Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

The Runesmith – Capítulo 435

Partida.

“Cuidado com os passos ao subir a rampa principal.”

“Sim, professora Ulfine.”

A aeronave estava quase totalmente carregada e Roland e Ulfine já haviam embarcado. Lucienne junto com os outros alunos e suas amigas pareciam um pouco nervosas, mas também animadas. Mesmo agora, olhavam em sua direção, acalmando-se sempre que subiam a rampa de acesso ao navio, o que sua nova conhecida notou.

“Parece que as jovens estão interessadas ​​em você, Wayland. Aposto que adorariam ouvir sobre suas aventuras no reino.”

“São apenas histórias chatas de expedições em masmorras, não muito interessantes.”

“Talvez não para você, mas para aqueles que não conseguiram abrir as asas, é fascinante.”

“É assim mesmo…”

Roland ponderou suas palavras enquanto esperavam. Estes jovens aqui vieram de famílias abrigadas e provavelmente raramente saíam de casa sem supervisão. Provavelmente era verdade que esta era uma das poucas vezes em que puderam ver o mundo e viajar, algo que não gostava, mas foi forçado a fazer. Sua jornada foi bem interessante do ponto de vista de outras pessoas, pois ele era um garoto de dez anos que partiu em uma aventura e se tornou rico e poderoso até certo ponto por sua própria vontade.

Quase todas as crianças aqui tinham cerca de quinze anos e isso o lembrava de seus tempos de escola. Eles eram semelhantes às crianças no final do ensino médio e no início do ensino médio. Ele se lembrava um pouco de ter pensado que era quase um adulto naquela idade, infelizmente não passava de uma ilusão. Mesmo depois de completar vinte e poucos anos, tornar-se adulto ainda parecia muito distante.

“Ei, aquele não é o Professor Full-Mythril?”

“Sim, se ele está aqui… então provavelmente não temos nada com que nos preocupar!”

“Espero que o vejamos matar alguns monstros, ouvi dizer que ele é um aventureiro ativo. Você acha que ele já lutou contra um dragão?”

“Um dragão? Essas coisas são difíceis, então provavelmente não, mas talvez um Wyvern ou um Draco?”

Roland forçou-se a desviar o olhar das crianças fofoqueiras. Sempre que ele olhava na direção deles, eles recuavam e se acalmavam. No entanto, parecia que pelo menos entre este grupo conquistou uma boa reputação. Mesmo que estivessem apreensivos com ele, não pareciam tão infelizes com sua presença aqui. Provavelmente, isso se deveu às origens dessas pessoas, que não vinham de casas altas da nobreza.

Esta aula de avanço foi projetada para ajudar jovens que estavam atrasados ​​em seu nivelamento. Os mercadores ricos e a nobreza poderiam realizar tais empreendimentos em seu próprio tempo e de maneira mais segura. O grupo aqui consistia principalmente de plebeus, filhos de comerciantes ricos e de menor nobreza, que também incluía cavaleiros ou aventureiros que tinham dinheiro suficiente para pagar as altas mensalidades. Todos que estavam acima deles em status geralmente viam essas aulas como abaixo deles e não como algo de que deveriam participar.

Mesmo quando não estava de frente para ninguém e olhando para longe, ainda podia observar tudo o que acontecia neste navio. As pequenas aranhas que trouxe nesta viagem funcionariam como seu sistema de monitoramento. Ele podia ver e ouvir cada um dos alunos. Pretendia ver se alguém nutria animosidade contra sua irmã e estava tramando algo de bom. Felizmente, sem nobres superiores ou mesmo em posições intermediárias, tudo parecia bem.

Eventualmente, os motores da aeronave ganharam vida para sinalizar que estavam prontos para partir. O líder desaparecido chegou um pouco atrasado, mas finalmente chegou na hora de decolar. Ele era um Elementalista de nível 3 e seria o líder desta viagem. Até onde Roland sabia, esse homem tinha boas relações com Delauder, que se revelava o principal antagonista de sua residência ali. Se alguém tentasse puxar alguma coisa, seria ele, mas Roland também não poderia desconsiderar Ulfine, que também não conhecia muito bem. Mesmo que ela estivesse agindo de forma amigável, poderia ser apenas um ato para diminuir suas defesas.

O homem tinha uma expressão severa no rosto e usava um manto um tanto colorido. Era atraente porque continha quatro cores, cada uma representando um elemento mágico básico. Ele não estava sozinho, pois havia três pessoas atrás dele que pareciam professores e provavelmente eram de seu departamento. Ele era professor, então os outros poderiam ser seus assistentes. Uma pessoa não precisava ser chefe de departamento para conseguir tal função, mas a próxima promoção seria se tornar chefe de departamento como Thorne ou Arion.

“Lá está ele, casualmente atrasado como sempre. Vejo que ainda tem esses maus hábitos…”

Ulfine comentou enquanto um suspiro escapou de sua boca. O Legre que estava preguiçoso ao lado bufou como se os dois estivessem irritados com a aparência do homem. Ele parecia ter um pedaço de pau no traseiro, mas Roland não queria fazer uma avaliação apenas pela aparência. Essa pessoa tinha um jeito gracioso de andar e um porte muito ereto. Ele lembrou Roland de um pavão ao fazer tudo isso com aquele manto atraente.

“Lady Ulfine, é um prazer tê-la conosco nesta viagem.”

Depois de subir a rampa com calma, a primeira coisa que fez foi valsar até a mulher que acabara de conhecer. Ela não parecia gostar muito da presença dele. Quando ele tentou beijar a mão dela, ela simplesmente não a segurou, o que criou uma troca um tanto estranha. Alguns dos alunos começaram a rir, mas antes que pudessem comentar, ele lançou um olhar furioso.

“Sim, também estou muito satisfeita agora, vamos em frente, Professor Ernas.”

A aparentemente irritada Ulfine respondeu e começou a se afastar. Ernas não parecia muito abalado com o comportamento dela, mas em vez disso, parecia bem contente. Seu rosto era muito bonito e mais feminino. Seu cabelo era longo, cobria o olho esquerdo e era multicolorido para combinar com os elementos de seu manto.

“Claro, lady Ulfine. Com sua experiência e orientação, tenho certeza de que as aulas ocorrerão sem problemas e dentro do prazo.”

Roland observou a interação com uma sobrancelha levantada. Era certo que esses dois tinham algum tipo de história um com o outro ou que talvez o homem chamado Ernas apenas gostasse dela. Uma coisa estava clara, porém, ele não parecia gostar muito de Roland, já que não recebeu muitas saudações além de um aceno de cabeça e algumas palavras.

“Você deve ser o novo professor assistente. Você pode ser novo, mas por favor tente acompanhar.”

“…”

Foi uma introdução bem rude, mas ele evitou responder. Era melhor ficar em silêncio do que atrair mais animosidade dessa pessoa. O homem exalava um certo ar de arrogância por não querer estar muito perto. Após esta introdução, decidiu fazer um passeio por esta aeronave e visitar a casa de máquinas. Anteriormente, não era capaz de fazer isso quando estava na aeronave maior, mas desta vez fazia parte do Departamento Rúnico e tinha a autorização correta.

“Saudações, jovens magos. Embarcamos nesta jornada não apenas para aprimorar suas habilidades de combate, mas também para ampliar sua compreensão do mundo além do Instituto! Professora Ulfine e eu iremos orientá-lo, então lembre-se de sempre seguir nossas instruções…”

O interior do navio era espaçoso e uma das salas contava até com sala de aula com poltronas para os alunos e quadro-negro. Lá Ernas aproveitou para falar aos alunos sobre o que fariam nessa jornada. Seu nome foi omitido, de certa forma, seu trabalho era desempenhar o papel de executor e guarda-costas, e não ensinar nada a eles. Assim, aproveitou a oportunidade para ampliar seus horizontes e examinar cada encanto desta embarcação, concentrando-se principalmente na casa de máquinas.

Depois de uma pequena caminhada, ele chegou à casa de máquinas, que não produzia muito mais do que apenas um zumbido. Uma vez lá dentro, viu o coração desta aeronave, que era uma pedra flutuante dentro de uma grande coluna. Esta coluna estava brilhando e coberta de várias runas e estava ocupada trabalhando. Não era exatamente o mesmo que um motor de um avião moderno, pois era mais parecido com um computador.

Ele tinha duas funções: uma era fazer o navio flutuar com a ajuda da pedra de levitação interna e a outra era gerenciar outras energias mágicas que produziriam impulso. Neste caso, ventos mágicos soprariam nas velas do navio ou as bloqueariam sempre que as correntes naturais de ar fossem muito fortes. No convés superior, havia uma tripulação regular do navio que trabalhava de forma semelhante aos marinheiros regulares. Eles tinham um trabalho um pouco mais fácil, pois tudo aqui poderia ser feito através de magia.

Havia alguns engenheiros aqui observando os vários mostradores e dispositivos de medição. Eles precisavam ter certeza de que tudo estava em ordem e que havia energias mágicas suficientes para manter o navio flutuando. Com a ajuda de um console de controle, eles poderiam ajustar a produção de várias magias. O timoneiro se comunicaria com a casa de máquinas e decidiria se precisava de mais força nas velas ou se precisava envolver o navio em um escudo mágico para bloqueá-las.

“Oh? Você não é o novo rapaz do Departamento Rúnico?”

Para sua surpresa, Roland encontrou um anão de seu próprio departamento. Ele não sabia o nome dessa pessoa anteriormente, mas lembrou-se de seu rosto na forja. Parecia que esses indivíduos estavam espalhados e até mesmo utilizados como trabalhadores em algo como esta aeronave.

“Ah, sim, continue com o bom trabalho, estou apenas de passagem, então me ignore.”

“Claro, rapaz, se precisar de algo, é só me avisar.”

O anão voltou às suas tarefas e Roland continuou a explorar a sala de máquinas. Foi fascinante ver diferentes combinações de runas intrincadas diferentes das dele. Ao se mover pela sala, notou uma câmara lateral que parecia abrigar um conjunto de runas mais delicadas e complexas. Sua curiosidade foi saciada e agora ele provavelmente seria capaz de facilitar tal criação e talvez com a ajuda de Arion pudesse até colocar as mãos no esquema completo de uma aeronave.

Não havia muito o que fazer e as pessoas não esperavam que ele ensinasse. Assim, teve tempo suficiente para olhar cada canto deste navio. Ele examinou todos os traços rúnicos colocados em tubos e hastes metálicas que percorriam o interior do navio. Embora Roland preferisse usar um cabeamento mais semelhante ao mundo moderno de onde ele veio, esse método também funcionava. Não parecia que alguém se importasse em mascarar as runas e traços, então eles produziram um belo show de luzes.

Depois de terminar o passeio pelo navio, subiu para o convés superior. Lá podia ver as velas fortalecidas pelo elemento vento, impulsionando-as para frente a uma velocidade estável e agradável. A vista era de tirar o fôlego e a velocidade que eles estavam indo era bem rápida. Embora esses navios não fossem muito aerodinâmicos, com a ajuda de alguns feitiços que mantinham a pressão do vento sob controle era possível atingir velocidades semelhantes às dos aviões mais antigos. Com os mais rápidos atingindo cerca de seiscentos quilômetros por hora, o que não chegava nem perto da velocidade que os aviões a jato podiam atingir.

Como estava aqui, também contemplou a situação em que os alunos se encontravam. Essa não era a única maneira de viajar, já que as torres dos magos tinham tecnologia de portal de teletransporte. Até onde sabia, a cidade perto da masmorra tinha um desses portões para facilitar a viagem, mas só era acessível a pessoas mais influentes, o que não era verdade. Assim como antes, ele foi lembrado de que status significava muito neste mundo e que ele precisava ter cuidado depois que pousassem.

Logo a viagem começou e tudo correu bem. Ele passou o dia se familiarizando com o navio e o resto apenas vagando por aí. Não havia muito o que fazer, então apenas ponderou algumas teorias de livros que leu enquanto contemplava a relação entre mana e espiritualidade. A pessoa de quem ele deveria conseguir esses segredos vivia dentro da masmorra e teria a oportunidade de conhecê-lo.

Embora tenha deixado uma impressão positiva nos alunos, ninguém realmente tentou abordá-lo. Lucienne e suas duas amigas passaram o tempo conversando e brincando com sua aranha, provavelmente era estranho para elas puxarem conversa com um aventureiro assustador de nível 3. Ulfine passou um dia e meio de viagem tentando evitar Ernas que parecia querer se aproximar. Muitas vezes ele o viu recuar diante do Legre, que continuava a rosnar sempre que se aproximava.

Por fim, chegaram ao destino onde realizariam as aulas de avanço. Era uma cidade de tamanho semelhante a Albrook que parecia também ter lucrado com a construção perto de uma masmorra. Seu nome era Hazelfront e era caracterizado por seus altos muros e florestas de chaminés. Embora não estivesse muito frio aqui, o ar estava bem frio.

O dirigível desceu graciosamente para a cidade, pousando suavemente e sem problemas. Toda a área lembrava a arquitetura mágica do Instituto e era isolada do resto da cidade. Quando eles estavam descendo, pôde ver o círculo perfeito criado e, depois que pousaram, galhos mágicos se agarraram ao navio para mantê-lo no lugar. A parte superior deles estava envolta em folhas verdes que formavam uma espécie de barreira sobre todo o navio. Ele podia sentir a mana pulsando e vários feitiços defensivos em vigor.

Os estudantes, muitos dos quais já haviam experimentado a emoção da primeira viagem em dirigível, desembarcaram bem alegres. Roland esperou que seu líder desembarcasse primeiro e logo seguiu por trás, mantendo tudo de olho. Este era um novo lugar com novas incertezas.

“Todos se reúnam, todos estão contabilizados?”

Ernas perguntou a um de seus assistentes que rapidamente fez uma recontagem de todos os alunos.

“Sim, senhor, todos os alunos estão presentes.”

“Maravilhoso, vamos procurar a pousada, depois passaremos a noite lá e depois viajaremos para a masmorra amanhã.”

Depois que todos os estudantes foram reunidos, todos foram para a cidade. O porto aqui não parecia aberto ao público, apenas funcionava como local de transferência dos alunos do Instituto. Para Roland, que era um grande capitalista, isso parecia um desperdício. Porém, considerando o valor da mensalidade, provavelmente tudo era coberto pelos alunos.

Uma vez fora do porto pessoal, eles chegaram a um novo local onde alguns homens de armadura estavam esperando. Isso foi acelerado porque se tratava de uma operação conjunta e jovens da academia de cavaleiros vizinha estavam aqui. O trabalho de proteger essas crianças foi levado muito a sério, pois também havia um líder de nível 3, o cavaleiro comandante aqui. Juntamente com os magos que o tornaram quatro indivíduos poderosos, incluindo Roland.

Embora fosse impróprio identificar quaisquer magos do Instituto, ele poderia analisar o líder dos Cavaleiros sem se meter em problemas. Seu nível estava abaixo de Roland, mas ele ainda era um detentor de classe Nível 3 que não podia ser ignorado. Com ele havia dez cavaleiros de nível 2 e depois um monte de escudeiros

Nesta aula de avanço, esses estudantes da academia de cavaleiros ajudariam a proteger os magos. Graças aos seus níveis inferiores, Lucienne e os outros seriam capazes de obter mais desses preciosos pontos de experiência. Eles eram em sua maioria portadores de escudos que apenas seguravam os monstros enquanto os magos lançavam feitiços. Alguns também reuniriam mobs mais lentos e os agrupariam para que uma ampla área de feitiços de efeito pudesse ser usada para acelerar esse processo.

‘Isso parece relativamente normal… mas se tudo correrá bem ou não…’

Roland estava aqui para conhecer o espírita e depois de um dia de folga, talvez conseguisse. Ele tinha potencialmente três pessoas que poderiam ser um problema, mas isso não era tudo. Eles estavam entrando em uma masmorra onde as regras não se aplicavam mais. Até mesmo os nobres às vezes desapareciam dentro e descobrir as razões depois que um corpo era absorvido pela masmorra era quase impossível.


Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

0 0 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar