SSS-Class Suicide Hunter – Capítulo 194

Eu não queria fazer isso (2)

“Então, o que aconteceu foi… Ah, devia mostrar a você? Sim, assim seria melhor.”

A dama acertou a própria cabeça com a palma. Era uma cena estranha demais de ser vista. Ao mesmo tempo que fez aquilo, uma cor começou a se espalhar no espaço em branco.

Os arredores estavam mudando como se estivéssemos em um VR.

“Hã?”

A propósito, não sei por que, mas essa cena me parecia familiar.

“Esse é o campo de caça do 2° andar…?”

“Está correto.”

Finalmente reconheci onde estávamos. Antes do meu retorno, eu havia visitado esse lugar todos os dias enquanto vivia como um caçador classe F. E esse também tinha sido o lugar onde me livrei do Yoo Soo-ha antes que se tornasse o Imperador do Fogo.

Foi então que escutei uma voz familiar dentro daquele espaço.

— Ah, porra. Quantas vezes terei que morrer aqui? — disse um homem com um cabelo negro preso em um rabo de cavalo.

Yoo Soo-ha.

Alguém podia até pensar que a língua dele cairia se não xingasse toda vez que abria a boca. Seus palavrões eram tão escrotos que as pessoas precisavam lavar as orelhas depois de ouvi-lo falar.

— Puta que pariu, que tipo de vida é essa? Tô ficando de saco cheio de perseguir esses caras, merda. — falou novamente. Yoo Soo-ha, que foi incorporado em um VR, começou a correr atrás dos Slimes. — Ei! Filhos da puta! Não podem só ficar parados?

Os slimes corriam enquanto eram perseguidos por ele. A aparência do caçador era a de um novato. Não importa o quanto olhasse para ele, não tinha como dizer que possuía um nível maior do que um classe F.

“Há quanto tempo isso aconteceu…?”

“Há muito tempo. Da sua perspectiva, pode-se dizer que foi [antes do seu retorno].” respondeu a dama, removendo as mãos da cabeça. “Naquele tempo, o Imperador do Fogo  tinha acabado de chegar ao 2° andar, como você. Suas habilidades ainda não tinham sido despertadas. Aliás….”

Antes que pudesse continuar, uma garota loira também apareceu no VR — era [A Dama que caminhava através da miragem]. Enquanto cantarolava alguma melodia, ela galopava na grama. Seus passos eram relaxados, como se estivessem dando uma voltinha em um parque.

— Que diabos? Por que tem uma pirralha dessas em um lugar como esse?

Yoo Soo-ha notou a presença da dama de imediato.

— Ei, pirralha. — Após a chamar, ele caminhou por trás dela, assim a segurando pelo colar da roupa. Independentemente dela parecer com uma criança no exterior, ter feito aquilo foi muito rude da parte dele. Mesmo assim, a ergueu do chão como se fosse algo normal.

— O que tá fazendo aqui?

No momento que os olhos deles cruzaram…

— Parabéns!

A dama sorriu, formando uma expressão brilhante em seus lábios, enquanto segurava uma placa com ambas as mãos. Na placa tinha escrito as palavras [Loteria do Goblin Dourado] em letras  garranchadas.

— A primeira pessoa que me encontrar e capturar, ganha uma habilidade dourada! Você é muito sortudo. Hoje, você se tornou a pessoa mais sortuda de toda a Torre!

— O-o que tá dizendo? Que criança louca…

— Se checar os seus status, verá uma habilidade dourada. Então, adeus!

Depois de responder isso, a dama sumiu como se tivesse indicando que seu trabalho havia sido cumprido. Yoo Soo-ha se tornou a única pessoa que sobrou na grama.

— Que merda aconteceu…

A ilusão VR terminava aí. O espaço que eu estava em pé voltou a ficar vazio, como uma folha de papel em branco. A dama que estava comigo, que tinha exatamente a mesma aparência daquela da imagem, ainda batia na própria cabeça bem na minha frente.

“…?” olhei para baixo, em direção à cabeça bonita da garota.

“Ainda não entendo mesmo depois de ver isso. Me explique, por favor.”

“Às vezes, eu faço eventos como o do [Goblin Dourado]. É tipo um jogo. Apareço em algumas das Torres e caminho aleatoriamente, e a primeira pessoa que me capturar…”

“Você não sai por aí dando habilidades douradas sem mais nem menos, não é?”

“Não. Bem, é quase isso…”

“Isso é loucura.”

Era totalmente ridículo. Minha mente ficou em branco.

Subitamente, veio a minha mente uma memória distante de quando as pessoas questionavam ao Imperador das Chamas qual era o seu segredo para o sucesso, e ele só franzia a testa.

— Senhor Imperador! Por favor, conte a nós, estudantes, qual o seu segredo! Por favor, nos dê conselhos!

— Se o seu destino for ter sucesso, você terá. — respondia o Imperador todas as vezes. — Isso é tudo. Não tenho mais o que dizer, então parem de me seguir.

Até agora, sempre pensei que essa era só uma afirmação feita por arrogância, mas se ele conseguiu capturar o [Goblin Dourado] por acidente e obteve uma habilidade de rank EX? Não havia como contar isso a ninguém. Mesmo que dissesse, todos iriam chamá-lo de louco.

Não havia outra escolha a não ser responder “Se for parte do seu destino, você vai conseguir”!

“Por quê, por que você faz isso?”

“Por duas razões. Uma é muito pessoal e a outra é pública. Qual das duas quer ouvir primeiro?”

“Vamos começar com o motivo público.”

“Dentre os pilares, há os espectadores e os interventores. Sou do segundo tipo. Um desses que intervém com as crianças que escalam a Torre. E como parte do meu trabalho, faço eventos, e o Goblin Dourado é um deles…”

“E o motivo pessoal?”

“Porque é muito divertido.”

“Então, esse é o porquê de você bater na própria cabeça.”

“Sim…”

Finalmente entendi por que um membro da Torre tão importante me tratava tão bem. Fui uma das vítimas que assassinadas pelo Imperador das Chamas, o Yoo Soo-ha. E a habilidade que o tornou bem-sucedido, o [Relógio Mecânico de Retorno], foi nada menos do que uma das habilidades dadas a ele por um pilar, por pura diversão. Em outras palavras…

“Então, isso tudo foi uma espécie de compensação…”

“Não é nada disso.”

Minha cabeça doía.

“Sempre me perguntei por que aquele cara, Yoo Soo-ha, tinha uma habilidade tão boa. Entretanto, ele a ganhou dessa forma. Soa como a história do sapo que foi morto por uma rocha sendo jogada por alguém que se divertia…”

“Sinto muito mesmo.”

“Tsc.” suspirei. “Foi por isso que você foi enviada aqui pra baixo? Como uma punição? Tem alguém que possui a autoridade pra fazer algo assim a um pilar?”

“Foi isso que aconteceu. Mula… o Mestre da Torre ordenou que viesse pra baixo e recuperasse meus sentidos ao experimentar todas as proibições. Agora, comparada a minha forma real, minha força física, poder, inteligência e charme, tudo foi enfraquecido. Não é exagero?”

“O mestre da Torre é um grande líder sábio. Muito sábio.”

Foi um julgamento brilhante.

“De qualquer jeito, quero pessoalmente recompensar o Rei da Morte. Sempre que uma reunião acontece, estou secretamente te apoiando, mas isso não é o suficiente, é?”

“Hmm.” toquei o meu queixo enquanto pensava. “Não preciso mais ser compensado pelo que aconteceu com o Imperador das Chamas.”

Graças ao título de [Relógio Mecânico de Retorno] do Yoo Soo-ha, fui capaz de fazer uso pleno de [Quero me tornar exatamente como você]. Estou conseguindo viver uma vida bem-sucedida, e fiquei feliz em conhecer o Mestre e a Raviel.

— Ei, zumbi. O que são os pilares de que estão falando?

Enquanto ponderava em silêncio, o fantasma detrás de mim falou. Bae Hu-ryeong tinha estado comigo durante todos os meus problemas, exceto quando conheci o Pilar.

‘Algo assim aconteceu antes, vou explicar depois… Ah’

Depois de ver Bae Hu-ryeong flutuando, mudei de ideia.

“Você está certa. A dama devia me compensar mesmo.”

“Com o quê? Devia te dar um monte de pontos de raça?”

“Gostaria de receber isso também, mas… não.” , respondi, balançando minha cabeça em negação. “Me mostre, por favor, onde as crianças viveram depois que eu parti.”

“hm?”

“Ssonia, Arika, Sakum e Yumar.  As crianças que ensinei. Quero ver onde estiveram depois que desapareci. Se possível, quero ver Uburka e Gorke também.”

A vida que eles tiveram. Quero muito ver isso, muito mesmo.

“…”

Lentamente, a dama ergueu a cabeça para me olhar. Havia bondade contida em seus olhos  enquanto me fitava.

“Rei da Morte, você é realmente muito ganancioso.”

“Eu sou.”

“Tá certo. Posso fazer ao menos isso.”

O espaço em branco foi pintado de novo e fui capaz de ver o rosto das minhas crianças.

2.

Ssonia não parou de atuar.

— Tá tudo bem.

Depois que saí, Ssonia sofreu com várias avaliações ruins. Disseram que suas habilidades usando a aura haviam decaído significativamente, ou que não se comparavam com as que havia demonstrado antes.  A peça de sangue que realizava nunca era satisfatória o suficiente para os goblins que tinham se tornado mais sofisticados depois de presenciar o extraordinário.

— Tudo vai ficar bem.

Mas Ssonia não desistiu. Praticou até que suas unhas quebrassem e seus dedos dos pés rachassem.

— Você consegue.

Ele se tornou mais introvertido. Exceto quando estava se apresentando em uma peça, raramente abria a boca. A sua atitude era decisiva, como se não pudesse viver se não estivesse em cima do palco. Além dele, havia o Arika de um olho só, Yumar de um só braço e o Sakum de uma orelha, que tinham a mesma atitude.

— Só precisamos pensar nisso como se estivéssemos começando tudo do início.

Mesmo que a reputação da Academia de Teatro estivesse desmoronando, os atores não ligaram para isso.

— De primeira,  a peça de dança era considerada um espetáculo chocante, mas agora, a audiência já se acostumou com isso. É só isso, não fiquem desencorajados. Se continuarmos nos apresentando, um dia receberemos aplausos de novo.

— Ugor.

Uma Companhia de Teatro ridícula.

Mesmo recebendo avaliações como essas, eles continuaram se apresentando em silêncio.

A mãe de Arika, que pensava ter perdido, retornou. Era difícil para os dois, que não tiveram a chance de compartilhar suas vidas juntos, desenvolver uma relação familiar. Mas apesar disso, Arika permitiu que sua mãe fizesse parte da sua vida e eles comiam juntos ocasionalmente.

A maior parte do dinheiro que Yumar ganhava enquanto trabalhava como ator era enviado para sua cidade natal. A situação da vida não estava boa, já que todos os jovens tinham sido mortos, mas graças a contribuição dele, o vilarejo poderia ser administrado até que a nova geração crescesse.

Sakum descobriu que a família do seu antigo mestre havia sucumbido. Sem perder a oportunidade, correu até onde o velho, que havia se tornado um mendigo, e jogou uma moeda de prata. Então, foi embora feliz sob o olhar furioso daquele que um dia serviu.

O tempo passou.

—…

O rosto do Ssonia agora estava coberto de rugas. Ele tinha passado toda a sua vida em cima dos palcos, e ainda possuía uma visão clara mesmo com os anos nas costas. Sua vida tinha sido pequena, mas deixou sua marca.

Sentado sozinho num assento vazio da audiência, ele olhou para o palco do teatro: o lugar que seus pés já haviam pisado cada centímetro.

— Tive uma vida boa.

Semicerrou os olhos enquanto mantinha sua linha de visão na mesma direção. Pensava na forma como tinha dançado ali em cima.

— Queria ter sido um pouco mais gentil com as pessoas.  — disse e fechou os olhos. Era difícil adivinhar o que estava pensando — Lorde Kekerkker…

Foi então que a cena mudou. Diferente do delicado Ssonia, o hobgoblin que apareceu era largo como uma montanha. Um guerreiro que havia sido reconhecido como o mais forte na história dos Goblins — o chef número 1 do conselho do Rio de Fogo.

— Não há por que eu continuar no comando mais.

Uburka permaneceu no topo do mundo por mais de 20 anos depois que eu saí. Inúmeros outros guerreiros haviam o desafiado, mas nenhum foi capaz de derrotá-lo.

O lutador invicto.

Um dia, ele anunciou sua resignação.

— Irei deixar a minha posição como chefe e apenas focar no caminho das artes marciais.

Os hobgoblins protestaram. Estavam começando a se acostumar com o domínio severo de Uburka, então não conseguiram deixar de ficar surpresos quando abdicou da sua posição. Apesar disso, ele não voltou atrás com a decisão.

— Até mesmo acho que é tarde demais. Ugo. Não foi difícil para mim estabilizar a situação com os caracóis e reprimir o continente. Já completei as coisas que precisava há 20 anos, e agora irei viver para mim mesmo. Não se preocupem, não vou voltar. Estou cortando todo contato com o mundo.

— Para onde está indo, Chefe?

— Não vou a lugar algum— respondeu sorrindo — Estou esperando a chegada do meu pai.

Depois disso, Uburka deixou Guru e subiu uma montanha. A Montanha dos Espíritos, a mais acidentada e perigosa do continente. Neste lugar, a nevasca assolava o ano inteiro; e o goblin se sentou bem no topo, de pernas cruzadas.

— O papai vem ao mundo a cada centenas de anos.  — sussurrou enquanto meditava quietamente. — Como estou agora, não vou ser capaz de durar mais de cento e cinquenta anos. Preciso ir além da minha existência. — Havia traços de felicidade na voz dele. — Venha, pai. Estarei te esperando.

A nevasca engoliu a sua figura, mas a cena que devia terminar aqui, continuou.

— …

A dama não trocou o cenário como tinha feito da última vez. Um minuto se passou, então três, mas o vento frio da montanha dos Espíritos apenas continuou a se agitar à minha volta.

“Ei, senhorita?”

“Hmm.”

“Acho que já assisti o fim da vida passada do Uburka.”

“Não” ela respondeu com um sorriso brilhante “ainda não acabou.”

O sorriso dela carregava uma pitada de diversão.

“……”

Sem chances.

Senti meu coração bater mais forte no peito mesmo que racionalmente não pudesse aceitar aquilo.

“Tá querendo dizer que… ele ainda tá vivo?”

Uburka. Quando nos separamos, podia claramente lembrar do rosto sorridente daquela criança qye parecia dizer “Com certeza, vou viver muito”. Naturalmente, pensei que ele ia acabar morrendo. Uburka já havia até mesmo se tornado uma lenda da raça goblin.

Mas e se ele tivesse conseguido alcançar o estágio corporal de rejuvenescimento…

“Ele conseguiu mesmo sobreviver?”  minha voz tremeu significativamente ao falar.

Quando me viu dessa forma, os lábios da garota se curvaram para cima.

“Uhum. Quer se encontrar com ele?”

No próximo estágio.  No 35° andar, decidi me encontrar com a criança que eu mais queria ver no mundo.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar