The Book Eating Magician – Capítulo 283

Seguidores do Fim #2

Demorou mil anos para se preparar para um experimento simples, mas um grimório tinha a paciência para esperar mil anos. Sobre o que o Gula estava se referindo quando falou sobre o “passado”? A origem da magia negra podia ser mais profunda do que os magos modernos imaginavam.

Theodore caminhou pela escuridão que parecia mais sombria enquanto ouvia a voz dentro dele.

– Vamos começar com a essência da magia ortodoxa. É uma magia que muda as leis do mundo material, manipulando fenômenos naturais de acordo com os desejos do conjurador. Pode criar fogo no local desejado ou alterar a direção do vento. Pode parecer estranho, mas é um fenômeno baseado nas leis físicas que existem neste mundo. Gula explicou. Então ele baixou a voz e continuou, – A magia negra é contrária à magia ortodoxa, ela se opõe à lei causal do mundo material, revivendo os mortos, capturando almas à força e reprimindo a vontade dos outros. Ela espalha doenças que não existem e utiliza das leis do mal. Aqueles que a utilizam são pessoas com corações depravados que não podem evitar de serem inimigos do mundo inteiro.

– “…Gula, tem uma parte que eu não entendo.” Theodore ouviu a explicação em silêncio e depois fez uma pergunta.

Ele foi forçado a fazer isso porque, do seu ponto de vista, a magia que se desviava dos fenômenos naturais parecia ser bem ortodoxa

Havia dois exemplos bem representativos.

– “A magia negra pega emprestado o poder do mundo para trazer os mortos de volta… Isso não é magia de invocação? Além disso, também tem as magias como o movimento espacial, que parecem dobrar os fenômenos naturais.”

– São duas questões. Eu explicarei na ordem mencionada. Gula respondeu sem hesitar. – Como o Portador disse, a magia de invocação e a magia da morte podem ser bem semelhantes. Em tempos onde a divisão não era clara, os paladinos frequentemente consideravam os invocadores como bruxos e os matavam. No final, foi revelado que havia uma grande diferença entre magia de invocação e magia negra.

– “Uma grande diferença?”

– Isso mesmo. A magia de invocação é uma técnica que convida visitantes de outro mundo, lhes permitindo exercer suas habilidades. É como a sombra da lua na água. Mesmo com grandes poderes, eles não podem ir além desse limite.

Ouvindo o Gula, Theodore não pôde deixar de se lembrar do Fafnir. O dragão de Muspelheim só pôde ficar por alguns segundos depois que o Theodore sacrificou o Colar da Charlotte.

Talvez aquele corpo sinistro nem era o verdadeiro.

Aquele era um ser transcendental que havia queimado sozinho a árvore do mundo. A magia de invocação do Satomer foi perfeita e ele preparou o sacrifício correto, mas o Fafnir não foi capaz de ser sustentado por mais do que alguns segundos.

Quanto mais forte o ser, mais ele seria preso pelo poder de amarração do mundo.

O ser supremo de Muspelheim, Fafnir, não era diferente de um deus do mundo material. Fafnir era um ser que nasceu forte e que usava esse poder sem hesitar. Até os demônios que eram muito mais fortes não podiam cruzar livremente as paredes das dimensões.

O Fafnir que o Theodore invocou era apenas uma sombra de seu corpo. Foi impossível para Muspelheim se livrar das amarras.

– A segunda questão é muito simples, mas difícil de explicar. Gula falou em um tom delicado enquanto o Theodore usava a magia espacial como exemplo. Gula sabia a resposta, mas não sabia como convencer o Theodore.

Theodore falhou em reprimir sua atitude e exigiu, – “Por que você não pode dar uma explicação simples? Me diga qualquer coisa.”

– Hah. O Portador disse que a magia espacial não parece se correlacionar com o fenômeno natural, certo?

– “Então?”

Era bom senso. Como seria possível saltar através do espaço no mundo sem intervenção mágica? Pelo menos, era isso que o Theodore achava. Claro, não era o mesmo para o Gula.

– Supressão. Um fenômeno que pode ser visto frequentemente ao se olhar para a superfície do planeta.

– “…O quê?”

– É uma ciência que ainda não foi revelada a este mundo. Os conceitos de buracos de minhoca, buracos negros e outros espaços quadridimensionais ainda não foram revelados. O Portador não entenderá essas coisas. A magia espacial certamente é baseada nas leis da física.

Theodore percebeu que não poderia se opor a isso. Seria possível argumentar contra uma ciência que ele não conhecia?

Um grimório vivia infinitamente no mundo e acumulava um conhecimento inestimável ao longo dos anos. Então, para um grimório, o conhecimento do Theodore não seria diferente do conhecimento de um homem das cavernas. Era mais sensato apenas aceitar o que ele ouviu.

Gula silenciou o Theodore com algumas palavras e acrescentou mais informações sobre a magia negra, – Se a magia espacial fosse contra as leis da física deste mundo, como o Portador disse, os únicos magos que poderia usar o teletransporte seriam àqueles que alcançaram o 9º Círculo. É como ir contra um grande rio que é o mundo. Isso porque a magia que não pega emprestado o poder das leis naturais do mundo tem um preço que é várias vezes maior do que a magia ortodoxa.

– “Hum, então a magia negra?”

– Eu já estou chegando lá. Os bruxos usam práticas consideradas tabu, como sacrifícios humanos e drenagem para cobrir a falta de poder. Eles sacrificam outra criatura e a convertem em seu próprio poder mágico.

Práticas tabu, como sacrifícios humanos e drenagem…!

Theodore ficou tenso com essas palavras e parou de se mover.

Os bruxos nem sempre foram inimigos públicos do continente. Eles eram insidiosos e usavam feitiços de um sistema desconhecido, mas eles passaram a ser tachados como inimigos do mundo devido ao abuso ativo desses dois tabus.

Theodore começou a se mover novamente e disse, – “É uma história sangrenta.”

– Eu também concordo. Mas o problema não era assim tão simples na Era da Mitologia. Era raro eles agirem no domínio dos deuses, e o trabalho dos demônios era mais hediondo e perigoso do que o deles

– “Hah, eu posso imaginar.”

– O problema foi que os bruxos entraram em contato com os demônios.

– “…O quê?”

Dentro do surpreso Theodore, Gula relembrou as memórias de um passado distante.

– Como invasores deste mundo, as ações dos demônios eram limitadas. No entanto, os bruxos deram sacrifícios para afrouxar essas restrições, e os demônios lhes ensinaram magia negra em troca. O pentagrama reverso, sistema de cinco fases da magia negra, foi concluído nessa época.

A análise do Gula revelou que os demônios haviam se libertado das restrições da vida. Eles não morriam com o passar do tempo e também eram difíceis de matar usando meios externos.

Eles invadiam livremente outras dimensões e aumentavam seu poder aprimorando outros seres. De fato, eles eram predadores com o poder da imortalidade! Não era irracional que os bruxos ficassem fascinados pelo poder dos demônios e quisessem fazer parte deles.

Então o crepúsculo de um novo mundo, Ragnarok, estourou.

Com os demônios que invadiram este mundo e as forças dos bruxos que tentaram acabar com ele… Depois da Dracomachia, os dragões se tornaram quase extintos.

Esta já era a segunda metade da Era da Mitologia. Os deuses haviam perdido sua força e eventualmente pediram ajuda aos transcendentais que se tornaram independentes. Os deuses e os transcendentais se uniram para enfrentar o exército de demônios.

‘O fim da Era da Mitologia… E pensar que eu vou descobrir sobre o que aconteceu em um lugar como este…!’

Com os bruxos que ficaram fascinados pelos demônios e conspiraram com eles…

Esse foi o fim da Era da Mitologia, o Ragnarok!

Nos tempos modernos, a única pessoa que saberia da situação era o Theodore. Fora ele, provavelmente apenas os dragões e os grimórios como o Gula saberiam. Não era um conhecimento que os humanos, que só podiam viver cem anos no máximo, teriam.

Theodore estremeceu de emoção, enquanto o Gula sussurrou após aquela explicação básica, – Com a derrota deles durante o Ragnarok, os demônios foram expulsos deste mundo e os bruxos perderam a maior parte de seu poder… É difícil esquecer a sensação de onipotência que uma vez senti. Eu vi todos os tipos de trabalhos quebrando as fronteiras deste mundo material.

– “Para destruir a humanidade e a civilização…?”

– Um dos métodos é enfraquecer as paredes da dimensão. Por falar nisso, os quatro cavaleiros do fim, eles possuem uma habilidade considerável.

Theodore respondeu imediatamente a essas palavras, – “O quê, você sabe sobre os quatro cavaleiros do fim?”

– É claro. Você quer ouvir sobre eles?

– “Obviamente! Por favor.”

– Eu quero dois livros de pelo menos classe rara em troca.

– “…Ei.” Theodore resmungou, mas pegou os livros. – “Ah, você não consegue ler a atmosfera.”

Parecia que sua agitação no túnel continuaria um pouco mais.


Alguns dias depois…

O fato de o Theodore ter conseguido invadir o Castelo de Dofrun e obter bons resultados se espalhou por todo o Reino de Meltor. Em uma posição em que um único ato podia afetar o moral de milhares, Theodore era uma boa ferramenta de propaganda.

Os soldados ficaram felizes com a notícia, mas os líderes ficaram preocupados.

– “Bruxos… Eles realmente apareceram neste momento.”

Ao ouvir as palavras do presidente da Sociedade Mágica, Benedict, Orta assentiu.

– “Eu perdi as pistas da Companhia Orcus uma vez, mas nunca percebi que eles iriam aparecer novamente aqui. É uma jogada bastante ousada.”

– “É verdade que não podemos nos dar ao luxo de enfrentá-los. Felizmente, não há possibilidade de eles se aliarem a Andras.”

– “Haveria uma grande resistência de Lairon. Para Andras, cavaleiros e sacerdotes são mais importantes do que os bruxos, que são difíceis de lidar.”

Os bruxos não eram pessoas com as quais as nações considerariam se aliar. Se aceitassem o poder do inimigo público do mundo, Andras receberia hostilidade não apenas de Meltor, mas de todos no continente.

Em particular, eles já tinham uma aliança com Lairon!

O país religioso desprezava os magos que tentavam quebrar a vontade de Deus e também odiava os bruxos que bagunçavam o mundo. Era impossível para a igreja abraçar o poder dos bruxos.

– “De acordo com o Theodore, eles vieram obter sacrifícios para esta guerra. Eles são como hienas comendo cadáveres.”

– “Eles são extremamente vulgares.”

Theodore relatou que o objetivo da organização da Hipatia era obter “sacrifícios”. Não era possível expor o Culto da Morte, então ele deu uma desculpa razoável. O campo de batalha, que estava transbordando de mortes, rancores e emoções, era um bom altar para os bruxos. Era difícil entender a imprudência deles de ir para o Norte onde havia muitos mestres, mas eles eram como psicopatas.

– “Bem, agora este não é o problema.”

– “É como você disse, Comandante.”

Os dois magos conversaram enquanto saíam do quartel.

– “Theodore elevou o moral, então seria uma vergonha se eu não continuasse mantendo o ritmo.”

– “Você sofreu bastante. Eu também estou sobrecarregado, mas não tanto quanto você.”

– “Não é nada. Eu sei que você ficou acordado a noite toda ontem.”

Benedict tossiu e corou, antes de olhar para o horizonte. O exército de Andras estava enfrentando os bravos soldados. Sem conversa e sem distrações, a disciplina deles fez o exército de Meltor sofrer bastante. Além disso, não havia dúvida de que “ele” estava do outro lado do acampamento.

– “…Desculpe pela pergunta, mas, acha que pode resolver isso?” Enquanto o Benedict falava, havia uma forte pressão nas costas do Orta. – “Você já perdeu para ele. Se você não puder vencer, é bom tentar outras táticas. Você deve usar todos os poderes possíveis, mesmo que suja a sua honra.”

– “Eu não vou negar.” O Orta da Torre Branca concordou como estrategista e mago. Depois disso, seus lábios se curvaram de maneira misteriosa sob a máscara. – “Mas ele cometeu um erro.”

– “Um erro?”

– “Por favor, acredite em mim. Eu não vou perder para o mesmo oponente duas vezes, especialmente para um que lida com o mesmo tipo de habilidade.” Orta disse. Então ele declarou enquanto ajustava sua máscara, – “Eu retribuirei com juros.”

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar