Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

The Runesmith – Capítulo 411

Limite.

‘O que devo fazer com meus amigos aqui? Não posso confrontá-los abertamente…’

Roland olhou para a sobreposição do mapa que estava se expandindo. Esta era a primeira vez que ele esteva nesta cidade, mas graças a esse recurso ele pôde ver o traçado da área. Ao avistar um beco próximo, decidiu fazer um desvio por ele, na esperança de perder temporariamente seus perseguidores. O beco era estreito e sinuoso, com prédios altos de cada lado lançando sombras que proporcionavam alguma cobertura.

Enquanto Roland avançava pelo beco, ele podia ouvir os sons distantes da movimentada cidade. A disposição irregular dos edifícios criava pontos cegos, conferindo-lhe uma vantagem estratégica. Ele acelerou o passo, serpenteando pelos caminhos labirínticos do beco, enquanto ficava de olho em seu minimapa.

Os pontos vermelhos que representavam os poucos perseguidores ainda o seguiam e indicavam que ele provavelmente não conseguiria perdê-los dessa forma. Muito provavelmente, eles tinham algumas habilidades de rastreamento que os ajudaram a avançar pelos becos.

‘Aposto que eles sentiram meu cheiro enquanto estávamos no dirigível, ficamos dentro daquela cabine por um tempo, não seria difícil fazer isso para um de seus rastreadores de nível 2. Como devo lidar com eles?’

Roland contemplou o dilema, percebendo que não poderia simplesmente enfrentá-los no coração de uma cidade desconhecida. O potencial de danos colaterais devido à sua magia rúnica volátil era grande. Além disso, ele considerou a possibilidade de que pudessem estar incitando-o à retaliação, afinal, eles eram membros de um grupo mercenário com conexões influentes. Ocorreu-lhe que poderiam ter ligações com o capitão da guarda local, que poderia rapidamente mobilizar soldados para prendê-lo. Qualquer resistência da sua parte poderia agravar ainda mais a situação, potencialmente envolvendo até mesmo os nobres locais.

‘Será melhor não envolver outras pessoas, preciso perder esse rabo de vez…’

Roland considerou várias abordagens para resolver a situação. O risco de eles empregarem habilidades de rastreamento para segui-lo era uma preocupação, mas ele havia tomado precauções para combater tais efeitos. Tendo encontrado situações semelhantes antes, ele pesquisou extensivamente feitiços mágicos para eliminar seu cheiro e dificultar suas habilidades de rastreamento. Com isso em mente, examinou o mapa mais uma vez, traçando um rumo em direção a um dos becos que parecia ser um beco sem saída.

À sua frente havia um prédio de pedra com paredes de tijolos nas laterais, proporcionando um local ideal para montar sua armadilha. A mão de Roland tocou o chão enquanto ele ativava uma de suas últimas habilidades. Uma série de runas surgiu, brilhando em uma luz azul pálida. Por um instante, uma imagem ilusória de si se materializou e depois se dissipou rapidamente. Era um substituto temporário, um feitiço ilusório concebido para enganar e desviar momentaneamente seus perseguidores.

Isso marcou apenas o início de sua estratégia. Logo, runas adicionais adornaram as paredes próximas sob o toque contínuo de Roland. Sua habilidade Imbuir Runas provou ser inestimável, permitindo-lhe montar armadilhas rapidamente sem a necessidade de pergaminhos pré-preparados, como havia feito no passado. Contanto que materiais inorgânicos, como os tijolos ao redor, estivessem presentes, Roland poderia aproveitar alguma forma de magia rúnica com facilidade.

‘Agora que está tudo definido… preciso sair daqui…’

Ele olhou para cima, encontrando o caminho obstruído em três direções por paredes íngremes. Tais barreiras não representavam nenhum desafio para alguém com suas capacidades que fosse proficiente no uso do feitiço de levitação. Estendendo a mão, Roland apontou para cima, liberando um peculiar feixe semitransparente de luz verde de seu dedo.

Não era um feitiço ofensivo, em vez disso, conectou-se com o telhado do prédio à frente, aderindo a ele. A substância que gerou era pegajosa e resistente e era algo que ele poderia agarrar. Rapidamente, invocou o feitiço de levitação, tornando-se leve como uma pena. Com um único e forte puxão, seu corpo disparou para cima. Logo se viu no telhado do prédio, pulando suavemente como se estivesse na superfície da lua.

‘Isso ainda é um pouco complicado…’

Para evitar ser lançado incontrolavelmente no ar, Roland modificou o feitiço de levitação, permitindo que uma fração de seu peso persistisse. Sua luta para controlar a propulsão o levou a optar por meios mais simples de avançar. Um desses meios foi usar um feitiço combinado que unia sua mão mágica e um feitiço de ligação. Graças às propriedades adesivas adicionais, ele poderia se deslocar para superfícies planas.

Sua forma se moveu rapidamente pelos edifícios, enquanto estava envolta em um feitiço de invisibilidade. Sua magia atingiu o nível de feitiços rúnicos maiores, algo que as pessoas normais seriam incapazes de ver. Com seu peso reduzido e cancelamento de som, ninguém percebeu quando ele saltou no ar.

‘Isso deve servir…’

Depois de um tempo, Roland se viu em um beco diferente, sem espectadores. Ele cancelou os feitiços que havia usado anteriormente e silenciosamente traçou seus passos em direção aos sons distantes da conversa. Seus perseguidores permaneceram alheios ao seu desaparecimento e esperaram que ele saísse daquele beco. Ele previu que eles demorariam um pouco antes de iniciar uma investigação, proporcionando-lhe uma janela de oportunidade para despistá-los para sempre.

Enquanto se movia furtivamente pela cidade, Roland não pôde deixar de imaginar as expressões em seus rostos quando cairiam na armadilha que deixou para trás. Ele riu sozinho ao achar todo o encontro bastante divertido.

“Eu gostaria de poder ver seus rostos depois de caírem naquela armadilha. Ah bem! Eu deveria ir para a estação de trem e esperar. Mas primeiro, preciso ver isso até o fim…”

Havia três pontos visíveis em seu dispositivo de mapeamento. Embora seu alcance de varredura tivesse aumentado, ele seria incapaz de acompanhar os acontecimentos se simplesmente partisse. Outro problema eram as runas imbuídas que ele deixou para trás, se o grupo não entrasse, elas se dissipariam. Para prolongar o efeito delas, precisava permanecer em um determinado alcance. Em seu nível de habilidade atual, elas durariam cerca de dez minutos de forma autônoma. Ao permanecer mais perto, ele poderia infundir um pouco de sua mana nelas para estender o efeito por cerca de uma hora. No entanto, esta habilidade tinha seus limites – eventualmente, a runa seria corroída a tal ponto que mesmo se estivesse próximo a ela, desapareceria.

“Ei? Devemos entrar?”

“Ele está agindo de forma estranha… Ele nos descobriu?”

“Merda, ele fugiu… mas posso sentir que ele está lá…”

As três pessoas da Irmandade Obsidiana estavam diante de um beco solitário. O alvo deles desapareceu e permaneceu lá dentro por quase dez minutos. Eles estavam rapidamente ficando desconfiados, mas por algum motivo suas habilidades de rastreamento lhes diziam que ele estava lá.

“Mas acho que este deveria ser bloqueado… ele está falando com alguém aí?”

“Espere… merda!”

“O que é?”

“Aquele bastardo, acho que ele se foi!”

O rastreador mais experiente do grupo percebeu que algo estava errado e saltou em direção ao beco onde o alvo supostamente estava esperando. Os outros mantiveram distância, cautelosos com esse comportamento incomum que parecia uma armadilha. No entanto, assim que o rastreador mais habilidoso decidiu entrar, os demais seguiram o exemplo.

“Não tem ninguém aqui? Ele escalou as paredes?”

“Malditos magos! Ele deve ter lançado algum tipo de ilusão. Ele não pode ter ido longe. Precisamos encontrá-lo!”

Era evidente para eles que a pessoa que seguiam estava ciente de sua presença. No entanto, receberam a tarefa de rastreá-lo para descobrir sua identidade. Seu grupo mercenário tinha uma política de evitar confrontos com inimigos com os quais não conseguia lidar. O objetivo deles era obter seu cartão de aventureiro ou localizar seu local de residência. Mesmo se ele fosse um mago, provavelmente surgiria uma oportunidade de retaliação. Seus empregadores eram vingativos e não hesitariam em atacar tal indivíduo, especialmente quando ele estivesse vulnerável, como enquanto dormia.

“Ele estava aqui, não pode correr, só precisamos atender… o que…”

Enquanto o líder do grupo falava, algo estranho aconteceu. Todos os sons pareciam desaparecer daquele lugar e ele nem conseguia ouvir suas próprias palavras saindo de sua boca. O grupo percebeu que algo estava errado, mas enquanto tentavam fugir, as armadilhas mágicas foram acionadas.

Um deles tentou recuar pela saída óbvia que eles usaram para entrar, retrocedendo. Contudo, algo manteve seu pé no lugar. Ao olhar para baixo, descobriu uma estranha runa verde brilhante que o mantinha enraizado. Seus dois amigos, tentando escalar as paredes, enfrentaram uma situação semelhante – todos ficaram imobilizados. Antes que pudessem reagir, toda a área foi envolvida por uma peculiar névoa roxa.

Instintivamente, tentaram fechar a boca ao perceber que se tratava de um tipo de ataque gasoso. No entanto, isso se mostrou inútil, pois logo começaram a sentir tonturas. Para agravar a situação, numerosas vinhas explodiram pelos lados, prendendo-se e solidificando-se rapidamente ao seu redor. Apesar de seus gritos de socorro, eles não foram ouvidos devido à runa de cancelamento de som e, um por um, sucumbiram à inconsciência. Para aumentar o desenrolar dos acontecimentos, o solo começou a subir para produzir uma parede rochosa que os ocultava de qualquer espectador em potencial.

‘Bem, isso cuida deles por um tempo, devo pegar outro espeto ou devo tentar não abusar da sorte?’

Roland se distanciou do alcance de suas runas de armadilha e voltou para a cidade. O manto negro com capuz que antes escondia sua identidade agora exibia uma cor diferente de cinza-claro. O material foi modificado alquimicamente por seu próprio trabalhador gnomo, reagindo à mana e capaz de mudar de cor. Reconhecendo que aqueles que o procuravam provavelmente tinham uma descrição específica em mente, ele procurou se misturar, evitando a aparência típica de figuras de sua altura, vestidas com túnicas. Logo ele decidiu ir até a estação ferroviária mágica. O Instituto de Magia de Xandar era seu próximo destino e queria se familiarizar mais uma vez com o sistema de transporte.

A estação ferroviária era um centro movimentado, com várias plataformas conectando-se a diferentes destinos. Roland observou os trens chegando e partindo, maravilhado com a eficiência da mágica rede de transporte. Enquanto estava na plataforma, ele não pôde deixar de se sentir como um engenheiro. As grandes máquinas estavam diante dele e ninguém o impedia de examiná-las com os olhos. Embora ele só pudesse passar pelas conchas externas, isso mudaria depois que ele entrasse.

‘Eles os utilizam principalmente para transportar mercadorias e pessoas, mas graças à tecnologia espacial, os trens não precisam puxar tantos carrinhos.’

Ao examinar os arredores, Roland notou algo peculiar. Contrariamente à sua expectativa de uniformidade, os vagões e locomotivas apresentavam variações significativas. Durante suas viagens anteriores usando um desses, havia apenas um modelo para examinar. No entanto, olhando mais de perto agora, ele percebeu que alguns dos vagões do trem eram encantados, exibindo qualidades mágicas, enquanto outros eram simples de metal sem melhorias perceptíveis. Parecia que cada um deles havia sido elaborado individualmente, sem um arquétipo comum.

‘Os anões geralmente apenas copiam estruturas rúnicas sem muitas alterações, os trens são considerados diferentes deles?’

Estas eram máquinas rúnicas maiores construídas pela união. Após uma inspeção mais detalhada, Roland também identificou vários emblemas associados aos ferreiros anões. Parecia plausível que cada grupo de artesãos anões pretendesse distinguir-se. As locomotivas pareciam grandes criações semelhantes a golens, sugerindo que cada oficina famosa tinha seus próprios modelos preferidos para apresentar ao mercado. Esta abordagem serviu como um meio eficaz para os anões mostrarem seu artesanato e Roland poderia imaginar um sentimento de orgulho entre eles se seus modelos específicos ganhassem uso generalizado.

‘Faz sentido, os traços rúnicos parecem seguir um padrão unificado, mas os exteriores são altamente personalizados por seus criadores. Devo copiá-los e atualizar mais meus golens-aranha?’

Ele dedicou um tempo considerável a um modelo específico de aracnídeo, que agora havia sido transformado em uma criação golêmica totalmente distinta. Roland cogitou a ideia de que sua oficina poderia ganhar reconhecimento para os golens aracnídeos do tipo Wayland se ele continuasse a ultrapassar os limites da inovação. No entanto, tornar-se uma sensação em todo o reino não era um dos seus objetivos. Ele preferia viver mais tranquilamente com sua esposa, que o esperava pacientemente em casa.

‘Acho que alguns me considerariam estranho por não querer dinheiro e fama.’

Enquanto ponderava sobre a ideia de ser um excêntrico, chegou a uma das cabines da estação. Embora este local servisse como estação de trem, faltava o refinamento daqueles em seu mundo original. Por exemplo, não havia horários publicados para ele seguir, em vez disso, os indivíduos tiveram que consultar um dos funcionários da estação. Além disso, mesmo quando os horários de partida eram conhecidos, os comboios atrasavam-se frequentemente.

Depois de esperar aproximadamente dez minutos e perguntar, ele recebeu o número da plataforma. A estação era notavelmente espaçosa, ostentando um total de oito plataformas. Uma divisão distinta era evidente, com apenas dois dos trens designados para uso comum, enquanto os demais exigiam credenciais adicionais para acesso. Nobres e comerciantes, avessos a partilhar transporte com aventureiros potencialmente perigosos e pessoas comuns, estavam dispostos a pagar preços de bilhetes consideravelmente mais elevados para garantir a sua exclusividade.

Depois de identificar onde precisava ir, Roland seguiu para a sexta plataforma. Seu trem ainda não chegou, mas o que estava perto de partir parecia bem requintado. Era adornado com esculturas complexas, detalhes dourados e interiores luxuosos, atendendo claramente a uma clientela mais abastada

. Nenhuma das locomotivas destinadas aos plebeus estava aqui, apenas comerciantes de alto nível e da baixa nobreza poderiam levá-las. Para ter acesso ele precisava mostrar seus documentos a um dos guardas e com isso já poderia esperar a chegada do comerciante.

Como previsto, passou-se uma quantidade considerável de tempo esperando, com pouco para ocupá-lo. Dada a falta de outras diversões, pegou seu caderno e começou a traçar os símbolos rúnicos. Mesmo sem acesso ao interior, o conhecimento existente permitiu-lhe extrapolar o funcionamento. Armado com baterias rúnicas capazes de produzir um motor superior, se concentrou na análise dos aspectos exteriores do trem.

Examinar a distribuição de peso no trem tornou-se outro ponto de interesse. Talvez no futuro ele próprio pudesse empreender a construção de tal comboio, prevendo lucros potenciais para Albrook. Embora a criação de estradas-de-ferro apresentasse desafios e custos substanciais, criar um comboio completo seria o empreendimento mais custoso. Oferecia a Arthur uma oportunidade única de se distinguir de seus irmãos, mas seria uma tarefa difícil. Eles precisariam construir trilhos que atravessassem alguns de seus territórios para se conectarem à ferrovia que levava a Isgard.

Depois de decorrido meio dia, o gordo comerciante, acompanhado por seus dois guardas, finalmente apareceu. Sem trocar uma palavra com ele, seguiram direto para o trem recém-chegado. Finalmente, sua jornada poderia progredir e, após a próxima parada, estaria livre para embarcar por conta própria. Com o Professor aguardando sua chegada e a carta-convite em mãos, nada impedia seu progresso. Ele entrou confiante no carro de luxo e escolheu um assento situado um pouco afastado do comerciante e de seus dois guardas principais.

Ele desfrutava do luxo de algum espaço pessoal, um privilégio reservado aos ricos e nobres. Em total contraste, observou um trem comum na segunda plataforma, superlotado de pessoas, muitas das quais estavam sem assento. Enquanto observava, seus olhos captaram algo familiar – um par de orelhas de coelho que ele lembrava da aeronave.

‘É aquela carregadora?’

A garota usava uma mochila grande, semelhante à que Bernir havia usado antes, mas com encantamentos adicionais. Parecia que a garota estava esperando alguém chegar enquanto procurava por alguém. O trem que ela iria usar estava sendo lotado aos poucos e provavelmente partiria em alguns minutos.

‘Ela está esperando pelos membros do seu grupo? Eles vão perder o trem?’

Para alguém que se orgulhava da pontualidade, testemunhar indivíduos que não chegavam à estação de trem com pelo menos vinte minutos de antecedência parecia peculiar a Roland. Ele não pôde deixar de se perguntar se a vida da garota não era ideal, especialmente se ela estivesse trabalhando com aventureiros que lutavam com a pontualidade. No entanto, sua linha de pensamento foi interrompida quando percebeu que ela acenava com entusiasmo para o lado. Embora ele não pudesse ver claramente, era evidente que alguém estava se aproximando dela.

Seu olhar se deslocou naquela direção, guiado pela luz que iluminava três sombras indistintas. Ele ponderou sobre as identidades dos indivíduos que acompanhavam a coelha. No entanto, antes que ele pudesse discernir seus rostos, um som estridente assaltou seus ouvidos quando outro trem chegou à estação, obstruindo sua visão.

“Ah bem…”

Ele não podia fazer nada além de recostar-se no assento. Sua jornada continuou e ele precisava cumprir sua programação. Enquanto o trem partia da estação, Roland observou a paisagem que passava pela janela. A cidade gradualmente deu lugar à periferia, onde extensos campos e florestas substituíram o cenário urbano. Logo terminaria a primeira parte da viagem e então começaria seu verdadeiro objetivo, o aprendizado.


Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

0 0 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar