Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

Shadow Slave – Capítulo  31

Maré Baixa

Traduzido usando o ChatGPT



A água negra e opaca de repente turbulenta e fervilhava, como se fosse uma criatura viva desesperadamente tentando evitar a luz pálida do amanhecer iminente. Sunny se levantou lentamente e, após refletir um pouco, se aproximou cuidadosamente da borda da plataforma de pedra.

Olhando para baixo, ele piscou e depois se ajoelhou para ter certeza de que o que via não era uma ilusão.

O mar parecia estar recuando.

Devagar no começo, e depois mais rápido e mais rápido, o nível da água estava diminuindo. A formação circular de pedra em que ele se abrigava mal se projetava das ondas, mas agora havia metros e metros de rocha molhada entre ele e a superfície agitada do mar.

Conforme o sol subia, a maré baixa monstruosa continuava. Em breve, Sunny se viu em pé na beira de um penhasco alto, com uma queda de cem metros separando-o das águas agitadas. Abaixo dele, a formação de pedra se ampliava e mudava de forma. No entanto, de sua posição privilegiada, era difícil determinar exatamente qual era essa forma.

Nesse momento, a superfície escura da água começou a ser perfurada aqui e ali por lâminas vermelho-escarlate afiadas. Conforme ela recuava ainda mais, era como se uma floresta vermelha-escarlate estivesse lentamente surgindo das profundezas negras. As “árvores” eram feitas de algo que se assemelhava a coral, crescendo caoticamente umas nas outras e se esticando em direção ao céu.

Eram colossais em tamanho, com saliências irregulares se entrelaçando e se fundindo, parecendo monumentais e assustadoras na realidade negra e vermelha do vazio iluminado pelo sol. O labirinto formado por este recife estranho se estendia até onde Sunny podia ver, quebrado aqui e ali por penhascos salientes, abismos repentinos e características naturais distantes.

Meia hora depois, totalmente chocado, Sunny olhou para baixo e percebeu que o mar havia desaparecido completamente. Se não fossem as algas marinhas negras penduradas em rochas molhadas e pilares escarlates de coral, ele até duvidaria se algum dia esteve lá.

Sua pequena ilha circular havia se transformado no pico de um penhasco estranho, imponente e irregularmente moldado. Olhando para baixo, ele sentiu a cabeça girando.

Naquele momento, a noite já havia recuado completamente, deixando finalmente a manhã assumir seu lugar.

“Eu não estou vendo coisas, estou?” Sunny pensou, se beliscando.

Que feitiço era aquele?


Apesar do repentino desaparecimento do mar escuro e seus monstros ocultos, Sunny não estava com pressa de descer de sua plataforma de pedra circular. Em primeiro lugar, ele sentia que se o mar fosse capaz de desaparecer, certamente seria capaz de voltar, talvez a qualquer momento.

Em segundo lugar, ele não sabia que perigos o labirinto de coral estava escondendo. Talvez houvesse algo ainda mais assustador do que o dono do tentáculo gigante lá embaixo.

Mas isso não significava que ele não iria explorar.

Voltando para seu lugar no meio da plataforma, Sunny sentou-se e comandou sua sombra a se separar de seu corpo. Em seguida, controlando-a, ele se aproximou da borda da plataforma e deslizou habilidosamente para baixo.

Movendo-se habitualmente de uma sombra para outra, ele começou a descida. Neste momento, Sunny estava feliz que sombras não tinham peso e não eram afetadas pela gravidade.

Enquanto a sombra estava ocupada descendo, Sunny bocejou.

“Diga, você não acha que precisa de um nome?”

Embora sua sombra já estivesse muito longe para ouvi-lo, ainda assim eles podiam se comunicar por meio de sua conexão compartilhada. Claro, o fato de que poderia não significava que o faria. A sombra era meio taciturna, principalmente porque não tinha cordas vocais e era incapaz de falar.

Além disso, seu temperamento não era dos melhores.

“E se… Sem Vergonha? Não? Que tal… Sombrinha? Também não? Hm, e se algo mais simples, como… O quê? Bem, você tem sugestões então? Tudo bem, tudo bem! Vamos guardar essa conversa para depois.”

Quando terminou esse curto monólogo, a sombra já havia chegado ao pé do penhasco. O alcance do [Controle de Sombra] não era ilimitado, mas era apenas o suficiente para explorar seus arredores mais próximos.

Entrando no labirinto, Sunny o achou extremamente desorientador e complicado. Os caminhos entre os pilares de coral eram às vezes amplos, às vezes estreitos. Eles se torciam e viravam sem lógica, muitas vezes levando a becos sem saída ou até mesmo de volta para onde ele começou. Mais do que isso, alguns caminhos entravam dentro dos montes “corais”, transformando-se em túneis escuros.

O labirinto era vasto e multicamadas, fazendo a cabeça de Sunny doer depois de várias tentativas infrutíbestas de memorizar o layout das passagens mais próximas. No final, ele enviou a sombra para cima, forçando-a a subir no topo da floresta carmesim e começar a pular de uma lâmina de coral afiada para outra – sabendo muito bem que ele mesmo não seria capaz de fazer o mesmo.

Em breve, ele circundou o estranho penhasco e congelou, assustado com o que estava acontecendo em sua sombra.

Ali, o cadáver da criatura semelhante a um tubarão gigante que o havia perseguido brevemente na noite anterior estava deitado no chão, com os pilares de coral ao seu redor quebrados e despedaçados.

Mais precisamente, metade estava ali, com as vísceras grotescas derramadas da terrível ferida e se estendendo longe na distância. A outra metade havia desaparecido, como se nunca tivesse existido.

Ao redor do cadáver, centenas de monstros menores estavam se apressando, rasgando e devorando sua carne pouco a pouco. Cada um deles tinha cerca de dois metros e meio de altura, parecendo uma estranha mistura de um caranguejo demoníaco, um centauro e um pesadelo.

Eles tinham quatro pares de pernas longas e segmentadas que terminavam em saliências em forma de foice. Na frente, um torso humanoide estava projetado da carapaça, também revestido com uma espessa armadura quitinosa. A cabeça, se é que a palavra apropriada era essa, estava situada diretamente em cima do torso, sem pescoço no meio. Tinha duas fendas estreitas para os olhos e uma boca viscosa com várias mandíbulas viscosas. Em vez de mãos, os monstros tinham duas enormes pinças.

Atualmente, todos estavam usando essas pinças para arrancar pedaços de carne do cadáver desidratado e enchê-los em suas bocas. De tempos em tempos, uma luta por um pedaço de carne especialmente suculento irrompia, acabando com alguns monstros sendo dilacerados e rapidamente devorados pelos vencedores.

Sunny engoliu em seco.

Tanto porque a vista de monstros fortemente blindados e poderosos o deixou nervoso, quanto porque olhar para eles comendo, de repente, o deixou muito faminto.

‘Cada um deles parece uma encrenca. E há centenas deles.’

Sua sorte, como sempre, era péssima.

‘Pelo menos eu não preciso me perguntar por que o labirinto parece tão vazio. Todos os habitantes estão fazendo uma festa!’

Sentindo-se um pouco compreensivo por virar as costas para os monstros, Sunny ordenou que sua sombra olhasse para trás e estudasse o penhasco sobre o qual ele estava se abrigando. Algo nele o fazia se sentir desconfortável.

A sombra virou-se e olhou para cima, observando a vista do penhasco de forma estranhamente moldada. Levou alguns minutos para Sunny mudar sua perspectiva e reconhecê-lo pelo que era.

‘Isso é … um dedo. Essa é uma mão. Isso é … uma espada?’

Ele piscou.

‘É uma estátua.’

De fato, o penhasco era feito pelo homem. Era uma estátua antiga e colossal com pelo menos duzentos metros de altura. A escala era tão grande que era desconcertante. Pelo que Sunny podia ver, ela retratava um cavaleiro vestido com uma elaborada armadura de placas, com sete estrelas brilhantes esculpidas em seu peitoral. Em suas mãos, ele segurava uma espada gigantesca, apontando-a para o chão.

No entanto, a coisa mais impressionante era que o gigantesco cavaleiro de pedra estava sem cabeça. Na verdade, a plataforma circular em que Sunny estava em cima era, na verdade, o topo de seu pescoço. E, pelo que parecia, a cabeça não estava faltando por design – era como se algo, ou alguém, a tivesse arrancado violentamente em algum momento do passado distante.

Sunny caminhou ao redor da plataforma, olhando de todos os lados, mas não viu a cabeça em lugar nenhum.

‘O que diabos é esse lugar?’

Sem nenhuma pista para encontrar a resposta, ele levou sua sombra de volta para o pescoço do gigante e se estabeleceu na borda oeste, estudando os monstros que se alimentavam.

Ele não se moveu até o sol estar prestes a se pôr.

Assim como Sunny esperava, assim que o sol tocou o horizonte, um estrondo ensurdecedor pôde ser ouvido vindo de algum lugar abaixo. Os monstros pararam instantaneamente sua festa e se apressaram para longe, alguns se escondendo dentro das colunas de coral, outros simplesmente se enterrando no solo macio.

Alguns minutos depois, os primeiros fluxos de água negra apareceram no labirinto. Seu volume cresceu rapidamente e, em breve, uma enchente apocalíptica devorou tudo ao redor. O mar estava retornando com a chegada da noite.

Sunny olhou para esse processo inimaginável, com pensamentos fervilhando em sua cabeça.

Em uma hora, a plataforma circular era a única coisa acima das águas escuras novamente.


Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

4.9 15 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
11 Comentários
Mais recente
Mais Antigo Mais votado
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
GodSpeed_zD
Membro
GodSpeed_z
17 dias atrás

Seloko tenho mó medo do mar, e desses tipos de monstros marinhos eu já me cagar todo

Shiba WhiteD
Membro
Shiba White
24 dias atrás

Esse oceano seria meu pior pesadelo, já q tenho talassofobia, principalmente cheio de monstros do capiroto

IfosD
Membro
Ifos
1 mês atrás

que medo

Roberto CarlosD
Membro
Roberto Carlos
3 meses atrás

Inimigo da sorte de fato, bicho.

Sunny
Membro
Sunny
3 meses atrás

Eu não tenho psicológico para isso, eu ia morrer

treshart
Membro
treshart
3 meses atrás

medo

ᴍᴇᴜ ᴏᴠᴏD
Membro
ᴍᴇᴜ ᴏᴠᴏ
5 meses atrás

Um paraíso pra quem tem talossofobia

Ga Changsheng, o inevitável
Visitante
Ga Changsheng, o inevitável
6 meses atrás

Assustador… muito assustador

Nonno
Membro
Nonno
7 meses atrás

pior q a visão noturno não funfa nessa agua, imagina o terror mano..n consigo

obg pelo cap

CultivadorCelestial777D
Membro
CultivadorCelestial777
10 meses atrás

interessante, criativo e assustador. Muito bom

Fang yuan
Membro
Fang yuan
26 dias atrás
Resposta para  CultivadorCelestial777

Realmente um ótimo começo, bom vamos ver o desenrolar…

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar