Supreme Magus – Capítulo 1169

Sonhos Despedaçados (1)

Durante os últimos dias, Lith tentou ligar para Xenagrosh várias vezes para agradecê-la por tê-lo ajudado a salvar sua família, mas ela nunca respondeu. Xenagrosh dedicou seu foco total no tanque de genes e em garantir que Nandi mantivesse sua sanidade até que o Mestre saísse.

Ela aprendeu com Bytra que conversar ajudava. Quanto mais profunda a conexão que uma Abominação Retornada tinha com seus aliados, mais fácil se tornava suprimir seus impulsos violentos. Toda vez que Lith ligava, ela apenas pressionava a runa de Tezka para um relatório de status.

“Tudo está bem.” A Abominação Mago Dimensional ficou em Lutia, para ficar de olho em Zinya no caso de Noite encontrar uma brecha no contrato de escravidão de Baba Yaga.

“Então mantenha as coisas assim. Eu não sei se o Mestre ama aquela mulher ou se ele apenas se importa com ela. Zinya Yehval o deixa feliz e esses sentimentos ajudarão o Mestre a se adaptar à sua nova condição ou nos ajudarão a controlar seu clone no caso de ele falhar.”

Enquanto isso, dentro do tanque, Zogar Vastor lutava por sua vida contra a Abominação que carregava seus genes, mas nada de seu fardo. Ele estava velho e cansado, enquanto seu oponente era jovem e obstinado, preocupando-se apenas com a sobrevivência.

Suas essências vitais se envolveram em um constante cabo de guerra, uma mente tentando apagar a outra desde o momento em que se fundiram.

‘Eu te garanto que você é implacável, garoto, mas se você soubesse o que está esperando por você no mundo exterior, você ainda estaria tão ansioso para lutar comigo?’ Vastor disse ao seu clone Abominação dentro do espaço que compartilhavam em sua mente.

A aparência da criatura era semelhante à forma humana de uma Besta Imperador, uma projeção de como Vastor se percebia e não como ele realmente se parecia. O clone Abominação era alto, jovem, bonito e tinha cabelos grossos que Vastor não teve nem em seu auge.

A criatura tinha ganhado vida apenas alguns dias atrás, então ele não tinha ideia de como responder. Sua resposta veio na forma de drenar um pouco mais da essência do Mestre, inclinando a balança ainda mais a seu favor.

Vastor havia estudado o processo de fusão de um clone com seu original, determinando que quanto mais tempo um clone vivesse, mais perto suas capacidades chegariam do material original.

No entanto, apesar de todos os seus estudos e preparativos, o Mestre era o único recuando.

‘Bom. Você quer ser Zogar Vastor, garoto? Fique à vontade e pegue. Pegue tudo o que me torna quem sou!’ Em vez de resistir à atração, o Mestre deixou sua força vital ir.

O movimento pegou o clone Abominação de surpresa, especialmente porque Vastor fez questão de adicionar uma grande parte de sua mente a ele. Ser tão jovem tornava a criatura focada e inabalável, mas também a tornava suscetível a emoções intensas.

Ele nunca havia experimentado dor ou dificuldades. A mente do clone era uma lousa em branco que só podia espelhar os sentimentos de Vastor.

A criatura viu as memórias sobre Vastor ser um jovem baixo, mas promissor, como aluno da academia Grifo Branco. Magos comuns tinham aulas sobre uma especialização, bons magos como Lith tinham duas, enquanto três especializações eram universalmente consideradas a marca do verdadeiro gênio.

O jovem Zogar Vastor fez quatro especializações ao mesmo tempo e se formou como o primeiro do ano em cada uma delas. Ele se tornou um Curandeiro, um Guardião, um Mestre da Forja e até mesmo um Mago de Batalha.

Sua ascensão havia causado um alvoroço em todas as academias. Depois de se formar, ele se tornou um membro da Associação de Magos, depois um Mestre da Forja Real e até mesmo um Quebra-Feitiços.

Para aprender qualquer feitiço, ele só precisava praticá-lo duas vezes e então criaria uma versão melhorada do mesmo feitiço que ia além das expectativas de seu próprio criador.

Ele nunca foi bonito, mas depois que conseguiu matar uma Besta Imperador aos dezoito anos, todas as famílias nobres do Reino jogavam suas filhas a seus pés.

Vastor namorou por algum tempo Keal Grifo, uma das princesas e irmã mais velha de Meron, e Tryssa Ernas, tia de Jirni, mas descartou as duas pensando que um casamento tão precoce só atrapalharia sua pesquisa mágica.

Seus talentos o tornaram um excelente candidato para se tornar o deus da cura e todos esperavam que ele se tornasse um Magus, mas, infelizmente, Vastor atingiu uma parede que ele não conseguiu superar.

Seu núcleo azul brilhante o tornava um mago versátil, mas sem um núcleo violeta, ele era incapaz de fabricar os equipamentos mais poderosos ou de lançar as matrizes mais fortes registradas nos arquivos do Reino.

Para piorar as coisas, embora Vastor tivesse habilidades de aprendizado incomparáveis, ele não tinha criatividade. Seu gênio permitiu que ele melhorasse os feitiços dos outros, mas todas as suas criações originais eram medíocres na melhor das hipóteses.

O passar do tempo só deixou seus limites mais evidentes e diminuiu as expectativas que o Reino tinha por ele. Logo a Realeza o consideraram um potencial deus da cura apenas pela falta de candidatos melhores e o descartaram como um potencial Magus.

A família de Vastor o forçou a se casar antes que seu valor aos olhos da comunidade mágica diminuísse ainda mais e quando ele alcançou o título de Arquimago aos vinte e cinco anos, isso lhe rendeu mais pena do que admiração.

Todos consideravam Vastor como um mago que já havia atingido o pico, como um país das maravilhas mágico que uma vez explorado, não tinha novas maravilhas a oferecer e que se tornara não mais interessante do que um jardim botânico comum.

O casamento não o tornou melhor, apenas mais amargo. Sua esposa não o amava e o sentimento era mútuo. Para Vastor, ela era a personificação de todos os imundos alpinistas sociais[1] sem talento mágico ou uso que se agarravam a ele por necessidade, não por respeito.

Quando seus filhos nasceram, ele os ignorou, considerando-os apenas como mais algemas que a ingrata sociedade do Reino haviam colocado nele.

A Abominação dentro da mente de Vastor experimentou a montanha-russa emocional de sua infância. Primeiro a determinação imortal como estudante, depois o entusiasmo sem limites da juventude e, finalmente, o desespero paralisante da descoberta de que sua carreira mágica já havia terminado antes de completar vinte anos.

Vastor podia sentir a criatura ficando mais fraca, seu aperto afrouxando com a memória de cada falha piscando na frente de sua consciência compartilhada. No entanto, durou apenas um segundo.

A ingenuidade da criatura também tornou sua indignação genuína e lhe deu forças para superar o choque, ansioso para provar a toda Mogar que Zogar Vastor estava longe de terminar.

‘Nada mal. Eu reagi da mesma forma, mas você realmente acha que a raiva é suficiente, garoto? Talvez no campo de batalha, mas em um laboratório, isso só o deixa descuidado.’ Vastor disse enquanto dava mais de sua essência e memórias para a Abominação.

Nas novas visões, um Vastor agora gordinho começou a estudar a Loucura de Arthan. Depois de se afogar em comida reconfortante e autopiedade, Vastor, agora com trinta anos, aceitou seus limites.

Isso o levou a perceber que, com sua capacidade de aprender e melhorar as criações dos outros, ele poderia quebrar o legado perdido do Rei Louco.


Nota:

[1] Alpinista social é um termo que se refere a indivíduos que investem em relacionamentos com pessoas de maior poder aquisitivo com o objetivo de chegar às classes sociais mais altas.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar