Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx
Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Lv1 Skeleton – Capítulo 154

Capítulo 154

No início, as coisas estavam um pouco estranhas entre Viezda, Valenor e Lilinor, pois não se conheciam bem, mas a paixão pelo jogo de xadrez as aproximou e aos poucos se tornaram mais íntimas.

Eu estava aproveitando meu tempo, olhando para o céu azul brilhante e assistindo minhas três princesas pegarem o tabuleiro de xadrez após a partida, quando de repente a voz de Gaia apareceu do nada.

“Você é algum tipo de mulherengo Johra? Veja como todas essas mulheres estão felizes com você.”

“Pare com isso, Gaia. Para que você está aqui?”

Embora eu já pudesse adivinhar o motivo de ela ter vindo, achei melhor brincar um pouco.

“Huhu! Você se lembra daquele favor que envolvia Melpomene?”

“Claro, e como você tem o controle da maioria dos universos, não será uma tarefa fácil, certo?

“Vamos lá, você pode lidar facilmente com isso. Além disso, isso não diz respeito apenas a Melpomene, mas a todos os humanos na Terra.”

“O quê? Terra? Metatron está de alguma forma envolvido em tudo isso?”

“Parece que Melpomene nasceu na Terra e no mesmo período de sua vida humana lá. Mas, como você bem sabe, a Terra está atualmente sob a influência de Metatron.”

“Certo.“

“Metatron e eu somos como os dois lados de uma moeda, não podemos estar um em cima do outro, sem mencionar que a Terra é como sua terra natal.”

“Então você quer que eu cuide dele?”

“Algo assim. Eu sei que vocês dois têm algum tipo de arranjo pelo qual ele tem que seguir o curso da história, mas você sabe que futuro terrível está reservado para a Terra, então…”

“Terei algum problema com este favor, então?”

“Você sabe muito bem o quão forte ainda é.”

“Entendo, então o que eu preciso realizar voltando para lá?”

“Duas coisas, na verdade, a primeira é retornar com Melpomene e a segunda é salvar Gnoss.”

“Gnoss?”

“Sim, Gnoss vai realmente desempenhar um papel relativamente importante, já que ele está destinado a enfrentar Metatron.”

“Ugh! Que chato.”

“Vou dar um bônus, então, por favor, faça isso por mim.”

“Tudo bem, então quando isso ocorreria?”

“Agora mesmo.”

“Ei! Não, espere Gaia! Eu não terminei ainda…”

Antes que eu pudesse dizer qualquer outra coisa, ela colocou a mão na minha testa e eu fui levado de volta ao passado.

“Aquela raposa…”

Quando abri meus olhos, senti-me desabar em uma área fedorenta, com luz filtrada de cima.

“Alguém aí…”

Eu gritei, esperando que outros pudessem ouvir minha voz.

Pouco depois, ouvi algumas vozes.

“Ei, você está bem aí embaixo?”

“Uma criança acabou de cair lá!”

‘Oh, acabei de voltar ao momento exato em que caí no bueiro?’

Eu tentei algumas habilidades mágicas, mas nada apareceu, da mesma forma, chamar a página de status não funcionou.

“Estou aqui embaixo! Por favor, peça ajuda!”

Gritei ansiosamente e depois de algum tempo desceu uma corda com nós que eu costumava escalar para fora do bueiro.

Nos dias seguintes, falou-se do menino que foi milagrosamente salvo apesar de ter caído em um bueiro, mas com o passar do tempo o incidente foi rapidamente esquecido e eu tinha voltado à minha vida normal.

‘Minhas habilidades mágicas ainda não estão funcionando, tudo poderia ter sido um sonho?’

Comecei a duvidar de muitas das minhas memórias.

Depois de ter retornado à Terra, meu relacionamento com meus pais melhorou drasticamente. Devido às minhas muitas experiências de vida, pude expressar adequadamente meu carinho por eles. Afinal, em outro universo, eles perderam seu filho e sofreram muito por causa disso.

Já se passaram dois anos desde o incidente com o bueiro.

Minhas dúvidas sobre essas minhas memórias foram se tornando mais fortes, à medida que comecei a acreditar que não eram mais do que um sonho estranho.

‘ChiZzzic! Joh… ra!’

Isso me lembrou da voz de Lena, que eu não ouvia há dois anos.

“Lena?”

Eu me levantei e gritei alto no meio da aula. Naturalmente, não houve resposta e fui enviado para ficar no corredor como punição pelo meu surto.

Em frente à nossa escola havia uma escola de necessidades especiais para a qual eu ocasionalmente olhava. No entanto, desta vez eu vi um rosto que por acaso reconheci.

“Não me diga… poderia ser Melpomene?”

Não havia explicação plausível para isso, já que aquele rosto parecia exatamente como o de Melpomene pelas minhas memórias.

Se eu realmente podia ouvir ou não a voz de Lena, poderia ter sido questionado, mas para mim, essa semelhança com Melpomene era uma prova mais concreta de que eu não era totalmente louco.

Ignorando completamente meu castigo de esperar no corredor, corri para a saída, decidido a chegar à outra escola. Infelizmente, o monitor da escola me viu e me parou antes que eu pudesse cruzar os portões.

“Garoto louco! Por que você correu para a outra escola de repente?”

O monitor da escola começou a dar um tapa na minha bochecha algumas vezes, mas eu nem mesmo senti a picada porque minha mente ainda estava em Melpomene.

Desde aquele dia eu ficava esperando no portão da escola desde as primeiras horas da manhã, quando as aulas começavam, e mais uma vez à tarde, quando acabavam. Eu costumava ser pego e levado perante o professor disciplinar da escola, que estava zangado com minhas ações. No entanto, eu sempre diria a ele que estava esperando para encontrar uma aluna que estuda aqui.

Eles também tentaram envolver meus pais nisso, mas parece que eles acreditaram que eu simplesmente havia encontrado meu primeiro amor e estava simplesmente obcecado.

Alguns meses se passaram dessa maneira, mas eu ainda não a tinha visto novamente. Talvez uma pessoa normal tivesse desistido neste ponto, mas eu não. Parte do que me movia tanto era o desejo de provar que minhas memórias eram mais do que mera fantasia.

Com chuva ou sol, eu ficaria no portão da escola para ver os alunos entrarem e saírem, ganhando o apelido de Dente de leão pelo meu comportamento estranho.

Finalmente, após seis meses de perseguição, recebi permissão para entrar e olhar as aulas para encontrar minha garota misteriosa. Mas, depois de passar sala por sala, ainda não tinha avistado Melpomene.

Era de se esperar, afinal eu estava sentado no portão observando cada aluno entrar e sair nos últimos seis meses. Tudo tinha sido um beco sem saída. Eu estava parado ali, perto de uma das portas da sala de aula, me sentindo frustrado e derrotado. Quando a porta da escola ao lado se abriu e uma professora de aparência jovem, que mais parecia uma estudante, saiu.

“Oh, você deve ser aquele Dente de leão, ainda não a encontrou?”

Eu balancei minha cabeça.

“Oh, então talvez ela simplesmente não esteja na escola agora.”

“Estou procurando há seis meses.”

“Ok, então deixe-me verificar os registros para ver se houve uma aluna que foi transferida naquela época. Você tem um número de telefone?”

Voltei para casa depois de dar a ela meu número. Meus pais ao verem como eu parecia deprimido apenas me deram um tapinha nas costas para tentar me animar.

Voltando ao meu quarto, pulei na cama e encarei o teto com desânimo.

“No fim, foi tudo um sonho? A voz de Lena, o rosto de Melpomene?”

Eu soquei a parede com raiva e tentei adormecer.


Comentários

0 0 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar