Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

The Runesmith – Capítulo 95

Ponderando as opções.

Roland estava agora olhando para as opções de evolução que lhe foram dadas. havia cinco delas, com duas variantes incomuns e uma rara. Tinha até uma opção peculiar como o cão infernal que fazia com que o filhote permanecesse como um filhote. 

Pelo que sabia, esses tipos de opções de evolução eram uma visão rara. Eles redefiniriam mais ou menos o progresso atual dos monstros e os transformariam em um tipo diferente. Aqui seu Lobo Rubi se transformaria em um filhote de cão do inferno que o mudaria de lobo para cão e também lhe daria um tipo ‘Demônio’ junto com o tipo ‘Besta’. 

‘Um tipo raro não significa que seja particularmente melhor que um incomum…’ 

Ele esfregou o queixo enquanto lia as explicações. Não havia muita informação sobre as habilidades que essas opções de evolução dariam. Normalmente, iria para a variante Rubi no início, pois esse era o tipo original de monstro que Agni era. 

Agora havia outra opção a Lobo de pedras preciosas que provavelmente estava lá devido à nova habilidade de comer pedra de mana que seu filhote ganhou. Os tipos Vulcânicos e Cinzento pareciam os mais genéricos, com o Cinzento perdendo até o tipo fogo na evolução. 

Havia também a opção de ir com um Cão do inferno  e começar de novo. Então, quando chegasse a hora de evoluir novamente, poderia haver algumas opções raras para esse tipo. Embora esses tipos de monstros fossem considerados o tipo mais violento, e que poderia causar alguns problemas no futuro. 

“O que você acha Agni? Lobo Rubi ou Lobo de pedras preciosas? ou talvez um Cão do inferno?” 

“Latido!” 

O pequeno começou a latir e a correr. Ficou claro que não tiraria muito proveito desse filhote de monstro e teria que fazer a escolha sozinho. 

“Vamos voltar para casa agora, Agni.” 

Roland decidiu travar esta evolução. Ele precisava obter mais informações sobre essas opções de avanço. A habilidade de comer mana ainda não estava totalmente amadurecida, então pode haver alguma outra opção evolutiva se ele a maximizasse. 

Não havia pressa para algo tão importante quanto uma evolução. Às vezes, havia opções para redefinir como o Cão do inferno, mas essas eram super raras. As opções Lobo Rubi não estariam lá novamente, era impossível andar em círculos até que alguém se decidisse. A única coisa que poderia usar são os livros ou a experiência dos domadores. 

Os dois voltaram para casa para descobrir um Bernir bem bêbado martelando enquanto moldava alguma unhas. Havia um uso para isso e um monte de sucata para circular para se usar. Seu assistente também estava muito perto de atingir o nível 50 agora, o que também o permitiria avançar ainda mais. 

“Ei chefe, bem-vindo de volta. Coloquei os cabos onde você queria. Quer que eu te ajude a se despir? 

Bernir notou Roland andando de volta para a casa, pois sua armadura rúnica era bem característica. O rosto do meio-anão estava muito vermelho, mas ele era realmente capaz de trabalhar em tal estado. Se seria capaz de fazer a mesma coisa quando as ferramentas elétricas fossem introduzidas era algo que Roland queria ver. Uma coisa era balançar um martelo e outra era manusear uma serra rúnica que poderia cortar um braço.  

“Não, tudo bem, vamos conectar tudo amanhã.” 

“Tá bom.” 

Ele não incomodou seu assistente, pois Bernir estava claramente trabalhando duro para subir de nível. Desde que atingiu o 48º nível, estava usando incansavelmente suas habilidades de ferreiro para se preparar para esta importante ocasião. Também estava ficando tarde depois de passar a maior parte do dia na masmorra. 

Quando Roland abriu a porta da casa, Agni foi rápido em pular e ir para o seu lugar. Ele tinha um bem ao lado da cama de Roland e, embora houvesse uma casinha de cachorro perfeitamente boa do lado de fora, o cachorro gostava de dormir aqui. Com o tempo Roland cedeu aos gemidos e latidos não conseguindo lutar contra o olhar mortal do cachorrinho. 

“Aqui, pegue.” 

Roland jogou para Agni uma bela pedra de mana e o filhote começou a mastigar quase instantaneamente. Já havia passado tempo suficiente, então estava tudo bem agora. Depois de se despir, era hora de rever alguns planos. 

A turbina eólica seria conectada amanhã, então precisava fazer algumas coisas. A essa altura, alguns meses haviam se passado desde que seu novo assistente havia chego. Mesmo que não quisesse revelar seu covil secreto abaixo de sua casa, seria inevitável mais hora menos hora. 

Era claramente óbvio que estava fazendo runas em algum lugar de sua casa. Mesmo com algumas runas de cancelamento de som para manter o barulho de sua ferraria longe de ouvidos curiosos, era fácil para Bernir descobrir as coisas. A decisão tomada foi mostrar a seu assistente sua oficina secreta que agora havia trancado atrás de uma fechadura magnética mágica especial. 

Ao ser capaz de se concentrar em estudar as runas, começou a decifrar o código lentamente. Com o tempo, esperava não precisar olhar para o trabalho de outras pessoas ou usar sua habilidade de depuração para apenas roubar os projetos de seus trabalho. Com o conhecimento da linguagem de programação mágica ele queria construir sua própria magia, talvez até fazer algo novo que nunca existiu neste mundo antes. 

‘Se eu não puder instalar nenhuma runa de mina por enquanto, eu poderia usar um sistema de alarme normal…’ 

Roland ainda estava em dúvida sobre o que fazer em vez de usar minas. Isso seria mortal com seu cachorrinho e seu novo assistente por perto. Precisava de algo diferente, talvez algo que pudesse diferenciar os dois de convidados indesejados. 

“Eu poderia fazer algo parecido com um sistema de alarme de fotocélula.” 

Com algum conhecimento de seu velho mundo, ele veio com um dos clássicos. Colocando alguns sensores de luz ao redor da cerca, ele saberia se alguém passasse por ela. Se lembrou de um dos filmes populares, onde o herói tinha que se esquivar de muitos raios laser vermelhos que acionariam o alarme. Era uma solução fácil e poderia ser colocada ao redor das cercas longe de seu assistente e filhote. 

‘Eu me pergunto se eu poderia fazer algumas armas mágicas automatizadas…’ 

Então havia outra coisa que queria fazer. Sua terra foi cercada em forma quadrada. Em cada canto, havia uma torre menor feita de madeira de lei. Graças a Bernir que era bom em construir coisas, a cerca foi refeita para ficar adequada. 

Roland estava pensando em colocar dispositivos mágicos nesses cantos que os transformariam em uma espécie de torres defensivas. Seria fácil para ele conectar o sistema de alarme a esse tipo de dispositivo de ataque. Exigiria apenas um pouco de mana de seu gerador para funcionar. Ele também poderia usar um sistema de pergaminho reutilizável que não consumia muito das reservas de mana do gerador. 

A tarefa difícil seria realmente atingir um alvo em movimento. Criar um dispositivo mágico que atirasse flechas de fogo em direções aleatórias não funcionaria. Ele precisava usar algo diferente, algo que pudesse ser guiado. 

‘Existem feitiços autoguiados especiais… Isso pode funcionar… por enquanto…’ 

Havia variações de seu feitiço de flecha mágica favorito que se guiava até o alvo. Se ele também o inscrevesse no grau mais alto, seria realmente bem preciso. Ele queria que as torres reagissem aos intrusos e mirassem, mas precisaria se ater ao básico por enquanto. Talvez, se descobrisse o sistema operacional do golem, pudesse colocá-lo em suas torres defensivas. 

‘Eu não acho que os ladrões vão esperar ser perseguidos por flechas mágicas no momento em que pisarem aqui… isso provavelmente exigirá mais turbinas eólicas. Eu também teria que reforçar as paredes da casa, mesmo com flechas guiadas elas ainda podem acertar a casa…’ 

Com feitiços mais intrincados, a exigência de mana também seria mais alta. Se queria fazer tudo funcionar, precisava construir mais. Caso contrário, ele teria que incluir pergaminhos de alguma forma no circuito. Com mais componentes móveis, sempre havia mais componentes que poderiam se extraviar durante o processo de ativação. 

‘Ok… deixe-me fazer alguns esquemas… mas primeiro…’ 

Antes de prosseguir com seu trabalho, ele espiou fora de sua oficina. Viu seu cachorrinho babando no grande travesseiro que era sua cama. 

‘A fera está dormindo… posso trabalhar em paz.’ 

Roland fechou suavemente, saiu do quarto em que Agni estava dormindo e voltou para sua oficina, onde podia se concentrar em seu trabalho. Havia também a ideia de varinhas reutilizáveis ​​ou placas rúnicas que queria montar em sua armadura, colocando-a em algum lugar ao redor da área do antebraço. 

Isso era para facilitar o acesso, enquanto também estava lá para permitir que ele apontasse com as mãos para o alvo. A maior parte do feitiço estaria na placa enquanto a runa de descarga que criou o feitiço do lado de fora estaria em sua palma. Com isso, pareceria que ele estava realmente lançando feitiços, embora estivesse apenas ativando estruturas rúnicas separadas nos componentes adicionados à sua armadura. 

A maior parte da tensão cairia nessas partes reutilizáveis, enquanto sua luva se degradaria apenas um pouco. Graças ao fato de já ser de aço profundo, o dano seria mínimo. Os componentes reutilizáveis, por outro lado, podem ser feitos de ferro ou aço barato. 

Com isso em mente, ele começou a desenhar. Ele havia feito algumas integrações anteriores, mas estava focado em aumentar o nível de seu novo filhote e não progrediu muito. 

‘Vou usar um feitiço de orientação menor neste projeto… não dá tanto golpe, mas pode ser lançado repetidamente sem muito dano ao equipamento.’ 

Sua caligrafia aumentou aos trancos e barrancos depois de atingir o nível 2. Sua destreza agora foi dobrada e ele tinha acesso às habilidades de escrita de nível superior que estavam subindo de nível lentamente. Com isso, foi capaz de elaborar vários esquemas rúnicos em poucos minutos. 

Lamentavelmente, seu pequeno truque de nivelamento havia se estabilizado com o tempo. Mesmo os esquemas rúnicos comuns não lhe davam muito. A essa altura, seria mais rápido entrar na masmorra e massacrar algumas feras de nível 2 na região com lava. Ele era forte o suficiente para enfrentar vários deles agora, o que deixou seu truque de depuração no pó. 

Talvez se colocasse as mãos em alguns esquemas rúnicos de nível 3, pudesse progredir mais rápido mais uma vez. O problema com isso era a raridade e os preços exorbitantes. A única maneira realista de obtê-los seria comprar algo com uma runa de nível 3 em uma loja ou no leilão. 

Os preços das armaduras e armas comuns já eram altos. Uma com um nível mais alto não era algo que ele pudesse pagar no momento. Pelo menos não enquanto estava gastando muito na construção de suas turbinas e sistemas defensivos. 

‘Deve ser isso, acho que vamos precisar de muito mais fios de cobre para chegar a todas as torres… Vou dizer ao Bernir para buscá-los amanhã.’ 

Roland bocejou enquanto se espreguiçava, já era tarde da noite e era hora de dormir. Agni notou que estava saindo da oficina e foi rápido para agarrar sua perna. 

“Você provavelmente quer  fazer o suas necessidades…” 

Deixou o cachorrinho do lado de fora enquanto ele mesmo foi tomar banho. O tempo continuou a correr e o dia seguinte chegou rápido. Roland sempre acordava bem cedo graças à sua habilidade de resistência ao sono. Bernir, por outro lado, dormia profundamente, ainda mais depois de beber durante o dia. 

“Ei acorde. Eu preciso que você vá buscar algo no mercado…” 

O sol já estava alto, então Roland não teve nenhum ressentimento sobre acordar seu assistente. Seu pé chutou a porta da cabana de madeira que agora era usada como o novo local de hospedagem de Bernir. Era também sua ferraria que estava lentamente adquirindo novos e melhores equipamentos feitos pelo próprio meio anão. 

“Ainda está dormindo?… Se você for agora eu te dou dinheiro para pegar aquele vinho que você estava babando…” 

Depois que a sentença foi pronunciada, ele pôde ouvir um estranho baque alto no galpão de madeira. Isso foi rapidamente seguido por muitas ferramentas metálicas caindo e ele ouvindo Bernir gritando algumas palavrões. 

“Estou de pé… estou de pé!” 

‘Eu deveria descontar o pagamento dele por fingir estar dormindo…’ 

Roland esperou mais um minuto para ver um Bernir seminu vindo ao seu encontro. No momento em que abriu a porta, o cheiro de ferro veio até as narinas de Roland. Isso era algo que ele já estava acostumado e outras oficinas de anões eram bastante semelhantes. 

“Finalmente você está de pé, aqui vai pegar essas coisas no mercado. Se você pode barganhar os preços, pode comprar aquele seu vinho…” 

“Obrigado, chefe!” 

Roland achou que Bernir ficaria um pouco desanimado por só conseguir o vinho se negociasse bem o suficiente. Parecia que bastava apenas dar a ele uma chance de conseguir para ser feliz. 

Enquanto Bernir estava se arrumando, Roland decidiu trabalhar em seu design da guarda de braço mágica. Havia placas de aço suficientes para fazer alguns protótipos. Com a habilidade dos caminhos etéreos também subindo de nível, era muito mais fácil conectá-los à armadura principal. Os dois se separaram e começaram o dia bem cedo. 

Bernir ergueu a mochila e olhou para sua oficina enquanto sorria. Levou apenas alguns meses, mas agora ele sentia que realmente poderia ser um ferreiro de verdade. A pessoa que o contratou era um excêntrico, mas também uma boa pessoa. 

Depois de trancar a cabana de madeira e dar algumas guloseimas para Agni que estava mordiscando sua pedra de mana matinal, ele saiu. Bernir não recebeu uma bicicleta rúnica de trabalho, então ele precisava fazer seu trabalho a pé. Roland não lhe negou nada; o problema estava em Bernir não ter mana suficiente para durar até a cidade. Mesmo as pedras de mana não aliviaram muito esse problema, então ele ficou apenas com suas pernas. 

Ainda era apenas uma caminhada de trinta minutos, então Bernir apenas a usou para apreciar as vistas e pensar no que poderia criar em seguida. Uma das razões pelas quais ele estava tão animado hoje não era apenas pelo vinho, mas também porque estava perto de atingir o nível 50. Seu chefe havia prometido mostrar alguns de seus itens rúnicos se ele conseguisse passar para o segundo nível. 

“Bom dia” 

“Bom Dia.”

Bernir cumprimentou os guardas do portão que já o conheciam. Não havia tantos meio-anões nesta cidade com mochilas enormes como a dele. Desde que conseguiu seu novo emprego, ele estava muito mais feliz, assim, sua personalidade mais extrovertida surgiu. Graças a isso, foi fácil conseguir bons preços no mercado. 

Enquanto Bernir tentava pechinchar o preço do cobre com Roland ordenou um grupo de cinco aventureiros desceu a rua. Uma pessoa do grupo parou enquanto olhava para o mercado. 

“Não é isso…” 

“Ei Garlen, o que você está fazendo, vá em frente.” 

“Espere Devyn, olhe para isso…” 

Os dois homens trocaram alguns olhares e ambos começaram a olhar na direção de Bernir. Logo um sorriso apareceu em ambos os rostos enquanto os outros três aventureiros foram ver o que estava acontecendo. 

“Bem, bem… não é o nosso pequeno Bernir… Terrivelmente animado, não é?” 

“Que ele é… acho que devemos lembrá-lo de como tratamos velhos amigos…” 

O grupo de homens moveu-se para o lado em um beco solitário enquanto vigiava o mercado. O que eles estavam fazendo só eles sabiam, mas não parecia que fosse nada pacífico… 

Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

5 1 voto
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
1 Comentário
Mais recente
Mais Antigo Mais votado
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Cledison
Visitante
Cledison
4 meses atrás

Que raio esses lixos pensam que vão fazer?

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar