Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

The Runesmith – Capítulo 448

Mexa O Dedo.

‘Ótimo… No momento em que eu tentar sair, provavelmente serei atacado por um bando de assassinos ou emboscado por um grupo mercenário. Então, se eu realmente conseguir voltar inteiro, Lucienne ficará sozinha e algo pode acontecer com ela… Já estou tentando entrar em contato com Robert há semanas e nem mesmo Lucille está respondendo… Ótimo…’

Roland vagou pelos corredores do Instituto ao retornar da visita ao escritório da Diretora. Sua mente era um turbilhão de preocupações e incertezas. Enquanto caminhava, não conseguia se livrar da sensação de perigo iminente que pairava sobre eles. Quase tudo que esperava evitar durante a viagem já havia acontecido e ele não tinha certeza do que fazer a respeito.

‘Preciso fazer o protótipo primeiro…’

Embora houvesse muita coisa em sua mente, ele não conseguia dar muita atenção a tudo ao mesmo tempo. Sua prioridade agora era focar na pesquisa e desenvolver o protótipo do braço protético que havia prometido a Bernir. Com os materiais que reuniu e a forja do instituto à sua disposição, ele poderia pelo menos começar a trabalhar nesse aspecto do seu plano.

‘Enquanto eu estiver aqui, os nobres não poderão me pegar, mas posso confiar que a diretora não me trairá?’

O encontro com a figura mais influente do instituto, Yavenna Arvandus, revelou-se bastante desconcertante. Parecia que ela não demonstrava muita preocupação com os acontecimentos ocorridos dentro do instituto. Por um lado, ela parecia preferir não ser incomodada, mas por outro lado, interveio para ajudá-lo quando foi capturado por Fortuna. Ela continuava sendo um enigma, mas por alguma razão Roland sentiu-se inclinado a acreditar que ela estava do lado dele.

Com esses pensamentos conflitantes girando em sua mente, Roland finalmente chegou à oficina que usaria para seu projeto de prótese. Era uma área espaçosa repleta de todos os tipos de ferramentas e equipamentos para a confecção de itens mágicos. Outros ferreiros e aprendizes se esforçaram para tornar essa experiência mais inovadora, pois ele precisaria compartilhar seu espaço de trabalho com outras pessoas.

Ao longo dos anos, Roland se acostumou a criar suas próprias ferramentas e a trabalhar dentro dos limites de um espaço fechado. Até Bernir, que colaborou com ele, tinha sua própria oficina isolada. Mas agora, neste ambiente partilhado, Roland teve de se adaptar. Cumprimentando os outros Runesmith e aprendizes com um aceno educado, Roland começou a montar seu espaço de trabalho. Felizmente, sendo titular de classe de nível 3, ele já havia conquistado a confiança e o respeito dos artesãos da oficina. Eles seguiram avidamente suas instruções e até começaram a antecipar qual nova invenção ele iria inventar a seguir. Os quebra-cabeças rúnicos que ele criou para os magos despertaram o interesse deles e agora muitos espectadores estavam curiosos para ver no que ele estava trabalhando.

‘Acho que sou popular entre os homens mais velhos… quero ir para casa…’

Apesar do desejo de partir, Roland sabia que não poderia partir ainda. Antes que ele pudesse, um protótipo precisava ser feito. Havia uma chance de que, quando ele voltasse, não tivesse acesso a nenhum material de pesquisa. Ele pode precisar ir à biblioteca ou buscar conselhos de Arion ou de outros ferreiros da oficina.

‘Agora, quero imitar uma mão, então primeiro…’

Ele estava fazendo uma prótese que leria o fantasma de mana e se moveria por conta própria. Esse era seu objetivo principal, então primeiro ele precisava conseguir algo que parecesse o braço de uma pessoa. Felizmente, esta era uma verdadeira forja e tinha algumas peças antigas de golem que poderiam ser reaproveitadas para esta tarefa. Ele havia pego um aparelho que parecia um braço humano básico. Foi feito de uma liga de aço mágica semelhante às que ele havia trabalhado no passado.

Era uma concha vazia sem runas e perfeita para um protótipo. Mesmo sendo um braço de tamanho normal, não foi necessário colocar runas em toda a estrutura. Por enquanto ele decidiu focar apenas no dedo indicador. Se ele conseguisse mexer, teria todos os dados necessários para fazê-lo funcionar para todo o braço.

‘Arion disse que me ajudaria com o sistema operacional rúnico assim que eu descobrisse como interpretar os fantasmas de mana, mas primeiro deixe-me tentar sintonizá-lo com mana normal.’

Já existiam pesquisas para tal coisa. Os magos rúnicos do passado criaram sistemas que interpretavam o uso de feitiços de mão de mana que poderiam ser sobrepostos aos membros golêmicos. Isso permitia que eles usassem essas criações metálicas robustas enquanto usavam um feitiço básico que imitava o movimento dos membros. Uma vez criado, ele só precisaria fazê-lo reagir ao fantasma de mana em vez de feitiços que só poderiam ser criados por magos.

Com seu plano em ação, Roland iniciou o intrincado processo de sintonizar o braço golêmico com mana normal. Ele inscreveu cuidadosamente uma série de runas no braço, cada uma projetada para interagir com mana de uma maneira específica. Era uma operação delicada, que exigia precisão e delicadeza, mas Roland não era estranho a tais tarefas.

‘Acho que deveria ir trabalhar, mas antes disso…’

Roland olhou ao redor e viu muitas pessoas olhando em sua direção. Embora entendesse a curiosidade deles sobre seu trabalho, ele relutava em revelar todo o seu processo de trabalho a outras pessoas. Este espaço era aberto e cada um tinha seu próprio posto de trabalho, mas era possível se esconder com o uso de feitiços.

Assim, depois de retirar algumas baterias rúnicas e colocá-las dentro de um dispositivo rúnico especializado, o espaço ao seu redor começou a mudar. Os outros Runesmith e seus ajudantes começaram a franzir a testa quando a área ao redor de Roland começou a ficar escura, escondendo-o com sucesso. Satisfeito com a nova privacidade conquistada, Roland voltou seu foco ao trabalho no braço golêmico.

Depois de chegar à forja vestido com sua armadura, Roland percebeu que ela não era adequada para o trabalho de ferraria rúnica. As manoplas volumosas restringiam seus movimentos e ele estava relutante em degradar ainda mais as estruturas rúnicas que as adornavam. Esta armadura era sua principal e única defesa verdadeira e, caso falhasse, ele ficaria gravemente deficiente.

Para resolver isso, ele preparou uma versão mais leve adaptada especificamente para este trabalho. Embora não tivesse os recursos de batalha de sua armadura principal, esta alternativa fornecia tudo o que ele precisava para a fabricação. Era feito com menos componentes e não tinha nada abaixo da cintura. Priorizou a mobilidade e a funcionalidade do seu ofício, mas também o deixou desprotegido durante o seu trabalho. No entanto, com a mortalha de escuridão ao seu redor, ninguém saberia.

Normalmente, o amolecimento de metais exigia aquecê-los dentro de uma forja adequada. No entanto, com seu atual conjunto de habilidades, Roland tornou-se uma forja para si mesmo. Era uma tarefa simples para Roland elevar a temperatura ao redor do braço de metal, permitindo-lhe injetar com força as runas diretamente no metal sem a necessidade de um martelo de ferreiro adequado. Embora este método consumisse mais mana do que o necessário, Roland não precisava mais se preocupar com tais limitações. Suas habilidades ascenderam a um nível além da dos Mestres Runesmith, que só podiam sonhar em alcançar tal controle sobre o metal.

Todas as suas preocupações pareceram desaparecer quando ele se envolveu no trabalho. Ele passou várias semanas absorvendo conhecimento e pensando sobre a teoria rúnica, mas no fundo, o processo de elaboração era o que realmente gostava. O que começou como um meio para um fim gradualmente se transformou em algo semelhante à meditação para ele. No ato da criação, sua mente clareou e encontrou uma sensação mais profunda de paz.

As horas se passaram rapidamente enquanto Roland se perdia em sua arte. Os outros Runesmith e aprendizes da oficina há muito haviam parado de olhar curiosos e retornado aos seus próprios projetos. Eles entenderam a necessidade de foco e concentração ao se aprofundar nas complexidades da elaboração rúnica.

Finalmente, depois do que pareceu uma eternidade de trabalho meticuloso, Roland recuou para admirar a sua criação. O braço golêmico, antes sem vida, agora pulsava com energia mágica, as runas que ele havia inscrito brilhavam fracamente na penumbra da oficina. Ele estendeu cautelosamente sua mana em direção a ele e o aparelho reagiu ao seu feitiço de mão de mana.

‘Mesmo que seja apenas um dedo, isso deve servir.’

O que anteriormente lhe levaria dias ou semanas de pesquisa e experimentação agora poderia ser realizado em poucas horas. O dedo indicador em que ele se concentrou se movia para cima e para baixo em conjunto com o feitiço da mão mágica. Ele leu corretamente a entrada de seu padrão de mana e reagiu exatamente como esperava. Com isso resolvido, ele poderia passar para a parte difícil, fazendo-a reagir à sua energia espiritual que assumia a forma dos fantasmas de mana.

De dentro de seu espaço de armazenamento, Roland recuperou todo o seu material de pesquisa atual, incluindo uma alma de monstro flutuante envolta em um recipiente de vidro. Essa alma serviu como foco principal para o protótipo. Roland levantou a hipótese de que se ele pudesse sincronizar os movimentos do braço do golem que balança os dedos com sua energia espiritual, ele deveria, em teoria, começar a reagir de acordo.

‘O que é energia espiritual e como posso usá-la?’

Ele olhou para o fogo-fátuo diante dele para ter uma ideia do que estava lidando. Seus olhos junto com o visor na frente deles começaram a brilhar quando ele ativou suas habilidades. Olho da Verdade Rúnica junto com sua habilidade Olhos de Mana para ter uma ideia de como o que ele estava trabalhando. Com ambas as habilidades ativadas, foi presenteado com uma visão peculiar contendo runas que ele nunca tinha visto antes ou sabia como funcionavam.

Por um momento, Roland ponderou sobre a natureza desta energia. Ao contrário da mana, que era uma força tangível que poderia ser controlada e manipulada através de runas, a energia espiritual parecia existir em um nível mais abstrato. Estava profundamente entrelaçado com a essência dos seres vivos, servindo como base de sua consciência e vitalidade.

‘Isso vai ser mais desafiador do que eu pensava, mas… a base está aí…’

Primeiro, ele precisava compreender mais profundamente a natureza da energia espiritual. Com a ajuda dos muitos tomos grossos que ele reuniu, a tarefa era viável. Roland mergulhou no estudo da energia espiritual e sua interação com construções mágicas. Ele passou horas examinando manuscritos antigos e trabalhos de pesquisa contemporâneos, absorvendo o máximo de conhecimento que podia.

À medida que se aprofundava em sua pesquisa, Roland começou a compreender os meandros da energia espiritual. Ao contrário da mana, que fluía pelo mundo de uma forma tangível, a energia espiritual era mais evasiva, existindo num plano metafísico. Isso era algo semelhante a um reino separado e não era algo que normalmente se infiltrava no mundo real por si só.

‘Talvez se eu criar uma fenda no espaço para acessar este plano metafísico… mas o uso de mana será astronômico, posso contornar esse processo de alguma outra maneira?’

Roland refletiu sobre diversas possibilidades, pesando os prós e os contras de cada abordagem. Criar fendas e usar magia dimensional era uma dessas possibilidades, mas considerando que sua habilidade Olhos de Mana poderia captar a assinatura energética sem uma medida tão drástica, deveria haver outra maneira.

De um dos antigos tomos espíritas que recebeu de Fortuna, havia uma certa passagem. Descrevia uma técnica usada por magos antigos para preencher a lacuna entre os reinos físico e metafísico. Envolvia a criação de um canal que permitisse que a energia espiritual fluísse para o mundo físico de uma maneira mais controlada.

‘Um canal, hm… eu realmente não preciso que ele flua para o reino material, eu só preciso ser capaz de ler o movimento, mas…’

Uma fenda, um canal ou talvez algo que unisse os dois. Considerando que fantasmas de mana podiam ser vistos através de habilidades, isso era possível. Talvez criando um canal ou fenda temporária para medir a energia espiritual inicial da alma de uma pessoa e sintonizando-a com a prótese, ela pudesse alcançar o efeito desejado. Ele precisaria formar uma conexão um tanto permanente entre o físico e o metafísico.

Com essa ideia em mente, Roland começou a trabalhar no projeto de um conjunto de runas que serviria como canal entre os reinos físico e metafísico. Em teoria, ele só precisava captar o padrão de energia espiritual através desse canal por apenas um segundo. Uma vez feito isso, seria viável estabelecer uma conexão permanente com a alma, que então poderia ser interpretada através das runas de maneira semelhante à sua habilidade ‘Olhos de Mana’.

Agora que ele tinha uma tese com a qual poderia trabalhar, era hora de colocá-la no papel. Criar um esquema para a estrutura rúnica não seria fácil e seria impossível para qualquer um que não fosse pelo menos um Mestre Runesmith. Era algo que ele precisava fazer sozinho, mas uma vez concluído, Arion provavelmente seria capaz de ajudá-lo a criar o programa de controle para o movimento dos membros. Ele só precisava criar o conjunto rúnico que pudesse ler os fantasmas de mana e, uma vez concluído, o resto seria muito mais simples.

Cada linha, cada curva e cada colocação de componentes rúnicos tinham que ser precisos para garantir o sucesso de seu empreendimento. Ele despejou sobre o pergaminho, sua mente totalmente focada na tarefa em questão, enquanto desenhava o projeto. Os dias passaram rapidamente, mas ninguém se atreveu a interrompê-lo e sua irmã estava ocupada com suas aulas de avanço na área de treinamento. Ambos estavam trabalhando duro e em pouco tempo seus esforços renderiam algo grandioso.

Finalmente, depois do que pareceu uma eternidade de trabalho, Roland recuou para admirar seu trabalho. O esquema diante dele representava uma complexa teia de runas entrelaçadas, cada uma cuidadosamente posicionada para formar o canal espiritual. Com a ajuda de sua habilidade de depuração, foi aperfeiçoado rapidamente e foi uma prova de quão longe Roland havia chegado.

‘Hum? Bem, isso foi inesperado…’

Roland entrou em um frenesi de pesquisa e não sabia quantos dias levou para alcançar esse avanço. A conclusão deste processo concedeu-lhe uma recompensa inesperada.

Não havia bônus listados, mas ele sabia que isso provavelmente lhe permitiria uma melhor escolha de classe no futuro. Pela descrição, parecia que ele havia criado algo que antes não existia no mundo rúnico. Considerando que nunca tinha ouvido falar da existência de próteses rúnicas antes, era algo que ninguém havia realmente feito e ele foi um pioneiro.

‘Não há tempo para comemorar, mas se recebi este título, então esta runa tem que funcionar!’

Uma vez resolvida a teoria, ele precisou inscrever tudo no braço golêmico, um processo que também poderia falhar. Roland respirou fundo e concentrou sua mana nas pontas dos dedos. Cuidadosamente, começou a inscrever os intrincados componentes rúnicos na superfície do braço golêmico. Cada golpe tinha que ser preciso, cada colocação de runa tinha que ser exata. Um movimento errado poderia potencialmente tornar todos os seus esforços inúteis.

Ele não tinha certeza se era graças ao novo título, mas sua mente parecia muito mais clara do que antes. Mesmo que ele estivesse cansado e sem sono, o processo de criação de runas transcorreu sem problemas. Neste ponto, o processo deveria ter sido mentalmente exaustivo e tedioso, mas ele não vacilou.

Finalmente, depois do que pareceu uma eternidade de trabalho meticuloso, Roland recuou para admirar a sua criação. O braço golêmico, antes sem vida, agora pulsava com energia mágica, as intrincadas runas brilhavam intensamente na penumbra da oficina. Foi um espetáculo para ser visto, um verdadeiro testemunho de suas habilidades como Ferreiro de Runas.

“Agora… para chegar ao momento da verdade… mexa o dedo.”

Quando Roland pronunciou essas palavras, ele estendeu a mão para as runas recém-inscritas no dispositivo golêmico. Seu coração acelerou de ansiedade enquanto aguardava a resposta. Por um momento, nada aconteceu e Roland sentiu uma onda de ansiedade tomar conta dele. Mas então, lenta e continuamente, o dedo indicador do braço golêmico começou a se mover.

Foi um pequeno movimento, quase imperceptível a princípio, mas estava lá. O dedo se contraiu, respondendo ao comando sem homem de Roland. Sem o uso de um feitiço de mana e carregado apenas por uma bateria rúnica, ele reagia ao movimento do dedo. Um sorriso apareceu em seu rosto enquanto observava o sucesso de sua criação se desenrolar diante dele, ele havia conseguido e Bernir logo teria seu braço.


Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

0 0 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar