The World After the End – Capítulo 147

A Grande Floresta (2)

A terceira Federação Mundial.

Jaehwan não havia dado muita atenção ao nome, mas agora estava tendo uma ideia do que deveria ser.

— Andersen, o que é essa terceira federação?

[Refere-se a Deuses que não estão registrados no <Grande Irmão>.]

Por que ele não pensou nisso quando viu Myad pela primeira vez? Não, Jaehwan imaginava, mas não tinha provas para confirmar. Jaehwan conhecia essas pessoas. Ele até lutou contra um deles quando estava a caminho do <Abismo> para começo de conversa.

A terceira federação era a [Ruptura].

Deuses com seu próprio mundo, mas não estavam registrados no <Grande Irmão>. E com mundos muito sombrios…

— HAHAHA! Matem todos!

— Conseguirei mais poder mundial graças ao Mestre!

Eles não tinham tantos Seguidores quanto os Deuses de nível alto, mas cada um deles tinha poder próximo ao dos Comandantes. A organização que tinha a mulher chamada Yoo Surha como sua segunda Capitã, ou a Federação de Myad, chamava-se [Ruptura].

“Então Myad é o Mestre da [Ruptura]?”

Jaehwan começou a entender a força de Myad. Dois milhões de poder mundial estava além do poder dos comandantes com os quais Jaehwan teve dificuldade em lidar. Os únicos seres com esse tanto de poder eram os Monarcas das <Grandes Terras>.

“Não, ele provavelmente é mais forte do que eles agora.”

À medida que o Machina se movia, dezenas de Gigantes eram destruídos com apenas um golpe. Era um poder assustador.

— Ei, você.

Quando ele se aproximou? Jaehwan percebeu que alguém estava bem atrás dele. Ele rapidamente agarrou sua espada para se levantar, mas o homem recuou enquanto acenava com as mãos.

— Oh! Se acalma. Não sou seu inimigo. Estou do seu lado!

Era um homem com cabelos ruivos. Ele tinha traços fortes, com cicatrizes por todo o corpo. Mas não parecia ser hostil. O homem olhou para o Machina e falou.

— Você não pode fazer algo sobre ele? Usando a [Configuração] que usou para destruir aqueles Gigantes, enquanto você brandia sua espada…

Foi Andersen quem interrompeu a pergunta do homem.

[Você. Você não é Karavan das Chamas, o vice-gerente de Ignis…?]

— Oh? Nunca imaginei que alguém me reconheceria. Hmm? Mas o que está acontecendo? Vocês não estavam lutando um contra o outro agora há pouco?

Karavan parecia confuso, pois não sabia que Andersen estava agora dentro de X. Jaehwan disse:

— É complicado. Mas o que quer? Não parece que veio para lutar comigo.

— Oh. Então…

Karavan hesitou quando Andersen perguntou:

[A ligação com o seu Deus também se desconectou?]

— C-Como você sabia?

[Entendo… Então o poder dos Deuses Antigos é tão forte. Não achava que cortar a ligação com um Deus de alto nível fosse possível.]

— Você sabe de alguma coisa? Sabe o que aconteceu comigo?

[Você não vai se recuperar por um tempo. Terá que viver alguns meses assim, pelo menos.]

— Isso é sério?

Karavan ficou chocado. Ele era o vice-regente de um dos deuses de nível mais alto, mas mesmo ele não sabia muito sobre as [Configurações] dos lendários Três Deuses Antigos. No entanto, esse Gigantes agora estava falando sobre Machina de repente, então era natural que Karavan ficasse cauteloso.

— Quem é você e como posso acreditar… Espere— Você é—

Andersen rapidamente acenou com a mão, impedindo Karavan de dizer algo desnecessário.

[Você quer saber como recuperar a ligação?]

— Uh… Sim.

[Há uma maneira. Mas não podemos fazer isso aqui…]

Ela olhou para a cena de luta. Karavan percebeu o que ela queria dizer. Eles tinham que passar pelo campo de batalha para chegar onde precisavam ir.

[Vamos procurar uma chance de…]

Pssssh.

Mas não conseguiu terminar, quando Jaehwan começou a liberar seu poder mundial. Jaehwan estava caminhando em direção ao campo de batalha. Andersen olhou para ele estupefata por alguns segundos e correu para agarrar seu ombro.

[Ei— Não se atreva.]

— Esse negócio aí, o Machina é um Gigantes afinal, certo?

Andersen mordeu o lábio. Não, ela pensou ter mordido o lábio, mas o Gigantes que agora habitava não tinha lábios.

Ela esperava que Jaehwan fizesse tal coisa, mas estava frustrada com ele por fazer tal coisa neste momento.

[Nesta situação, você ainda…]

Sua voz parou e as memórias de Jaehwan brilharam dentro dela. Era uma certa sensação que só ela, que conhecia melhor Jaehwan, podia sentir.

Esta era realmente a personalidade dele. Esta escolha era definitivamente algo que Jaehwan faria.

Mas…

[Eu sabia disso o tempo todo, mas você é imprudente.]

Jaehwan não respondeu e, em vez disso, virou-se para olhar para algum lugar distante. Andersen então viu um garotinho dentro de Jaehwan — um garoto inocente que ainda não havia desistido de seu sonho. Ele não sabia o que era possível ou não, então continuava tentando alcançar seu objetivo.

Andersen foi então atingida por um pensamento. Desde que abandonou a ‘presença’ para se tornar uma Deusa, foi a primeira vez que sentiu tal coisa. Então aceitou sua compreensão.

Este homem inocente. Sim. Talvez fosse bom ter esse tipo de homem por perto. Talvez tudo acabasse…

Uma luz dourada começou a brilhar de Jaehwan.

— Eu vou lutar. Preciso dar pelo menos um tapa no rosto dele.

[Sim. Certo. Esse é você de verdade.]

Por quê?

Pela primeira vez, Andersen respondeu algo totalmente diferente de sua vontade.

— Estou contando com você.

Com essas palavras, Jaehwan atacou Machina.

Voltando a esta decisão, ele fez a escolha certa. Por causa disso, Jaehwan e outros eventualmente foram permitidos a sair do desastre de Hatchnold. No entanto, Jaehwan não sabia o que perderia como resultado de sua escolha.

Às vezes, a inocência exigia a ajuda de outros para ser protegida.

Quando alguém precisava de inocência, tinha que haver alguém que pudesse suportar o fundo da inocência. Seria muito tempo depois que Jaehwan perceberia isso.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar