Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

Shadow Slave – Capítulo  1295

Ninguém Sabe

Traduzido usando o ChatGPT



Enquanto Nephis fingia estar adormecido, Sunny se moveu para a popa do ketch e olhou para Ananke, que parecia não ter prestado atenção à conversa deles. Sentindo sua atenção, no entanto, ele se virou ligeiramente e perguntou:

“Sim, meu Senhor?”

Ele hesitou por alguns momentos.

“Eu… queria te perguntar sobre Tecelão.”

A velha sorriu levemente, como se animada pela pergunta dele.

“O que você gostaria de saber?”

Sunny permaneceu em silêncio por um momento. O que ele não queria saber? Daemons eram cercados de mistério, e enquanto ele acumulava lentamente muito conhecimento sobre eles – muito mais do que um humano comum nos tempos antigos do Reino dos Sonhos provavelmente tinha – ainda havia grandes lacunas.

O problema era que Ananke não era realmente uma pessoa do Reino dos Sonhos. Ela havia nascido na Tumba de Ariel e passado sua vida em isolamento do mundo exterior. Ainda assim… ela era uma sacerdotisa do Feitiço do Pesadelo. Ela devia saber muitas coisas, mesmo que parte desse conhecimento tenha sido sem dúvida distorcido como resultado de se tornar doutrina religiosa.

Então, ele não tinha certeza de quanto poderia aprender com a velha.

Sunny coçou a cabeça.

“Bem… para começar, Tecelão era homem ou mulher?”

Ele estava realmente cansado de tropeçar em suas palavras sempre que tentava dizer algo sobre… eles.

Ananke riu.

“Ninguém sabe. Tecelão era um mestre das mentiras, afinal – então, você deve considerar com cautela tudo o que se sabe sobre o Demônio do Destino. Tecelão foi o primogênito do Desconhecido. Seu – ou dela – domínio era o destino. E assim como o destino, o Tecelão era volúvel, inevitável e aterrorizante. Apesar de não possuir um poder de batalha terrível, ao contrário de alguns outros daemons, o Demônio do Destino era o mais temido.”

Sunny não ficou surpreso. Ele não conseguia imaginar um inimigo mais assustador do que alguém cuja arma era o próprio destino. Dito isso… ele não estava certo se o Tecelão tinha sido capaz de controlar o destino, ou simplesmente percebê-lo. A última opção parecia mais provável, mesmo que todos estivessem convencidos do contrário.

Seria essa uma das mentiras do Tecelão?

Ele respirou fundo.

“Quem era o Desconhecido, então?”

A velha sorriu.

“…Eu não sei.”

Sunny piscou algumas vezes.

‘Bem, isso não é surpreendente. Há uma razão pela qual esse ser é chamado de Desconhecido, afinal… na verdade, não. Desconhecido é apenas o termo substituto que o Feitiço usa para as runas que se recusa a traduzir. Então, o progenitor dos daemons é chamado de outra coisa. O sacerdócio do Feitiço do Pesadelo provavelmente começou a chamar esse ser de Desconhecido pelo mesmo motivo que eu fiz, considerando que eles são os portadores do Feitiço, também. Ou melhor, de uma versão antiga e rudimentar do Feitiço.’

Ele balançou a cabeça desanimado.

“Para alguém que escolheu dedicar suas vidas a servir o Tecelão, sofrendo todo tipo de maus-tratos e perseguição, você e seu povo não parecem saber muito sobre o ser que servem.”

Sunny temia que Ananke se ofendesse com seu comentário, mas ela simplesmente balançou a cabeça.

“Pode ser que não saibamos muito… mas sabemos tudo o que precisamos. Sabemos que quando os deuses e os daemons iniciaram sua guerra amaldiçoada, o Tecelão foi o único que se recusou a participar.”

Seu rosto envelhecido ficou sombrio.

“…E quando as chamas dessa guerra se espalharam, trazendo a perdição e destruição a todos, o Tecelão foi o único que nos ofereceu a todos um caminho para a salvação.”

Sunny olhou para Nephis, que certamente podia ouvir o que estavam falando. Perguntando-se o que ela pensava sobre tudo aquilo, ele perguntou:

“Esse caminho para a salvação… é o Feitiço do Pesadelo?”

Ananke assentiu.

“De fato. O Feitiço do Pesadelo foi criado pelo Tecelão e nos foi confiado para nos salvar da perdição que os Demônios trouxeram.”

E lá estava. Uma proclamação de uma verdade oculta que Sunny havia considerado timidamente antes, mas nunca teve certeza. Que o propósito do Feitiço não era cruel e sinistro por natureza, mas sim fundamentalmente benevolente… embora ainda cruel.

No entanto…

Se era isso que o Tecelão havia dito às pessoas como Ananke… essa verdade poderia realmente ser confiável?

Ela acabara de descrever o Demônio do Destino como um mestre das mentiras, afinal, e disse que tudo sobre o Tecelão deveria ser considerado com cautela.

No entanto, Ananke parecia acreditar na benevolência do Feitiço do Pesadelo de todo o coração. Isso era… bastante estranho.

‘Como devo dizer isso…’

A velha, apesar de sua idade e sabedoria, parecia um pouco… ingênua. Sunny e Nephis não eram de longe as piores pessoas do mundo desperto, mas até mesmo eles haviam brevemente contemplado atacá-la e matá-la depois de descobrir o ketch. Ainda assim, ela nunca esteve em guarda contra eles, em vez disso tratando-os com a máxima sinceridade.

Sua confiança inabalável no Tecelão era exatamente a mesma.

Ele hesitou por um longo tempo antes de falar novamente:

“Vó… não quero te ofender, mas essa perdição já chegou? Onde está a salvação que vocês foram prometidos?”

Segurando o remo de direção, Ananke sorriu suavemente.

“Por que… ela está bem aqui, meu Senhor. São vocês, os Filhos do Tecelão.”

Sunny a encarou por alguns momentos, sua expressão incrédula. A velha riu.

“Você pode ter me entendido mal um pouco. Quando falei de salvação, eu não quis dizer que meus antepassados, que aceitaram a missão de cuidar do Feitiço do Pesadelo do Tecelão, esperavam se salvar. A Guerra da Perdição… ela ameaçava destruir toda a vida – todos os humanos e todos os seres – em todos os lugares, para sempre. Então, o que eles realmente queriam salvar… era o futuro.”

Ela fez uma pausa por alguns momentos, respirou fundo, e acrescentou:

“Pode parecer estranho dizer isso enquanto navegamos para o passado, mas o futuro… ainda está à frente, e assim, ainda pode ser salvo.”

Sunny franziu os lábios. O Reino dos Sonhos já era um mundo morto, com apenas Criaturas dos Pesadelos povoando sua extensão infernal. E agora, o Feitiço havia infectado até mesmo a Terra com a mesma praga que a havia destruído, atraindo mais humanos para lá… em uma tentativa de fazer o quê?

Ele suspirou.

“Como exatamente se supõe que vamos salvar o futuro? Nem mesmo podemos nos salvar.”

A velha balançou a cabeça.

“Isso é para você saber, meu Senhor. Embora eu seja uma guardiã do Feitiço do Pesadelo, eu não sou uma pessoa para quem ele foi destinado. Tudo o que posso fazer… é ajudar aqueles escolhidos, como você… a enfrentar o caminho espinhoso. Tanto quanto eu posso, com o pouco poder que tenho.”

Ela sorriu.

“Mesmo que seja apenas por um curto período. Isso é suficiente para mim.”

Sunny permaneceu imóvel por alguns momentos, depois esfregou o rosto.

‘Bem, isso é conveniente…’


Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

5 1 voto
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
2 Comentários
Mais recente
Mais Antigo Mais votado
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Luiz Paulo
Membro
Luiz Paulo
8 dias atrás

Uma vida dedicada para o encontro dessa tarefa, para que essa linha do destino percebida pelo Tecelão exista e a vida como um todo não se acabe em varias dimensões e a corrupção reine absoluta.

A vovó preparou a comida com carinho e antecedência para servir da melhor maneira que podia em suas condições (separou os melhores talheres e pratos, com os melhores ingredientes que se podia conseguir dentro da pirâmide, até bolo ela fez e armazenou na melhor temperatura possível), para que os seres vivos do futuro colham os frutos de suas grandes e singelas ações, atos nobres senhoras e senhores.

“O que fazemos em vida ecoa pela eternidade.” (como já foi mencionado no filme: O Gladiador)

LokinD
Membro
Lokin
12 dias atrás

Ananke pfv n morrra

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar