Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

Chrysalis – Capítulo 1262

Anthony em Turnê! – Parte 3

Acontece que os novos parceiros comerciais da Colônia estavam bastante acostumados a trazer criaturas menos… capazes de nadar para sua morada aquática. Talvez não necessariamente tão grandes quanto eu, mas ei, no final tudo deu certo.

Quando cheguei à praia, encontrei uma equipe de magos brathians prontos e esperando para nos transportar para baixo das ondas.

[Então… como isso funciona?] Perguntei a Enid.

A velha franziu a testa para mim. Ela tinha muito menos mobilidade do que costumava ter, e a Colônia lhe deu um cajado permanente na forma de uma formiga de apoio para ela se apoiar.

[Como eu saberia?] Ela disse. [Nunca fui tão fundo e certamente nunca fui convidada para visitar um brathian em sua casa.]

[Eles são notoriamente inóspitos ou algo assim?]

[Nada do tipo. Eles simplesmente não convidam frequentemente ninguém além de seus aliados mais próximos para suas cidades, pelo menos não aqueles que estão debaixo d’água.]

‘Huh, então suponho que eles tenham cidades acima da água na superfície. Mesmo assim, gostaria de saber como diabos isso vai funcionar.’

Eu fiz um pedido ao mago designado para mim, um sujeito de aparência robusta repleto de equipamentos e núcleos encantados. Meu palpite era que tudo era para tentar protegê-lo da minha poderosa influência de formiga. Ele repassou minha pergunta e, eventualmente, entrei em contato com Eran Thouris novamente, que me explicou o processo.

[Nossos magos criarão uma plataforma para todos vocês ficarem de pé e, em seguida, moldarão a água ao seu redor, permitindo que a plataforma desça, enquanto mantêm todos vocês bem secos. Usando magia, eles irão extrair oxigênio da água, então não há necessidade de temer a asfixia. Enquanto você estiver sob nossos cuidados, nenhum dano acontecerá a você, fique tranquilo.]

‘Nem tenho certeza se tecnicamente preciso respirar, mas os humanos certamente precisam. Heh, fracos.’

[Vai precisar ser uma plataforma resistente], respondi, mudando um pouco os pés, [não sou… uh… não tão leve quanto costumava ser.]

[Sem medo], Eran me garantiu. [Temos bastante prática nisso e regularmente trazemos caravanas comerciais inteiras para baixo das ondas.]

‘Bem, todo esse empreendimento é um exercício de confiança. Se a Colônia quiser se dar bem com alguém daqui, precisamos mostrar que estamos dispostos a dar um salto de fé, estender a antena da amizade, por assim dizer. Naturalmente, se os brathians nos traírem, a antena da amizade será retraída e substituída pelas mandíbulas do ‘ah, não, você não fez isso!’. Até lá, darei o exemplo e mostrarei confiança.’

‘Para um influxo de núcleos que capacitarão meus irmãos, estou disposto a correr muitos riscos! E se os nossos produtos forem bem-sucedidos, talvez seja menos provável que as pessoas nos declarem guerra! Temos uma guerra com os Krath se formando no momento, prefiro não ter que continuar batendo de frente com os ka’armodo e a Legião.’

‘Um inimigo de cada vez, por favor!’

Em pouco tempo, uma ampla plataforma foi formada, de quase cinquenta por cinquenta metros, e todos nós entramos em fila. Poucos minutos depois, começou a descer e, surpreendentemente, a água simplesmente deslizou pelas laterais, como se estivéssemos protegidos por uma cúpula invisível.

O que… era verdade… obviamente.

Era uma visão bastante enervante, para ser honesto, e meu pobre coração de formiga estremeceu quando a água subiu pelas paredes, formando um arco acima e depois se encontrando no meio. Eu estava completamente submerso.

E descemos, ainda mais fundo.

‘A vista é espetacular, meu Deus.’

A água do quarto estrato não era como aquela água residual da Terra. Não me importava a quão sofisticada você pensasse que aquela fonte mineral é: a água comum era como a sujeira no fundo da sua lata de lixo comparada a isto. Cheio até a borda com vida e mana de água, o lago era um lugar deslumbrante e vibrante, cheio de luz, plantas, peixes, tubarões, caranguejos, águas-vivas e tudo o mais aquático. A água brilhava como uma joia à medida que afundávamos cada vez mais, passando de um turquesa brilhante para uma safira profunda à medida que abandonamos a superfície.

Enid agarrou minha perna.

[É lindo], ela murmurou em minha mente, e tive que concordar.

‘Quero dizer, não é um túnel bem construído, mas servirá em apuros.’

Os monstros aqui pareciam muito mais reticentes do que eu esperava, durante a onda, uma horda de enormes feras marinhas saía da água em um ritmo constante, mas agora que estávamos aqui embaixo, não sentia nenhuma delas por perto. Perguntei a Eran sobre isso e ela explicou.

[Tomamos medidas para manter passivamente a população de monstros longe de nós. Não podemos afastá-los de uma área muito grande, ou que isso cause problemas próprios, mas, por enquanto, estendemos essa proteção até o seu ninho para garantir uma viagem tranquila.]

‘Interessante.’

Concentrei-me com um pouco mais de cuidado, tentando entender o que eles estavam fazendo, e recebi vagamente uma sugestão de algo que acho que já senti antes. Era um monstro, com certeza, o toque da minha espécie era bastante reconhecível, e forte também, mas assim que senti seu cheiro, o sentido desapareceu, escondido da vista.

Um momento depois, atravessamos uma espécie de barreira subaquática e nos encontramos dentro do próprio território brathian. Começamos a vê-los, pessoas humanoides com escamas e nadadeiras nos braços e nas pernas, flutuando na água. Eles nadavam incrivelmente rápido, atirando na água como se tivessem sido disparados por um canhão. Vi fazendas de algas, caçadores coletando peixes e verificando armadilhas, patrulhas de soldados armados e blindados, e então nos aproximamos o suficiente para ver a cidade.

Era maior do que pensei que seria, edifícios altos feitos de pedras coloridas, ou talvez de coral? Campos arenosos que brilhavam como flocos de ouro, centros comunitários movimentados cheios de brathians indo e vindo comprando e vendendo, e eu via muita compra e venda.

‘Sinto que para onde quer que olhe, há um mercado.’

[É realmente necessário ter tantos lugares diferentes para comprar e vender?] Perguntei a Eran enquanto flutuávamos pela cidade. As pessoas abaixo estavam tão concentradas em suas negociações que nem percebiam a formiga gigante e os amigos acima.

Eran Thouris sorriu enquanto olhava para a cidade de seu povo.

[É muito necessário, os brathians, em geral, têm uma mentalidade comercial, e aqueles de nós que vivem em conglomerados têm uma mentalidade duplamente comercial, a maioria das famílias administra uma loja em casa, independentemente do que façam para viver. Comprar e vender é um modo de vida para nós, se colocássemos todas as lojas da cidade em um único local, ninguém sairia e os motins seriam terríveis.]

‘Opa, pera aí. Isso tomou um rumo que eu não esperava.’

[Com licença? Motins?]

[Oh sim. As negociações podem ser muito quentes.]

‘Santo Deus. Essas pessoas são tão loucas quanto Beyn, em vez de adorarem uma formiga grande, eles adoram o comércio.’

‘Estou meio animado para conhecer o líder desses malucos. No mundo dos peixes obcecados pelos negócios, ele deve ser o maior e mais rico de todos.’


Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

0 0 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar