Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

World Domination System – Capítulo 236

A luta (3)

Depois que Elanev rolou para o lado, a sensação de perigo vindo de suas costas o fez pular e rolar novamente, apenas para perceber que o Rei já havia corrido em sua direção e lançado um ataque que quase o acertou, se não fosse pelos instintos que ele aperfeiçoara durante suas viagens. 

Vendo o desafiante rolar várias vezes no meio do campo, as pessoas do Reino Corvo Negro não puderam deixar de rir de satisfação ao se encherem da doce sensação de ver seu inimigo derrotado na frente deles. 

Depois que o Corvo errou o alvo, Elanev não conseguiu descobrir onde ele estava, o que o fez sentir uma sensação adicional de perigo, que era ainda mais assustadora porque ele não sabia de que direção viria. 

Enquanto isso, o Rei Corvo Negro estava desferindo socos e chutes nele, em um estilo brutal que enfatizava o ataque. 

Desde a infância, Elanev foi treinado em técnicas de socos e chutes que tentavam tirar vantagem da fraqueza do inimigo e, ao mesmo tempo, proteger o usuário. 

A técnica que o Rei estava usando era a antítese do que aprendera. 

Ao abandonar a defesa, embora existam muitas lacunas na técnica do Rei das quais ele poderia tirar a vantagem, a velocidade do ataque era tão alta que se ele quisesse desferir um soco ou chute, teria que se permitir ser atingido várias vezes. 

A falta de experiência de Elanev já se mostrava. O primeiro ataque em si serviu para tirar a iniciativa de Elanev, colocando-o em uma posição de desvantagem, que foi aproveitada pelo Rei para empurrá-lo para a derrota. 

Sabendo que se continuasse o único resultado seria sua derrota, Elanev usou um dos trunfos que havia adquirido desde que deixou sua casa. 

Conduzindo a energia para os pés, Elanev deu dois passos que pareciam normais. 

No entanto, duas explosões abafadas puderam ser ouvidas no estádio enquanto Elanev voava de maneira controlada antes de saltar no ar e pousar suavemente no chão. 

Isso quase fez o público suspeitar que o desafiante era, na verdade, um Mago, mas suas dúvidas foram respondidas quando viram que duas pegadas claras haviam aparecido no local exato onde o homem havia pisado no chão para voar no ar. 

Definitivamente era algum tipo de técnica que usava a força para alcançar esse efeito. 

Apenas um homem entre a multidão quase se levantou em choque ao presenciar uma técnica familiar sendo usada em um lugar longe de casa. 

Enquanto isso, Elanev tirou duas ferramentas de aparência estranha, que pareciam serem criadas para ser vestidas, pois, embora parecessem feitas de material metálico, quando Elanev as colocou, elas se curvaram para envolver perfeitamente seus punhos, fazendo-os brilhar no Sol. 

Vendo as estranhas ferramentas, o Rei apenas sorriu antes de avançar novamente em direção ao seu oponente. 

Ele nem estava usando armas, mostrando sua confiança em poder vencer a luta mesmo estando com as mãos nuas. 

No entanto, no momento em que deu outro soco em seu adversário percebeu que, provavelmente, havia cometido um erro ao subestimá-lo daquela maneira. 

A realidade era que, embora seu poder estivesse restrito ao de um Lutador Humano Eminente de quinto grau, sua experiência lhe permitiu produzir um poder de punho pelo menos dois níveis acima, devido ao uso perfeito de postura e movimento. 

O poder de cada soco percorreu perfeitamente o caminho do pé para o punho resultando em um poder que faria com que quem o recebesse sentisse como se estivesse enfrentando um Lutador Humano Exaltado. 

Isso era algo que só poderia ser aprendido após anos e anos no campo de batalha, pois exigia um foco quase subconsciente que não poderia ser treinado. 

Embora soubesse que era muito improvável que seu desafiante também estivesse ciente de tal técnica, ele decidiu seguir o caminho cauteloso, usando o Corvo para distraí-lo antes de lançar o seu ataque. 

Isso lhe permitiu ver que o adversário não possuía nenhuma técnica para amplificar o poder. 

Por isso, ele simplesmente aproximou-se e deu um soco pensando que o oponente seria surpreendido. 

No entanto, seu punho foi atingido por um objeto metálico que o fez estremecer. 

Mais do que a força do metal, foram os estranhos fenômenos que acompanhavam cada soco que o chocaram. 

Era como se uma cobra tivesse deslizado pelo seu braço no momento do contato, dando a impressão de que definitivamente explodiria com um simples comando do adversário, rompendo seus vasos sanguíneos e causando um grave ferimento. 

Pensando rapidamente e entendendo exatamente o que era, o Rei Corvo Negro usou uma técnica para expulsar a força invasora. 

Ao apertar a mão vigorosamente em uma determinada direção, ele conseguiu diminuir a força que passava por seu braço, de modo que, mesmo que a explosão realmente ocorresse, o dano seria mínimo. 

O problema é que quando ele se concentrava nesse processo, o adversário já havia dado mais três socos em três locais diferentes em seu corpo. 

Entendendo que agora era sua vez de recuar, o Rei Corvo Negro comandou apressadamente o Corvo, que estava à espreita, para iniciar um ataque. 

Isso lhe deu um momento para respirar, que ele usou para pular para trás e usar a mesma técnica de antes para se livrar de todas as ‘cobras’ que haviam entrado em seu corpo. 

Enquanto isso, Elanev não teve outra opção senão desistir da posição vantajosa que conquistou usando o elemento surpresa. 

O maldito Corvo conseguiu descer do céu em seu ponto cego, fazendo-o pausar seu ataque e se mover para escapar de seu bico afiado que definitivamente o empalaria se ele tivesse a chance. 

Do outro lado, o Rei Corvo Negro já havia conseguido expulsar todas as ‘cobras’. 

“Interessante. Mas o aquecimento acabou, agora é hora de acabar com essa farsa.” 

Com estas palavras começou a luta mais desastrosa de toda a vida de Elanev. 

Tudo começou com o Corvo voando de volta para o céu, enquanto o Rei atacava novamente e começava a atacar da mesma forma que havia feito antes. 

No entanto, a diferença era que cada soco dele era acompanhado por um ataque do Corvo vindo de uma direção diferente. 

Ao contrário do Corvo do guerreiro que ele havia lutado antes, este poderia agilmente girar no céu sempre que quisesse, permitindo que ele voltasse e o atacasse de novo e de novo, mesmo que continuasse errando devido à sua esquiva cuidadosa. 

Mesmo que ele tenha dado alguns socos no Rei no processo porque ele não estava nervoso como antes, era como se as explosões não tivessem tido nenhum impacto sobre este homem que nem sequer se encolheu com a dor de ter seus vasos sanguíneos e sua pele rasgados. 

SHWIP 

BAM 

HWEP 

BOOM 

O som de seus socos sincronizou com o som feito pelo Corvo enquanto ele se virava e atacava repetidamente, sem sequer lhe dar um momento de trégua. 

Apenas um minuto se passou desde o momento em que ele fez o Rei recuar, mas ele já havia recebido oito socos e três chutes em seu corpo enquanto o sangue já subia à sua boca, indicando que ele estava ferido internamente. 

Ainda assim, ele parecia bem por fora, ao contrário do Rei, que havia recebido cinco dos “socos de cobra”, que fizeram o sangue escorrer por seu corpo devido aos pedaços de pele arrancados em suas mãos, onde a armadura de couro tinha buracos devido às explosões que vieram de dentro. 

A multidão não conseguia nem acompanhar os movimentos desses dois indivíduos, que faria qualquer um pensar que era uma luta com Guerreiros Humanos Exaltados em vez de Eminentes. 

A única coisa da qual eles conseguiam ter vislumbres claros era do Corvo, que continuava se reorientando para continuar lançando ataques. 

Depois de um minuto e meio, as duas figuras finalmente se separaram. 

Ambos estavam ofegantes, mas enquanto um estava tão ensanguentado que parecia ter nadado no Inferno, o outro parecia o mesmo do início da luta. 

Percebendo que, na verdade, era o Rei quem estava sangrando, o choque apareceu nos rostos das pessoas do Reino Corvo Negro, que começaram a temer o pior. 

Se lhes fosse dado mais um momento, ninguém poderia dizer exatamente em que emoção poderia ter evoluído. 

No entanto, a chance de encontrar a resposta foi perdida. 

O desafiante avançou uma última vez como se ainda tivesse um último soco, mas o passo que deu o fez tremer repentinamente, quase como se alguém o tivesse eletrocutado. 

Isso o fez cair no chão, deixando o Rei de pé. Claramente, ele não aguentava mais. 

Desta vez, todo o estádio estremeceu quando o público se levantou e todos pularam de alegria ao ver o orgulho do Reino defendido de forma tão espetacular. 

Enquanto as emissoras da NOA continuavam a elogiar o Rei que havia conquistado a vitória, Daneel estreitou os olhos e encarou um canto específico do estádio, antes de lançar um feitiço para entrar em contato com seu querido irmão, de quem ele sentia falta há tanto tempo. 


Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

0 0 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar