Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

The Runesmith – Capítulo 430

Casa Na Árvore.

“A diretora quer me ver?”

“Aparentemente sim, estou tão surpreso quanto você, mas isso só mostra o quão impactante esse incidente realmente foi. Vou te dar um conselho, não deixe Diretora esperar, ela é uma pessoa muito ocupada…”

“Tudo bem, irei vê-la então… mas primeiro…”

“Sim?”

“Onde posso encontrá-la?”

“Ah, quase esqueci, você ainda é novo aqui. O escritório da Diretora está localizado na Torre de Magos Central.”

“Torre de Mago Central? Existe tal torre?”

“Existe, mas não é acessível pelos meios normais. Porém, agora que a Diretora chamou você, o caminho deve se abrir.”

Thorne respondeu de uma maneira um tanto enigmática antes de direcionar Roland para algum tipo de entrada escondida.

“A entrada está aí?”

“De fato, espere aí e o caminho deverá se abrir.”

Ele não sabia bem o que pensar disso, mas parecia que a diretora não gostava que as pessoas bisbilhotassem seu escritório. Esta torre central parecia um lugar escondido por algum tipo de magia que nem ele conseguia perceber. Quando chegou ao Instituto, não havia outras torres de magos além das elementais, esta nova oculta era bastante intrigante.

Logo ele saiu do Departamento de Execução sem realmente ter tempo para discutir o problema que causou. Ao sair, percebeu que os outros magos do lado de fora olhavam constantemente em sua direção. Estava claro para ele que grande parte dessas pessoas havia sido comprada pelas facções nobres e talvez procurassem tornar a vida mais difícil para ele.

‘Este é o lugar certo?’

Eventualmente, ele se viu em um grande jardim. Estava bem calmo aqui, semelhante a um parque onde as pessoas vinham relaxar. Aos lados, ele podia ver estudantes sentados contra algumas árvores ou até mesmo dormindo na grama, lugar que não esperava que fosse aquela torre central supersecreta. O que ele estava diante era um gazebo feito de videiras e madeira. Parecia que foi totalmente criado por magia, e Thorne o instruiu a sentar-se enquanto esperava.

‘Alguém virá por trás de mim?’

Depois de se sentar no banco um tanto desconfortável, ele começou a esperar. Embora inicialmente os alunos estivessem curiosos sobre a intromissão dele neste local pacífico, logo se afastaram, pois a essa altura estavam entorpecidos ao ver pessoas como ele. Parecia bem relaxante aqui e se pegou pensando em sua casa. No entanto, esta tranquilidade foi interrompida por uma mudança nas energias mágicas ao seu redor.

‘Magia Dimensional?’

Roland se acostumou com o estranho ambiente da academia e um tipo de magia prevaleceu. Todo o edifício principal do Instituto estava cheio de bolsões dimensionais menores e maiores. Ao entrar por uma porta, conseguiu identificar o quão grande seria o espaço interno e, por essas leituras, sabia que estava indo para algum lugar grande. Logo, um caminho de vinhas apareceu diante dele que se transformou em um lance de escadas. Uma grande porta estava no final, e ele imediatamente soube que estava sendo chamado para lá.

‘Acho que é aqui que fica a entrada? Parece que existem várias camadas de magia de ilusão junto com feitiços de ocultação sendo usados ​​e algo mais… algo que impede uma pessoa de sentir a mana…’

Ele percebeu que algo foi usado para manter esse lugar escondido, o que também disfarçou o aumento de mana. Normalmente, um feitiço tão grandioso seria facilmente perceptível de longe, mas não sabia dizer, mesmo depois de se sentar neste gazebo. Os estudantes que estavam aqui também não pareciam capazes de perceber o fenômeno da criação de escadas. Estava claro que nenhuma mana estava vazando para fora e só ele podia ver.

‘É um efeito minimizado para quem está sentado neste gazebo? Interessante, talvez eu possa usar isso…’

Enquanto ponderava sobre os usos potenciais dos efeitos de ocultação ao redor do mirante, ele decidiu se levantar e seguir o caminho de vinhas que levava à grande porta no topo da escada. Ele usou seus olhos rúnicos para tentar identificar a magia usada aqui, mas para a sua surpresa, sentiu algo que quase esqueceu, uma enxaqueca. As estruturas aqui eram antigas e também poderosas. A julgar pela pequena dor de cabeça, elas deviam estar um pouco acima de suas atuais capacidades de nível 3, talvez no reino das grandes runas de nível 4.

As energias mágicas mudaram conforme subia e ele podia sentir uma mudança na atmosfera, como se estivesse entrando em uma dimensão diferente. Ao chegar ao topo, se viu diante de uma impressionante porta de madeira adornada com entalhes intrincados e estranhos símbolos não rúnicos. A porta parecia irradiar um poder estranho e pela primeira vez ele encontrou algo peculiar. Esta porta de madeira foi colocada sob algum tipo de encantamento como as outras, mas estava próxima do nível dos símbolos rúnicos.

‘Não parece que eu seria capaz de usar Autoridade Rúnica nesses símbolos… pelo menos não no meu nível de habilidade atual…’

Esta viagem estava ficando um pouco mais intimidante do que antes. A porta estava aberta e ele poderia passar, mas estava hesitante. Diante dele havia uma área desconhecida que não seria capaz de lidar com seu nível ou habilidades atuais. Um Arquimago que era potencialmente um detentor de classe nível 4 também se escondia lá dentro e, se não tomasse cuidado, sua vida poderia estar em perigo. Porém, também sentiu que depois de subir as escadas não havia como voltar atrás. Era até possível que ele não conseguisse escapar, pois já se encontrava dentro de um bolso dimensional.

Depois de passar por ela, ele apareceu em uma grande câmara além. A sala estava repleta de vários artefatos mágicos, cristais flutuantes e livros antigos. Este lugar era inteiramente feito de madeira e outras matérias vegetais. Os móveis, junto com muitas outras coisas, pareciam estar conectados ao chão e às paredes, como se tivessem crescido nos arredores.

A porta pela qual ele passou fechou-se atrás dele e deslocou-se para o chão de madeira até não haver mais nada lá. A princípio ele não viu nenhum caminho a seguir, mas logo novas escadas começaram a aparecer ao lado. Foi fascinante ver tábuas sendo formadas a partir da madeira.

‘Thorne disse para apenas seguir o caminho e não parar por muito tempo.’

Sem olhar por muito tempo, ele decidiu ouvir as instruções que lhe foram dadas. Todo esse lugar estava cheio de grandes quantidades de mana, e era melhor não desencadear alguma resposta defensiva oculta depois de tocar em algo. As escadas de madeira o levaram até esta torre e, no caminho, entrou em várias outras grandes câmaras. Uma delas era uma vasta biblioteca repleta de estantes e mais estantes de tomos e pergaminhos antigos. Outra câmara abrigava uma coleção de artefatos mágicos, cada um emitindo uma aura única de poder. Depois havia algo que parecia uma horta e um jardim e também uma câmara alquímica.

A viagem foi bem longa, já que esta nova torre de mago parecia se estender bem alto. Graças à adição de várias janelas nas laterais, podia ver todo o instituto de fora. Parecia que este lugar estava bem no meio do Instituto e escondido atrás de algum tipo de feitiço de invisibilidade que ninguém conseguia ver. Ele não tinha certeza de como era por fora, mas a estrutura o lembrava de uma grande árvore.

Finalmente, depois de subir o que pareciam ser inúmeras escadas, ele chegou ao topo da torre. A câmara no cume era menor que as outras e bastante peculiar. Vários arcos e colunas de madeira formavam um pequeno teto, mas as laterais não tinham paredes. No centro da sala havia uma mesa de madeira, atrás da qual estava sentada uma mulher com cabelos verde-musgo que caíam em cascata pelas costas.

Ela usava vestes elegantes adornadas com padrões intrincados, e seus olhos, de um tom profundo de violeta, estavam focados nos documentos à sua frente. Suas orelhas se projetavam para os lados e eram bem compridas, e sua pele era verde clara. Por um momento, Roland a confundiu com uma Dríade, que era um tipo de monstro vegetal que se assemelhava aos humanos. No entanto, ela não tinha algumas de suas características, como folhas saindo de seus cabelos ou cascas de casca em sua pele.

“Professor Assistente Wayland, presumo?”

Sua voz era calma e comedida, ecoando pela sala com um senso de autoridade. Roland sentiu o peso da presença dela e inclinou a cabeça em reconhecimento.

“Sim, diretora. Você me convocou?”

A diretora ergueu os olhos do trabalho, seus olhos violetas encontrando os de Roland. Ela gesticulou para que ele se sentasse em frente à mesa dela. No momento em que o fez, uma delas levantou-se do chão de madeira. Ao sentar-se, a cadeira de madeira pareceu moldar-se à sua forma, proporcionando um nível surpreendente de conforto.

“Fui informado dos acontecimentos recentes envolvendo uma nobre dama em particular e uma audiência subsequente. Parece que você desempenhou um papel fundamental na resolução do assunto.”

Roland assentiu enquanto ficava levemente arrepiado. Ele podia sentir o olhar dela caindo sobre seu corpo blindado, como se ela estivesse examinando seu pobre trabalho artesanal, o que para alguém como ela provavelmente era brincadeira de criança.

“Sim, Diretora. Encontrei os alunos no centro de treinamento e agi com as regras do Instituto em mente.”

“Com as regras em mente? As regras determinam que você deve quebrar o esterno

de um homem?”

“Ele não estava disposto a se render e até tentou subornar um membro do Departamento de Execução.”

Roland respondeu rapidamente, sem gaguejar, pois pelo menos sabia que as regras estavam do seu lado. Essa rápida refutação pareceu fazer com que uma das sobrancelhas da mulher se erguesse.

“Palavras ousadas, professor assistente Wayland. Parece que você carrega o peso do seu próprio senso de justiça. Posso pelo menos apreciar isso, até certo ponto, mas…”

A diretora recostou-se na cadeira, sem deixar de olhar Roland. Ele não conseguia interpretar a expressão dela e se perguntou o quanto ela sabia sobre sua formação e seus reais motivos para estar no Instituto.

“Este ainda é um lugar para aprender e eu apreciaria se vocês aprendessem a lidar com essas situações, com meios menos violentos.”

Ele estava sendo repreendido por essa mulher por seu comportamento precipitado. Se isso fosse tudo para esta reunião, então tudo bem. Parecia que ela estava lhe dando um aviso sobre seus métodos que causaram ferimentos em algumas pessoas e também danos ao centro de treinamento. Porém, logo ela começou a fazer mais perguntas, algumas que não tinha certeza se queria responder.

“Fui informado que você não é membro de nenhuma casa nobre, mas não parece se importar com as repercussões de suas ações. Por que isso acontece, professor assistente Wayland?”

Roland hesitou por um momento, escolhendo cuidadosamente as palavras. Ele podia sentir o peso da situação, e a mulher estava pedindo alguma informação. Parecia estranho que alguém não tivesse medo de irritar nobres. Ela provavelmente queria ouvir a verdadeira razão por trás disso, mas não queria revelar seus laços com a Casa Arden. Era melhor vincular seu comportamento ao seu forte senso de justiça e talvez fazer parecer que ele simplesmente não gostava do abuso de poder desenfreado de que os nobres estudantes eram culpados.

“Eu apenas fiz o que achei certo e segui as regras do Instituto, por essas regras, todo aluno é igual, não é?”

A diretora assentiu levemente, mas ele não tinha certeza se sua resposta a convenceu. Depois de um momento de silêncio, ela se inclinou para frente, com os dedos entrelaçados.

“Você é um indivíduo intrigante, professor assistente Wayland. Incomum, mas ainda assim intrigante. Suas ações provocaram grande comoção nos círculos nobres e algumas figuras influentes não estão satisfeitas com você. Eu não chamei você aqui para lhe dar um sermão, mas mais para lhe dar um aviso.”

“Um aviso?”

“Sim, um aviso.”

A diretora respondeu, estreitando ligeiramente os olhos.

“Suas ações podem ter consequências, que podem afetar não apenas você, mas também alguns de nossos alunos. Enquanto você permanecer dentro do Instituto, garantirei a sua segurança, mas depois de sair destas paredes, você estará sozinho. Você entende?”

“Sim, diretora. Serei cauteloso e atento às minhas ações futuras.”

Roland ficou um pouco surpreso com as palavras dela, pois parecia que essa Arquimaga estava do seu lado. Contudo, a mensagem era clara: uma vez que ele estivesse fora do Instituto, ela não faria nada para protegê-lo de quaisquer retaliações dos nobres. Ele esperava algumas consequências imediatas pelas suas ações, mas o aviso da diretora sugeria uma rede mais ampla e complexa de intriga política.

“Bom, estou feliz que você entenda. Agora, enquanto você agitava um pouco o ninho de vespas, você conseguiu ajudar um de nossos alunos problemáticos. Por favor, mantenha o bom trabalho. Você está liberado.”

“Ah sim?”

Depois de ser elogiado no final, ele ficou surpreso com a mudança de assunto. A Diretora rapidamente voltou para sua montanha de papéis e outros artefatos mágicos, como se ele não estivesse mais lá. Assim, se levantou desajeitadamente do assento e lentamente começou a se afastar. O caminho para baixo ainda estava lá, então ele presumiu que precisava descer as escadas mais uma vez.

‘Isso correu bem ou não?’

Ele não tinha certeza se esta reunião correu bem ou não. Parecia que ela estava mais interessada em ver o homem que causou o incidente do que em repreendê-lo. Não houve punição e ele também não foi expulso do Instituto. Então, ao chegar à grande área da biblioteca da torre durante sua caminhada, ele teve outra surpresa.

“Ah, quase esqueci.”

“Diretora?”

“Você tem feito algumas pesquisas interessantes e pode achar este livro útil.”

Sua voz ressoou na biblioteca e logo uma estante apareceu com um grande livro de capa dura. Foi apresentado a ele, e não poderia recusar algo que lhe foi dado pela Arquimaga. Estava escrito em uma língua mais antiga, mas ele conseguia entender o significado.

“Conexão de mana e alma?”

“Ele deve ajudá-lo em sua pesquisa, mas certifique-se de devolvê-lo quando terminar, você não encontrará este Tomo na biblioteca principal, ele deve ajudá-lo com seu dilema do ‘fantasma de mana’.”

“Uh… obrigado?”

“De nada.”

Logo a voz dela desapareceu e ele ficou com um grande livro de pesquisa nas mãos. Uma coisa estava clara: ele não recebeu este livro sem motivo. A diretora devia saber que estava pesquisando fantasmas de mana, algo que ele não contou a ninguém além de Arion. Era possível que ela tivesse perguntado a ele sobre isso ou que ela mesma tivesse algum meio de monitorar a escola.

Enquanto Roland descia da torre, o peso do encontro com a diretora permanecia em sua mente. O alerta sobre possíveis consequências fora do Instituto e o conhecimento que a Diretora tinha de sua pesquisa eram desconcertantes. Havia a possibilidade de ela já saber de tudo, mas ele não conhecia seus motivos nem suas inclinações. Logo se encontrou no nível inferior e a porta de saída se apresentou a ele. Se viu no mesmo gazebo que os estudantes e rapidamente voltou para o Departamento de Execução, onde Thorne o esperava.

“Como foi?”

Thorne perguntou imediatamente depois que Roland entrou em seu escritório. Após uma breve explicação sobre o encontro, Thorne coçou a cabeça, com uma expressão pensativa no rosto.

“Não tenho certeza, acabei de receber um aviso… eu acho?”

Roland respondeu, sem saber o que tirar daquela reunião. A diretora não explicou muito e parecia mais que ela só queria ver o novo encrenqueiro cara a cara. Em seguida, ele também recebeu alguns materiais de pesquisa em forma de livro, o que o informou que ela sabia de suas visitas à biblioteca. Não parecia que fosse uma inimiga, mas talvez também não fosse uma aliada, ele precisava ter cuidado.

“É assim mesmo? Parece que você causou uma boa impressão, professor assistente. O fato de você não ter sido punido já é um bom sinal. Isso é um bom presságio para isso, qual era o nome mesmo? Sistema de vigilância?”

Após a audiência e a exibição de seus dispositivos de gravação, Thorne ficou intrigado com as possibilidades.

“Isso…”

“Existe alguma limitação? E quanto aos custos?”

“Os custos não seriam nada estranhos…”

Parecia que esse dia não terminaria tão rapidamente, pois agora ele estava preso explicando o sistema de monitoramento ocular golêmico para Thorne. Poderia ser feito de materiais de nível 2, o que reduziria drasticamente os custos. Quanto mais ele explicava, mais feliz Thorne parecia e, por algum motivo, Roland começou a pensar que conseguiria muito mais trabalho do que inicialmente se inscreveu.

‘No que eu me meti…’


Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

0 0 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar