Estamos testando algumas plataformas de anuncios, caso notem links suspeitos e direcionando forçadamente para páginas indesejadas nos avise através do formulário de contato.

Apocalypse Hunter – Capítulo 2

Incidente na prisão (1)

Por causa do tiro repentino, as pessoas da cidade agora estavam encarando Zin. Todas estavam nervosas já que essa foi provavelmente a primeira vez que ouviram barulho de tiro. Eles não sabiam o que estava acontecendo, então se esconderam do caçador.

Zin não se importava muito, já que tinha pego sua recompensa. Zin suspirou enquanto saía da cidadezinha. As pessoas da cidade que tinham medo da arma falsa estavam provavelmente vivendo como escravas, e aquele homem pensou que o poder da arma falsa era real.

— Ainda é um mundo de tolos.

Zin andou e leu as mensagens que começaram a aparecer na frente de seus olhos.

[Obscuridade – 0.32%]

[Todas as funções não vitais estão inativas, nível de energia restante – 392 dias 2 horas 32 segundos]

[Sangue de maligno é necessário]

Zin pararia de funcionar se acabasse toda sua energia. Entretanto, ele sabia melhor do que ninguém que não haviam mais malignos nesse mundo.

De 210 lascas azuis que ele ganhou, Zin consumiu 100 delas. Uma pessoa normal não ousaria fazer algo tão insano, mas Zin as comeu como um petisco.

[Consumo de energia alternativa: 100 lascas]

[Tempo de atividade aumentado: 100h]

Para cada lasca consumida, uma hora de vida era aumentada. A estimativa de seu tempo de atividade era baseada no nível de obscuridade, e quando uma  grande quantidade de força era usada, seu tempo de vida diminuiria.

[Fonte alternativa de energia tem baixa eficiência. Por favor procure sangue de maligno]

Zin olhou para a mensagem de aviso e suspirou.

Um século atrás, o último maligno do mundo foi caçado.  Dois séculos e onze anos se passaram desde o Apocalipse.  E ainda era um mundo de tolos, e Zin não era diferente já que ele estava vivendo como um caçador de malignos em um mundo sem malignos.

Depois do Apocalipse, pessoas queriam muralhas altas e grossas ao redor das suas casas, e então cidades ficaram maiores com muralhas maiores. Mas, em um mundo onde a tecnologia desapareceu, construção civil se tornou algo difícil de fazer, resultando em muralhas de lixo frágeis construídas sobre pedras e rochas.

A maior e mais forte muralha do mundo foi construída antes do Apocalipse. Só que, a vida antes do Apocalipse não precisava de muralhas. Dessa forma, construir muralhas não se tornou uma prática comum. Entretanto, não importa o quão incomum a prática seja, havia lugares onde os humanos precisavam de muralhas altas e grossas.

E um desses lugares era as prisões.

Prisões que abrigavam vários presos eram os abrigos perfeitos para humanos que viviam com medo de bestas.  As celas da prisão eram menores e adjacentes umas às outras, o que permitia várias pessoas viverem nelas. As prisões também tinham torres de vigia altas que permitiam a eles facilmente avistarem qualquer ameaça externa. Armas eram guardadas nas prisões para atacar e se defender de bestas.

Dessa forma, todas as prisões, ou pelo menos aquelas com muralhas altas e grossas, eram os melhores lugares para se mudar.

Obviamente, as armas ficaram inutilizáveis com o tempo, mas mesmo depois de dois séculos, as prisões se tornaram habitações apropriadas com muralhas altas e seguras.

O propósito original das prisões era de impedir que alguém saísse, mas agora, uma prisão se tornou um lugar para prevenir que os outros entrassem.

— Então esse é o Ponto Ardente. — Zin encarou a muralha na frente de seu olhos.

— Alto lá?

Os guardas que viram Zin se aproximar apareceram no topo da muralha. Todos tinham uma flecha apontada para ele. Olhando para a corda de seus arcos esticadas até o limite, Zin se sentiu estranho.

A cem anos atrás, quando armas e munições estavam prontamente disponíveis, pessoas no topo de muralhas patrulhariam com suas armas. De metralhadoras e fuzis de precisão, de fuzis para mini-metralhadoras, de mini-metralhadoras para pistolas, de pistolas para bestas. E agora, haviam arcos. Zin se perguntou quanto mais as armas iriam se degradar. Ele pensou que talvez fundas e estilingues seriam usados da próxima.

Agora, tecnologia estava se degenerando ao invés de evoluir. Quando Zin notou como os tempos mudaram, ele também percebeu que viveu por tempo demais.

— Eu sou um caçador.

Se fosse uma cidade, ponto de segurança, fortaleza ou castelo, haviam dois tipos de atitude em relação a um caçador – acolhedor ou hostil. Um caçador e um Salteador não eram tão diferentes já que ambos matavam humanos e bestas. A única diferença era que ladrões matavam sem razão, já caçadores recebiam lascas por matar humanos ou bestas.

— Entre.

As palavras do guarda sugeriram que havia possíveis pedidos para um caçador.

*Crrrrr!*

A porta de aço enferrujada rangia conforme abria, e Zin passou pela porta. Os dois guardas estavam observando Zin em alerta. Os guardas estavam armados com machetes e lanças de madeira, e sacaram suas armas para Zin.

— Não precisa ser hostil aqui. Ele que perde se começar uma comoção. — Um homem desceu da muralha, e com suas palavras todos os outros guardaram suas armas.

Os homens estavam mal equipados, mas eram organizados. O homem veio e esticou sua mão para Zin.

— Eu sou Baek-Goo, e sou Capitão da Guarda do Ponto Ardente.

— Eu sou Zin.

— Que nome interessante você tem.

— O mesmo para você.

— Hah… é mesmo?

— Antes do Apocalipse, pessoas costumava chamar seus cachorros como “Baek-Goo”.

Ao invés de ficar irritado com as palavras de Zin, Baek-Goo começou a rir.

— Haha, sim, meu pai costumava me bater como um cachorro.

Zin riu com sua reação. O Capitão da Guarda do Ponto Ardente parecia ser uma pessoa com senso de humor, que era um traço raramente visto nesses tempos.

— Eu estava tentando te irritar intencionalmente, mas de qualquer jeito, minhas desculpas.

— Está tudo certo. É assim que caçadores são.  — Baek-Goo foi embora e gesticulou para Zin. — Nós precisamos de ajuda, então podemos tolerar tal descortesia.

Baek-Goo começou a entrar no prédio da prisão, e Zin o seguiu. Dentro da prisão do Ponto Ardente havia um jardim, cuidado pelas pessoas que pareciam ser os residentes.

— Que comunidade animada.

Cada vila tinha seu estilo de vida, mas nesse lugar, olhando para os guardas e aqueles cultivando a comida, parecia que a comunidade tinha escolhido produzir e distribuir comida como uma comunidade também. Zin estimou que pelo menos duzentas pessoas residiam atualmente no Ponto Ardente.

Em uma vila onde a comunidade era formada, o líder tinha o maior poder, e cada comunidade tinha suas forças e fraquezas. Claro, Zin viu vários casos onde as fraquezas estavam visivelmente ampliadas. Entretanto, ele não notou sinal algum de dor ou exaustão nas pessoas.

— Parece uma boa comunidade.

— Nós temos bestas que são comestíveis, e elas não tem nos atacado nesses últimos dias. É muito bom aqui.

— Bom, é bom ouvir isso.

Caçar bestas que não eram venenosas era um jeito de conseguir comida. Mas, não havia motivo para se caçar os mortos-vivos e as bestas venenosas. Esse tipo de besta é caçado apenas por lascas.

— Quem é o líder aqui?

— Nosso líder? Você está falando sobre nosso ancião? Ele é um velho, porém mais sábio que qualquer outro. Nós fomos capazes de passar por tempos difíceis por causa da sabedoria do ancião.

Em cada vila, os líderes seriam chamados com títulos diferentes, e nesse lugar, parecia que o líder era chamado como ancião. Da perspectiva de Zin, o Ponto Ardente parecia um lugar comum. No entanto, Zin pensava profundamente.

— Hmm… isso é problemático…

Era claro que a vila tinha alguns problemas. Era geralmente alguma ameaça direta como fome, ataques de bestas, ou incursões de salteadores. Esses tipos de problemas tinham que ser resolvidos logo sem muito pensamento.

Julgando pela aparência exterior, essa vila parecia livre de problemas. Só que, o fato de esse tipo de vila precisava de um caçador significava que havia um grande problema oculto. Baseado na experiência de Zin, vilas com aparências pacíficas geralmente faziam pedidos perigosos e estranhos. De repente, Baek-Goo disse:

— O ancião pode não te pedir ajuda, então não espere demais.

— Ele não vai?

— Não. — O próprio Baek-Goo parecia confuso também.

— Até agora, cinco caçadores vieram, mas nenhum deles recebeu pedidos.

— Hmm… isso é interessante de se ouvir.

— Honestamente, eu nem estou certo de que tipo de pessoa que o ancião quer.

Baek-Goo começou a contar a Zin sobre o comportamento estranho do ancião. De repente, o ancião disse que eles precisavam de um caçador, e quando um caçador visitava, ele os rejeitaria a cada vez.

Sem dar uma razão específica, ele rejeitaria o caçador. Então, diria para eles procurarem por novos caçadores, mas sempre iria pedir para o caçador de passagem ir embora depois de uma noite.

— Então… você pode assumir que você vai ganhar uma noite de descanso caso não receba um pedido.

— Bom. Não importa o que aconteça, eu não tenho nada a perder.

Ganhar uma noite de descanso em um lugar seguro era um acordo muito bom, e apesar do líder parecer estranho, Zin não tinha nada a perder.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar