Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

Shadow Slave – Capítulo  1312

Mural Antigo

Traduzido usando o ChatGPT



Sunny permaneceu em silêncio por um tempo, olhando para a coluna quebrada. Eventualmente, ele se virou para Ananke e perguntou em um tom hesitante: “O que é isso?”

A jovem sacerdotisa se aproximou da massa de pedra escura e curvou a cabeça. Depois de alguns momentos de silêncio reverente, ela se endireitou e olhou para ele com um sorriso orgulhoso.

“É um dos maiores relicários do Weave, meu Senhor. Essa coluna foi trazida para a Tumba de Ariel pelos meus antepassados e depois transportada até aqui depois de seu exílio. Ela retrata as proezas do Tecelão, desde o nascimento até a concessão do Feitiço do Pesadelo ao meu povo.”

Seu sorriso diminuiu.

“…No entanto, como você pode ver, a coluna foi severamente danificada ao longo dos séculos. Agora, apenas essa única imagem permanece.”

Sunny franziu a testa e olhou para as correntes enroladas ao redor do portão titânico. Por algum motivo, apenas olhar para elas o fazia sentir-se profundamente desconfortável.

“Mas qual é o seu significado?”

Sua voz estava cheia de curiosidade e apreensão.

Ananke se aproximou da coluna quebrada e estudou a antiga gravura por alguns momentos em silêncio solene. Então, ela disse em um tom melodioso:

“Isso é um fragmento do mural que conta a história de uma das maiores proezas do Tecelão. A história de como o demônio errante enfrentou o abismo eterno.”

A ruga na testa de Sunny se aprofundou. Ele olhou brevemente para Nephis e disse:

“O… abismo eterno? Você quer dizer o vazio primordial?”

A jovem sacerdotisa assentiu.

“Sim. Depois que os deuses selaram o vazio, o Tecelão foi o único que conseguiu entrar nele. Ou, melhor dizendo, o único daqueles que haviam entrado que conseguiu retornar com vida. Pelo menos é isso que as lendas dizem.”

Sunny ergueu uma sobrancelha.

Ele sabia que os deuses haviam selado o vazio eterno, de onde eles haviam nascido. Ele também sabia que os desconhecidos eram, muito provavelmente, as criaturas desse vazio, enquanto o Desconhecido era um ser específico que de alguma forma dera vida aos sete demônios.

E que o reflexo de um ou do outro estava para sempre congelado nas profundezas dos olhos do Tecelão.

Seria assim que o Demônio do Destino acabou carregando o reflexo do desconhecido em suas pupilas? Ao entrar no vazio e testemunhar seu horror?

Se for esse o caso… Sunny não tinha certeza se a representação na coluna tinha algo a ver com o evento. Ele duvidava que existisse um portão real, por mais impressionante que fosse, que barrasse o caminho para o vazio eterno. Que tipo de portão poderia selar algo que era muito maior e mais antigo do que até mesmo os deuses?

Ele também estava incerto se o Tecelão realmente havia entrado fisicamente no vazio. Claro, era possível… mas também havia outra probabilidade.

As cordas do destino se estendiam do passado ao futuro. O Demônio do Destino obviamente era muito mais capaz de olhá-las do que Sunny…

E se o Tecelão simplesmente tivesse traçado o grande tapete do destino até sua origem? Até o ponto em que o mundo ainda não existia e tudo o que havia era um vazio vasto e sempre em mudança?

Se for esse o caso, então usar o encantamento [Onde está Meu Olho?] era muito mais perigoso do que Sunny pensava… e ele já considerava isso mortal. Na verdade, agora que ele sabia que simplesmente saber certas coisas poderia corromper seres vivos, ele via a capacidade de perceber as cordas do destino sob uma nova perspectiva.

‘Perigoso…’

Claro, ainda havia a possibilidade de o Tecelão realmente ter se aventurado fisicamente no vazio eterno. Talvez tenha sido assim que eles tiveram que cortar seu braço na Torre de Ébano… embora o momento não fizesse muito sentido para isso acontecer.

Ele permaneceu em silêncio por um tempo e depois perguntou em um tom seco:

“E por que, exatamente, o Tecelão fez algo assim?”

Ananke sorriu.

“O Tecelão acreditava que o conhecimento era a origem do poder…”

‘Sim, ouvi falar disso.’

“…e foi por isso que eles se aventuraram no abismo eterno. Para encontrar a resposta para o maior dos segredos.”

Nephis olhava para o antigo mural. Ouvindo essas palavras, ela franziu ligeiramente a testa e perguntou:

“Que segredo?”

A jovem sacerdotisa riu.

“Como mortais como nós saberíamos? Algumas lendas dizem que o Demônio do Destino queria obter conhecimento sobre a origem dos deuses. Outras dizem que era a própria origem do Tecelão que eles buscavam descobrir. Talvez fosse ambos.”

Sunny olhou para ela por um momento.

‘…Talvez os dois sejam a mesma coisa.’

Ananke balançou a cabeça.

“Seja o que for que o Tecelão tenha aprendido no abismo… isso não é tão importante, na verdade. O que importa mais é que testemunhar o vazio eterno deu ao Demônio do Destino a primeira razão para criar o Feitiço do Pesadelo – é isso que nós, seus sacerdotes, acreditamos. Portanto, embora esse mural não retrate o início do Feitiço do Pesadelo, ele retrata o início da ideia dele. É por isso que os restos desta coluna são o maior relicário do Weave.”

Sunny inclinou a cabeça.

‘O quê? O que o vazio eterno tem a ver com o Feitiço do Pesadelo? É a primeira vez que ouço falar disso.’

Ananke não estava se contradizendo? Antes, ela havia dito que o propósito do Feitiço do Pesadelo era dar aos seres vivos a chance de se salvar da aniquilação da Guerra do Destino.

Mas, novamente, ela era uma sacerdotisa, e as crenças religiosas raramente eram baseadas na razão. Contradições eram comuns e, por esse motivo, Sunny tinha que levar tudo o que Ananke dizia com um grão de sal.

Ainda assim… poderia haver alguma verdade no que ela disse.

A jovem sacerdotisa curvou-se novamente diante da coluna quebrada e depois se afastou com passos leves.

“Meu Senhor, minha Senhora… venham! Vou mostrar o resto do templo para vocês.”

Sunny e Nephis trocaram um olhar, ambos ponderando o significado do antigo mural. Nenhum deles sabia o que fazer com aquilo, então seguiram Ananke em silêncio.

Logo, os três se acomodaram para dormir. Cansados da longa jornada e da melancolia abandonada do Weave, Sunny caiu nos braços dos sonhos quase instantaneamente.

…Naquela noite, ele teve um pesadelo.

No pesadelo, Sunny era uma aranha com uma de suas oito pernas quebrada. Ele rastejava pelo chão de pedra, consumido pelo medo.

Atrás dele, correntes quebradas caíam com um estrondo ensurdecedor, e uma porta titânica estava escancarada, sua boca escura escondendo um horror indescritível.

Sunny rastejava e rastejava, mas não importava o quanto ele se esforçasse, o portão horrível apenas se aproximava.


Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

5 1 voto
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar