Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

Shadow Slave – Capítulo  1311

Templo do Feitiço do Pesadelo

Traduzido usando o ChatGPT



Consumido pela desesperança, Sunny tentou encontrar consolo na raiva. Mas foi em vão. Então, Sunny tentou se lembrar de que a Ananke que ele conhecia era apenas uma aparição conjurada pelo Feitiço… a verdadeira Ananke – a verdadeira Sacerdotisa do Feitiço do Pesadelo que havia vivido na verdadeira Tumba de Ariel – estava morta há muito tempo, seu espírito e ossos levados pelo Grande Rio.

Ela nunca tinha conhecido Sunny e Nephis. Ela nunca tinha viajado para o futuro distante ou feito deliciosas tortas para dois completos estranhos.

Na verdade, não estava claro se a verdadeira Ananke compartilhava o mesmo destino que a que ele conhecia. O Rei Serpente havia trazido muitos desafiantes para o Pesadelo, afinal – suas ações certamente haviam mudado o curso dos eventos dentro desta versão da Tumba de Ariel.

Talvez a verdadeira Trama nunca tivesse sido destruída por uma das Seis Pragas, ou talvez tivesse sido extinta completamente muito antes de Ananke nascer.

Mas se dizer a si mesmo que Ananke não era real também não ajudava. Nunca ajudava. Seja o Primeiro Pesadelo, o Segundo ou o Terceiro, Sunny não conseguia evitar tratar as pessoas que conhecia como reais.

Com um suspiro pesado, ele se virou para olhar a magnífica estrutura que estavam se aproximando. Era incomum. Muito maior do que a maioria dos prédios em Weave, estava situado no coração da cidade, em uma ilha-navio solitária que flutuava a certa distância do resto. A ilha artificial estava ligada às vizinhas por pontes de corda de seda branca, lembrando uma aranha sentada no centro de uma vasta teia.

A própria estrutura era alta e imponente, construída em pedra negra cortada com rusticidade. Banners brancos rasgados pendiam de suas paredes, tremulando ao vento. Parecia nebuloso e sinistro, como um templo de alguma divindade sombria.

…Sunny tinha uma ideia de qual divindade era essa.

Olhando para cima, ele viu uma figura solitária de pé no telhado do templo numinoso, olhando para a desolada ruína de Weave. O tecido de seda preta de seus longos cabelos e túnica permanecia imóvel apesar do vento forte. Ele não conseguia ver o rosto da figura daquela distância, mas silhuetado contra o céu azul, ela parecia estranhamente sombria.

‘Aí está você.’

O Pecado do Consolo finalmente havia se mostrado depois de se esconder em algum lugar por muito tempo. E, no entanto, o espectro estava apenas observando a cidade fantasma lá de cima em vez de atormentar Sunny com comentários sarcásticos… seu comportamento vinha ficando cada vez mais estranho desde o início do Pesadelo.

‘Bem, ótimo. Fique longe o tempo que quiser, ninguém sentirá sua falta.’

Prestando atenção na aparição através de uma das sombras, Sunny seguiu Ananke através de uma das pontes de corda. Conforme se aproximavam do templo sinistro, Sunny e Nephis sentiram uma forte sensação de desconforto… no entanto, a jovem sacerdotisa parecia imperturbável. Se algo, sua expressão ficou mais calma.

“Este é o último lugar que visitaremos em Weave.”

Até sua voz soava mais leve.

Sunny hesitou por alguns momentos, então perguntou em um tom abafado:

“Isto… é o templo de Tecelão?”

Ananke balançou a cabeça com um leve sorriso.

“Não, meu Senhor. Tecelão era esquivo e não desejava ser adorado. É inútil adorar o Demônio do Destino, de qualquer maneira… não importa o quão virtuoso você seja e quantas oferendas faça, o destino sempre permanecerá indiferente, inalterado e inevitável.”

Ela apontou para o templo sombrio.

“Não, este… é o templo do Feitiço do Pesadelo. Do presente que Tecelão nos deu para confiar em vez dos deuses, dos demônios e do próprio destino.”

‘Do próprio destino…’

Sunny mais uma vez se deparou com o fato de que o Demônio do Destino parecia ter criado o Feitiço para resistir àquilo que era suposto ser a fonte de seu poder.

‘Talvez Tecelão estivesse presa às correntes do destino, assim como estou preso a elas também.’

O pensamento repentino era sinistro e arrepiante. Se nem mesmo o Demônio do Destino havia sido capaz de escapar de seu domínio, como Sunny poderia esperar ter sucesso onde Tecelão havia falhado?

Ainda assim… apesar de tudo o que havia acontecido, ele ainda queria ser livre.

Esse desejo primal estava enraizado profundamente em sua alma, ardente demais e vasto demais para ser apagado por coisas superficiais como conhecimento ou sabedoria.

Embora Sunny tivesse aprendido que não existe tal coisa como verdadeira liberdade – pelo menos não sem sacrificar tudo o que se mantém caro – ele ainda se apegava obstinadamente à esperança desesperada de romper suas amarras. Apenas as reviravoltas tumultuosas e voltas de sua estranha vida haviam abafado um pouco essa esperança ardente.

Ele suspirou e depois olhou para Nephis com uma expressão cautelosa.

…Ela não iria fazer algo extremo como queimar o templo do Feitiço, iria?

Ananke podia ter sido sinceramente devota a eles, mas Sunny duvidava que a jovem sacerdotisa apenas ficasse em silêncio enquanto sua casa era destruída. E embora às vezes fosse fácil esquecer por causa de seu temperamento gentil, ela ainda era uma verdadeira Santa.

Mesmo que não fosse, Sunny simplesmente não queria lutar contra Ananke.

Felizmente, Nephis parecia conter seu ódio pelo bem de sua bondosa guia. Afinal, ela havia sido criada por sua avó. Embora Neph não tivesse mostrado isso, encontrar Ananke devia ter mexido com os cordões de seu coração… os quais ainda existiam, não importa o quão abusados, negligenciados e devastados pelo tormento estivessem.

“Vamos entrar logo.”

Inconsciente do conflito oculto entre sua fé e as pessoas que ela considerava como seus apóstolos, a jovem sacerdotisa se dirigiu aos portões do templo sinistro com um sorriso nos lábios.

Sunny e Nephis a seguiram, nenhum deles dizendo nada.

Em breve, eles passaram pela entrada escura e se encontraram em um grande salão. Seu interior estava envolto em escuridão, criando uma atmosfera solene e misteriosa – para todos, exceto Sunny, é claro, que conseguia ver tudo perfeitamente bem. Feixes estreitos de sol intenso caíam das claraboias elaboradamente esculpidas no teto, entrelaçados em um padrão complicado…

O Templo do Feitiço do Pesadelo parecia assustador e sinistro por fora, mas seu interior era silenciosamente belo. O intrincado tecido de luzes caindo se assemelhava ao maravilhoso tecido das engrenagens internas do Feitiço, enquanto a escuridão do grande salão era como o vácuo sem luz entre o sonho e a realidade, onde ele estava escondido.

Era… estranhamente pacífico aqui.

Mas o que chamou a atenção de Sunny foram os tapeçarias brancas de enormes teias de aranha que cresciam livremente entre as colunas e vigas de suporte do salão.

Ele se mexeu desconfortável e apontou para elas, se preparando mentalmente para a batalha:

“E-eu… acho que uma abominação fez um ninho nas ruínas.”

Ananke olhou para ele confusa por um momento, depois riu. Seu riso melodioso ecoou sob o teto do salão escuro.

“Não precisa se alarmar, meu Senhor. A seda de aranha sempre esteve aqui. Ninguém sabe como o Demônio do Destino se parece, sabe… por isso eles frequentemente são retratados como uma aranha. Por causa disso, as aranhas eram animais sagrados para nós, seguidores do Tecelão. Era proibido machucar uma aranha ou sua teia, e vivíamos pacificamente lado a lado com muitas delas.”

Ela varreu seu olhar pelo interior do templo, seus olhos ficando saudosos.

“Passei minha juventude neste templo, aprendendo os deveres de uma sacerdotisa com minha mãe. As aranhas que viviam aqui eram minhas amigas. Todas se foram agora, é claro… o destino não foi misericordioso com elas também. Mas a seda delas permanece.”

Sunny lançou um olhar estranho para a jovem mulher.

‘Então, a pequena Ananke era amiga das aranhas…’

Ela… devia ter sido uma garota bem assustadora.

Mas, novamente, quem era ele para julgar? Sunny nunca tinha sido uma criança bem ajustada.

‘Pelo menos eu não precisei lidar com toda essa teia pegajosa. Deuses, viver neste templo deve ter sido irritante!’

Enquanto pensava isso, seu olhar finalmente se fixou em uma massa de pedra cortada grosseiramente erguida no centro do salão. Se assemelhava a um pilar largo que havia sido quebrado por um golpe devastador e depois danificado por um calor insuportável, sua parte superior deformada como uma vela derretida. O feixe mais amplo de luz solar caía verticalmente sobre o pilar de pedra, banhando-o em um brilho branco cegante.

Ao se aproximar, Sunny percebeu que toda a massa de pedra estava coberta por gravuras. Parecia que muitas cenas haviam sido retratadas ali uma vez, mas agora, apenas uma permanecia.

Ele estremeceu.

Esculpidas na pedra antiga, uma enorme porta estava retratada, sua superfície titânica envolta em correntes inquebráveis. Em frente a ela, uma figura alta estava de pé, a forma de seu corpo escondida por um manto escuro. Apenas o rosto podia ser visto… ou melhor, a máscara. A máscara de um demônio temível com presas ferozes e uma coroa de três chifres retorcidos.

Atraído pela imagem de pedra, Sunny sentiu seu sangue se agitar. Claro, ele sabia de quem era a figura esculpida no pilar quebrado.

…Era Tecelão.


Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

5 1 voto
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar