Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx
Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Shadow Slave – Capítulo  8

Absolutamente Nada

Traduzido usando o ChatGPT



“Porque o monstro não está morto.”

Essas palavras sombrias pairaram no silêncio. Três pares de olhos se arregalaram, encarando Sunny.

“Por que você diz isso?”

Depois de pensar sobre o assunto, Sunny chegou à conclusão de que o tirano ainda estava vivo. Sua linha de raciocínio era bastante simples: ele não ouviu o Feitiço parabenizá-lo por ter matado a criatura depois que ela caiu do penhasco. O que significava que ela não havia sido morta.

Mas ele não conseguia explicar isso para seus companheiros.

Ele apontou para cima.

“O monstro pulou de uma altura incrível para pousar nesta plataforma. No entanto, ele não foi ferido. Por que ele seria morto ao cair da plataforma?”

Nem Hero nem os escravos conseguiram encontrar uma falha em seu argumento.

Sunny continuou.

“O que significa que ele ainda está vivo, em algum lugar lá embaixo na montanha. Então, voltando, estaremos nos entregando em sua mandíbula.”

Shifty amaldiçoou alto e se aproximou da fogueira, encarando a escuridão com terror nos olhos. Scholar massageou as têmporas, murmurando:

“Claro. Por que eu não percebi isso sozinho?”

Hero foi o mais estoico dos três. Depois de pensar sobre o assunto, ele assentiu.

“Então, subiremos e atravessaremos a montanha. Mas isso não é tudo…”

Ele olhou na direção onde o tirano havia caído.

“Se o monstro ainda estiver vivo, há uma alta possibilidade de que ele volte aqui e nos persiga. Isso significa que o tempo é essencial. Precisamos nos mover assim que o sol nascer.”

Ele apontou para os corpos rasgados que jaziam na plataforma.

“Não podemos mais permitir-nos descansar a noite toda. Precisamos reunir suprimentos agora. Se houvesse uma chance, eu gostaria de dar a essas pessoas um enterro humilde depois de coletar tudo o que pudéssemos, mas infelizmente, o destino decidiu o contrário.”

Hero se levantou e brandiu uma faca afiada. Shifty se enrijeceu e observou a lâmina com cuidado, mas depois relaxou, vendo que o jovem soldado não mostrava nenhum sinal de agressão.

“Comida, água, roupas quentes, lenha. Isso é o que precisamos encontrar. Vamos nos separar e realizar uma tarefa cada um.”

Então ele apontou para si mesmo com a ponta da faca.

“Vou esquartejar as carcaças de boi para conseguirmos carne.”

Scholar olhou ao redor da plataforma de pedra – a maioria dela afundada em sombras profundas – e fez uma careta.

“Vou procurar lenha.”

Shifty também olhou para a esquerda e para a direita, com um brilho estranho nos olhos.

“Então eu vou procurar algo quente para vestirmos.”

Sunny foi o último a ficar. Hero lançou-lhe um olhar longo.

“A maioria da nossa água estava armazenada na carroça. Mas cada um dos meus irmãos caídos carregava um odre. Recolhe quantos conseguires encontrar.”


Algum tempo depois, já longe o suficiente da fogueira para se esconder nas sombras, Sunny procurava soldados mortos com meia dúzia de odres já pesando em suas mãos. Tremendo de frio, ele finalmente encontrou o último corpo vestido com armadura de couro.

O velho veterano – aquele que o havia chicoteado por tentar aceitar o odre de Hero – estava gravemente ferido e morrendo, mas, milagrosamente, ainda se agarrando à vida. Feridas horríveis cobriam seu peito e estômago, e ele claramente estava sentindo muita dor.

Seu tempo estava acabando.

Sunny ajoelhou-se ao lado do soldado moribundo e o examinou, procurando o odre do homem.

‘Que ironia’, pensou ele.

O homem mais velho tentou focar seus olhos em Sunny e moveu fracamente a mão, procurando algo. Sunny olhou para baixo e notou uma espada quebrada no chão não muito longe deles. Curioso, ele a pegou.

“É isso que você está procurando? Por quê? Vocês são como vikings, desejando morrer com uma arma nas mãos?”

O soldado moribundo não respondeu, observando o jovem escravo com alguma emoção intensa e desconhecida em seus olhos.

Sunny suspirou.

“Bem, pode muito bem servir. Afinal, eu prometi assistir você morrer.”

Com isso, ele se inclinou para a frente e cortou a garganta do velho com a afiada borda de sua lâmina quebrada, em seguida, jogou-a fora. O soldado tremeu, afogando-se em seu próprio sangue. A expressão em seus olhos mudou — era gratidão? Ou ódio? Sunny não sabia.

Ilusão ou não, era a primeira vez que ele matava um ser humano. Sunny esperava sentir culpa ou medo, mas na verdade, não sentiu nada. Parecia que, para o bem ou para o mal, sua cruel criação no mundo real o tinha preparado bem para esse momento.

Ele sentou-se quieto perto do velho, fazendo-lhe companhia nesta última jornada.

Depois de um tempo, a voz do Feitiço veio sussurrando em seu ouvido:

[Você matou um ser humano dormente, nome desconhecido.]

Sunny deu um salto.

‘Ah, é verdade. Matar pessoas também é uma conquista, tanto quanto o Feitiço está em causa. Eles geralmente não mostram isso em webtoons e dramas.’

Ele registrou esse fato e o colocou de lado. Mas, como aconteceu, o Feitiço não havia terminado de falar.

[Você recebeu uma Memória…]

Sunny congelou, abrindo os olhos bem abertos.

‘Sim! Vamos lá, me dê algo bom!’

Memórias podiam ser qualquer coisa, desde armas até itens encantados. Uma recebida de um inimigo de nível dormente não seria muito poderosa, mas ainda era uma benção: leve e indetectável, podia ser invocada do nada com um simples pensamento, uma Memória era incrivelmente útil. Além disso, ao contrário de coisas corpóreas, ele seria capaz de trazê-la de volta com ele para o mundo real. A vantagem de ter algo assim de volta às periferias era difícil de superestimar.

‘Uma arma! Me dê uma espada!’

[… recebeu uma Memória: Sino de Prata.]

Sunny suspirou, decepcionado.

‘Bem, com a minha sorte, o que eu estava esperando?’

Ainda assim, aquilo valia a pena investigar. Talvez tivesse um encantamento poderoso, como ser capaz de emitir ondas sonoras destrutivas ou repelir projéteis que se aproximem.

Sunny invocou as runas e concentrou-se nas palavras “Sino de Prata”. Imediatamente, uma imagem de um pequeno sino apareceu diante de seus olhos, com uma breve descrição abaixo.

[Sino de Prata: uma pequena lembrança de um lar perdido há muito tempo, que já trouxe conforto e alegria ao seu dono. Seu som claro pode ser ouvido a quilômetros de distância.]

‘Que porcaria’, pensou Sunny, desanimado.

Sua primeira Memória acabou sendo praticamente inútil… como tudo o que possuía. Ele estava quase começando a perceber um padrão em como o Feitiço estava tratando-o.

‘Não importa.’

Sunny dispensou as runas e ocupou-se removendo o manto de pele do homem morto e as botas de couro quentes e resistentes. Como oficial, a qualidade dessas roupas era um nível acima da dos soldados simples. Depois de vesti-las, o jovem escravo finalmente se sentiu aquecido pela primeira vez desde que o Pesadelo começou — não considerando o curto tempo que passou perto da fogueira.

‘Perfeito’, pensou ele.

O manto estava um pouco manchado de sangue, mas Sunny também estava.

Ele olhou em volta, facilmente atravessando o véu de escuridão com seus olhos tenebrosos. Hero e Scholar ainda estavam ocupados com suas tarefas. Shifty deveria estar procurando roupas de inverno, mas estava gananciosamente puxando anéis dos dedos dos homens mortos. Invisível para eles, Sunny hesitou, considerando se realmente tinha pensado bem as coisas.

Seus companheiros eram pouco confiáveis. O futuro era muito incerto. Até mesmo os requisitos para passar pelo Pesadelo permaneciam um mistério. Qualquer decisão que ele tomasse seria uma aposta, no máximo.

Ainda assim, ele tinha que tomar alguma decisão se quisesse sobreviver.

Não perdendo mais tempo pensando, Sunny pegou os frascos e suspirou.


Eles passaram o resto da noite sentados de costas para a fogueira, olhando com medo para a noite. Apesar do cansaço, ninguém conseguia dormir. A possibilidade do tirano voltar para acabar com os quatro sobreviventes era assustadora demais.

Apenas Hero parecia estar bem, calmamente afiando sua espada na luz brilhante das chamas dançantes.

O som da pedra de amolar raspando contra a lâmina era reconfortante de alguma forma.

Ao amanhecer, quando o sol havia preguiçosamente começado a aquecer o ar, eles carregaram-se com todos os suprimentos que conseguiram reunir e partiram para o frio.

Sunny olhou para trás, observando a plataforma de pedra pela última vez. Ele havia conseguido passar pelo lugar onde a caravana de escravos deveria perecer. O que iria acontecer a seguir? Ninguém poderia dizer.


Comentários

5 10 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
2 Comentários
Mais recente
Mais Antigo Mais votado
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
SunnyD
Membro
Sunny
2 meses atrás

Sunny…. um homem sábio

Lordemongrel00
Membro
Lordemongrel00
3 meses atrás

Um bom ponto, e que o mc já passou de até onde os acontecimentos estava destinados a acontecer. a parti de agora o que acontecer será pela intervenção do mc.

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar