Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

Shadow Slave – Capítulo  146

Poder

Traduzido usando o ChatGPT



Várias centenas de Adormecidos encararam o corpo desfigurado, horrorizados. A armadura de escamas de Jubei desapareceu em uma chuva de luz, deixando-o vestido apenas em trapos rasgados e ensanguentados. Uma expressão surpresa e atordoada ainda estava congelada em seu rosto.

Banhar-se em sangue e destruição, o homem que fora orgulhoso e desafiador apenas um minuto atrás, agora não passava de um cadáver patético. Ele estava esparramado no chão em uma poça carmesim reluzente, lembrando a todos de uma simples verdade.

Nunca, jamais ouse desobedecer a Gunlaug, o Senhor Luminoso.

Ou você vai acabar do mesmo jeito.

Sunny era provavelmente uma das únicas duas pessoas no grande salão que não olhava para o cadáver. Em vez disso, ele estava olhando para Harus.

Harus estava encarando a parede, absolutamente desinteressado no resultado macabro de seu sombrio trabalho.

‘O que mais eu esperava? Estúpido. Esperança… esperança é um veneno. Só vai te matar.’

Sunny conhecia todos os fatos, mas só agora ele finalmente entendeu quão desesperadora era a ideia de desafiar a Serpente Dourada.

Tudo na Cidade Sombria foi projetado para torná-lo e seu exército invencíveis. Foi assim que o maldito corcunda conseguiu derrotar o experiente caçador do assentamento externo tão facilmente, usando apenas sua força bruta. Ele nem sequer teve que mostrar sua Habilidade de Aspecto. Por que a divisão de sua proeza física era tão vasta?

Isso acontecia porque, com cada humano na Cidade Sombria possuindo o mesmo núcleo dormente, havia apenas duas coisas que podiam tornar alguém mais poderoso que os demais: Essência da Alma e Memórias.

E ambos eram monopolizados por Gunlaug.

Apenas ele possuía a mão de obra e o conhecimento para caçar livremente na Cidade Sombria. Desta forma, ele se tornou a única pessoa com uma fonte confiável de Fragmentos de Alma e Memórias em sua posse.

As migalhas que os caçadores independentes conseguiam adquirir também acabavam em suas mãos, pois Gunlaug também controlava a economia primitiva neste lugar amaldiçoado. Fornecendo comida e segurança em troca do chamado “tributo”, ele garantia que todos os recursos fluíssem em apenas uma direção.

Para suas mãos.

Com Fragmentos de Alma e um vasto arsenal de Memórias, ele podia tornar seu exército mais forte, o que, por sua vez, traria mais Fragmentos de Alma e Memórias, que por sua vez tornaria seu exército mais forte… e assim por diante. Era um ciclo simples, perfeito e angustiante que tornava seu poder cada vez mais absoluto a cada revolução.

Quando Sunny, Nephis e Cassie chegaram à Cidade Sombria, a divisão entre as forças de Gunlaug e todos os outros aqui já era grande demais para ser superada. Sunny não tinha dúvidas de que a maioria dos guerreiros de elite do Exército tinha seus núcleos saturados com Essência da Alma até o limite.

Havia um limite de quantos Fragmentos de Alma um portador do Feitiço do Pesadelo poderia absorver antes de atingir o gargalo de sua categoria… embora poucos o fizessem. Avançar para a próxima categoria removia esse gargalo e melhorava seus corpos de acordo com o nível de saturação do núcleo. Mas, sem como avançar, as pessoas na Cidade Sombria só podiam confiar na quantidade bruta de Essência da Alma para acumular poder.

Isso significava que dentro dessas antigas muralhas, jurando servidão a um único homem, vivia o grupo mais poderoso de Adormecidos que já existiu na história humana.

…E esse era o homem que Nephis planejava matar.

Com um arrepio, Sunny se lembrou das palavras de Effie: “… nenhum Adormecido pode derrotar Gunlaug, nunca. É simplesmente impossível.”

Ele também se lembrou de dezenas de crânios balançando ao vento acima dos portões do castelo.

‘Maldição… no que ela vai me envolver dessa vez? Eu realmente preciso convencê-la a desistir dessa vez. Minha vida pode depender disso.’

Mas de alguma forma, ele duvidava que a Estrela da Mudança soubesse como desistir. Pelo menos não quando se tratava de seu misterioso objetivo.

‘Maldição!’

Sunny estava tão consumido por esses pensamentos sombrios que até negligenciou ouvir o discurso de despedida de Gunlaug. Ele tinha uma ideia geral do tipo de bobagem que o bastardo estava pregando mesmo.

Logo, o Senhor Luminoso deixou seu trono branco e desapareceu na escuridão atrás dele. Os tenentes seguiram-no, sendo Harus o último a sair. Assim que eles se foram, o corpo de Jubei foi arrastado sem cerimônias e um grupo de Criadas silenciosamente limpou a poça de sangue do imaculado piso de mármore.

As mesas foram devolvidas aos seus lugares, e a multidão de Adormecidos foi convidada a voltar ao café da manhã. Como se nada tivesse acontecido.

No entanto, Sunny havia perdido completamente o apetite. Guiando Cassie para longe, ele olhou para os pratos cheios de comida e pensou, sem humor:

‘Acho que há uma primeira vez para tudo.’


Durante os dois dias restantes, Sunny não fez nada além de reunir informações freneticamente. Sabendo que deixaria o castelo em breve, ele se tornou um pouco mais ousado em relação a onde enviar sua sombra.

Ele passou muito tempo espionando os Caçadores e Desbravadores, aprendendo suas táticas e segredos. Observou como os Guardas eram treinados. Aprendeu quais Artesãos eram importantes e quais não eram. A única casta que tentou evitar eram as Criadas.

Ele até estudou várias gravuras e esculturas em pedra que decoravam as paredes do castelo.

Finalmente, a semana pela qual eles haviam pago tributo chegou ao fim. Na alvorada do oitavo dia, Sunny e Cassie apareceram novamente no grande salão com belos vitrais e viram os portões do castelo.

Apesar de não haver nada além de uma favela suja do lado de fora desses portões, Sunny sentiu alívio. Ele mal podia esperar para sair desse maldito lugar.

‘Por que as pessoas querem mesmo viver aqui?’

Assim que terminou esse pensamento, Sunny percebeu que na verdade não sabia como era a vida no assentamento externo. Talvez o castelo fosse na verdade um paraíso em comparação.

‘Duvido… quão ruim pode ser? Acho que eles nunca viveram nos arredores.’

Sacudindo a cabeça, ele caminhou em direção aos portões, mas parou quando alguém chamou seu nome.

Virando a cabeça, Sunny notou o jovem familiar com rosto fino e olhos nervosos. Hoje, Harper parecia especialmente angustiado. Suas roupas estavam um pouco menos arrumadas e havia algumas manchas feias de tinta em seu pergaminho.

“Ah! Sun… Sunless e Cassia, certo? Nossa, já se passou uma semana. Ah… onde eu estava? Ah, sim. Vocês estão aqui para pagar o tributo da próxima semana?”

Sunny encarou-o por alguns minutos, depois forçou um sorriso e fingiu estar triste:

“Não. Não conseguimos… sabe, ganhar fragmentos. Então, estamos indo embora. Talvez nos vejamos novamente algum dia.”

Harper arregalou os olhos e gaguejou:

“O—o quê? Por que eu estaria… ah, desculpe. Sinto muito por não terem podido ficar mais tempo. Mas não desanimem! O Senhor Gunlaug é realmente bondoso, e a vida é imprevisível. Tenho certeza de que vocês poderão voltar em breve.”

Sunny deu-lhe um aceno breve e virou-se.

‘Espero que não. Pelo menos não tão cedo.’

Com isso, eles passaram pelos portões e deixaram o Castelo Luminoso… o castelo prometido que haviam passado tanto tempo buscando e sonhando.

Que decepção tudo isso tinha sido.

De pé sob os céus cinzentos da Costa Esquecida mais uma vez, Sunny e Cassie respiraram o ar frio e fresco e sorriram. Cassie puxou a manga dele.

“Sunny… o que fazemos agora?”

Ele olhou para a favela lamentável que se estendia abaixo deles e respondeu sem ter que pensar muito:

“O que mais? Vamos encontrar a Nephis.”


Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

5 9 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
1 Comentário
Mais recente
Mais Antigo Mais votado
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Nonno
Membro
Nonno
8 meses atrás

neph rainha da favela
obg pelo cap

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar