Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

The Beginning After The End – Capítulo 480

Borda do Horizonte

POV ARTHUR LEYWIN

Apesar de não ter olhos visíveis, a face ondulada do ser dourado e brilhante me encarava até os ossos. Minha própria mente parecia vazia, destituída de intenção ou pensamento consciente. Eu podia sentir os fios dourados percorrendo minha mente e memórias, meu passado, presente e futuro. A sensação me aterrorizava em um nível existencial.

— Quem é você? — Minha voz soou oca e suave, a ressonância barítona engolida pelo vazio e pela minha própria dúvida.

— Você já perguntou isso. — Os fios pulsavam e vibravam enquanto a entidade falava. — Eu sou o Destino. Ou… um aspecto do Destino. O porta-voz.

Enquanto me esforçava para encontrar outra coisa a dizer, procurei desesperadamente na vasta extensão do vazio etéreo que nos cercava. A única característica concreta do vasto vazio preto-púrpura era o portal. Perguntei-me o que aconteceria se tentasse fugir de volta por ele.

Não, é por isso que estamos aqui, lembrei a mim mesmo, tentando me forçar mentalmente a superar o medo incomum que me privou dos sentidos.

— O que foi aquilo, lá atrás? Haneul? As Garras das Sombras e as outras tribos? Por que a farsa?

Os fios dourados se desenrolaram, tremulando pelo ar e se enrolaram de volta à forma humanoide à nossa esquerda, colocando-nos entre o Destino e o portal. Sylvie e Regis giraram em torno de mim para manter nós três encarando o Destino.

— Escolhi uma figura de suas memórias que pensei que o deixaria à vontade para tornar esta conversa mais confortável. — Novamente, os fios vibraram, um indício disso surgiu na voz ressonante e desumana do aspecto do Destino. — Você carrega consigo muitas centenas de horas de lembranças daquele chamado Haneul, dando a aparência de grande importância. — Algo parecido com uma risada percorreu a forma, emitindo ondulações ao longo das muitas centenas de fios dourados que se estendiam a partir dela. — Talvez não fosse conforto que você precisasse para introduzi-lo nesta conversa, mas confusão.

Olhei para Sylvie, que encontrou meus olhos com uma sobrancelha levantada.

— Isso… não é exatamente o que eu esperava.

Regis inclinou a cabeça, perplexo.

— Nem eu.

— Suas expectativas só poderiam se mostrar malformadas — respondeu a figura, como se pudesse ouvir nossos pensamentos. — Você sabe bem pouco, mas sua percepção o levou à beira de um entendimento maior. Até a borda do horizonte. Seu crescimento, seu poder, seus muitos sucessos e fracassos, o prepararam para uma coisa, e somente uma coisa.

— Controlar o aspecto do éter conhecido como Destino? — perguntei em voz alta, um arrepio percorrendo minha espinha.

— Não. — A palavra pairava no ar, parecendo ressoar de cada corda que compunha a forma física da entidade. — Mas seu mal-entendido é muito… humano.

Antes que eu pudesse responder, as cores se espalharam pelo vazio, girando e se fundindo para formar um céu azul nublado, um campo verde exuberante e uma extensão de oceano ondulante, cada onda com sua crista branca reluzindo como muitos diamantes sob um sol amarelo. Quando minha atenção retornou ao aspecto do Destino, ele novamente se envolveu no djinn de pele azul e olhos rosados, Haneul.

Dando um passo experimental, o chão sob meus pés parecia sólido. Inclinei-me, passando a palma da minha mão sobre as lâminas de grama, sentindo cada uma se curvar e depois voltar ao lugar. Algo nesta cena era familiar.

— Onde estamos?

— Depende de quando você está — respondeu Haneul. Ele se aproximou da beira de um penhasco alto que se erguia verticalmente de uma ampla praia abaixo. Sombras correram repentinamente pela paisagem, e prédios começaram a surgir da areia. Figuras sombrias se moviam pela praia como milhares de formigas. — As assombrações foram as primeiras a construir aqui. Há muito, muito tempo.

Uma grande cidade cresceu diante de nós, cheia de pequenas figuras escuras que apareciam e desapareciam rápido demais para serem vistas. A cidade engoliu a linha costeira e o penhasco, se estendendo até onde a vista alcançava em todas as direções. Em seguida, outras figuras apareceram. Sombras brancas, depois azuis, depois vermelhas e marrons, todas desceram sobre a cidade. Embora a cena distante carecesse de detalhes, era óbvio que uma batalha terrível estava se desenrolando. Ambos os lados sofreram muito e, quando acabou, a paisagem tinha sido devolvida ao seu estado anterior. Nada restou da cidade.

Lembrei-me do que Kezess havia me contado sobre o antigo ramo dos asuras chamado de assombrações.

— Acabamos de ver todos os outros asuras se unindo contra as assombrações guerreiras, não é? — disse, principalmente falando para mim mesmo.

Logo, figuras brancas estavam invadindo a praia e, assim como as figuras escuras que representavam as assombrações haviam feito antes delas, começaram a construir uma grande cidade. Só que, antes que a cidade fosse concluída, todas as manchas brancas desapareceram. Franzi a testa para a cidade fantasma meio construída por vários longos momentos. Justo quando estava prestes a me virar para Haneul e perguntar o que tinha acontecido, a terra se abriu e engoliu a cidade inteira.

— Quando os dragões levaram Epheotus deste mundo, apagaram todos os sinais de sua civilização da terra para que as futuras pessoas não soubessem nada sobre eles. — Haneul olhou tristemente para a praia vazia. A construção e a queda das duas cidades tinham deixado a paisagem áspera e parte do penhasco esculpido. — Está sempre aqui. Este lugar atrai todas as civilizações que crescem no solo desta terra.

— O que você…

Fiquei em silêncio quando um novo povo se espalhou pela praia. Seu progresso foi mais lento do que o das assombrações ou dos dragões. Começando com pequenas cabanas, expandiram sua vila para uma cidadela, então para uma pequena cidade encostada no penhasco. A terra ao nosso redor era lavrada e revirada para se tornar solo marrom, onde eram cultivadas colheitas. Espessas colunas de fumaça começaram a sair das chaminés de alguns edifícios, que agora eram feitos de tijolos em vez de argila ou madeira. As docas se estendiam até o oceano e pequenos navios à vela apareciam. Seu progresso pareceu parar por algum tempo, e então…

As manchas brancas caíram sob fogo branco e a cidade foi apagada em um piscar de olhos.

Meu primeiro pensamento foi nos djinn, mas eu tinha visto uma cidade djinn. Isso não parecia o mesmo. Entretanto, como antes, as formas brancas eram os dragões…

Uma ideia assustadora obscureceu minha mente e recorri a Haneul para obter confirmação. Seus olhos rosados permaneceram na praia.

Pouco tempo depois, outro grupo de pessoas apareceu. Como antes, lentamente construíram a terra, superando a civilização anterior, à medida que estruturas imponentes se tornavam a espinha dorsal de uma cidade murada que se estendia ao longo da costa em ambas as direções. Então, as formas brancas borradas voltaram e os prédios desmoronaram. Quando os dragões partiram, todos os vestígios da cidade foram desfeitos.

Sylvie soltou um gemido baixo e dolorido, seu olhar permaneceu inabalável enquanto ela observava a destruição sombria se desenrolar diante de nós.

— Este é apenas um pequeno canto de um continente deste mundo, durante uma estreita janela de tempo — disse Haneul, sua voz estranhamente vazia de emoção. — Você precisa ver isso para entender. Somente quando entender, será capaz de ver.

O tempo continuou a passar como uma inundação, e várias outras cidades surgiram e foram destruídas, cada uma representando uma civilização, um povo completamente novo. Então, uma cidade que eu reconheci surgiu.

— A cidade dos djinn. Aquela que vi no julgamento. Zhoroa.

Estávamos perto do mirante com vista para a cidade, ao lado da pequena cachoeira. A era pacífica dos djinn parecia durar mais do que as outras civilizações, mas eu sabia o que estava por vir. Quando aconteceu, desviei o olhar. Já tinha visto o fim de Zhoroa; não precisava vivenciá-lo novamente.

Quando olhei novamente, a cidade dos djinn havia desaparecido. Não restava nenhum pedaço ou grão, nem uma parede arruinada ou uma fundação.  Nada.

— Eu vi, mas não entendo — disse após um tempo.

— Eu sei — respondeu Haneul.

Logo, as pessoas voltaram. Desta vez, porém, consegui distinguir algumas delas. Estavam construindo no topo do penhasco, que ao longo do tempo tinha se desgastado criando mais uma encosta. Em vez de uma simples faixa de costa oceânica, grandes partes da ampla praia tinham sido destruídas pela destruição anterior, criando uma baía familiar.

— Ah… que merda! — exclamou Regis quando percebeu. — É lá que Etistin está agora.

A cena se desfez, o chão se dissolveu sob meus pés, o céu se desfez em finas tiras de cor. Estávamos mais uma vez flutuando dentro do reino etéreo ao lado do portal. Haneul se foi e, em seu lugar, o aspecto do Destino retornou, seu corpo de seda brilhante iluminando a mim e meus companheiros.

— Aquilo foi real? — Sylvie perguntou ofegante, incapaz de esconder seu crescente pânico e repugnância de nossa conexão.

A luz ao redor do aspecto do Destino diminuiu.

— Sim.

— Todas aquelas civilizações… — Tive que engolir, umedecendo minha garganta seca e inchada. — Os dragões destruíram cada uma delas?

— Sim.

— Não pode ser — disse Sylvie, balançando a cabeça e se virando.

Não precisei ver o rosto dela para sentir as lágrimas escorrendo de seus olhos. Coloquei minha mão em suas costas na tentativa de confortá-la.

— Que insight devo tirar disso? Que os dragões não apenas exterminaram os djinn, mas também muitas outras civilizações antes deles? Como isso me ajuda a entender o Destino?

O aspecto se desfez novamente, apenas para se reformar bem na minha frente.

— É a base sobre a qual você deve construir sua nova compreensão do éter.

— Como podemos acreditar em você? Como podemos acreditar em qualquer coisa neste lugar? — As palavras de Sylvie foram nítidas e acusatórias. — Estamos na pedra-chave. Você pode ser apenas uma invenção. Tudo o que vimos, até mesmo essa conversa, até você, tudo pode ser uma fantasia.

— Sylv… — Eu disse, meu tom consolador. Através de nossa ligação mental, a puxei para mim. Embora ela não tenha se movido fisicamente, sua vontade estava contra a minha. Um arrepio percorreu seu corpo, e sua respiração se acalmou.

O aspecto do Destino permaneceu imóvel no vazio.

— É incorreto afirmar que estamos no artefato que você chama de pedra-chave.

Enquanto a entidade falava, cravei meus dedos no meu esterno, subitamente consciente da horrível sensação de coceira vindo do meu núcleo. Eu não estava de volta ao meu corpo físico, ainda conseguia sentir a distância entre ele e eu, mas ao mesmo tempo, quase sentia minha respiração indo e vindo dos meus pulmões, meu peito se expandindo e contraindo. Quando me concentrei, até conseguia ouvir Sylvie ao meu lado, sua respiração mais rápida, mais aguda, como alguém prestes a ser despertado por um pesadelo.

Estávamos mais perto de nós mesmos, mas não estávamos totalmente em um lugar ou outro.

— Isso é verdade, Arthur/Grey. Você não está totalmente na pedra-chave ou no mundo real. Sua mente está aqui, comigo, nesta prisão. — A luz dourada tremulava com o que meu cérebro primitivo traduzia como raiva. — Vocês três podem acreditar nisso simplesmente escolhendo fazê-lo. O Destino está tanto dentro quanto fora da pedra-chave, assim como vocês.

— Uma prisão? — perguntei, sem compreender totalmente o que significava o aspecto do Destino.

Os braços de fios dourados se levantaram para os lados da figura, um gesto que parecia abranger todo o reino etéreo.

— Não foi permitido que o mundo além, o plano do fogo e da terra, da água e do ar, crescesse em seu curso natural. Este lugar, este reino etéreo como vocês o consideram, é um sintoma de que o mundo está sendo reprimido, restrito. É antinatural, sua formação como um cisto no mundo desperto.

Sylvie recuou alguns passos. Sua pele estava pálida e ela mexia nas mangas de seu vestido preto.

— A destruição de todas aquelas civilizações…

As palavras do avô dela voltaram subitamente à minha mente: Tudo o que fiz foi para manter este mundo vivo, e seria prudente para você colocar isso firmemente na frente de qualquer outra suposição que você faça sobre mim. Havia mais do que isso, no entanto. Kezess havia falado sobre equilíbrio e sobre asuras lutando e destruindo o mundo. Não pude deixar de pensar que, talvez, ele estivesse se referindo a algo além da destruição física.

Considerei tudo o que sabia sobre o éter: ele abrigava uma espécie de consciência, exigindo que os dragões trabalhassem ao seu lado, persuadindo-o a tomar a forma desejada; ao absorver e purificar o éter através do meu próprio núcleo de éter, mudei minha relação com ele, permitindo-me manipulá-lo diretamente em vez de lutar apenas para influenciar a maneira como os dragões faziam; o éter podia alterar o tempo, o espaço e a energia vital da própria vida, sendo poderoso o suficiente até mesmo para conectar, ou separar, a essência espiritual de alguém de seu corpo de carne e sangue.

Embora a primeira pergunta em minha mente fosse porquê os dragões e Kezess queriam suprimir o avanço do mundo, não foi a pergunta que fiz.

— O que é o éter, realmente? O que é o destino?

— O éter é tudo antes da vida e depois da morte — disse o aspecto. Enquanto falava, os fios dourados se enrolavam em torno de si mesmos e a figura parecia crescer. — O éter é tanto espaço quanto vazio. É um tempo infinito e sem limites. É a própria essência da magia neste mundo. — Os fios estavam se enrolando ao nosso redor agora, como se estivéssemos no centro de uma bola de fio de algodão. Imagens eram reproduzidas pela corda entrelaçada.

Eu vi… eu mesmo, caindo. Só que a imagem que se desenrolava na luz dentro da esfera de fios dourados não estava focada em mim, mas no homem ao meu lado. Nós caímos e caímos, e então… paramos. Minha queda foi interrompida antes da colisão com o chão duro, mas o bandido não teve tanta sorte. A cena parecia congelada. Enquanto eu estava inconsciente, os últimos batimentos fracos do coração do bandido bombearam sangue para o solo a partir de uma centena de feridas, e a pequena quantidade de mana que se agarrava ao seu corpo foi liberada na atmosfera.

Então, outra coisa também foi liberada; algumas pequenas partículas de éter, como faíscas de ametista, saíram de seu corpo e foram absorvidas pela fina névoa de éter atmosférico que brilhava e ganhava vida na imagem.

Ao lado e um pouco dentro da imagem da morte do bandido, outra imagem também estava sendo reproduzida. Esta me mostrava caindo de uma árvore, minha mão envolta em uma lâmina de vento. Um golpe rápido na artéria carótida de um escravo, seguido por uma morte rápida. Novamente, a liberação de sangue, mana e, finalmente, algumas pequenas partículas de éter.

Outras imagens reproduzidas junto com elas. Cada uma mostrava uma cena diferente, mas todas eram iguais: cenas de morte. E acompanhando cada morte, a liberação de partículas etéreas.

Entre as cenas, eu me deparei com uma em particular.

— Não — gritei, ou pelo menos achei que sim. Não conseguia ouvir minha própria voz com o som dos meus batimentos em meus ouvidos. Eu não queria ver, mas não conseguia desviar o olhar.

Na imagem, o corpo do meu pai estava estraçalhado em meio à carnificina da batalha. Pensei que ele já tinha… morrido, mas a mana ainda estava agarrada a ele. Seus lábios estavam se movendo, só um pouco. Eu não conseguia tirar meus olhos da imagem horrível. “Alice. Ellie. Art.”. O movimento lento e silencioso de seus lábios dizia nossos nomes. “Eu amo vocês. Eu… amo vocês. Eu…” Seus lábios silenciaram e a força constritiva do seu núcleo se libertou. A mana purificada subia dele como vapor em uma manhã fria de inverno. E então, o éter.

Eu fechei meus olhos.

— Já chega. Eu… entendi.

Quando abri meus olhos de novo, o aspecto do Destino havia retornado à forma humanoide de fios dourados entrelaçados.

Sylvie entrelaçou os dedos nos meus e segurou minha mão com força. Eu podia sentir que ela estava assumindo uma parte do peso emocional que a cena havia depositado sobre meus ombros.

Ao meu lado, Regis balançou a cabeça, fazendo as chamas de sua juba ondularem como uma bandeira.

— Então, éter é… o quê, exatamente? Pessoas mortas?

Os fios dourados pulsavam com uma luz furiosa.

— O éter é a energia mágica concentrada deixada por um ser vivo quando eles partem.

— E ele… carrega um pouco da intenção deles — acrescentei, as peças se encaixando em minha mente.  — O éter é consciente e pode ser influenciado… porque já esteve vivo.

Lágrimas brilharam nos olhos do meu vínculo.

— É por isso que ele se lembra das formas que assumiu antes. Civilizações inteiras de mortos. Outros além dos djinn devem ter alcançado um estágio onde poderiam utilizar éter. As formas de feitiços… são o eco de sua consciência coletiva fundida na magia viva.

O aspecto do Destino tremeu e todo o reino etéreo pareceu se fechar ao nosso redor.

— O cisto que é este reino deve explodir se o mundo for colocado de volta em seu curso adequado — disse o aspecto. — O mundo sofre sem o éter, e o éter sofre sem o mundo.

Imaginei as almas de todos aqueles que haviam partido neste mundo condensadas no reino etéreo e não pude deixar de me perguntar se alguma parte do meu pai também estava lá. Não só meu pai, mas Adam, Sylvia, Rinia, os Eraliths e os Glayders, Feyrith, Cynthia… havia muitos mortos para citar. Eles estavam sofrendo, presos dentro dessa prisão antinatural?

— Ela disse que o reino etérico é como as coisas terminam… — disse Sylvie, dando-se um pequeno sacolejo e puxando sua mão livre da minha. — Na minha visão, nas Relictombs. — Seus olhos se estreitaram enquanto ela encarava o aspecto do Destino. — Como, exatamente, o mundo está sendo reprimido?

A cabeça sem rosto virou-se para observar Sylvie. Em vez de palavras, imagens passaram por nossas mentes coletivas: campos de mortos, o éter deles subindo como fantasmas violetas acima deles; a silhueta de um dragão abrindo um buraco no tecido do mundo; um lugar entre lugares sugando partículas de energia ametista como uma esponja; ondas de foco saindo de uma fenda no céu e reverberando pela superfície do mundo…

As imagens desapareceram e o aspecto do Destino continuou.

— Um punho escamoso está fechado ao redor do mundo. Somente quando seu aperto for quebrado, as paredes falsas corrompendo a ordem natural serão derrubadas.

Meu estômago afundou. Eu não conseguia definir exatamente a sensação, mas algo no tom do ser me deixou desconfortável.

— O que acontece quando essas “paredes falsas” caírem?

— A existência continua. Os mundos seguem girando. O tempo avança como deveria. — A cada palavra falada, os fios dourados tremulavam com uma luz pálida.

— Entropia — pensou Sylvie, a palavra ressoando de forma sinistra dentro de mim. — A ordem natural é seguir o fluxo temporal. Exatamente como ela disse.

O espaço etéreo ao nosso redor se endureceu, assumindo bordas definidas, depois cores e, finalmente, textura, uma cena do mundo real mais uma vez surgiu ao nosso redor. O brilhante e imóvel cenário azul e dourado era como estar dentro de uma janela de vitral, mas quando me virei para olhar ao redor, as bordas duras se desfizeram, como areia ao vento.

Estávamos no deserto. Um vento forte soprava do leste, chicoteando areia em nossos rostos. A figura de fios entrelaçados era novamente Haneul. Ele acenou com a mão e o vento diminuiu. A areia flutuava como uma neve fina de volta ao chão do deserto. À distância, eu podia ver a pedra alta que marcava a direção do refúgio escondido dos djinn.

Haneul cruzou os braços, enfiando as mãos nas mangas opostas como algum velho monge. Seus olhos se fecharam e ele virou o rosto em direção ao sol.

— Canalize a runa que você chama de “God Step”.

Eu hesitei. Em vez de seguir as instruções de Haneul, eu me abaixei e passei os dedos pela areia.

— Este é o mundo real?

— Não. — Haneul não olhou para mim, mas manteve sua postura meditativa. — Ainda estamos no meio. O que você fizer agora não terá efeito fora da pedra-chave, mas permitirá que eu mostre a você a resposta para sua pergunta.

— Tenha cuidado, Arthur — pensou Sylvie.

Levantando-me novamente e limpando a areia da minha pele, respirei fundo. Com um pé no mundo real e outro na pedra-chave, era fácil canalizar o éter para a runa divina. Os caminhos etéreos, linhas brilhantes de luz violeta, conectavam cada ponto no espaço a todos os outros pontos. Exceto que os caminhos não eram retos como sempre foram antes. Os pontos individuais que marcavam possíveis destinos para God Step se incharam, como se algo os estivesse empurrando do outro lado, e os caminhos conectivos se curvaram e se distorceram.

Haneul abriu os olhos novamente. As íris rosa claro estavam tingidas com partículas de ametista à luz do sol.

— Eu te trouxe para um futuro onde você já derrotou seus inimigos, Arthur/Grey. A intenção que aprisiona este mundo foi libertada, mas você ainda é necessário. Eu vou te ensinar como resolver o problema na raiz.

Sylvie movia nervosamente seus pés na areia ao meu lado. Regis observava Haneul com desconfiança. 

Em vez de entrar nos caminhos etéreos, segurei um, da mesma forma que fiz com os fios dourados que representavam o Destino.

— Bom — disse Haneul. — Agora, imagine em sua mente como cada caminho está interconectado em um ciclo contínuo, como a linha de um jogo de cama de gato, entrando e saindo de cada ponto no espaço. Fortaleça a runa que você chama de Réquiem de Aroa e solte a linha.

Enquanto mantinha o foco em God Step, dividi a saída do meu éter e canalizei um fluxo para o Réquiem de Aroa. À distância, pude sentir o eco das runas aquecendo minhas costas. Partículas de éter roxo brilhante corriam pelos meus braços e se espalharam sobre minhas mãos. Firmando meu aperto no caminho, eu puxei.

Meus braços incharam. Éter instintivamente os inundou, e eu puxei ainda mais forte. Comecei a tremer, mas o caminho permaneceu seguro, nem mesmo dobrando sob minha força.

— Este não é um teste de força física bruta, mas de entendimento — explicou Haneul pacientemente. — Seu insight sobre esta runa está incompleto, e sua compreensão do caminho aevum é limitada. Contudo, você está vinculado com alguém que está melhor alinhado. Compartilhe esse fardo.

Relaxando sem soltar o caminho, olhei para Sylvie. Ela encontrou meu olhar com um aceno sério, então se dissolveu no espírito prateado, que flutuou para o meu núcleo.

— Abram suas mentes um para o outro — continuou Haneul quando nos unimos. — O insight do dragão está impresso em seu espírito, não aprendido. Ela deve se abrir completamente para vocês terem sucesso.

Senti Sylvie tentando expor sua mente, derrubando as barreiras que ambos tínhamos erguido ao longo dos anos para nos protegermos um do outro e a nós mesmos, mas não foi fácil.

— O insight requer risco. O crescimento exige dor — pensou ela, depois repetiu novamente. — Eu sou feito de você, e você é feito de mim. Eu posso curvar o fluxo do caminho do tempo, então você também pode.

Lentamente, senti a compreensão de Sylvie penetrar em mim, uma faísca de cada vez.

A imagem repentina de seu corpo se dissolvendo em partículas de ouro e lavanda interrompeu meu foco.

— Sylv, você está bem?

— Estou —, ela respondeu mentalmente, sua voz surgindo de uma fuga de meditação feroz. — Posso sentir, você não pode? A atração do insight. Eu atravessei o tempo em si, e o tempo me marcou. Não tenho certeza se entendi o que isso significava antes. Mas agora… 

Pouco a pouco, nossas mentes se fundiram, tornando-se uma só. Naquele momento, o caminho etéreo distorcido em minhas mãos se moveu, e quando um se moveu, todos se moveram. Mil cordas caídas se apertaram, e toda a rede de pontos e caminhos conectivos se flexionou. Eu não estava totalmente ciente de qualquer compreensão que Sylvie estivesse compartilhando comigo que estava permitindo que isso acontecesse, mas Haneul estava certo.

Um por um, os pontos começaram a rasgar.

O éter se espalhou.

Eu continuei puxando, rasgando o vão cada vez mais largo até que…

A estrutura da realidade cedeu.

Eu agarrei Regis, que se dissolveu e se refugiou em meu núcleo com Sylvie enquanto uma erupção de força aérea como nada que eu já tinha visto ou imaginado rolava pelo deserto. A areia se erguia no ar enquanto a atmosfera evaporava, as fundações do continente se partindo longe abaixo de mim, incapazes de resistir à força.

De alguma forma, eu não fui destruído, mas flutuei do chão para o ar enquanto a onda passava infinitamente além de mim. Tudo o que pude fazer foi observar do meu ponto de vista cada vez mais alto enquanto a explosão limpava o deserto e rachava o mundo até o seu núcleo. A onda violeta varreu Sapin em seguida, e então achatou as Grandes Montanhas. Logo, toda Dicathen desapareceu, perdida sob o oceano violeta.

Eu flutuava livre da erupção, cada vez mais alto, observando o éter engolir os oceanos e depois Alacrya antes de se derramar livremente no vazio do espaço além. 

— O movimento da ordem para a desordem, da forma para a ausência de forma. A dissolução da estrutura. Entropia. — A voz projetada mentalmente de Sylvie estava oca. — A progressão natural de todas as coisas.

Haneul se foi, mas a forma entrelaçada do Destino ainda flutuava comigo.

— Isto é liberdade. É a ausência de restrições. É aqui que seu caminho o leva, Arthur/Grey. Você é a chave.

Virei-me para a figura semelhante a uma boneca, meus movimentos lentos, minha expressão assombrada.

— Todos aqueles momentos em que você me cutucou e provocou, certificando-se de que as coisas saíssem do jeito certo. É para isso que tudo isso foi feito, o que você está tentando fazer?

— Arthur, destruidor de seu mundo, ou guardião do universo? — Regis pensou de forma sombria. — Isso coloca as coisas em uma perspectiva interessante, não é?

O rosto inexpressivo do aspecto me considerou sem emoção.

— O vento não busca derrubar a árvore. As ondas do mar não conspiram para desgastar a face do penhasco. O estado atual da realidade é contrário à progressão natural deste mundo. No momento em que seu espírito entrou em seu corpo, você se tornou o instrumento pelo qual isso seria corrigido.

Acenei fracamente para o planeta destruído, ainda cercado pela onda de éter em constante expansão.

— Mas isso? Como isso é melhor do que o que Kezess ou Agrona fizeram? — Levantei as mãos, quase dominado pelo desespero. E por baixo, uma raiva crescente. — Não. Não, este não é o futuro. Eu nego. Eu recuso.

— É claro — disse o aspecto do Destino, com uma fraca luz dourada cintilando ao longo dos fios que uniram sua forma. — Atualmente, este é o único caminho a seguir. E você perceberá isso com o tempo. Não há limite para o número de vezes que podemos ter esta conversa. Eventualmente, você viverá a sequência perfeita de eventos que lhe permitirá ver a verdade.

Fiquei boquiaberto.

— Se eu nunca sair da pedra-chave, não posso destruir o mundo. — Minha expressão se endureceu em um olhar feroz. — Se necessário, ficarei aqui para sempre. A dimensão de bolso que me prende eventualmente entrará em colapso, e meu corpo vai se decompor e morrer, ou Agrona me encontrará e me matará.

— As possibilidades são infinitas. — O brilho cintilava no rosto inexpressivo da figura, que não pude deixar de pensar estar sorrindo para mim. — Mas todas as eventualidades levam à quebra da barreira e à libertação do éter de volta ao reino físico. E em todas as versões, você é a lança que rompe o cisto.

— Não tem com ele saber disso — pensou Sylvie.

— Espaço, tempo, vida. Juntos, esses aspectos do éter produzem o Destino. E o Destino é o ato de conhecer, de alinhar exatamente assim — respondeu o aspecto. — Se eu sei, é só porque o mundo não poderia ser de outra forma.

Regis zombou, o barulho passando por mim como um arrepio nas minhas costas.

— Que besteira. Pura conversa fiada. Talvez os pedaços que se coagularam para formar o Destino costumavam estar vivos, mas este porta-voz, este aspecto do Destino, não entende os vivos — acrescentou Regis.

 Ele enxerga através do tempo e do espaço como olhamos através de uma sala — disse Sylvie, continuando com o pensamento de Regis. — Quantos milhões, ou bilhões, talvez, de vidas vividas e encerradas se uniram para formar o Destino? Pode ser capaz de ver para frente e para trás no tempo para estudar causa e efeito, mas não entende motivação, e não pode reconhecer a singularidade de cada ser. Para algo que passou por tantas mortes, tantas perdas, nós, e nosso mundo inteiro, somos muito pequenos.

O espírito prateado se libertou do meu peito antes de se manifestar ao meu lado.

— Destruir toda a vida deste mundo é uma parte necessária para que tudo volte ao normal? — perguntou Sylvie.

— Não, não é necessário. É natural. É inevitável. Isso… não é importante.

— Você viu todos os futuros, todas as possibilidades? — perguntou Regis, sua projeção mental se voltando diretamente para o aspecto do Destino.

— O Destino são todos os futuros, todas as possibilidades — respondeu calmamente.

Abaixo de nós, o mundo desapareceu. Qualquer conexão que ligasse Dicathen a Epheotus havia desaparecido. A sopa etérea escondia as estrelas distantes, o sol e a lua, tornando o céu indistinguível do reino etéreo.

— Mas você não é infalível —, eu disse com a voz suave, minha atenção voltada para dentro enquanto lutava por algum contraponto. Independentemente do que tinha dito, não tinha intenção de ficar trancado para sempre dentro da pedra-chave. — Você não consegue ver tudo… ok, talvez você possa, mas não consegue entender tudo o que vê. Quando cheguei, você confundiu as memórias armazenadas dentro daquele cristal com as minhas. — Minhas palavras vieram mais rápido à medida que eu continuava falando. — Você pensou que esse Haneul, um antigo djinn que morreu muito antes de eu reencarnar neste mundo, era de alguma forma meu amigo, mesmo que eu nunca tivesse visto ou ouvido falar dele.

O brilho cintilava esporadicamente ao longo do corpo enovelado em fios. — A infalibilidade não é um componente necessário para o sucesso em alcançar um estado de equilíbrio natural. O fracasso na ação é como o mundo evolui, um componente natural da decadência entrópica.

Fechei os olhos e pressionei as palmas contra eles em frustração. A conversa era irritante. Tinha que haver um caminho a seguir, mas…

Ofeguei, a realização me atingiu como água gelada. Estávamos parcialmente no reino físico e eu tinha conseguido, sem esforço, alcançar minhas runas divinas.

O éter saiu do meu núcleo e viajou pelos canais que eu havia forjado nos poços de lava das Relictombs nas minhas costas, imbuindo a runa lá.

Minha mente ganhou vida, meu foco se dividiu em várias direções fragmentadas ao mesmo tempo. Gambito do Rei. A fadiga e a névoa mental que eu tinha experimentado anteriormente tinham desaparecido. Estava perto o suficiente do meu corpo para utilizar a runa divina normalmente. Imediatamente, minha mente começou a analisar vários argumentos possíveis ao mesmo tempo, livrando-se da raiva, frustração e consternação que tinha sentido e se envolvendo no conforto frio da razão e das evidências factuais.

Um único fio de ouro seguia cada pensamento. Em cada consideração, o Destino estava lá, observando a linha de pensamento se desenrolar. Não importava quantos pensamentos eu tivesse ao mesmo tempo, os fios do Destino estavam entrelaçados em cada um deles.

Havia uma sequência necessária para os eventos, então os organizei na ordem necessária quando comecei a tentar resolver cada etapa. No entanto, como os caminhos etéreos que se conectavam dentro e através do reino físico e do vazio etéreo, cada etapa se conectava à próxima em um ciclo. Eu não conseguia atingir nenhum objetivo individual, como escapar da pedra-chave com um insight do Destino, sem saber como realizar o que veio antes e depois.

Os fios dourados agiam como uma bússola. Em vez de o Destino examinar meus pensamentos, eu usava esses fios do Destino para puxar quadros individuais da minha própria mente dividida para frente ou para trás no tempo, não apenas considerando as muitas possibilidades, mas procurando ativamente por elas usando a capacidade da pedra-chave de forjar mundos e linhas do tempo inteiras.

Nos muitos holofotes do olho da minha mente, vi dezenas, até centenas, de conversas possíveis com o Destino se desdobrarem, reproduzindo cada uma simultaneamente e em sua totalidade. Também manifestei mentalmente batalhas tanto contra Agrona, quanto Kezess, buscando um plano eficaz para eliminá-los do mundo sem destruí-lo no processo. Para sequer considerar a possibilidade de aliviar a pressão do reino etéreo e realinhar nosso mundo em sua trajetória adequada de crescimento, era essencial encontrar uma solução para o desafio que Agrona e Kezess apresentavam. Isso se devia ao fato de que qualquer tentativa nesse sentido dependia inteiramente dos desfechos dos dois eventos iniciais. Apesar de meus melhores esforços para explorar possíveis soluções para a liberação do éter, os resultados de qualquer sequência específica de causa e efeito foram dramaticamente alterados pela forma como resolvi as situações anteriores, criando um ciclo de destruição sem fim no qual até o Gambito do Rei se esforçou para encontrar significado.

Não havia a sensação de uma passagem de tempo, apenas o desdobramento de muitas possibilidades.

Foi só com o toque de um dedo em meu rosto que voltei a mim, separado da sequência cada vez maior e mais ramificada das minhas muitas linhas de pensamento díspares.

Sylvie estava pairando no vazio à minha frente. Ela olhou para sua mão, que estava manchada de sangue. Lambi os lábios e senti o gosto de sal e ferro.

— Arthur, seu nariz… — disse Sylvie um momento depois.

Tentei concentrar o éter em direção ao nariz sangrando. Meu núcleo não respondeu.

Dezenas de ramos separados de pensamento colidiram uns com os outros, cada colisão enviando uma onda de dor através do meu crânio. Foi difícil reunir foco suficiente para olhar para dentro. 

Meu núcleo estava vazio, o resto do meu éter queimando como combustível em minhas runas divinas, todas as quais brilhavam quentes e douradas nas minhas costas.

Meus olhos piscaram, e senti meu corpo ceder. Um braço forte me envolveu, me segurando no lugar apesar de estarmos flutuando livremente no vazio. 

— Ei, chefe, você precisa absorver um pouco desse éter — encorajou Regis, com sua mente brilhante e desperta enviando brasas quentes de dor pela base do meu crânio.

 — Ele não consegue… — O medo de Sylvie enviou tremores pela minha espinha. — É seu verdadeiro núcleo que está vazio!

Seus pensamentos entravam e desapareciam. Eu não conseguia processá-los, não conseguia acompanhar quais pensamentos eram meus ou deles. O Gambito do Rei ainda estava ativo? Meu cérebro parecia ter sido cortado em cem pedaços, como aquelas antigas exibições científicas na Terra que eram apenas fatias finas de uma pessoa, cada camada prensada em vidro e lançada para o mundo ver…

O mundo não podia ver meu cérebro, mas os fios do Destino sim. O Destino esteve comigo, emaranhado em cada curso considerado, em cada sequência de eventos teorizada. Aqueles fios dourados entrelaçados estavam em cada pensamento ramificado que eu tive.

Os fios dourados não eram a bússola, pensei com o último resquício de sentido que tinha. Eu era a bússola.

A escuridão me tomou, engolindo minha mente e meus pensamentos, e até mesmo os fios dourados entrelaçados.

Através das pálpebras fechadas dos meus olhos, dentro do vasto vazio negro, um pequeno ponto de luz apareceu à distância. A luz se aproximou, ficou mais brilhante, e então se transformou em um brilho intenso, forçando-me a fechar os olhos. Sons indiscerníveis atacaram meus ouvidos. Quando tentei falar, as palavras saíram como um grito.


Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

4.9 43 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
85 Comentários
Mais recente
Mais Antigo Mais votado
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Gois
Visitante
Gois
10 dias atrás

Spoiler
É senhores Nico foi de base…

Última edição 10 dias atrás por BanKai
Guilherme
Visitante
Guilherme
10 dias atrás
Resposta para  Gois

Não da spoiler pô

Gois
Visitante
Gois
10 dias atrás
Resposta para  Guilherme

Rapaz eu tentei marcar como spoiler, mas fico marcado deste jeito aí.
Mas não se preocupe, não é certeza se foi de base mesmo.

GutoD
Membro
Guto
2 dias atrás
Resposta para  Gois

O spoiler foi retirado e dps o cara ainda comenta que é provavel alguém ter ido de base. Meu Cristo. SEM SPOILER!!!!!!!!!! CACETEEEEEE. Coringuei aqui, pqp.

GutoD
Membro
Guto
2 dias atrás
Resposta para  Guto

Agora vou tentar tankar ler próximo capítulo com a insurpotável da Tessia num POV brochante da Cecilia. Isso com a informação que alguém supostamente morreu. Aí vai ficar martelando meu cérebro 3x, pq além de ter que aguentar as duas chatas ainda vou conviver com o fato de alguém poder ter morrido. Não voltem nos capítulos pra falar nada. PQP

Antônio Icaro
Visitante
Antônio Icaro
10 dias atrás

Destino totalmente certo, o curso natural das coisas é o nada(entropia), sinceramente eu deixaria as coisas seguirem como devem ser naturalmente, negar o fim é a msm coisa que negar o tempo e sua direção.

Shelton
Visitante
Shelton
10 dias atrás

A que horas costumam sair os capítulos?

Gois
Visitante
Gois
10 dias atrás
Resposta para  Shelton

Aqui vai sair lá pras pras 23 horas.

Papai Lule
Visitante
Papai Lule
12 dias atrás

Proximo cap.. pov do virion kkkk

Deus Homem
Visitante
Deus Homem
12 dias atrás

pelo que eu entendi, o Arthur vai ter que virar um Deus pra parar a destruição do mundo, ele vai se tornar onipotente, podendo controlar o destino do mundo literalmente

Última edição 12 dias atrás por Deus Homem
⦕ Lok1 ⦖D
Membro
⦕ Lok1 ⦖
14 dias atrás

Então o Arthur deu uma de Loki e morreu tentando achar uma saída na infinidade de possibilidades. Tô achando que no final o Arthur vai tomar o lugar dos dragões e vai ter que sustentar o mundo pra livrar ele da prisão e da entropia ou algo de tipo, como o Loki fez.

MATHEUS MARTINS DO NASCIMENTO
Membro
MATHEUS MARTINS DO NASCIMENTO
13 dias atrás
Resposta para  ⦕ Lok1 ⦖

Tipo o rei das almas em bleach né? Pelo menos eu imaginei uma coisa assim

Wesley LimaD
Membro
Wesley Lima
14 dias atrás

Nnnnnnnnnnnn dnvo nnnnnnnnnn

eric araujo
Membro
eric araujo
14 dias atrás

nao entendi o final, ele destruiu o proprio corpo fisico na tentativa de encontrar um fio de “esperaça” e com isso teve sua conciencia projetada para o dia de seu nascimento fora da pedra chave? foi isso mesmo?

Gois
Visitante
Gois
14 dias atrás
Resposta para  eric araujo

Não, ele estava tão freneticamente procurando um destino melhor, que acabou morrendo ao usar o Gambito do Rei sem controle.
Então quando ele morre, ele volta para o dia que nasceu neste mundo denovo, dentro da pedra ainda para começar tudo denovo.

Última edição 14 dias atrás por Gois
Inari
Visitante
Inari
5 dias atrás
Resposta para  Gois

Valeu man, eu também não tinha entendido o final 👍

Inari
Visitante
Inari
14 dias atrás

Eu não entendi poha nenhuma, mas ao mesmo tempo tudo faz sentido agora…

Pqp

Inari
Visitante
Inari
14 dias atrás
Resposta para  Inari

Pelo o que eu entendi, o curso natural do mundo é a entropia, ou seja, a desordem e destruição.

Kezess provavelmente descobriu sobre esse destino do mundo enquanto estudava sobre o éter, então ele resolveu impedir a destruição iminente.

Para isso, ele começou a destruir todas as civilizações que avançavam demais, para que o mundo se mantenha nesse estado de estagnação, assim, ninguém avança demais, e o mundo não se destrói.

Mas, se o Arthur tirar o mundo das mãos do Kezess, o mundo vai voltar ao ciclo natural, a entropia, e por fim, vai se destruir por completo.

Agora nosso menino Art vai ter que encontrar uma forma de tirar o mundo da estagnação sem que tudo se destrua no final, foda 👍

Gois
Visitante
Gois
15 dias atrás

É meus amigos, nosso velho Kezess é o moçinho da história, realmente querendo preservar a vida. E nosso amigo Art vai ter se virar vilão.

———

Obs: Sabemos que o Arthur vai dar um jeito de ele mudar este destino.

RUAN MATHEUS DA SILVA SANTOS
Visitante
RUAN MATHEUS DA SILVA SANTOS
15 dias atrás
Resposta para  Gois

Claramente o Art vai moldar o mundo de um jeito diferente do que o destino quer.

ꓷၜȋၜꓓD
Membro
ꓷၜȋၜꓓ
13 dias atrás
Resposta para  Gois

Não sei porque estou sentindo que o “Destino” de certa forma está testado e forçando ele a criar uma Solução/Godrunes para esse problema que o Mundo dele detém.
Que ele dê um jeito de mudar isso, entende? Acho que é isso, não sei, posso ta errado.

JONAS
Visitante
JONAS
10 dias atrás
Resposta para  ꓷၜȋၜꓓ

O universo trabalha para que tudo naquilo que vc crê de certo.

Antônio Icaro
Visitante
Antônio Icaro
10 dias atrás
Resposta para  Gois

“mocinho” BEM entre aspas

JonyZauro
Visitante
JonyZauro
15 dias atrás

Acho que entendi.

O ciclo natural do Mundo é a vida nascer se desenvolver, no ciclo de vida e morte o Éter sobe e se concentra até que o Mundo evolui a um ponto onde ele se destrói e recomeça, isso é um ciclo de nada e existência, vazio e tudo, vida e morte para o Mundo, onde tudo é literalmente irrelevante pois o aspecto do Destino molda tudo num Ciclo, todas as vidas que morreram se aglutinaram em sabedoria e percepção numa consciência seletiva que criou uma consciência apática e fria que só vive pelo ciclo, porém, acho que os Dragões no seu estudo sobre o Ether descobriram o Ciclo, pois nesse capítulo foi mostrado como que mesmo sendo quase todo poderoso, o destino não é infalível, com isso, os dragões estão impedindo a evolução das civilizações, impedindo a evolução da sabedoria do Ether que sobre depois da morte, não só isso, como eles destruindo todas as civilizações evoluídas que em suma apenas aproximam o Mundo do seu fim, eles também estão enviando o Ether para um caminho não natural, criando esse Mundo Etérico onde o Ether das pessoas que morreram e foram manipuladas pelos Asuras se concentrou da maneira não natural que Haneul apontou, isso impede do Mundo ser varrido e recomeçar do Zero, isso deve ter sido o que Agrona descobriu e o que o enlouqueceu, tanto Kezess quanto Agrona desejam impedir isso, só que em sua loucura e megalomania, ambos não enxergam o resto e ficam no seu próprio método, Kezess quer manter tudo nessa estagnação onde o Mundo não irá acabar, impedindo o Ciclo de continuar nesse Mundo onde nada é permitido evoluir, Agrona, no entanto, deseja superar o Ciclo com uma evolução não natural, achando novos poderes, entendendo o Éter e a Mana e os manipulando para mudar o Destino, diferente de Kezess e Arthur que compreenderam o Destino como Vida, Tempo e Espaço, Agrona vê uma forma de destino com Grey, Cecília e Nico, pois ele descobriu os outros Mundos, o que são esses outros Mundos, são realidades paralelas que no fim são regidas pelo Éter, ou são algo separado? No Mundo de TBATE, a Mana e o Éter são forças que convivem e interagem, Arthur é capaz de influenciar a Mana com o Éter e Cecília é capaz de influenciar o Éter com a Mana, Éter é o remanescente de uma existência morta, é o vazio que existe antes do começo e é o Vazio que existe depois do fim, então o que é a Mana? Mana e Éter no fim são o que moldam o Mundo, mas o que é a Mana? Éter é o Tempo, o Espaço e a Vida, mas e a Mana? Fogo? Fogo é vida, agua, terra, vento, tudo isso vem dos aspectos do Éter, mas se Mana nasce do Éter, por que ela é capaz de o influenciar num mesmo nível? Se o Éter é o Vazio que vem antes e depois, a Mana é o Tudo que existe entre eles? Ela é a substância das coisas? Por isso que Mana em si não tem uma consciência completa como o Éter, pois a consciência que ela recebe é do que é vivo e quando os vivos morrem ela vira o Éter? Então quando algo nasce, Éter vira Mana, quando algo morre Mana vira Éter? Mas o Éter ainda se acumula para destruir e reiniciar o Mundo, então a pergunta continua, o que é a Mana nesse ciclo? Da forma que Cecília a fez agir, sabemos que a Mana pode afetar o Éter, não só isso, como a Mana também ouve e treme junto do Arthur diversas vezes, como na morte do Rey, talvez a Mana seja tudo que é vivo, os vivos não são intragigentes como os Mortos, então a Mana não se forma numa consciência… Não dá pra explicar só com o que a gente sabe, mas podemos afirmar que a Teoria que o Éter seria o Copo e a Mana seria a Água e que esse modelo molda o Mundo tá errada, totalmente errada, parece ser algo como o Ying e Yang, mas também é uma dualidade diferente, onde ao invés dos dois aspectos serem opostos, dependentes e conflitantes na Origem um do outro, a Mana existe no Éter e o Éter existe com a Mana, tudo isso me leva a crer que mesmo que tudo que ele tenha feito esteja errado, Agrona estava certo, Cecília é a Chave.

Se o Mundo anterior do Arthur for um dos Mundos que veio antes desse durante o Ciclo das Existências, então o Legado foi um dos erros do Destino, permitir que mesmo aqueles que não são os escolhidos do Destino para mover os fios da existência ter poder supremo é inaceitável, mas Agrona perseguiu este poder, porém naquele Mundo não existe Mana, existe Ki, Ki é de fato a energia do Espírito e da Vida das pessoas daquele Mundo, só que diferente da Mana, também tendo o fato que Mana e Éter existe um pelo outro e um com o outro, seria impossível a Mana, que eu suponho ser o “Meio” de tudo não existir nesse modelo, então prefiro pensar que é um Mundo Paralelo. Seguindo esse pensamento, vemos a Cecília, aquela que possuí o Legado do Poder Espiritual Supremo, o Ki sendo Poder Espiritual e a Mana sendo o “Meio” entre o “Vazio do Começo” e o “Vazio do Fim” sendo a vida entre a morte e o nascimento, então ela ser capaz de manipular de uma forma toda poderosa o espírito a permite ser toda poderosa na Mana, assim, este poder de outro Mundo é o que pode superar o Destino, a Mana é a vida, é mudança e o contrário do Éter que vem no Fim e no Começo, as mentes do Éter são intragigentes pois são os mortos, o Conhecimento é agregado, mas as emoções e o processo de se viver não é, a própria Sylvie disse, morais, vidas, emoções e valores são insignificante para o Aspecto do Destino que é basicamente a Pedra Angular do Mundo, o Destino é basicamente todos que já morreram e vão morrer, todos os destinos se juntaram neste aspecto consciente e intragigente num processo Cíclico de Vida e Morte, Nada e Existência, Vazio e Tudo. A Mana pode ser capaz de influenciar o Éter num novo destino, ou numa nova ordem Mundial, o Éter é capaz de alterar a Mana e se Mana ser capaz de alteraram o Éter? Ela é! Teoricamente, a Mana pode mudar o que é Vida e Morte, Espaço e Tempo e por paradoxo mudar a si mesma. As possibilidades são infinitas, é literalmente impossível prever o que vai acontecer.

Cecília tem a compreensão e poder supremo sobre a Mana, Arthur tem a compreensão e poder quase supremo sobre o Éter, mas e o Nico? Nico tem algo especial pois ele sempre conseguiu entender qualquer coisa, ele entendia sobre o Ki e a tecnologia até melhor que Grey, não só isso como ele tem estudado Mana e Éter e seu relacionamento de uma forma que Arthur não é capaz mesmo com muito mais recursos, mesmo que Nico não tenha o que é preciso para passar pela compreensão que Arthur passa, ele ainda é provavelmente o ser vivo mais inteligente num âmbito acadêmico, mesmo contando o Wrein e o Guideon, os dois inventores são capazes de criar quase tudo que o poder permite, mas eles conseguiriam criar uma arma que te permite controlar todos os Quatro Elementos em pouco tempo como o Nico fez? Não, no atual estado deles não, Nico é capaz de compreender as coisas coeficientes melhor que qualquer um, Kezess entende tudo que já existe melhor que qualquer um enquanto Agrona é o que mais conhece as possibilidades de tudo, Arthur é o único capaz de compreender o Éter, pois o Destino manipulou tudo para ser assim, Cecília é a única capaz de entender a Mana pois o poder que a permite fazer isto veio de um Mundo diferente, assim podemos imaginar que a compreensão da Existência e da Não Existência que vem dos dois pode ser balanceada e direcionada pelo entendimento que Nico tem de todo o resto, aplicar algo contável nas forças primordiais de tudo talvez o permita os influenciar, como a humanidade que nasceu temendo a eletricidade e então aprendeu a controla- lá.

Mas acho que caso qualquer hipótese minha esteja certa, não terminaria com os reencarnados meramente se unindo para alterar o Destino, pois eles teriam que fazer isso com inteligência, mas isso o Arthur tem no Gambito do Rei, essa Runa acelera seus pensamentos, desliga suas emoções e o faz se concentrar de maneira que ele possuí um raciocínio supremo, mesmo assim, ele esgotou o seu núcleo de Éter de Três Camadas tentando pensar em como burlar tudo isso, mas mesmo assim não conseguiu, então acho que no fim, emoções são o que importam para a mudança, para afetar a intragigência do Éter, os vivos, a Mana, deve interagir não da forma como vimos agora, mas de uma forma igual, toda a vida e emoção da Mana interagir com todo o nada e apatia do Éter, pois foi dito que o Éter vê Arthur como um Parente, então as emoções vivem lá, no Destino elas não existem, mas o Ether pode ir além disso, Feyrith, aquele que mais admirava Arthur está no Ether, Cynthia, a primeira que viu Arthur como aquele que mudaria tudo sem ser guiada pelo Éter como Sylvia e Rinia, está no Éter, Reynolds está no Eter, o pai que superou todos os conflitos pois amava seu filho genuinamente, sendo que este capítulo mostrou que última preocupação que o Rey teve em vida foi com o Art, então as pessoas, a Ellie, a Caera, o Virion, todos eles devem ir ao Éter como vivos, as emoções da vida devem interagir com as emoções da morte, também mantendo as emoções daqueles capazes de atingir o destino, Arthur com sua Família e amigos, Sylvie com Arthur, Regis com Arthur e Caera, Nico está começando a lembrar de como era quando Elijah e está enxergando sua vida com Grey e Arthur sem o viés das mentiras de Cecília e da manipulação de Agrona, tanto que ele percebe que grande parte de seu sofrimento vem do fato de que ele não apenas perdeu Cecília em sua vida passada, ele perdeu o Grey, assim tanto Cecília quanto Arthur podem ser a sua âncora, não só eles, mas seus amigos que ele fez como Elijah, tanto os Leywins quanto os Helsteas adotarsm Elijah, os Glayders, Guideon, Emily, quem sobrou do Comitê Disciplinar, eles foram os único, ÚNICOS, amigos e companheiros que ele fez fora Grey e Cecília em suas duas vidas, ele tem que ver isso, Cecília não tem nada que a prenda fora Nico, mas há muitas coisas que prendem Tessia, seus amigos da Acadêmia, Virion e o Arthur, seu senso de dever com os elfos também, todos os personagens tem tantas possibilidades de desenvolvimentos, é lindo cara, todos podem ser importantes, todos perderam muito, muito, muito e muito, mas eles ainda tem tanta coisa, Arthur sofreu como um condenado, mas ele tem a sua Mãe, tem a sua Irmã, ele tem a sua Filha, ele tem o seu filho, ele tem seus amigos, ele tem seus companheiros, ele pode conseguir de volta o irmão que ele perdeu (Nico), imagina os outros, Nico nessa vida pode ter mais do que ele podia sonhar na vida anterior, uma família, amigos e seus companheiros, Cecília também, até mesmo os outros personagens, a Sylvie tem tanta coisa, o Regis tem tantas pessoas, Chul, Bairon, Ellie, Tessia, Virion, todas essas pessoas perderam as coisas que definiram o começo de suas vidas, mas e daí? Eles todos ainda são abençoados com pessoas para amar e admirar, todos eles viraram pessoas melhores, todos podem seguir e virar mais, então por que o Éter que é tudo que já morreu não vê isso? Eu quero eu preciso ver o desenrolar dessa história, pode não ser como estou esperando, mas vou gostar com certeza, vou chorar com certeza, meu Deus, essa obra tá no meus too coisas favoritas agora, essa madrugada onde estou lendo este capítulo mudou a minha forma de pensar sobre obras, sobre personagens, eu to com os olhos marejados só de pensar em tudo que pensei, como qualquer personagem pode ser importante nessa história, porra, até a Emily pode mudar a porra do curso do Mundo, meu Deus, que foda, os conflitos e conceitos são tão legais e tem tanto potencial, estou eufórico e elétrico, meu Deus do Céu.

Muito obrigado

Inari
Visitante
Inari
14 dias atrás
Resposta para  JonyZauro

Obrigado por explodir minha mente 👍

MagiD
Membro
Magi
9 dias atrás
Resposta para  JonyZauro

Eu que agradeço. Um é tudo e tudo é um. E o um é vazio.

Joao
Visitante
Joao
15 dias atrás

Acho que o art descobrindo que é a própria bússola me faz pensar que o fato da própria pedra-angular ter deixado claro que a realidade dele –fora dela– é a única possível e reforçada pelo próprio gambito do rei, com base nas possibilidades baseadas no destino por tudo que ele tenta fazer diferente sempre acarretar na destruição do mundo, e ele sendo a própria bússola, me faz lembrar da frase de sirys de que ele “molda o mundo ao seu redor” ganharem novos tons, já que ele é o próprio caminho pra algo diferente de um destino pré-determinado, onde ele seria o “escolhido”, mas ao mesmo tempo a consciência do destino não sabe a própria vontade e as intenções do ART uma vez que ela ainda não faz parte do “destino”, e o própria destino fala de essa ser a “única possibilidade agora” por ele não saber o que o art deseja nem o proprio caminho dele. Entao acho veremos uma nova possibilidade pros acontecimentos fora das possibilidades do próprio destino, algo novo e exclusivo de um ser “destinado” a mudar o mundo.

Última edição 15 dias atrás por Joao
Messias
Visitante
Messias
15 dias atrás

Vai terminar igual a série do Loki. Art liberando o Ether e virando um Deus que segura o tecido da realidade pra ele não colapsar.

Drakkon
Visitante
Drakkon
15 dias atrás

Só eu que não entendi nada do que rolou aqui

Vitor-samaD
Membro
Vitor-sama
15 dias atrás

O éter simplesmente destruir o mundo é meio sem nexo, ent a terra anterior de grey deveria ser destruída tbm. O q eu entendi é que o éter vem sendo retirado do mundo físico e jogado em outra dimensão e em epheotus, o que produz uma espécie de Pressão Etérica, devido todo esse éter acumulado, além disso, a destruição dessas dezenas talvez milhares de civilizações, mostra q já se passaram centenas de milhares de anos e talvez até milhões de anos desde a ascensão dos asuras para Efeo, ent há muito éter acumulado. Pra mim, se o éter viesse tendo seu curso correto, várias civilizações desenvolvidas no nível dos asuras poderiam resolver esse problema, cada ser tem tem éter acumulado nele, ent muitos seres poderiam aglutinar e até gastar juntos uma grande quantidade de éter, mas os dragões preferiram a destruição massiva dessas civilizações causando cada vez mais um aumento desse éter preso, e quando ele for liberado, tudo vai ser destruído. Eu acho q essa destruição só vai ocorrer por causa dessa grande quantidade presa, pq n faz sentido um mundo simplesmente colapsar sem mais nem menos, a não ser bilhões de anos depois da sua formação

kaue
Visitante
kaue
15 dias atrás

resumindo pra quem não entendeu: no fim, o “vilao” é o art.

Última edição 15 dias atrás por kaue
Gois
Visitante
Gois
16 dias atrás

Mano pelo que eu entendi, quando os Asuras levaram a terra deles para outro lugar eles quebraram o ciclo correto.
O ether está vazando para a fenda deles, coisa que não deveria. Então o destino está falando que o Arthur tem que desfazer a fenda, e liberar a terra dos Asuras e fazendo isso vai destruir todos no mundo, para começar tudo denovo, da forma correta agora.

Arthur Leywin's version ⚔️
Membro
Arthur Leywin's version ⚔️
16 dias atrás

Meus neurônios foram queimados, minha mente explodiu

Johnny
Visitante
Johnny
16 dias atrás

Muita coisa ficou confusa nesse capítulo,tipo essa parte dos dragões destruindo as civilizações, deu a entender que essas civilizações poderiam ser capazes de libertar o éter e assim destruir o mundo, mas quem contou isso para os dragões, então se eles não tivessem separado o éter, o mundo seria destruído? Enfim ficaram mais perguntas do que respostas kkk

Última edição 16 dias atrás por Johnny
Geovane
Visitante
Geovane
16 dias atrás
Resposta para  Johnny

O Ether é como se fosse a alma de uma pessoa, no próprio capítulo fala, não é que eles conseguem manipular Ether, os dragões são só um bando de fdp que saem destruindo tudo que eles não gostam

Pedro Henrique
Membro
Pedro Henrique
15 dias atrás
Resposta para  Geovane

Discordo parcialmente, segundo o último diálogo que Arthur teve com Kezess. O dragão disse: “tudo o que fiz, foi para proteger esse mundo”. Além disso, o aspecto do destino fala que o Éter está preso por “mãos escamosas”. Você pode julgar todos os atos hediondos dos dragões, mas você tem que reconhece que a presença dos dragões é um empecilho para a aniquilação do mundo pelo éter.

JonyZauro
Visitante
JonyZauro
15 dias atrás
Resposta para  Johnny

Acho que entendi.

O ciclo natural do Mundo é a vida nascer se desenvolver, no ciclo de vida e morte o Éter sobe e se concentra até que o Mundo evolui a um ponto onde ele se destrói e recomeça, isso é um ciclo de nada e existência, vazio e tudo, vida e morte para o Mundo, onde tudo é literalmente irrelevante pois o aspecto do Destino molda tudo num Ciclo, todas as vidas que morreram se aglutinaram em sabedoria e percepção numa consciência seletiva que criou uma consciência apática e fria que só vive pelo ciclo, porém, acho que os Dragões no seu estudo sobre o Ether descobriram o Ciclo, pois nesse capítulo foi mostrado como que mesmo sendo quase todo poderoso, o destino não é infalível, com isso, os dragões estão impedindo a evolução das civilizações, impedindo a evolução da sabedoria do Ether que sobre depois da morte, não só isso, como eles destruindo todas as civilizações evoluídas que em suma apenas aproximam o Mundo do seu fim, eles também estão enviando o Ether para um caminho não natural, criando esse Mundo Etérico onde o Ether das pessoas que morreram e foram manipuladas pelos Asuras se concentrou da maneira não natural que Haneul apontou, isso impede do Mundo ser varrido e recomeçar do Zero, isso deve ter sido o que Agrona descobriu e o que o enlouqueceu, tanto Kezess quanto Agrona desejam impedir isso, só que em sua loucura e megalomania, ambos não enxergam o resto e ficam no seu próprio método, Kezess quer manter tudo nessa estagnação onde o Mundo não irá acabar, impedindo o Ciclo de continuar nesse Mundo onde nada é permitido evoluir, Agrona, no entanto, deseja superar o Ciclo com uma evolução não natural, achando novos poderes, entendendo o Éter e a Mana e os manipulando para mudar o Destino, diferente de Kezess e Arthur que compreenderam o Destino como Vida, Tempo e Espaço, Agrona vê uma forma de destino com Grey, Cecília e Nico, pois ele descobriu os outros Mundos, o que são esses outros Mundos, são realidades paralelas que no fim são regidas pelo Éter, ou são algo separado? No Mundo de TBATE, a Mana e o Éter são forças que convivem e interagem, Arthur é capaz de influenciar a Mana com o Éter e Cecília é capaz de influenciar o Éter com a Mana, Éter é o remanescente de uma existência morta, é o vazio que existe antes do começo e é o Vazio que existe depois do fim, então o que é a Mana? Mana e Éter no fim são o que moldam o Mundo, mas o que é a Mana? Éter é o Tempo, o Espaço e a Vida, mas e a Mana? Fogo? Fogo é vida, agua, terra, vento, tudo isso vem dos aspectos do Éter, mas se Mana nasce do Éter, por que ela é capaz de o influenciar num mesmo nível? Se o Éter é o Vazio que vem antes e depois, a Mana é o Tudo que existe entre eles? Ela é a substância das coisas? Por isso que Mana em si não tem uma consciência completa como o Éter, pois a consciência que ela recebe é do que é vivo e quando os vivos morrem ela vira o Éter? Então quando algo nasce, Éter vira Mana, quando algo morre Mana vira Éter? Mas o Éter ainda se acumula para destruir e reiniciar o Mundo, então a pergunta continua, o que é a Mana nesse ciclo? Da forma que Cecília a fez agir, sabemos que a Mana pode afetar o Éter, não só isso, como a Mana também ouve e treme junto do Arthur diversas vezes, como na morte do Rey, talvez a Mana seja tudo que é vivo, os vivos não são intragigentes como os Mortos, então a Mana não se forma numa consciência… Não dá pra explicar só com o que a gente sabe, mas podemos afirmar que a Teoria que o Éter seria o Copo e a Mana seria a Água e que esse modelo molda o Mundo tá errada, totalmente errada, parece ser algo como o Ying e Yang, mas também é uma dualidade diferente, onde ao invés dos dois aspectos serem opostos, dependentes e conflitantes na Origem um do outro, a Mana existe no Éter e o Éter existe com a Mana, tudo isso me leva a crer que mesmo que tudo que ele tenha feito esteja errado, Agrona estava certo, Cecília é a Chave.

Se o Mundo anterior do Arthur for um dos Mundos que veio antes desse durante o Ciclo das Existências, então o Legado foi um dos erros do Destino, permitir que mesmo aqueles que não são os escolhidos do Destino para mover os fios da existência ter poder supremo é inaceitável, mas Agrona perseguiu este poder, porém naquele Mundo não existe Mana, existe Ki, Ki é de fato a energia do Espírito e da Vida das pessoas daquele Mundo, só que diferente da Mana, também tendo o fato que Mana e Éter existe um pelo outro e um com o outro, seria impossível a Mana, que eu suponho ser o “Meio” de tudo não existir nesse modelo, então prefiro pensar que é um Mundo Paralelo. Seguindo esse pensamento, vemos a Cecília, aquela que possuí o Legado do Poder Espiritual Supremo, o Ki sendo Poder Espiritual e a Mana sendo o “Meio” entre o “Vazio do Começo” e o “Vazio do Fim” sendo a vida entre a morte e o nascimento, então ela ser capaz de manipular de uma forma toda poderosa o espírito a permite ser toda poderosa na Mana, assim, este poder de outro Mundo é o que pode superar o Destino, a Mana é a vida, é mudança e o contrário do Éter que vem no Fim e no Começo, as mentes do Éter são intragigentes pois são os mortos, o Conhecimento é agregado, mas as emoções e o processo de se viver não é, a própria Sylvie disse, morais, vidas, emoções e valores são insignificante para o Aspecto do Destino que é basicamente a Pedra Angular do Mundo, o Destino é basicamente todos que já morreram e vão morrer, todos os destinos se juntaram neste aspecto consciente e intragigente num processo Cíclico de Vida e Morte, Nada e Existência, Vazio e Tudo. A Mana pode ser capaz de influenciar o Éter num novo destino, ou numa nova ordem Mundial, o Éter é capaz de alterar a Mana e se Mana ser capaz de alteraram o Éter? Ela é! Teoricamente, a Mana pode mudar o que é Vida e Morte, Espaço e Tempo e por paradoxo mudar a si mesma. As possibilidades são infinitas, é literalmente impossível prever o que vai acontecer.

Cecília tem a compreensão e poder supremo sobre a Mana, Arthur tem a compreensão e poder quase supremo sobre o Éter, mas e o Nico? Nico tem algo especial pois ele sempre conseguiu entender qualquer coisa, ele entendia sobre o Ki e a tecnologia até melhor que Grey, não só isso como ele tem estudado Mana e Éter e seu relacionamento de uma forma que Arthur não é capaz mesmo com muito mais recursos, mesmo que Nico não tenha o que é preciso para passar pela compreensão que Arthur passa, ele ainda é provavelmente o ser vivo mais inteligente num âmbito acadêmico, mesmo contando o Wrein e o Guideon, os dois inventores são capazes de criar quase tudo que o poder permite, mas eles conseguiriam criar uma arma que te permite controlar todos os Quatro Elementos em pouco tempo como o Nico fez? Não, no atual estado deles não, Nico é capaz de compreender as coisas coeficientes melhor que qualquer um, Kezess entende tudo que já existe melhor que qualquer um enquanto Agrona é o que mais conhece as possibilidades de tudo, Arthur é o único capaz de compreender o Éter, pois o Destino manipulou tudo para ser assim, Cecília é a única capaz de entender a Mana pois o poder que a permite fazer isto veio de um Mundo diferente, assim podemos imaginar que a compreensão da Existência e da Não Existência que vem dos dois pode ser balanceada e direcionada pelo entendimento que Nico tem de todo o resto, aplicar algo contável nas forças primordiais de tudo talvez o permita os influenciar, como a humanidade que nasceu temendo a eletricidade e então aprendeu a controla- lá.

Mas acho que caso qualquer hipótese minha esteja certa, não terminaria com os reencarnados meramente se unindo para alterar o Destino, pois eles teriam que fazer isso com inteligência, mas isso o Arthur tem no Gambito do Rei, essa Runa acelera seus pensamentos, desliga suas emoções e o faz se concentrar de maneira que ele possuí um raciocínio supremo, mesmo assim, ele esgotou o seu núcleo de Éter de Três Camadas tentando pensar em como burlar tudo isso, mas mesmo assim não conseguiu, então acho que no fim, emoções são o que importam para a mudança, para afetar a intragigência do Éter, os vivos, a Mana, deve interagir não da forma como vimos agora, mas de uma forma igual, toda a vida e emoção da Mana interagir com todo o nada e apatia do Éter, pois foi dito que o Éter vê Arthur como um Parente, então as emoções vivem lá, no Destino elas não existem, mas o Ether pode ir além disso, Feyrith, aquele que mais admirava Arthur está no Ether, Cynthia, a primeira que viu Arthur como aquele que mudaria tudo sem ser guiada pelo Éter como Sylvia e Rinia, está no Éter, Reynolds está no Eter, o pai que superou todos os conflitos pois amava seu filho genuinamente, sendo que este capítulo mostrou que última preocupação que o Rey teve em vida foi com o Art, então as pessoas, a Ellie, a Caera, o Virion, todos eles devem ir ao Éter como vivos, as emoções da vida devem interagir com as emoções da morte, também mantendo as emoções daqueles capazes de atingir o destino, Arthur com sua Família e amigos, Sylvie com Arthur, Regis com Arthur e Caera, Nico está começando a lembrar de como era quando Elijah e está enxergando sua vida com Grey e Arthur sem o viés das mentiras de Cecília e da manipulação de Agrona, tanto que ele percebe que grande parte de seu sofrimento vem do fato de que ele não apenas perdeu Cecília em sua vida passada, ele perdeu o Grey, assim tanto Cecília quanto Arthur podem ser a sua âncora, não só eles, mas seus amigos que ele fez como Elijah, tanto os Leywins quanto os Helsteas adotarsm Elijah, os Glayders, Guideon, Emily, quem sobrou do Comitê Disciplinar, eles foram os único, ÚNICOS, amigos e companheiros que ele fez fora Grey e Cecília em suas duas vidas, ele tem que ver isso, Cecília não tem nada que a prenda fora Nico, mas há muitas coisas que prendem Tessia, seus amigos da Acadêmia, Virion e o Arthur, seu senso de dever com os elfos também, todos os personagens tem tantas possibilidades de desenvolvimentos, é lindo cara, todos podem ser importantes, todos perderam muito, muito, muito e muito, mas eles ainda tem tanta coisa, Arthur sofreu como um condenado, mas ele tem a sua Mãe, tem a sua Irmã, ele tem a sua Filha, ele tem o seu filho, ele tem seus amigos, ele tem seus companheiros, ele pode conseguir de volta o irmão que ele perdeu (Nico), imagina os outros, Nico nessa vida pode ter mais do que ele podia sonhar na vida anterior, uma família, amigos e seus companheiros, Cecília também, até mesmo os outros personagens, a Sylvie tem tanta coisa, o Regis tem tantas pessoas, Chul, Bairon, Ellie, Tessia, Virion, todas essas pessoas perderam as coisas que definiram o começo de suas vidas, mas e daí? Eles todos ainda são abençoados com pessoas para amar e admirar, todos eles viraram pessoas melhores, todos podem seguir e virar mais, então por que o Éter que é tudo que já morreu não vê isso? Eu quero eu preciso ver o desenrolar dessa história, pode não ser como estou esperando, mas vou gostar com certeza, vou chorar com certeza, meu Deus, essa obra tá no meus too coisas favoritas agora, essa madrugada onde estou lendo este capítulo mudou a minha forma de pensar sobre obras, sobre personagens, eu to com os olhos marejados só de pensar em tudo que pensei, como qualquer personagem pode ser importante nessa história, porra, até a Emily pode mudar a porra do curso do Mundo, meu Deus, que foda, os conflitos e conceitos são tão legais e tem tanto potencial, estou eufórico e elétrico, meu Deus do Céu.

Muito obrigado

RUAN MATHEUS DA SILVA SANTOS
Visitante
RUAN MATHEUS DA SILVA SANTOS
15 dias atrás
Resposta para  JonyZauro

Simplesmente absolut cinema ✋️😐🤚

Última edição 15 dias atrás por RUAN MATHEUS DA SILVA SANTOS
Johnny
Visitante
Johnny
16 dias atrás

O mais louco é que nisso tudo o legado não foi citado nem uma vez, tipo eu esperava que esse poder fosse ter alguma relevância ou pelo menos fosse explicado qual o objetivo dele existir kkk

O impulsivoD
Membro
O impulsivo
16 dias atrás
Resposta para  Johnny

Se não foi citado é porque com certeza o Turtle tem planos para surpreender, já que ele sempre gosta de jogar um plot na nossa cara em momentos inesperados

Última edição 16 dias atrás por O impulsivo
Júlio Celso
Visitante
Júlio Celso
16 dias atrás
Resposta para  O impulsivo

Eu não sei porque aquela decisão da tessia não sai da minha cabeça e se for mesmo um plano do Arthur para ela dominar o próprio corpo quando ela aprendeu a controlar mana no nível de integração ela estava conseguindo ver as partículas de eter se ela consegue controlar mana agora ela pode tomar o controle do corpo ou estou errado?

Reikai123
Visitante
Reikai123
16 dias atrás
Resposta para  Johnny

O legado de certa maneira foi o motivo do Arthur (o escolhido pelo destino) fazer e ter grande parte das suas motivações
Na vida passada se não fosse pelo legado a “mãe” do Grey não morreria, aí ele não iria atrás de ser rei e não sendo rei, não seria convocado(reencarnado)
E nesse novo mundo foi um dos pontos para Arthur ir atrás de poder tanto para vence-la quanto libertar a Tessia, guiando-o
Provavelmente vai ter muito mais a ser dito e explorado

leafar
Membro
leafar
16 dias atrás

spoiler de madoka magica e devaneios meus pela frente. Cara essa parada do destino me lembrou muito as bruxas de madoka magica, pq, sempre que alguém se torna uma garota magica, basicamente ganhando poderes para defender o mundo das bruxas, ela esta fadada a virar uma bruxa em certo ponto, afinal sempre que um garota magica se corrompe ou enlouquece, algo inevitável no mundo de madoka, ela libera uma quantidade absurda de energia de energia devido a sua dor e sofrimento, e essa energia é usada para manter o fluxo do universo, algo que, pode ser só loucura minha, mas achei parecido com esse conceito de éter, onde ele forma a vida e ganha mais força e vontade a cada morte, ou seja, a vida está fadada a ser criada, para morrer e gerar mais vida, formando um fluxo de criação e destruição perfeito, mantendo o universo estável e continuo através do sacrifício das vidas do próprio universo. E em madoka magica, a protagonista é principal chave para isso, pq devidos a alguns acontecimentos do anime, se ela se tornar uma bruxa, ela vai liberar uma quantidade infinitamente grande energia para o universo, mesmo isso custando a vida de várias pessoas, afinal com todo o poder sem controle que ela ganharia, ela seria imparável, sendo que no fim da historia, a madoka salva todas as garotas magicas e bruxas desse destino e assume o fardo do equilíbrio do universo para si mesma, algo que ce pa o turtleme vai fazer em TBATE, onde sei lá, o Art muda o destino, se torna um ser onipotente com o éter e faz o preço do equilíbrio do inverso cair sobre e poupar o resto. Mas enfim, obrigado por ler, ótimo capitulo.

Última edição 16 dias atrás por Rafael Moreira
Roberto da Silva Luz
Membro
Roberto da Silva Luz
16 dias atrás

Com a intenção, e proposta, do Destino sendo revelada nesse capítulo, de fato o Arthur/Grey é considerado, pelo Destino, como a chave e o meio para a destruição desse mundo(Nada fala sobre os outros mundos, tipo, a Terra e possivelmente muitos outros mundos além desses dois, o que torna o universo de TBATE ainda muito mais interessante com muitos outros mundos para contarem suas histórias), ou em outros termos, o “vilão” dessa bagaça toda.
Indo pela “teoria” do Destino, o “nada/vazio” é o curso normal das coisas e, por natureza própria, o Destino deseja retornar à esse ponto, onde o éter pode viver livremente sem estar preso à nada “vivo” o atraindo(Quando nascem) para si, e depois, após morrem, devolvendo suas experiências.
Portanto, sendo Arthur/Grey a espada que pode conceder isso ao Destino, se ele ceder à isso, sim, ele é o vilão da bagaça toda, o que eu achei surpreende essa revelação após tantas coisas, sacrifícios e perdas que o Arthur passou para salvar sua família, seu povo e continente para, no final, ser ele o ser que está “destinado” a destruir tudo. Muito louco essa reviravolta.
Mas certeza que o objetivo do Turtle é fazer com que Arthur encontre outra solução e dar ao Destino outro propósito enquanto salva a parada toda, tipo, ao invés de deixar o Destino guiá-lo quanto ao que fazer, seria o Arthur a fornecer um novo propósito para o Destino se apegar(Como ele mesmo disse também, ele que é a bussola e não o Destino) e então guiá-lo através disso, afinal, como ele mesmo disse, o Destino pode até ter visto tudo, mas não entende tudo porque tudo o que viu foi a partir da perspectiva de morte e quando as pessoas/seres morriam, parte de suas essências também eram canalizadas para o éter, daí o desejo dele querer que o éter fique “livre” dessas coisas, tipo, desejos, frustrações, raiva, pesares, amor, esperança, enfim…tudo.

Última edição 16 dias atrás por Roberto da Silva Luz
Antônio Icaro
Visitante
Antônio Icaro
16 dias atrás

Vendo os comentários eu percebi que tô numa linha de pensamento TOTALMENTE distorcida

Art
Visitante
Art
16 dias atrás

Eu não entendi NADAAAA, ME AJUDEM, vou ter que reler

David
Visitante
David
15 dias atrás
Resposta para  Art

Ele pode ser o escolhido do destino para ser o vilão final do anime e destruir o mundo inteiro.

Marcoslim
Visitante
Marcoslim
16 dias atrás

First?

Jv=mito
Membro
Jv=mito
16 dias atrás

Teoria maluca aqui. E se o legado( mana ), for uma força natural aposta ao destino ( éter ), e dá mesma forma que o destino queira destruir o mundo, para criar um totalmente novo, o legado seja o responsável por salvar e esse mundo.
E dá mesma forma que o éter, é a energia deixada pelos seres vivos, no momento em que eles morrem, a mana pode ser a energia vital deles, enquanto ainda estão vivos

Mathh_01
Visitante
Mathh_01
16 dias atrás
Resposta para  Jv=mito

Talvez. Mas pelo q eu entendi, o destino não quer acabar com o mundo, mas em todas as possibilidades possíveis em que ele vê, o mundo acaba, não é um plano, simplesmente a realidade. Mas provavelmente ele está errado, assim como o Arthur falou, quando ele deduziu, erradamente, que aquele djinn que o Arthur pega as memórias, era um amigo antigo dele, ele deve estar considerando alguma coisa que na verdade é outra. Se eu tiver que dar um palpite, seria a Tess. Talvez como ela está dentro da mente da Cecília, assim como aquelas memória estão dentro da runa dimensional do Arthur, o destino poderia considerá-la como a Cecília, mas talvez a Tess consiga trocar os papéis com a Cecília, com a Tess no comando e a Cecília presa na mente dela. Só uma teoria, ou poderia ser o próprio Arthur, com algum poder roubado.

djinn com sono
Visitante
djinn com sono
16 dias atrás

tortuguita fdp, eu n sou inteligente o suficiente pra entender essas porra n

REIKAI123
Visitante
REIKAI123
16 dias atrás

Já foram os livros 7, 9, 3, 6, 8, 4 em ordem nessa jornada pelas pedras chaves.
Acredito que o próximo vai ser o livro 5 Convergence, pq talvez ele vai atrás de um ponto comum: moldar o destino ao seu favor ou bolar outro plano de enfrenta-lo.
Livro 2-New heights, acredito que ele vai ser o próximo, já que com os feitos do cap passado ele vai chegar em outro nível, chegando em novas alturas com esse poder.
Livro 10-Retribution, ele vai retribuir os favores, as benção que foram concedidas a ele e vai em uma missão final para se despedir e sair da pedra-chave.
Livro 1-Early Years, vai ser pq ele saiu da pedra, ai vão ser os primeiros anos dele sem estar nela e oque vai acontecer dali para frente serão esses anos ou que talvez ele tenha durado alguns anos lá dentro e está vendo os primeiros anos com a ausência dele (posso ter ido muito errado, e ser algo muito diferente, mas eu acredito que o livro 10-ultimo e o livro 1-primeiro estejam um do lado do outro na finalização dessa pedra-chave).
agradeço a compreensão, viajei muito, mas tenho fé que a ordem dos capítulos vão ser essa, mesmo e com certeza, talvez, não por esses motivos.

Última edição 16 dias atrás por REIKAI123
CapitaoCelestial
Visitante
CapitaoCelestial
16 dias atrás
Resposta para  REIKAI123

Talvez se tenha viajado muito, mas n deixa de ser uma teoria muito foda e muito louca

GicafeD
Membro
Gicafe
16 dias atrás
Resposta para  REIKAI123

Não acredito nessa sequência de eventos, mas a teoria é boa

TrabloH
Visitante
TrabloH
16 dias atrás
Resposta para  REIKAI123

Fala mano, achei interessante o que tu disse sobre os volumes, consegue explicar melhor? Porque eu não percebi, enquanto lia, essas referências.

MagiD
Membro
Magi
16 dias atrás
Resposta para  TrabloH

Então, meu caro. Em inglês, na publicação original, o nome do capitulo de hoje, chamas Horizon’s Edge (Na borda do horizonte), e ele faz referência aos nomes dos volumes fechados da novel,sendo eles Early Years, Convergence, Transcedence (não está em ordem) e por ai vai. Há uma teoria que vem se concretizando que até o Art conseguir o insight do destino (Fate), o turtle escreverá capitulos, cada um deles com o nome de algum dos volumes já publicados, passando por cada um deles. Desde que ele entrou na pedra angular, Art já passou por metade dos nomes das novels, e o pessoal está teorizando como seriam a ordem dos que falta e como seria o desfecho. Eu recomendo voltar até “Um plano em muitas parte” (não lembro o numero do capitulo) e começar a olhar os titulo dali em diante e depois é só sair olhando o capitulo que tem o nome de algum dos volumes. Com frequência o Turtle me faz uma referência ao nome com alguma cena no capítulo, dessa vez sendo o Art, Silv e Regis observando na Borda do Horizonte a destruição causada pelos dragões a baía que as várias civilizações construiram suas cidades.

ꓷၜȋၜꓓD
Membro
ꓷၜȋၜꓓ
13 dias atrás
Resposta para  REIKAI123

Early Years >> Convergence >> New Heights >> Retribution.

Creio que vai ser assim ós próximos capítulos da Pedra-Angular.

Noite
Visitante
Noite
16 dias atrás

Impressão minha ou esse cap acabou de confirmar que o Arthur tem capacidade pra destruir o espaço tempo e possivelmente a realidade com as mãos?

Inclusive muito foda, e confuso

Agora é ficar ansioso por mais uma semana, pelo menos amanhã tem o manhwa

CapitaoCelestial
Visitante
CapitaoCelestial
16 dias atrás
Resposta para  Noite

Pelo que entendi o cap confirma que ele vai vencer kezes e agrona e que ele é a chave pra mudar esse mundo ou destruindo ou salvando geral, o problema é que ele só viu a destruição e o hanuel (ou sei la quem isso ta muito complexo) falo que esse é o destino e que o art vai entender mais pra frente

Roberto da Silva Luz
Membro
Roberto da Silva Luz
16 dias atrás
Resposta para  Noite

pelo menos amanhã tem o manhwa”.

Hã? Como assim é amanhã?
Venho procurando informações há meses e só falam que era entre março a maio, mas não encontrei nada concreto até agora.

Sairá por qual site/blog/plataforma, saberia informar?

Arthur Leywin's version ⚔️
Membro
Arthur Leywin's version ⚔️
16 dias atrás
Resposta para  Roberto da Silva Luz

Acabou de lançar o novo capítulo no aplicativo Tapas!

Willian Carlos
Membro
Willian Carlos
16 dias atrás

Tem outro site para ler?

Um certo ser
Membro
Um certo ser
15 dias atrás
Resposta para  Willian Carlos

Hunters Scan já lançou a tradução do cap em PT-BR, e te falar que não gostei muito da arte da nova equipe, saudade equipe Fuyuki

Roberto da Silva Luz
Membro
Roberto da Silva Luz
14 dias atrás
Resposta para  Um certo ser

Valeu, Um certo ser…^_^

Roberto da Silva Luz
Membro
Roberto da Silva Luz
14 dias atrás

Obrigado, Arthur Leywin’s version …^_^

atta
Visitante
atta
15 dias atrás
Resposta para  Roberto da Silva Luz

eu li pelo luratoon scan

João
Visitante
João
16 dias atrás

A partir do meu entendimento:
-Ji-ae comenta nos capítulos passados que “mexer com o destino é algo perigoso”(sabendo possível consequência?)
– Temos no próprio capítulo a lembrança do kezess dizendo que “fez tudo para a proteção do mundo”(Tentando evitar a finalidade desejada pelo destino?).
– O objetivo dessa personificação do Destino é a destruição do próprio mundo e ela tenta usar o Arthur como meio pra isso.
– O próprio Arthur, analisando todos os caminhos possíveis com o Gambito do Rei, só consegue ver um fim ligado ao desejo do destino.
O que eu tiro disso? O destino que tá sendo forçado no protagonista é o da destruição da existência. Ou seja, ele é o próprio vilão dessa porra.

Roberto da Silva Luz
Membro
Roberto da Silva Luz
16 dias atrás
Resposta para  João

“Ou seja, ele é o próprio vilão dessa porra.”
Com a intenção, e proposta, do Destino sendo revelada nesse capítulo, de fato o Arthur/Grey é considerado, pelo Destino, como a chave e o meio para a destruição desse mundo(Nada fala sobre os outros mundos, tipo, a Terra e possivelmente muitos outros mundos além desses dois, o que torna o universo de TBATE ainda muito mais interessante com muitos outros mundos para contarem suas histórias).
Indo pela “teoria” do Destino, o “nada/vazio” que é o curso normal das coisas e, por natureza própria, o Destino deseja retornar à esse ponto, onde o éter pode viver livremente sem estar preso à nada “vivo” o atraindo para si.
Portanto, sendo Arthur/Grey a espada que pode conceder isso ao Destino, se ele ceder à isso, sim, ele é o vilão da bagaça toda, o que eu achei surpreende essa revelação após tantas coisas, sacrifícios e perdas que o Arthur passou para salvar sua família, seu povo e continente para no final ser ele o ser que está “destinado” a destruir tudo.
Mas certeza que o objetivo do Turtle é fazer com que Arthur encontre outra solução e dar ao Destino outro propósito enquanto salva a parada toda, tipo, ao invés de deixar o Destino guiá-lo quanto ao que fazer, seria o Arthur a fornecer um novo propósito para o Destino e então guiá-lo através disso, afinal, como ele mesmo disse, o Destino pode até ter visto tudo, mas não entende tudo porque tudo o que viu foi a partir da perspectiva de morte e quando as pessoas/seres morriam, parte de suas essências também eram canalizadas para o éter, daí o desejo dele que o éter fique “livre” dessas coisas, tipo, desejos, frustrações, raiva, pesares, amor, esperança, enfim…tudo.

Ps.: É verdade esse bilhete…kkkk

Última edição 16 dias atrás por Roberto da Silva Luz
João
Visitante
João
16 dias atrás
Resposta para  Roberto da Silva Luz

Obrigado pelo comentário! Compartilho com a teoria de que o Arthur, apesar do previsto pra ele, vai encontrar um caminho alternativo.

Mathh_01
Visitante
Mathh_01
16 dias atrás
Resposta para  João

Válido, porém eu entendi de outra forma. Eu entendi que o Destino não “quer” algo, mas sim, ele “sabe” que só tem esse final.

João
Visitante
João
16 dias atrás
Resposta para  Mathh_01

Belo ponto de vista, obrigado pelo comentário!

O impulsivoD
Membro
O impulsivo
16 dias atrás
Resposta para  João

Tudo no nosso próprio mundo retorna ao nada, civilizações morrem, estrelas morrem, até mesmo galáxias tem um prazo de vida, até existe uma teoria (Big Crunch) afirmando que em vez de expandir, o universo vai “encolher”, voltando ao caos natural de antes do big bang.
Não da pra dizer que o Art é o vilão, o autor provavelmente quer estabelecer o destino como uma ordem natural, e que os dragões e o Agrona são seres (vilões) que querem mudar essa ordem por benefício próprio, não por um bem maior.
O Art vai ser na obra possívelmente quem vai achar um meio termo para tudo isso, sem destruir a ordem e sem destruir o mundo em si.

Última edição 16 dias atrás por O impulsivo
João
Visitante
João
16 dias atrás
Resposta para  O impulsivo

Digo da perspectiva de todo os seres vivos do próprio universo retratado. A perspectiva de ser exterminado sempre torna o exterminador, aos nossos olhos, o vilão.

FolhusD
Membro
Folhus
16 dias atrás
Resposta para  O impulsivo

Concordo, e um detalhe importante sobre tudo isso é que ainda vai demorar MUITO para todas as coisas chegarem ao seu fim, ao caos e desordem, estado final de pura entropia. Com esse detalhe em mente, Proponho duas hipóteses: a validade do universo já chegou ao seu fim e o planeta de tbate só continua vivo por conta dos dragões usando o éter contra o seu próprio propósito, o que explicaria o mundo e as estrelas serem consumidos assim que o Art perturbou água parada (éter recém liberto), ou, o mais provável, o Destino está desconsiderando tudo o qual vem antes do fim, e quer pular direto para a conclusão usando o Arthur como meio.
Pessoalmente, eu acharia meio sem graça se a resolução fosse algo tipo: ” Não mexe com a p&!#@ do éter que tudo fica tranks”. Apesar de eu não duvidar da possibilidade de que o colapso da CARA🚗!A de uma DIMENSÃO INTEIRA não seria capaz de transformar o universo de volta em uma sopa quente.
Contudo, ainda falta dar uma explicação no mínimo aceitável de como funciona as dimensões, mundos e a conexão entre eles, impossível de não haver depois do Grey ser puxado de uma para outra sem maiores incômodos.
Sinceramente, espero que o tortuguita explique tudo até o final da obra, se n eu estarei em pessoa batendo na porta da casa dele.

Zezinho69
Visitante
Zezinho69
16 dias atrás

Nossa meus amigos q capitulo fd

Última edição 16 dias atrás por Zezinho69
REIKAI123
Visitante
REIKAI123
16 dias atrás

Que capitulo meus amigos, esse duelo contra o destino foi insano e o Arthur destruindo tudo foi bizarramente maluco. Quebrei meu cérebro, moldei e transcendi ele com tanta informação.

Danilo Torres
Membro
Danilo Torres
16 dias atrás

ele devia fazer que nem o sunny e quebra o destino HAHA

Danilo Torres
Membro
Danilo Torres
16 dias atrás

KRL QUE FODA, aff devia ter esperado lançar mais pra ler, agr vou ficar ansioso

João
Visitante
João
16 dias atrás

A partir do meu entendimento:
-Ji-ae comenta nos capítulos passados que “mexer com o destino é algo perigoso”(sabendo possível consequência?)
– Temos no próprio capítulo a lembrança do kezess dizendo que “fez tudo para a proteção do mundo”(Tentando evitar a finalidade desejada pelo destino?).
– O objetivo dessa personificação do Destino é a destruição do próprio mundo e ela tenta usar o Arthur como meio pra isso.
– O próprio Arthur, analisando todos os caminhos possíveis com o Gambito do Rei, só consegue ver um fim ligado ao desejo do destino.
O que eu tiro disso? O destino que tá sendo forçado no protagonista é o da destruição da existência. Ou seja, ele é o próprio vilão da porra do universo.

Juju do pix
Visitante
Juju do pix
16 dias atrás

Eita porra

Matheus RochaD
Membro
Matheus Rocha
16 dias atrás

Pqp que capítulo incrível, acertei algumas coisas que falei no capítulo passado, e esse capítulo superou as minhas espectativas, o Arthur tá chegando no nível de personagens nível Multiversal, essa coisa toda do Aether é muito complexo, mas o Arthur nesse capítulo aprendeu o principal, ele não deve ser guiado pelo Destino, ele deve guiar o destino, ele não é aquele que deve aprender, mas sim aquele que aponta o Destino, ele é a Bússola, ou seja, se não existe um futuro e nem passado que oque ele deseja ocorra, basta ele guiar o Destino e criar, e aparentemente o Arthur ainda tem mais buffs antes de sair desse reino, fora o nível já absurdo dele, ele nem sequer aprendeu o Insignight do Destino e já chegou nesse nível, e ele ainda tem mais duas coisas pra buffar, que é o Insignight da Destruição, e o núcleo dele, e se a destruição já era um poder absurdo antes, imagina agora, que até o God step que é um poder de suporte ele já é capaz de “destruir o mundo ” ( A novel deixa a entender que esse “mundo” é uma dimensão inteira de certa forma) imagina com o poder da destruição. Eu só me pergunto quem vai ser o adversário final dele, Cecília e buxa, nico fraquíssimo e já mudou de lado, Agrona tem pode limitado, e Kezess não chega nem na metade do potencial que o Arthur tem com o Aether, é capaz do adversário final do Arthur ser o próprio Ether ou o aspecto dele chamado Destino

Última edição 16 dias atrás por Matheus Rocha
Danilo Torres
Membro
Danilo Torres
16 dias atrás
Resposta para  Matheus Rocha

ou o proprio Arthur “-“

Mathh_01
Visitante
Mathh_01
16 dias atrás
Resposta para  Danilo Torres

Já pesonou? The beginning after fight clube? E se o Arthur fosse o destino?

Roberto da Silva Luz
Membro
Roberto da Silva Luz
16 dias atrás
Resposta para  Matheus Rocha

O tal do Hanuel(O aspecto do Destino que tomou sua forma) disse, quando Arthur o pergunta se ele era o Destino, que ele é só o “aspecto do Destino” e não o Destino em si.
Talvez, o Destino seja um ser ainda mais apelão e esse aspecto seja apenas um de seus…arautos, assim com o o Surfista Prateado é para Galactus.
Então, talvez, se realmente existir algo acima do “aspecto do Destino”, ele que seja o verdadeiro vilão dessa obra.

Última edição 16 dias atrás por Roberto da Silva Luz
Gian Carlos
Visitante
Gian Carlos
16 dias atrás
Resposta para  Matheus Rocha

Mas o Arthur não consegue destruir o mundo só com o god step… Pelo o que entendi ele usa o god step juntamente com o req de aurora, e ainda precisa da colaboração da sylvie e Regis, isso tudo pra poder desfazer a “mão escamosa” que prende o mundo o impede o éter do espaço. Ou seja, a destruição do mundo é causada só pelo efeito da quantidade inimaginável de Éter que bombardeia o mundo de uma só vez, e não pelo próprio poder do arthur

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar