Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

The Runesmith – Capítulo 436

Tentativa De Fuga.

“E se formos pegos?”

“Não se preocupe com isso, este feitiço de ocultação resolverá o problema.”

“Tem certeza? Não seremos penalizados se alguém descobrir?”

“Por que alguém descobriria, estaremos de volta antes do amanhecer e, até lá, seremos todos homens de verdade!”

“Sim, pare de reclamar, pense em todas essas belezas.”

“… Ok, estou dentro, vamos lá!”

“Agora sim!”

Cinco jovens subiam por uma janela que dava para fora da grande pousada onde estavam hospedados. Todos usavam túnicas pretas para ajudá-los a se esconder na escuridão da noite. Eram cerca de onze da noite e eles planejavam fugir para desfrutar de uma noite de prazer na cidade.

Hoje chegaram ao estabelecimento fechado reservado aos indivíduos do Instituto de Magia de Xandar. Era um evento especial para todos eles, e todo o local foi limpo de estranhos. O complexo era bem grande e isso os ajudou a escapar pelos corredores vazios. Por fim, chegaram a uma das janelas por onde saíram. Agora, a única tarefa deles era evitar alguns dos cavaleiros que patrulhavam a área. Esta tarefa eles consideraram simples, pois possuíam meios mágicos para ajudá-los.

“Viu, eu te disse, aqueles cavaleiros nem estão prestando atenção e a barreira do silêncio mantém nossas vozes e passos escondidos deles!”

“Você realmente é um gênio…”

Eram cinco e todos tinham cerca de quinze anos. Os jovens vieram de abrigos, onde não lhes era permitido sair muito de casa. Seu status como magos fez com que outros ficassem ansiosos para protegê-los, garantindo uma vida fácil. No entanto, isso também significou restrições à diversão fora dos locais designados. Hoje eles resolveram mudar isso e ter alguma diversão adulta na cidade.

Uma vez lá fora, encontraram alguns homens de armadura que pareciam bem relaxados. Estes eram os cavaleiros da academia situada perto do instituto. A maioria deles eram simples escudeiros e possuíam apenas status de classe de nível 1. Os garotos não acharam ninguém capaz de perceber seu feitiço de ocultação, já que apenas alguns detentores de classe de nível 2 estavam no local. Aqueles de status mais elevado não patrulhavam, mas deixavam a tarefa cansativa para seus colegas mais jovens.

“Isso é tão chato…”

“Eu sei… mas precisamos nos acostumar com isso eventualmente.”

“Sim, aposto que teremos que proteger alguns nobres mimados depois de nos tornarmos verdadeiros cavaleiros…”

“Ahh… espero me tornar um guarda de alguma jovem nobre.”

“Isso seria ótimo.”

Enquanto estavam se esgueirando, pararam perto de uma árvore próxima. Esta pousada foi criada para nobres e comerciantes ricos. Tem um extenso quintal com um grande jardim com lago e flores por todo o lado. Havia certos lugares onde eles poderiam se esconder, então esperaram a passagem dos guardas patrulhando. Em breve, pretendiam chegar ao muro de três metros de altura que iriam escalar. Eles já podiam se ver nas ruas de Hazelfront, sendo o distrito da luz vermelha seu principal alvo.

“Ei, espere…”

“O que está errado? Você ficou com medo de novo?”

“Não… olhe lá, o que é isso?”

“Huh?”

Os cinco estavam a um passo de sair deste lugar, mas antes que pudessem escalar o muro de três metros de altura, um deles percebeu algo. Bem em cima daquela parede, algo estava sentado. Iluminava suavemente o local com uma tonalidade vermelha que era exalada por uma esfera circular que formava seu olho. Depois de um momento os outros também notaram sua presença, mas já era tarde demais.

“Espere, esse não é um daqueles golens?”

Assim que o líder falou, uma grande quantidade de luz se expandiu de dentro deste orbe que era na verdade um olho golêmico. Diante dos cinco havia uma pequena aranha metálica, observando cada movimento deles. Também não era a única, pois outra fonte de luz se expandiu por trás deles. Iluminou o espaço onde o grupo estava escondido e ficou claro que mesmo o feitiço de ocultação não estava funcionando.

“Droga, precisamos sair daqui! Corra antes…”

“Antes do que?”

Os adolescentes entraram em pânico ao ver os dois golens-aranha e perceberam que não havia como escapar. De uma terceira direção, uma voz familiar chegou até eles – a voz de um professor que os acompanhou nesta aula de avanço. O homem revelou-se lentamente, sua forma grande e cercada por uma névoa sombria de seu próprio feitiço de ocultação. Eles não conseguiram determinar há quanto tempo ele estava lá, mas ficou evidente que poderia ter sabido da fuga muito antes.

“Professor assistente Wayland… que noite agradável… estávamos apenas dando um passeio pelo jardim…”

“Um passeio pelo jardim, hein? Você deveria pelo menos tentar inventar uma desculpa melhor do que essa.”

“Nós, hum…”

Os cinco não sabiam o que dizer, pois a presença deste homem era muito arrogante. Eles ouviram falar de alguns rumores sobre suas façanhas, todos os quais o retratavam como um homem sem piedade, alguém que apenas seguia as regras do Instituto. Logo ele estava na frente deles, parecendo uma espécie de monstro vindo de dentro da masmorra.

“Só fiquem quietos e venham comigo.”

“… Sim senhor…”

Os cinco baixaram a cabeça, mas sabiam que era melhor não discutir com alguém que não tinha medo de ir contra a alta nobreza. Eles logo se encontraram andando pelo jardim com os escudeiros e cavaleiros olhando para eles com raiva. A caminhada de volta pareceu bem longa e estressante. Logo chegaram à entrada da pousada onde foram recebidos por outros docentes do instituto.

Ao entrarem na pousada, o clima ficou tenso e os outros estudantes que ainda estavam lá dentro olharam com curiosidade para os encrenqueiros. A professora Ulfine já estava lá esperando por eles e muitas outras pessoas também. Os outros alunos começaram a rir no momento em que viram os cinco voltarem para dentro com a cabeça baixa.

“Isso vai custar muitos pontos de mérito, agora voltem para seus quartos.”

“Sim, Professora Ulfine…”

Parecia que todos já haviam sido informados sobre a tentativa de fuga. Foi uma caminhada de vergonha voltar para seus quartos, que foram prontamente trancados atrás deles. Embora não tenham sido punidos diretamente, eles só podiam imaginar o que aconteceria com eles quando voltassem ao Instituto.

*****

“É tão bom ter outra pessoa vigiando esses patifes. Esses golens são bem úteis, o Departamento Rúnico planeja fazer mais deles?”

A Professora Ulfine sorriu enquanto olhava para um dos golens-aranha rechonchudos que Roland criou. Graças a eles se espalharem pela pousada, conseguiram ficar de olho nesses jovens desordeiros. Sua tentativa de entrar na cidade foi notada quase instantaneamente e mesmo usando artefatos mágicos caros, eles não conseguiram escapar da tecnologia de detecção rúnica de Roland.

“Na verdade não, mas algo semelhante está em andamento.”

“Oh, que pena… Você já pensou em ingressar no Departamento de Invocadores? Temos uma seção mais domesticada?”

“Eu não sou um domador de monstros e estes são golens rúnicos.”

“Valeu a pena tentar ~”

Ulfine sorriu e depois se virou para os alunos que espiavam de seus quartos.

“Todos, voltem para seus quartos e durmam. Todos vocês terão que estar bem descansados ​​para as aulas de amanhã.”

“Sim, professora Ulfine.”

Com os desordeiros confinados em seus quartos, a noite voltou a ser calma. Os estudantes começaram a se dispersar, sem que ninguém pensasse em tentar fugir depois de ver o que aconteceu com o quinteto de encrenqueiros. Roland pôde ver sua irmã espiando com interesse e junto com suas amigas rindo dos cinco que foram capturados. Parecia que ela havia voltado a ser mais velha, sem Viola por perto para incomodá-la.

‘Isso me lembra das minhas antigas viagens escolares…’

Ele também se retirou para seu quarto privado, dado a ele devido ao seu status de nível 3. Graças aos seus golens patrulhando toda a pousada, não havia razão para ninguém ficar acordado a noite toda. Seu líder Ernas nem estava acordado porque havia dormido há uma hora, antes mesmo de muitos dos estudantes continuarem a conversar em seus quartos. Alguns jogavam cartas ou faziam truques de mágica, enquanto outros planejavam fugir.

Eles eram parecidos com seus velhos amigos, pois se lembrava de ter tentado beber álcool na idade deles, quando ainda vivia em seu antigo mundo. Durante as viagens escolares, os meninos às vezes tentavam entrar furtivamente nos quartos das meninas ou vice-versa. Os professores teriam que ficar acordados até altas horas para patrulhar os hotéis onde estavam hospedados. Normalmente, depois da meia-noite eles acabavam desistindo e era aí que a diversão acontecia.

— Estou velho, não estou?

Embora neste corpo ele ainda tivesse vinte e poucos anos, sentia como se estivesse envelhecendo. Ele não estava do outro lado e precisava agir como um adulto adequado. Às vezes sentia falta daqueles anos de lazer quando era mais jovem, mas ter a liberdade de fazer o que quisesse, quando quisesse, era algo que provavelmente nunca abriria mão.

‘Parece que ninguém vai vir… mas ainda preciso ter cuidado.’

O incidente com os estudantes havia passado, mas ainda estava acordado duas horas depois. Ele olhou pela janela onde alguns de seus golens-aranha estavam escondidos. Este não era o momento para relaxar e estava pronto para se envolver a qualquer momento. Foi muito desvantajoso para ele neste lugar, pois faltava-lhe informação sobre o seu próximo adversário. A qualquer momento ele poderia ser atacado e mesmo esta pousada não era segura.

Porém, a essa altura já estava acostumado com essas coisas, e passar a noite inteira acordado não iria nem mesmo assustá-lo. Depois de dormir cerca de duas horas, acordou de manhã e descobriu que nenhum invasor conseguiu passar pelo perímetro. Considerando que ninguém se atreveu a se envolver, a possibilidade do ataque ocorrer durante sua visita à masmorra tornou-se mais provável.

‘Se eu tiver sorte, eles não serão estúpidos o suficiente para fazer nada perto dos alunos, mas nunca posso ter certeza…’

Do seu ponto de vista, esta era uma oportunidade de ouro para a família Castellane se vingar. Também os colocou como os principais suspeitos para todos que olham de fora. Mesmo sendo considerado um estranho e aventureiro, fazer algo à filha de um Barão não seria tão simples. Era possível que ninguém levantasse a mão contra eles e talvez apenas examinassem seus movimentos primeiro. Seus inimigos ainda careciam de informações sobre sua verdadeira identidade, algo que uma pessoa precisava ter para se vingar.

A manhã chegou e o clima na pousada estava cheio de emoção enquanto os alunos se preparavam para o primeiro dia de aulas em Hazelfront. Apesar do incidente da noite anterior, os cinco desordeiros tornaram-se uma fonte de entretenimento para o resto dos estudantes. Todos sabiam que eventualmente seriam punidos e não puderam deixar de apontar para eles e rir.

“Bom dia, professor Wayland! Você dormiu bem?”

“Ah? Sim, estou bem.”

“Fico feliz em ouvir isso!”

Lucienne e suas duas amigas do dormitório estavam lá para recebê-lo pela manhã. Roland estava tentando intimidar os outros estudantes e as pessoas ao seu redor. Isso foi dificultado pela indiferença de sua irmã mais nova perto dele. Os outros alunos pensaram que ela era corajosa no início, mas lentamente começaram a vê-lo sob uma luz diferente. Sua personalidade de professor inacessível e sensato estava começando a desmoronar.

“Vocês três deveriam voltar para o seu grupo, iremos para a masmorra agora, certifique-se de não esquecer de nada.”

“Claro, professor!”

A estadia na pousada era temporária e eles passariam o resto do dia na masmorra onde aconteceriam as aulas de avanço. Uma vez lá fora, grandes caixotes já esperavam pelos jovens e também o Professor Ernas estava lá. Ele olhou ligeiramente e cobriu a boca enquanto bocejava.

“Bom dia, Professor Ernas. Parece que você teve uma noite tranquila.”

“Ah… sim, por favor, me dê um momento para me preparar…”

Ulfine cumprimentou Ernas com um tom zombeteiro. Ficou claro que essa pessoa não gostava de acordar cedo, então um de seus assistentes cumpriria sua função de informar os alunos sobre suas aulas de avanço.

“Por favor, todos, reúnam-se aqui e levem seu equipamento mágico designado, vocês precisarão deles quando entrarem na masmorra.”

Roland não disse nada enquanto olhava para todos sacando várias armas mágicas. Elas o lembravam de suas antigas varinhas rúnicas, mas em vez de gastar mana, todas tinham cargas pré-aplicadas nelas. Eles tinham o formato de bastões mágicos com um grande cristal de mana na parte superior, algo que ele não via há algum tempo. Todos os cristais de mana que ele usava agora eram sempre derretidos no metal.

‘Isso me traz lembranças…’

“Por favor, certifique-se de se familiarizar com o aparelho mágico. Você deve ter aprendido como usá-los no Instituto, mas se tiver alguma dúvida, pergunte agora.”

Uma senhora de aparência severa começou a falar enquanto Ernas se sentava ao lado e bebia o chá da manhã. As varetas mágicas funcionavam de maneira semelhante à forma como ele trapaceou para chegar a um nível superior. Com a ajuda deles, os alunos seriam capazes de despachar facilmente monstros que estavam acima do seu nível e ganhar experiência rapidamente. Foi muito fácil de fazer em níveis mais baixos, pois esses artefatos eram bem simples e prático de fazer. No entanto, uma vez que uma pessoa atingisse o nível 2, tais esforços de nivelamento só poderiam ser feitos pelos poderosos e ricos.

A agenda deles era bem apertada e eles pretendiam levar todos ao nível vinte e cinco dentro de uma semana. Depois que alguém conseguisse esse feito, seria forçado a retornar à cidade e esperar pacientemente que todos os outros terminassem. Eventualmente, eles acabariam com menos estudantes que poderiam passar pelos níveis com múltiplas varas mágicas à sua disposição.

“Podemos conseguir terminar isso muito mais rápido este ano com você por perto, Wayland.”

“Farei o meu melhor, mas minha mana não é infinita.”

Havia outra razão pela qual ele foi autorizado a fazer esta viagem. Sua força era uma delas, mas também possuía utilidades adicionais. Graças a ser um runesmith, seria capaz de recarregar essas armas rapidamente, sem que elas precisassem ser substituídas. Normalmente, depois que as cargas acabassem, as aulas precisariam ser interrompidas.

Depois de retornar à cidade, o ferreiro ou runesmith próximo executaria essas funções. No entanto, essa habilidade não era exclusiva das classes de artesanato e um Mago Rúnico bom o suficiente poderia restaurar a mana do circuito mágico. Ao se candidatar a este emprego, ele afirmou que era capaz dessa façanha e, graças a isso, esperavam concluir as coisas mais rapidamente.

Eventualmente, todos estavam armados com uma vara e o resto foi embalado para mais tarde. Mesmo que pudesse recarregá-los, isso não significava que eles não usariam primeiro o equipamento preparado. Os estudantes pareciam animados por finalmente deixar a pousada e logo seguiram em direção à masmorra.

Como esperado, os alunos do instituto mágico atraíram muita atenção. Os escudeiros e cavaleiros eram responsáveis ​​pela sua segurança inicial. Alguns deles até começaram a empurrar as pessoas para fora do caminho, só para não chegarem muito perto dos magos. Do ponto de vista de Roland, isso era rude, mas eles estavam sendo treinados para priorizar seus mestres e deveres acima de qualquer outra coisa.

Os jovens ficaram bem interessados ​​em algumas das estruturas e edifícios de tijolos, mas não puderam sair. Assim como em Albrook, a masmorra não ficava tão longe, então eles iam a pé. Eles passaram por vários aventureiros enquanto percorriam a maior parte da estrada, alguns deles muito assustadores, o que causou certa angústia aos jovens. Finalmente, depois de cerca de meia hora, aproximaram-se da entrada da masmorra. Uma enorme estrutura de pedra os aguardava com um grande arco que descia.

“Ouçam, pessoal! Estaremos entrando na masmorra agora. Lembre-se do seu treinamento, mantenha-se unido e siga as instruções dos líderes designados. Estaremos explorando apenas o primeiro nível da grande masmorra, então, por favor, não se perca lá embaixo.”

“Sim, professora Ulfine.”

Finalmente eles chegaram e foi aí que as aulas de avanço começaram. Roland não tinha certeza do que fazer com as coisas, pois uma vez que elas aparecessem, o inferno poderia explodir. Foram muitas aventuras aqui e também abaixo, ele não sabia em quem confiar. Mesmo assim, o Espírita estava lá e eventualmente teria a oportunidade de encontrá-lo para completar sua pesquisa.


Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

0 0 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar