Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

Shadow Slave – Capítulo  110

Lembrança

Traduzido usando o ChatGPT



Sunny encarou a Santa das Sombras, atônito.

A tempestade de emoções que a destruição do escudo maior havia provocado ainda puxava suas cordas emocionais, mas agora, um sentimento igualmente poderoso estava lentamente surgindo em seu peito. Sem saber como lidar com tudo isso, ele simplesmente piscou algumas vezes e disse em um tom monótono:

“Hã?”

‘Então, deixe-me entender isso…’

Ele deu o escudo ao seu monstro de estimação na esperança de que ela pudesse usá-lo. E ela o fez, de certa forma. É só que, em vez de empunhar a Memória, ela… comeu-a.

Sunny hesitou por alguns momentos, imaginando se finalmente havia perdido o juízo. Mas não, o eco da voz do Feitiço ainda ressoava acima das águas escuras, sussurrando a mesma frase repetidamente.

A Santa de Pedra ficou mais forte.

Com um suspiro pesado, Sunny invocou as runas e encontrou a descrição da Sombra. No fim dela, as runas estavam ligeiramente alteradas:

Fragmentos de Sombra: [2/200].

Um brilho selvagem apareceu em seus olhos. Dois fragmentos… ele havia recebido a Memória do escudo maior após matar um espectro particularmente resistente, que, apesar de sua aparência assustadora, acabou sendo apenas um monstro desperto. Por matá-lo, Sunny havia recebido quatro fragmentos de sombra.

Mas isso foi porque seu próprio Núcleo de Sombra estava Latente e, como tal, ele sempre recebia o dobro da recompensa em batalhas contra criaturas de rank superior — dois para cada Núcleo de Alma que uma criatura desperta possuía.

A Santa de Pedra era uma dessas criaturas, então era lógico supor que ela não receberia o mesmo tratamento. O escudo maior veio de um monstro com dois núcleos despertos, então ela recebeu dois fragmentos por consumir sua Memória.

O que significava que…

Com um fogo de empolgação ardendo em seus olhos, Sunny rapidamente invocou outra Memória. Um olho repugnante com uma ameaçadora pupila vertical apareceu do brilho dissipado da esfera de luz descendente.

Esse olho veio de uma criatura semelhante a um basilisco que Sunny havia matado algumas semanas atrás. Para sobreviver à batalha, ele teve que enfrentá-la com os próprios olhos fechados, confiando apenas no Sentido das Sombras para se mover pelos escombros e desviar dos ataques da fera mortal.

No final, ele havia decapitado a coisa vil com um golpe de sua lâmina rápida segundos antes de ser despedaçado por suas garras. Foi um bom teste para sua habilidade de combate nascente.

Infelizmente, a Memória não vinha com nenhum dos poderes que a fera real possuía. Era apenas capaz de produzir um inofensivo feixe de luz vermelha, que só poderia ser usado para criar iluminação ambiente… pelo menos no caso de Sunny, que conseguia ver no escuro.

Agarrando o olho, ele o estendeu para a Santa de Pedra pegar.

A Sombra agarrou a coisa repugnante, levou-a ao peito e então a esmagou em seu punho blindado. Mais uma vez, a Memória se desintegrou em inúmeras faíscas minúsculas de luz etérea, que foram absorvidas pela escuridão escondida dentro do corpo elegante da criatura.

[A Santa de Pedra ficou mais forte.]

Sunny sorriu e soltou uma gargalhada.

Então era assim… as Sombras se alimentavam de Memórias! Elas as consumiam para receber poder, assim como ele matava Criaturas do Pesadelo para consumir os remanescentes de suas sombras.

Para ter certeza, ele olhou as runas novamente e viu exatamente o que esperava:

Fragmentos de Sombra: [3/200].

Memória Desperta de primeiro nível, um fragmento. Faz sentido.

Eufórico com a expectativa, Sunny invocou a próxima Memória. Uma armadura de placas volumosa e enferrujada apareceu da esfera de luz e pairou no ar à sua frente. Ele a havia recebido após queimar o ninho imponente de térmitas monstruosas e devoradoras de carne até o chão.

Criar uma fogueira na escuridão absoluta da noite da Costa Esquecida era um empreendimento perigoso, mas ele esperava receber centenas de fragmentos de sombra ao eviscerar o enxame inteiro dessas criaturas minúsculas e glutonas. Julgando pela quantidade de ossos espalhados pelo chão ao redor do ninho, eram uma verdadeira praga.

Infelizmente, a colônia inteira acabou sendo um único ser demoníaco, rendendo-lhe apenas seis fragmentos. Ele até teve que recuar sem coletar os fragmentos de alma dos restos fumegantes do ninho, assustado pela aproximação de vários horrores Caídos que foram atraídos pelas chamas brilhantes. A Memória era um pequeno consolo, já que seu próprio Manto do Titereiro era superior a ela em todos os aspectos.

Mas agora, finalmente, poderia ser útil!

A Santa de Pedra devorou a armadura assim como havia devorado as outras duas Memórias. Mais uma vez, o Feitiço anunciou que o monstro sombrio havia ficado mais forte. As runas mudaram novamente:

Fragmentos de Sombra: [6/200].

Toda vez que os números mudavam, Sunny sentia uma profunda sensação de satisfação. Seu ameaçador cavaleiro de pedra estava se tornando mais temível a cada segundo. Ele suspeitava que viciados em jogos de azar sentiam algo semelhante no auge de uma rara sequência de vitórias.

Envolvido pelo momento, ele pegou a próxima Memória, mas parou e encarou o pequeno sino de prata que jazia silenciosamente em sua mão.

Esta… esta foi a primeira Memória que ele já recebeu, mal se agarrando à vida no frio amargo e terror do Primeiro Pesadelo. Era a Memória mais fraca que ele tinha, mas também a mais significativa. Sunny havia matado um humano para recebê-la e usou-a para matar outro.

O Sino de Prata era um lembrete.

Com olhos sombrios, ele leu as runas que tremeluziam no vazio sem luz de sua alma:

[…uma pequena lembrança de um lar há muito perdido, que já trouxe conforto e alegria ao seu dono.]

De repente esgotado da excitação que o consumia apenas alguns momentos atrás, Sunny suspirou pesadamente e dispensou a Memória. Havia uma expressão sombria em seu rosto.

Olhando para a Santa de Pedra imóvel, ele se virou.

“Isso é suficiente por hoje… Ah, que dia longo. Acho que vou dormir agora.”

Saindo do Mar da Alma, ele ficou em silêncio por alguns minutos, depois caminhou lentamente até sua cama e se jogou nela. Dispensando o Manto do Titereiro, Sunny se envolveu no cobertor e fechou os olhos.

Ele estava tão cansado.


Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

4.9 13 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
4 Comentários
Mais recente
Mais Antigo Mais votado
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Yasourtx
Visitante
Yasourtx
1 dia atrás

Capítulo curto mas bom

IfosD
Membro
Ifos
1 mês atrás

interessante…

Ga Changsheng, aquele que espreita na sombras
Visitante
Ga Changsheng, aquele que espreita na sombras
7 meses atrás

Obrigado pelo cap

Nonno
Membro
Nonno
8 meses atrás

obg pelo cap

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar