Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

The Runesmith – Capítulo 449

Professor Adjunto.

“Por que toda essa confusão?”

“É o novo professor assistente, chefe. Ele disse que não queria ser incomodado. Acho que não é uma boa ideia…”

“Não é uma boa ideia? Eles esqueceram quem é o chefe desta Forja? Por que vocês, idiotas, deixaram isso passar? Saio por algumas semanas e é para onde volto?”

“Chefe, você esteve fora por mais de dois meses…”

“Cale a boca.”

“Sim, chefe…”

Um velho anão estava repreendendo um dos outros Runesmith presentes aqui. O velho anão, conhecido simplesmente como Chefe entre os Runesmith, era um veterano grisalho da arte. A sua presença impunha respeito, mas neste dia peculiar, a sua autoridade estava a ser questionada. Uma estranha barreira negra foi erguida em sua área privada de artesanato, impedindo-o de entrar.

“O que há com essa barreira aqui?”

“O professor assistente está fazendo seus experimentos lá, o professor Arion disse para não incomodá-lo.”

O velho anão, Chefe, grunhiu de irritação, as sobrancelhas brancas e espessas franzindo-se profundamente. Ele não estava acostumado a ser barrado em qualquer parte da forja, especialmente por alguém que considerava um mero assistente.

“Professor assistente, você disse? Hmph! Ele não é mais do que um novato! E ele está se barricando em minha forja? Não sob minha vigilância!”

Com passos determinados, Chefe aproximou-se da barreira, com as mãos grossas cerradas em punhos. Ele não estava disposto a deixar algum estudioso iniciante ditar o uso de sua oficina.

“Afastem-se, rapazes! O chefe está passando!”

Os outros Runesmith trocaram olhares nervosos, mas sabiam que não deviam desafiar a autoridade de seu Chefe. Muitos receberam alguns hematomas daquelas grandes mãos dele. Eles recuaram apressadamente, dando ao determinado anão espaço para se aproximar da barreira misteriosa. No entanto, antes que o homem pudesse se aproximar da barreira negra, algo estranho aconteceu.

Essa estranha barreira negra estava ocupando bastante espaço, mas de repente começou a se expandir para os lados. No início, parecia um balão sendo inflado lentamente, mas eventualmente a superfície começou a ondular e a se expandir caoticamente. Chefe interrompeu seu avanço, arregalando os olhos de surpresa quando a barreira se expandiu diante dele.

“O que diabos…? Rapazes… Voltem!”

Não demorou muito para que ele e os outros percebessem que algo não estava certo aqui. Embora não fossem magos, podiam sentir uma enorme quantidade de energia mágica vazando. O que quer que estivesse acontecendo lá dentro iria explodir e eles precisavam escapar. Com um coro de passos apressados, os Runesmiths lutaram para recuar para uma distância segura e rapidamente pegaram várias ferramentas de proteção que os protegeriam de explosões mágicas.

A barreira continuou a inchar e a distorcer, sua escuridão pulsando com um brilho sobrenatural. Então, tão repentinamente quanto havia se expandido, a barreira estourou. Uma onda de energia mágica irrompeu e colidiu com o teto da forja. O Chefe e os outros Runesmiths cambalearam para trás, protegendo-se dos destroços que se espalharam em todas as direções.

Uma onda de choque foi enviada em todas as direções e percorreu a oficina. Felizmente, a maior parte da força mágica foi direcionada para o ar, onde não residia nenhum ser vivo. Pedaços de pedra e metal choveram sobre a oficina enquanto a explosão mágica sacudia as próprias fundações do edifício. O Chefe manteve sua posição em meio ao caos, suas feições ásperas mostrando uma carranca.

À medida que a poeira baixou e os ecos da explosão desapareceram, os Runesmiths emergiram cautelosamente de seus abrigos improvisados. O que eles viram os deixou pasmos. Onde antes havia uma barreira negra e um espaço de trabalho fechado, agora havia um buraco no chão, cercado por terra arrasada e metal retorcido.

No epicentro da explosão estava um homem solitário. Suas roupas foram todas queimadas pela erupção mágica, mas algumas partes metálicas permaneceram, como o estranho capacete rúnico que ele usava. Todo o seu corpo estava coberto por fuligem preta e algumas runas estranhas emanavam das partes da armadura que ele usava.

“O que… O que em nome da Forja está acontecendo aqui?”

Exclamou Chefe, sua voz tingida de descrença e raiva. Os outros Runesmiths murmuraram entre si, trocando olhares perplexos enquanto tentavam entender o espetáculo diante deles. Ninguém conseguia compreender como o homem havia sobrevivido ileso a uma explosão tão poderosa, muito menos como a causou.

“Eu, uh… Desculpe?”

……

“Eu quero que você expulse esse homem do Instituto, você viu o que ele fez com a minha pobre forja?”

Poucas horas depois, Roland se viu no escritório do Vice-Diretor, com o Mestre de Forja do Instituto. O homem era um anão mais velho, com uma longa barba branca e uma expressão severa. Roland sentiu uma ponta de culpa e apreensão depois que seu experimento deu errado. Parecia que experimentar runas e fendas dimensionais era bem volátil. Embora tenha conseguido criar um protótipo, ele exagerou em algumas configurações, causando um colapso mágico.

“Mestre da Forja, por favor, acalme-se, pelo que ouvi foi um acidente infeliz.”

“Um acidente infeliz? Há um buraco na minha forja grande o suficiente para passar um dragão!”

Roland decidiu permanecer em silêncio por enquanto, pois não sabia o que dizer. Ele não podia negar sua responsabilidade pela enorme explosão dentro da forja do homem, mas felizmente ninguém ficou ferido. De certa forma, também foi culpa desse homem ter feito uma pausa tão longa. Como responsável pela forja, ele parecia estar ausente com muita frequência.

‘Bem, realmente não importa se eles me expulsarem agora, eu consegui o que queria, uma explosão como essa não vai acontecer novamente.’

Ele pensou consigo mesmo enquanto o homem continuava a gritar. Com esse avanço, muito capital poderia ser feito. Não havia membros protéticos mágicos que pudessem funcionar para não-mágicos por aí. Levaria algum tempo para refiná-lo, mas agora que ele elaborou toda a teoria, implementá-la seria fácil.

Era evidente que este avanço na engenharia rúnica, como confirmado pelo seu título recém-conquistado, tinha um grande potencial. Havia uma forte possibilidade de que esta fosse uma tecnologia inovadora, com aplicações potenciais além dos membros mecânicos. Embora inicialmente destinado a tais próteses, Roland poderia imaginar seu uso em vários outros campos. Fazer com que os dispositivos reagissem aos movimentos de uma pessoa sugeria a possibilidade de criar outra tecnologia sobre a qual ele estava pensando.

‘Bem, antes de fazer isso, terei que sair daqui… mas eles podem me fazer pagar pelos danos à forja deles…’

Seu orçamento era grande, mas ele não tinha certeza se lhe ofereceram um preço justo. A tecnologia que ele criou provavelmente levaria algum tempo até ser implementada em maior escala. No entanto, ele cometeu um erro e era normal que o Mestre Runesmith ficasse irritado. Ele estava decidido e Roland decidiu assumir a responsabilidade pelo acidente que causou.

“Mestre da Forja, peço desculpas pelos danos causados ​​à sua forja. Foi realmente lamentável, e assumo total responsabilidade por todos os danos.”

O Mestre da Forja resmungou, claramente ainda chateado, e respondeu rapidamente.

“Vocês, magos, são todos iguais, pensando que podem resolver seus problemas com ouro!”

Parecia que o Mestre da Forja não estava disposto a ceder e buscou uma forma diferente de punição, provavelmente envolvendo a demissão de Roland do Instituto. Em circunstâncias normais, ele aceitaria bem, mas a situação com sua irmã tornava essa opção inaceitável.

“Agora, Mestre da Forja. Por favor, acalme-se. Anotei suas reclamações, que tal me deixar conversar com o professor assistente Wayland por enquanto?”

Antes que ele pudesse apresentar uma refutação boa o suficiente, o vice-diretor decidiu intervir. O velho mago era um bom ouvinte e parecia neutro em relação à sua situação. Logo, o furioso artesão anão foi instruído a deixar o escritório, permitindo que Roland tivesse uma conversa privada com o vice-diretor. Roland sabia que, de acordo com as regras, aquele homem e a diretora tinham o poder de tomar uma decisão. Então, se as coisas piorassem ainda mais, outra audiência também seria uma possibilidade.

“Professor Assistente Wayland, entendo que o incidente na forja não foi intencional, mas não se pode negar que resultou em grandes danos. O Mestre da Forja é inflexível em tomar medidas disciplinares contra você e temo que também concordo, ninguém se machucou, mas e se?”

Parecia que o Vice-Diretor pretendia indiciar Roland pelo perigo potencial que ele havia causado aos trabalhadores, em vez de se concentrar apenas nos danos reais que ocorreram na forja. Ele teve que reconhecer a gravidade desta situação. Roland esperava isso porque a magnitude da explosão foi grande. Perder-se em suas pesquisas e esquecer das pessoas ao seu redor foi seu erro e ele precisava enfrentar as consequências disso.

“Assumo total responsabilidade pelo que aconteceu, vice-diretor. Estou disposto a aceitar qualquer punição considerada apropriada.”

“Agradeço sua disposição em assumir a responsabilidade, Professor Assistente. Assim, terei que propor… Hm?”

Pelas palavras que o Vice-Diretor estava formando, parecia que ele seria expulso. No entanto, antes que ele pudesse julgá-lo, alguém interveio. Uma estranha folha flutuou da janela lateral aberta e se transformou em algo que parecia um pergaminho oficial, que Mestre Rathos leu rapidamente.

‘O que poderia ser isso?’

Mestre Rathos, que geralmente parecia alegre, parecia confuso e até um pouco irritado por algum motivo. Roland não pôde deixar de se perguntar que notícia teria provocado tal reação. Aconteceu algo inesperado dentro do instituto ou estava relacionado à sua situação atual? Após alguns momentos de silêncio, o Vice-Diretor baixou o pergaminho e olhou para Roland com uma expressão mais pensativa.

“Parece que você ganhou uma promoção, Professor Assistente Wayland… ou devo chamar você de, Professor Adjunto Wayland agora?”

“Professor Adjunto?”

Roland havia estudado exaustivamente as leis do Instituto e sabia o que essa posição peculiar implicava. Era muito especial porque o professor adjunto era alguém que respondia apenas ao diretor do Instituto, que neste caso seria a Diretora Yavenna. Este lugar ficou vago por um tempo e por algum motivo ele o recebeu.

“Parece que sim, seria melhor se você reportasse esse problema à diretora. Como Vice-Diretor não posso punir um Professor Adjunto, isso é algo que só a Diretora pode decidir agora. No entanto, lembre-se de que esta promoção traz consigo responsabilidades e expectativas adicionais. Espera-se que você mantenha um padrão mais elevado de conduta e profissionalismo de agora em diante.”

Roland assentiu, ainda processando a súbita mudança nos acontecimentos. Uma promoção a Professor Adjunto não era algo que ele esperava, especialmente no meio de uma questão disciplinar.

“Eu entendo, Vice-Diretor. Certificar-me-ei de cumprir minhas responsabilidades com o melhor de minhas habilidades.”

Por enquanto decidiu manter a calma, o que lhe permitiu evitar punições e ao mesmo tempo lhe conferiu um cargo superior no Instituto. Essa reviravolta inesperada poderia ajudá-lo a manter sua irmã segura e lhe daria algumas vantagens. Provavelmente isso teria um custo, pois provavelmente havia um motivo pelo qual ele foi promovido.

‘Tudo tem um preço e o papel de Professor Adjunto é o de secretário genuíno da Diretora…’

Aparentemente, ele havia se tornado assistente da diretora sem concordar com isso. Embora normalmente tivesse recusado a oferta instantaneamente, neste momento isso permitiu que escapasse impune de seu pequeno acidente. O Vice-Diretor parecia um pouco irritado enquanto um de seus olhos se contorcia, mas ele não podia fazer nada a respeito.

“Bem, então… com licença…”

Roland deixou o escritório do Vice-Diretor enquanto ainda tentava processar a situação. O Mestre Runesmith que ele havia irritado felizmente não estava esperando sua chegada para poder seguir em direção à torre dos magos da Diretora. Isso precisava ser resolvido, pois ele queria planejar sua partida. Agora que conseguiu ler o fantasma de mana, ele precisava voltar para casa e a única coisa que o impedia era Lucienne.

Enquanto Roland se dirigia à torre dos magos onde residia a Diretora, ele não conseguia se livrar da sensação de que algo estava errado. Ele não tinha certeza do que aquela mulher queria dele, mas não tinha certeza se recusar era uma opção. Se recusasse, o Vice-Diretor provavelmente seguiria com a punição, tornando esta potencialmente a única opção restante para ele retornar ao Instituto mais tarde.

Assim como duas vezes antes, Roland subiu as escadas em espiral até o escritório da Diretora. Desta vez ela não estava preguiçosamente na biblioteca, mas sentada atrás de sua mesa. Seu olhar era bem relaxado e ela parecia estar examinando o manto que ele pegou emprestado de Arion depois que o acidente aconteceu.

“Bom, pegue isso. Chamarei você quando precisar de sua ajuda, então mantenha isso com você o tempo todo.”

“Hum…”

Ela gesticulou em direção a ele com um dedo, conjurando mana que logo se materializou em um objeto flutuante vindo em sua direção. À medida que se aproximava, Roland percebeu que era um novo distintivo, substituindo o antigo. Isso significava sua nova posição e provavelmente concedia acesso a áreas anteriormente proibidas. Com este novo emblema, ele poderia potencialmente entrar em todas as torres de magos do instituto e até mesmo exercer autoridade sobre os chefes de departamento, se desejasse. Sua nova posição era realmente especial e parecia que seu novo chefe não tinha exigências imediatas óbvias. Algo bastante estranho e suspeito.

Além do novo emblema, Roland também foi recompensado com um novo manto de mago. Ao contrário dos usados ​​pelos executores regulares, este veio em uma impressionante cor carmesim, marcando seu status distinto. Vários encantamentos foram colocados nele através de meios com os quais ele não estava familiarizado.

“Obrigado, Diretora. Farei questão de cumprir meus deveres da melhor maneira possível, mas… Você poderia me dar uma explicação? Por que você me escolheu para o cargo de Professor Adjunto e o que espera de mim?”

Enquanto ele estava conversando com um assustador detentor de classe de nível 4 e não queria se intrometer muito, ele também precisava de uma resposta. Havia uma razão pela qual ganhou essa oportunidade e uma pista era tudo que ele precisava. A diretora respondeu à sua pergunta com um sorriso enigmático, os olhos brilhando com uma pitada de diversão.

“Você se mostrou promissor, assistente… Oh, perdoe-me, Professor Adjunto Wayland. Quanto ao que espero de você… Digamos apenas que tenho algumas tarefas em mente que podem se beneficiar de seus talentos únicos.”

Roland não pôde deixar de sentir alguma apreensão com a vaga resposta que recebeu da Diretora. Parecia que havia mais nesta promoção do que aparentava e que todas as vantagens teriam um preço. Ele não sabia por que ela confiava tanto, se ele deixasse o Instituto agora não havia provas de que ele voltaria. Sua conexão com sua irmã foi descoberta?

“Entendido, Diretora. Aguardarei suas instruções. Vou me despedir então…”

Com um aceno de mão desdenhoso, a Diretora indicou que a conversa estava encerrada. Depois de voltar para seus aposentos, Roland ponderou sobre seus próximos passos. Ele precisava agir com cuidado, especialmente agora que ocupava uma posição de autoridade superior dentro do Instituto. Quaisquer que fossem as tarefas que a Diretora tinha em mente para ele, tinha que abordá-las com cautela e garantir que não comprometessem seu objetivo atual de proteger sua irmã, que agora era o cerne de seus problemas.

Ao sair deste lugar, Lucienne ficaria sozinha e sem proteção. Seu irmão Robert não estava respondendo e ele não tinha ideia se seu pai sabia da situação aqui. Ele só podia esperar que os nobres a deixassem em paz após os dois incidentes desastrosos, mas a vida não era tão simples.

Roland estava numa encruzilhada com dois caminhos. Um deles o levava para casa, longe deste Instituto e de todos os problemas que os nobres que ali residiam trouxeram para ele. O outro indicava-lhe a direção dos seus familiares e das suas responsabilidades como Professor Adjunto, envolvendo-o ainda mais na complexa teia de política e intriga dentro do Instituto. Ele sabia que qualquer que fosse o caminho que escolhesse, haveria consequências.

‘Preciso decidir agora… Que caminho devo seguir?’

Ele ponderou os possíveis resultados futuros de sua decisão. Voltar para casa para aperfeiçoar a prótese era a escolha mais segura, mas já havia iniciado um curso de ação pelo qual precisava assumir a responsabilidade. Um estranho senso de dever para com sua irmã continuava a tocar seu coração. A segurança de Lucienne era sua responsabilidade agora e deixá-la vulnerável aos caprichos dos nobres não era algo que ele pudesse aceitar…

‘Acho que não é uma grande decisão, mas como devo fazer isso?’

Uma decisão foi tomada e um plano precisava ser seguido logo depois. Se lhe fosse dada esta nova posição, ele estava determinado a usá-la em seu benefício. Talvez esta Diretora já soubesse do seu desejo de ir contra a nobreza e tivesse acabado de lhe dar os meios para fazê-lo…


Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

0 0 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar