Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

Shadow Slave – Capítulo  164

Adeus

Traduzido usando o ChatGPT



Caster trouxe-lhe água, tiras de pano e uma túnica simples.

Enquanto Sunny lavava o sangue do corpo, o orgulhoso Legado cuidadosamente moveu o cadáver de Harper para um canto, enterrou-o sob um monte de algas marinhas e limpou o sangue do chão o máximo que pôde.

Dessa forma, um olhar acidental para dentro da cabana não revelaria muito. Claro, mesmo com um pouco de escrutínio, os sinais do que aconteceu aqui se tornariam aparentes.

Enquanto fazia tudo isso, Caster falava:

“A maneira mais fácil de se livrar de um cadáver é simplesmente jogá-lo fora da plataforma. Com sorte, não vai cair na estrada. Mas mesmo que caia, ninguém prestará muita atenção. Pessoas morrem o tempo todo aqui na Cidade Sombria, especialmente aquelas que vivem na área externa.”

Ele fez uma pausa e continuou:

“No entanto, não podemos fazer isso — porque Harper não é apenas um rato de favela aleatório, mas alguém que estava trabalhando para o Senhor Luminoso. Os Guardas se interessarão por sua morte repentina e usarão isso para criar problemas para você e Lady Nephis. Então precisamos fazer com que ele desapareça completamente. Isso não será fácil.”

Sunny olhou para ele e franziu a testa.

“Qual é o grande problema? Posso simplesmente carregá-lo morro abaixo e despejar o corpo em algum lugar nas ruínas. Está de noite lá fora. Ninguém verá nada.”

Caster balançou a cabeça.

“A Guarda do Castelo tem vários tipos de observadores vigiando a estrada dia e noite. Você será notado. A menos que alguém os convença a olhar para o outro lado, é claro.”

Ele suspirou.

“Não será barato, mas posso fazer acontecer. Amanhã após o pôr do sol, você terá cerca de uma hora para levar o corpo até as ruínas e retornar. Desculpe, mas não posso comprar mais tempo… isso vai acabar com os poucos fragmentos que já tenho.”

Sua voz soava como se o jovem bonito estivesse genuinamente preocupado com seu camarada, mas na realidade, ele estava apenas reiterando o quanto Sunny lhe devia agora.

E se essa mensagem não fosse suficiente, ele sempre poderia ameaçar revelar o segredo de como Harper morreu no futuro.

Caster tinha-o na palma da mão.

Sunny sorriu sombriamente.

“E o que eu faço até lá?”

O Legado deu de ombros:

“Apenas aja naturalmente e tente não falar com ninguém. Você já é meio solitário como é. Ninguém suspeitará de nada.”

Depois disso, ele pensou por alguns momentos e acrescentou:

“Ah. Isto… ninguém deve entrar nesta cabana por um bom tempo. Harper morava no castelo nos últimos meses, então as pessoas na favela não notarão sua ausência ainda. Nem os Guardas, já que ele fez um relatório recentemente. Devemos ficar bem.”

Sunny encarou-o com uma expressão estranha. Você quer ler mais capítulos?

“O quê?”

Ele balançou a cabeça.

“Não, nada. Só estou pensando em quantos corpos você já fez desaparecer.”

Caster franziu a testa.

“Este é o meu primeiro, na verdade. Na Cidade Sombria, geralmente é mais vantajoso deixar o corpo em algum lugar onde todos possam ver.”

Fazia sentido. Por que matar alguém, senão para fazer os outros pensarem duas vezes antes de atacá-lo no futuro?

Sunny era um verdadeiro amador quando se tratava de assassinato. Ele realmente não podia competir com os Legados.

Assim, eles deixaram a cabana lamentável para trás e retornaram à hospedaria. Sem ninguém prestando atenção nele, Sunny voltou ao seu quarto e sentou-se silenciosamente em sua cama estreita.

Ele achou que não conseguiria dormir naquela noite, atormentado pelo conhecimento do que Nephis estava planejando e pelas lembranças de Harper morrendo em suas mãos.

Mas, no final, sua consciência exausta mergulhou no esquecimento assim que sua cabeça tocou o travesseiro.


De manhã, ele acordou assustado, esperando uma multidão de moradores furiosos da favela invadindo, todos ansiosos para…

Bem, o que eles realmente poderiam fazer? Se a situação apertasse, muito poucos deles realmente poderiam machucá-lo.

Mas ninguém estava lá.

Depois de hesitar por um tempo, ele decidiu agir como faria em qualquer outro dia. Saindo do quarto, Sunny foi lá fora para lavar o rosto.

Os pequenos ajudantes de Neph o cumprimentaram ou o ignoraram, como de costume. Seus sorrisos eram amigáveis e passageiros.

Ninguém olhou para ele duas vezes.

Estranhamente perturbado, Sunny saiu da hospedaria e olhou para o céu.

Nada havia mudado. Tudo estava igual ao que tinha sido ontem e todos os dias antes disso.

Como poderia… como poderia ser?

Ele havia assassinado violentamente alguém, mas ninguém parecia se importar. O mundo seguiu em frente sem Harper, indiferente à dor e ao horror que agora estavam congelados para sempre nos olhos mortos do jovem tímido e lamentável.

Até os Guardas não pareciam notar o desaparecimento de seu espião.

Sunny esfregou o rosto, escondendo uma careta de dor. Sua cabeça doía com uma terrível enxaqueca.

‘Se eles não se importam, por que eu deveria? Esqueça aquele tolo.’

Mas ele se importava. Por mais irracional que fosse, ele se sentia compelido a lamentar a morte de sua vítima, mesmo que fosse o único a fazê-lo. Talvez porque essa situação fosse estranhamente idêntica à maneira como ele sempre imaginou sua própria morte acontecer, completamente despercebida.

Descartado e esquecido, sem uma única alma para se importar que ele já existiu.

‘Patético.’

Voltando para dentro, Sunny entrou em seu quarto e sentou-se na cama, olhando para a parede.

Ele passou a maior parte do dia ali, saindo apenas uma vez para fingir que treinava com o Fragmento da Meia-Noite. Enquanto repetia os katas, ele pensou ter visto Nephis observando os movimentos de sua espada com uma expressão de preocupação no rosto. Mas um segundo depois, ela foi distraída e levada pelo fluxo interminável de tarefas exigidas dela.

‘Bom livrar-me disso! Vá conversar com o Caster, veja se me importo!’ 

Sua raiva repentina surpreendeu Sunny.

Bem, pelo menos era melhor do que a apatia sombria que reinava sobre ele durante todo o dia.

‘O que há de errado com minha mente ultimamente? É como se eu estivesse de volta ao Túmulo Cinzento.’

Franzindo a testa, ele dispensou o Fragmento da Meia-Noite e voltou para o quarto.

No entanto, alguém o esperava lá. Era Cassie.

A menina cega ficava em silêncio com as costas para a porta, segurando o bastão de madeira nas mãos. Seu rosto estava incomumente parado. Quase parecia… sombrio.

O coração de Sunny falhou uma batida.

‘Ela… ela descobriu?’

Forçando um sorriso falso, ele fez sua voz soar alegre e disse:

“Ah, oi Cas. Você quer alguma coisa?”

Ela virou-se para ele e, depois de um momento de hesitação, sorriu. No entanto, havia algo estranho em seu sorriso.

Era quase como se fosse tão forçado quanto o dele.

A menina cega demorou, então disse:

“Não, nada em especial.”

Sunny piscou algumas vezes.

‘O que há com ela hoje?’

Enquanto isso, Cassie levantou a mão e encontrou o ombro dele.

“Não… na verdade, eu tenho um presente para você.”

Ele arqueou uma sobrancelha.

“Um… presente?”

Ela assentiu. No momento seguinte, uma faísca de energia viajou repentinamente de seu corpo para o dele.

Sunny estremeceu.

[Você recebeu uma Memória: Primavera Eterna.]

Não era… aquela linda garrafa de vidro dela, que continha uma quantidade quase infinita de água?

Por que ela estava dando isso a ele?

“Por que você está me dando isso de repente?”

Ela ficou em silêncio por alguns momentos, depois balançou a cabeça suavemente.

“Eu só queria. Por quê? Não posso te dar algo, depois de tudo que você fez por nós?”

Sunny hesitou.

“Acho que você pode. Eu só não esperava.”

Cassie segurou o ombro dele e permaneceu imóvel por uma quantidade estranhamente longa de tempo. Então, ela olhou para o lado e disse, com voz leve e uniforme:

“Nos encontraremos novamente em breve, Sunny.”

‘Estranha.’

Ele deu um tapinha na mão dela e disse, um pouco constrangido.

“Claro que vamos. Para onde eu iria? Essa hospedaria é pequena demais para não nos esbarrarmos o tempo todo de qualquer maneira.”

Ela removeu lentamente a mão e riu baixinho.

“É. Você está certo, é claro. Eu… eu vou agora.”

Com isso, ela se virou e se dirigiu para a porta.

Sunny olhou para as costas dela e deu de ombros.

“Certo. Tchau.”

‘O que deu nela?’

Ao chegar à porta, Cassie congelou por um segundo. Sem virar a cabeça e deixá-lo ver o rosto dela, ela demorou um pouco e disse baixinho:

“…Adeus, Sunny.”


Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

4.9 18 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
11 Comentários
Mais recente
Mais Antigo Mais votado
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
MolartD
Membro
Molart
24 dias atrás

=(

BL1ND4DOD
Membro
BL1ND4DO
1 mês atrás

Sad

Yago
Membro
Yago
1 mês atrás

Esse grupo é uma merda com bosta, o mc já deveria ter sumido do mapa.

treshart
Membro
treshart
1 mês atrás

paia

Última edição 1 mês atrás por treshart
treshart
Membro
treshart
1 mês atrás

ela já sabia, triste

GreyD
Membro
Grey
1 mês atrás

Ela deve ter sonhado por isso já sabe

IfosD
Membro
Ifos
1 mês atrás

pobre sunny…

Nonno
Membro
Nonno
8 meses atrás

sunnie o q mais sofre sempre, quero nem saber
obg pelo cap

suco de laranjaD
Membro
suco de laranja
11 meses atrás

velho sunny é um personagem profundo pra caralho

gon malandrão
Membro
gon malandrão
10 meses atrás
Resposta para  suco de laranja

Sim, por exemplo é interessante ver como ele tem tanto medo de não ser livre que esse medo torna ele um escravo.

CultivadorCelestial777D
Membro
CultivadorCelestial777
11 meses atrás

😨 😨 😨 😱

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar