Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

Shadow Slave – Capítulo  1363

A Sombra, a Estrela e o Oráculo

Traduzido usando o ChatGPT



A notícia de que o Chain Breaker poderia ser restaurado à sua antiga… futura?… glória foi bem-vinda. No entanto, levaria tempo para Cassie consertá-lo. Eles também precisariam de muitos materiais, além de muita ajuda dos habitantes de Fallen Grace.

Havia construtores de navios experientes entre eles. Sunny e Nephis apenas fizeram reparos suficientes na antiga embarcação para que ela não afundasse imediatamente, mas havia muitas coisas que eles não conseguiram realizar. Agora, a situação era diferente.

Apenas reparar o casco e os decks levaria algumas semanas. Após essa parte ser concluída, um trabalho mais intrincado começaria – Cassie teria que restaurar os caminhos rúnicos que faziam as encantamentos do navio voador funcionarem.

Isso parecia levar muito tempo.

Sunny e Nephis sabiam que um ano inteiro já havia se passado dentro da Tumba de Ariel desde o início do Pesadelo, e mesmo assim eles se sentiam inquietos em desperdiçar sequer um único dia. Os membros da coorte estavam em algum lugar lá fora, afinal, suas situações eram desconhecidas. Talvez eles estivessem desesperados por ajuda.

No final, os três decidiram não adiar muito a partida. Sunny e Nephis precisavam descansar, e o Chain Breaker precisava de reparos urgentes… mas como Cassie seria capaz de trabalhar nos encantamentos sozinha, eles partiriam de Fallen Grace assim que o trabalho nas partes danificadas do casco fosse concluído.

O que lhes restava era talvez duas semanas de tempo tranquilo para se recuperarem e se prepararem.

Olhando para o brilho carmesim do crepúsculo pela janela dos aposentos privados de Cassie, Sunny suspirou.

O céu era uma pintura de vermelho bonito, e o Grande Rio era como um mar de sangue ardente. A cidade abaixo deles era como uma flor de neve.

“…Você vai ficar bem deixando Fallen Grace para trás?”

Virando-se para a janela, ele olhou para a garota cega. Ela estava fazendo chá, aparentemente sem se incomodar com suas algemas douradas.

Nephis estava por perto, também, estudando os murais na parede.

Cassie balançou a cabeça suavemente.

“Eu me apeguei a essas pessoas. Mas o que estamos fazendo é por causa deles também… se não atacarmos Verge, não haverá futuro para o Povo do Rio. Daqui a alguns anos, ou no máximo décadas, eles terão desaparecido.”

Se eles fossem realmente o Povo do Rio, é claro. Pelo que os humanos do mundo desperto sabiam, o mundo do Pesadelo deixaria de existir assim que a Semente fosse conquistada. Mas… era difícil fazer essa distinção.

Sunny nunca tinha conseguido, pelo menos.

Ele caminhou até a mesa e se sentou.

“Eles entendem isso? Eles vão deixar você ir?”

Os dois guardas estavam do lado de fora da porta. Embora ele não pudesse vê-los, ele podia sentir suas sombras.

Cassie hesitou por alguns momentos, despejando o chá em belas xícaras de cerâmica.

“Eles vão entender. Eu vou explicar bem… não se preocupe. Venha, vamos tomar um chá.”

Nephis desviou sua atenção dos murais e juntou-se a eles à mesa. Seu rosto estava calmo e composto.

Levantando sua xícara, ela hesitou por um momento e, em um tom tranquilo, disse:

“Eu não tive a chance de dizer. Mas eu… também senti saudades. E estou feliz por termos nos encontrado novamente.”

Ela olhou para Cassie e depois para Sunny. Seu olhar permaneceu em seu rosto por alguns momentos extras.

Então, Nephis deu um gole no líquido âmbar perfumado e sorriu levemente.

“É como nos velhos tempos.”

Sunny estava considerando dizer algo sincero também, mas então se rendeu ao constrangimento de mostrar seus verdadeiros sentimentos e fingiu engasgar com o chá.

“Bom? Que tempos exatamente você está chamando de bons? O tempo em que eu fui empalado por um Centurião Carapaça, ou quando aquela maldita árvore nos hipnotizou? Ou quando fomos atacados por aquele habitante das profundezas enquanto atravessávamos o mar escuro à noite?”

Nephis ficou em silêncio por alguns momentos e depois assentiu.

“…Sim.”

Ele encarou.

‘Se essa é a ideia dela de um bom momento… caramba, isso realmente explica muita coisa…’

Sunny sentiu pena do cara que um dia levaria a Estrela da Mudança para um encontro.

Enquanto isso, o Pecado do Consolo riu com desprezo.

“Auto-piedade, né?”

‘Cala a boca!’

Ele lançou um olhar zangado para a espada, depois balançou a cabeça.

Quem ele estava enganando? Sunny já sentira saudades dos dias simples de sobrevivência na Costa Esquecida muitas vezes. O inferno… também havia sido como um paraíso sombrio, para ele.

Olhando através de uma sombra, ele estudou os três – Nephis, Cassie e ele mesmo.

‘Deuses.’

Cada um deles havia mudado tanto. Eles eram praticamente irreconhecíveis… e não era nem mesmo por causa de como sua aparência havia sido transformada pelo Despertar e pela Ascensão.

Naquela época… Sunny era um moleque impotente das periferias que só se importava consigo mesmo e em como manter seu segredo. Cassie era uma garota doce, mas indefesa, quebrada pela gravidade de seu Defeito incapacitante. Nephis era uma jovem isolada que não sabia muito sobre o mundo, exceto pelo fato de que ela iria queimá-lo até o chão.

‘Olhe para nós agora.’

O garoto franzino dos arredores havia desaparecido, substituído por um jovem bonito com olhos tão frios e escuros que era fácil se cortar em seu olhar arrepiante. A garota indefesa agora era uma bela jovem cuja suavidade escondia uma vontade inabalável e um poder sinistro. Nephis… talvez tenha mudado mais, aprendendo lições amargas demais.

Seus nomes eram conhecidos em todo o mundo, e eles já haviam perdido a conta de todas as abominações poderosas abatidas por suas lâminas. Caídos, Corrompidos, até Grandes. Diabos, Terrores, até Titãs.

Havia humanos também… Despertos, Mestres e até Santos.

Quem poderia imaginar que três adolescentes que se encontraram no Labirinto Carmesim estariam tomando chá em um mundo oculto criado por um daemon um dia, descansando antes de partir para fazer guerra contra uma cidade inteira de Criaturas do Pesadelo?

Sunny deu um gole em seu chá e balançou a cabeça.

‘A vida é engraçada às vezes.’

Ainda… era um chá muito bom.

Ele hesitou por um tempo e depois disse de forma desajeitada:

“Eu… também senti saudades, talvez. Estou feliz que nós três estejamos juntos novamente.”


Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

5 2 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
1 Comentário
Mais recente
Mais Antigo Mais votado
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
IfosD
Membro
Ifos
5 dias atrás

O desenvolvimento de personagem que o Sunny teve ao longo de quase 1400 caps é bizarro de bom, e saber que vem muito mais pela frente me deixa muito animado

(Eu tbm sinto saudade dos velhos tempos da costa esquecida)

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar