. Conforme o protocolo usual, eles precisavam procurar quaisquer sobreviventes cultistas e possíveis perigos futuros. 

Arthur, que era o senhor desta terra, normalmente teria todos os direitos para bloquear o local sem o envolvimento da igreja. Infelizmente, quando cultistas malignos estavam envolvidos, nem mesmo um nobre poderia fazer algo a respeito. Por decreto real, eles foram autorizados a assumir o comando sempre que forças do mal estivessem envolvidas. Esta era uma das razões pelas quais a Inquisição era temida, pois nem mesmo os nobres conseguiam opor-se totalmente a ela. 

Ficou claro que a Igreja de Solaria tomou medidas rápidas e completas para proteger a área e garantir que nenhum remanescente dos cultistas permanecesse. Embora ele não gostasse do fato de uma força estrangeira estar patrulhando sua casa, isso não era necessariamente o maior dos problemas. Com uma maior concentração de seu foco ali, era menos provável que ocorresse uma nova onda de ataques. 

“Então, onde está Agni?” 

“Ele na verdade ficou para trás, eu disse a ele para proteger nossa casa até voltarmos. Não se preocupe com ele, esses paladinos têm uma estranha reverência por ele. Acho que eles o veem como uma espécie de besta sagrada.” 

“Eles o reverenciam? Hum…” 

A história logo chegou ao fim e ele ficou com mais perguntas. A razão para Agni não estar aqui foi que ele foi deixado no complexo para protegê-lo. Ele não tinha certeza até que ponto eles adoravam seu companheiro canino, mas isso não era uma coisa ruim. Pelo menos não pareciam determinados a forçá-lo a qualquer lugar que potencialmente lhe desse uma nova moeda de troca. 

Com todas as informações agora reunidas, ele precisava se preparar. Não podia se dar ao luxo de revelar muito cedo. Ele precisava jogar suas cartas com cuidado, especialmente quando se tratava de lidar com uma organização tão poderosa e enigmática como a Igreja de Solaria. Eles detinham a maior parte do poder aqui e poderiam tentar arrancar tudo dele. Felizmente, esta nova revelação sobre Agni poderia fornecer-lhe uma proteção, pois ele estava ligado à besta sagrada que a igreja adorava. 

“Tem certeza de que está bem? Você está de pé há algum tempo… Talvez você devesse dormir um pouco?“

“Oh? Não, estou bem, só estou pensando em algumas coisas…” 

“Se eu puder ajudar em alguma coisa, então…” 

“Eu sei…” 

Roland sorriu e, por um momento, concentrou-se apenas em sua nova esposa. Por um momento, ele teve medo de nunca mais vê-la. Muitas pessoas não conseguiriam suportar um acontecimento tão traumático, mas lá estava ela, oferecendo-lhe o seu apoio sem sequer pedir nada em troca. Apenas confirmou o fato de que tomou a decisão certa ao pedir a mão dela. 

“Eu aprecio sua preocupação. Vou ficar bem, é muita coisa para processar, mas vou superar isso como sempre fiz.” 

“Eu sei, mas… o que você quer dizer com você? Você não quis dizer nós? 

As sobrancelhas de Elodia franziram e ela parecia estar fazendo beicinho.

“Ah, desculpe, eu acho… ainda não estou acostumado com isso.” 

Com um sorriso gentil, ela se inclinou e deu-lhe um beijo caloroso. Foi um momento de consolo em meio ao caos que se desenrolou em suas vidas. Os dois enfrentaram adversidades, mas o vínculo entre eles só ficou mais forte. Agora eles só precisavam fazer o mesmo e enfrentar o próximo obstáculo juntos.


Gostaria de ter sua novel favorita em PDF ou algum outro formato digital para ler offline?? ACESSE AQUI e saiba como!!

Comentários

0 0 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar