Participe do nosso novo grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx
Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação e veja os benefícios.

The Runesmith – Capítulo 387

Hora do casamento.

“Ei, chefe, que tal instalarmos uma daquelas coisas de chama rúnica, como você chamou?” 

“O lança-chamas rúnico?” 

“Sim, era isso?” 

“Acho que um trabalhador poderia usar isso como uma ferramenta de soldagem improvisada… mas você só quer ter algo para atirar nos alvos, não é?” 

“Haha, você me pegou, chefe.” 

Roland e seu assistente, Bernir, trabalharam arduamente na oficina, refinando incansavelmente o protótipo do exoesqueleto. Bernir passou a gostar muito desta invenção, pois ela lhe permitiu realizar proezas com as quais apenas sonhava. Do seu ponto de vista, esta ferramenta concedeu-lhe a força de um aventureiro de rank ouro e a capacidade de empregar feitiços e carregar poderosas armas mágicas. Embora a intenção inicial de Roland não fosse de natureza militar, estava plenamente consciente do potencial para ser usado como arma. 

Este tipo de tecnologia permanecia altamente experimental, enquanto Roland lutava para descobrir como ela se encaixaria neste mundo parecido com um jogo. Questionou se as pessoas encontrariam uma razão para escolher um exoesqueleto como este em vez de adquirir um golem tradicional. Poderia ser difícil de vender se os preços fossem comparáveis, mas Roland viu diversas vantagens em sua criação. Uma delas foi oferecer uma solução mais universal, exigindo apenas algum treinamento do usuário. 

Ele via essa nova tecnologia como semelhante a um carro que só precisava de um motorista. Treinar um operador para um exoesqueleto era muito mais simples do que desenvolver um sistema operacional totalmente novo para um golem. Alguns dos artesãos anões tiveram que trabalhar durante meses ao lado dos Magos Rúnicos quando contratados por nobres de alto escalão para criações golêmicas. Além disso, os exoesqueletos eram econômicos em termos de materiais, exigindo muito menos metal, pois não possuíam camadas espessas de blindagem. 

Em contraste, as criações golêmicas eram caras e exigiam recursos substanciais, incluindo fluidos de mana. Eles eram acessíveis principalmente a nobres ricos, comerciantes e artesãos. Essas criações também eram restritas por seus sistemas operacionais e não conseguiam lidar com situações complexas. Na maioria das vezes, serviam como transporte ou como guarda-costas metálicos com funcionalidade relativamente limitada. 

Com o advento das baterias rúnicas, Roland poderia imaginar essas armações sendo utilizadas no futuro, mas elas não eram a única invenção em sua mente. Inúmeros aparelhos modernos ainda permaneciam em seus pensamentos, todos com potencial para se tornarem empreendimentos lucrativos. Mesmo itens como veículos que não dependiam de cavalos ou golems para propulsão provavelmente poderiam gerar uma renda substancial. 

No entanto, o principal objetivo de vida de Roland não envolvia a construção de uma grande corporação para rivalizar com a União dos Anões. Em vez disso, pretendia produzir continuamente pequenas inovações para permanecer relevante. Ele não tinha nenhuma aspiração de se tornar o principal inventor rúnico do mundo ou algo parecido. Havia coisas mais importantes na vida do que dinheiro e fama, isso ele já havia reconhecido enquanto dava um grande passo para progredir em sua vida. 

“Ei, chefe, acho que deveríamos encerrar essa noite.” 

“Ah, é verdade. Já é tão tarde e amanhã é…” 

“Hehe, boa sorte, você vai precisar!” 

Depois de receber um tapa amigável de Bernir nas costas, os dois decidiram encerrar o dia. Roland subiu para seu quarto, preparando-se para passar talvez sua última noite sozinho. Amanhã seria o grande dia, pois seu casamento se aproximava rapidamente. Quando chegou a este mundo, sua principal preocupação era a sobrevivência, mas agora que era hora de se estabelecer, a pressão era ainda maior. O peso de ter muitas pessoas dependendo dele não era um fardo fácil, mas estava determinado a garantir a segurança e o bem-estar de todos. 

‘As tradições neste mundo são semelhantes às do meu antigo mundo, o noivo deve encontrar a noiva diante da igreja ao amanhecer, o sol nascente deve significar o início de um casamento…’ 

Roland estava deitado na cama, olhando para o teto e contemplando os acontecimentos que o levaram a este momento. Ele começou sua jornada como um menino de cinco anos, em uma casa nobre, destinado a se tornar um mago. No entanto, o destino tinha outros planos para ele, pois foi rapidamente ordenado a se tornar um cavaleiro. Para evitar que sua vida fosse ditada por terceiros, ele tomou a ousada decisão de fugir. Suas viagens eventualmente o levaram a Albrook, onde ele se estabeleceu e onde sua história poderia finalmente chegar ao fim. 

Foi uma jornada notável de um estranho em um novo mundo a um respeitado inventor rúnico e futuro marido. Ele pensou em como conheceu sua futura noiva, Elodia, na guilda dos aventureiros e como a evitou no início. A mulher parecia alguém com quem ele não conseguia negociar, mas logo os dois começaram a gostar um do outro. 

Quando Roland adormeceu, não pôde deixar de sentir uma mistura de excitação e nervosismo com relação ao dia seguinte. Estava ansioso para iniciar este novo capítulo de sua vida com Elodia, mas também sabia que a união deles traria novas responsabilidades e desafios. Roland sempre foi uma pessoa solitária e agora estava assumindo uma função em que precisaria considerar o bem-estar de sua família, de seus funcionários e do futuro de seu negócio. Todas as suas escolhas impactariam as pessoas que lhe eram queridas e ele não tinha certeza se seria capaz de sempre fazer a escolha correta. 

‘… eu não consigo dormir de jeito nenhum…’ 

A noite passou lentamente para Roland, sua mente fervilhando de pensamentos sobre o futuro. Ele percebeu que o sono lhe havia escapado completamente e que o sol ainda não havia nascido. Felizmente, com a ajuda de sua passiva de resistência ao sono, isso realmente não era um problema. Era hora de se preparar para a ocasião importante que estava por vir e era alguém que jamais se atrasaria. 

Com um suspiro, Roland saiu da cama e começou sua rotina matinal. Ele tomou banho, vestiu seu melhor traje e se arrumou meticulosamente. Hoje não era apenas o dia do seu casamento, mas também um dia de celebração para todos que conhecia e convidara. Embora não quisesse fazer muito barulho por causa disso, sabia que era importante promover relacionamentos com outras pessoas. 

“Awooo!” 

“Desculpe, Agni, mas você terá que esperar isso, não posso deixar você desfilando pela cidade ou pela Igreja Solariana.” 

Agni choramingou levemente porque não poderia participar das festividades. Sua incapacidade de participar não se devia ao seu grande tamanho, mas sim à sua transformação em uma criatura peculiar. Roland estava preocupado sobre como a igreja poderia reagir se descobrisse que Agni era um Lobo da Luz do Sol. Embora tais animais fossem supostamente apreciados pela igreja, esta revelação poderia trazer uma série de complicações. 

Havia a possibilidade de eles solicitarem que Roland abandonasse seu companheiro canino, já que Agni era uma criatura secreta para eles. Suas habilidades mágicas, capazes de produzir energias divinas que somente sacerdotes fiéis poderiam exercer, eram uma característica rara e única neste mundo. Depois, havia cultos malignos e necromantes que gostavam de usar tais monstros para vários rituais ocultos. Corromper o divino trazia-lhes muito poder, então era melhor esperar com esta revelação até que Agni estivesse mais forte. 

“Não se preocupe, estaremos todos de volta aqui em algumas horas, ainda tenho que passar por aquela comemoração chata…” 

Neste mundo, havia várias abordagens para casamentos. Para Bernir, foi uma ligação mais formal entre dois indivíduos, sem muito alarde ou festividades. Parecia um casamento normal para plebeus. No entanto, isso não significa que outros não fizeram de tudo para seus casamentos. Nobres e comerciantes ricos, por exemplo, muitas vezes ostentavam a sua riqueza e convidavam centenas de convidados para celebrações elaboradas. 

Arthur queria organizar uma reunião tão extravagante quanto, mas Roland optou por recusar. Em vez disso, decidiu encontrar um equilíbrio, já que seu novo título o obrigava a fazê-lo. Como Cavaleiro Comandante, ele seria visto com mais olhos se não organizasse pelo menos uma reunião em sua casa. Assim, algumas pessoas que ele conhecia mais de perto chegariam mais tarde, após terminarem a cerimônia inicial na Igreja.

“Acho que é isso… nunca gostei de usar ternos…” 

Roland murmurou para si mesmo enquanto era forçado a adornar esse traje nobre. O terno parecia sufocante em comparação com as roupas práticas que estava acostumado a usar. Era composta por uma longa túnica confeccionada com tecidos opulentos, com uma mistura de veludo e cetim. Bordados nele estavam os símbolos que representavam a família Valeriana, da qual ele logo se tornaria parte. Ele respirou fundo, tentando acalmar os nervos. Hoje era um dia de comemoração e não queria ser dominado pelo desconforto. 

“Sir Wayland, estávamos esperando por você.” 

“Vamos então…” 

Uma carruagem esperava na entrada de sua casa, que ele usaria para chegar à cidade. Desfilar pelas ruas com um terno extravagante estava fora de cogitação, pois atrairia mais atenção do que desejava. Com uma mistura de expectativa e nervosismo, Roland entrou na carruagem e a viagem até a igreja começou, com o coração batendo forte no peito. 

A carruagem de Roland avançou lentamente pelas ruas de paralelepípedos de Albrook. A primeira luz do dia ainda não havia surgido e, em vez disso, as ruas estavam iluminadas pelas lâmpadas rúnicas que ele ajudou a criar. Segundo a tradição, deveria chegar à Igreja Solariana para encontrar a noiva antes do amanhecer. Felizmente, poucas pessoas estavam acordadas no momento, então a estrada estava bastante livre. 

‘As tradições irritantes que eles criaram…’ 

À medida que a carruagem se aproximava da Igreja Solariana, o coração de Roland acelerou ainda mais. Ele sabia que os próximos momentos mudariam sua vida para sempre. A igreja, uma magnífica estrutura feita de pedra branca e adornada com intrincados símbolos solares, era um símbolo da deusa divina, Solaria. Era um lugar de reverência e solenidade, e era onde ele e Elodia fariam os seus votos. 

O sol começava a lançar os primeiros raios no horizonte quando a carruagem parou na entrada da igreja. Roland saiu, seus olhos examinando os arredores em busca de qualquer sinal de sua futura esposa. Ele foi recebido com uma visão de tirar o fôlego. Elodia, radiante em seu vestido de noiva, estava na entrada da igreja, banhada pela suave luz da manhã. Ela usava um véu branco com padrões dourados semelhantes aos do sol que obscureciam parcialmente seu rosto. 

Ela não estava sozinha, pois à sua esquerda ele avistou uma senhora meio-elfa de aparência familiar. Então, à direita estava outro elfo com um peito mais robusto. Os três estavam conversando entre si enquanto ele observava a visão diante de seus olhos cansados. Mesmo que uma beleza élfica estivesse ali, seu olhar não conseguia desviar o olhar da mulher vestida de branco e dourado. 

“Wayland, você está aqui…” 

Antes que Roland pudesse fazer um comentário, uma voz sonolenta o chamou de lado. Ele se virou e viu seu cunhado, que lutava para reprimir um bocejo. Atrás dele estava Bernir, com seu grande sorriso habitual. Eles não eram os únicos que Roland convidou, quase todo mundo que ele conhecia havia recebido um convite para as festividades. 

Arthur Valerian conseguiu se misturar à multidão, enquanto Mary observava nas sombras. Segundo a tradição, homens e mulheres eram segregados no início da cerimônia de casamento, ficando em pé ou sentados em lados opostos da igreja. Arthur teve que permanecer ao seu lado até que os votos fossem trocados. 

Tanto o senhor da cidade quanto Mary alteraram suas aparências para a ocasião, usando um item caro na forma de uma máscara facial para esconder suas verdadeiras identidades. Contanto que se abstivessem de falar ou suar muito, passariam provavelmente despercebidos pelos outros. Para qualquer outra pessoa, eles pareciam um comerciante rico e sua esposa. 

“É bom ver você, Sir Wayland. Estou realmente ansioso pela celebração mais tarde!” 

Arthur disse enquanto girava sua bengala. Seu rosto adornava um grande bigode e ele agora parecia um homem de quase quarenta anos. A voz que ele estava usando era algo que ele mesmo era capaz de fazer sem quaisquer ferramentas mágicas e parecia que o nobre gostava bastante dessa encenação de comerciante. 

“Ah, tenho certeza que sim. Espero que você aproveite sua estadia junto com sua adorável esposa, Sr. Jonathan.” 

“Eu já estou!” 

Nem Roland, nem Mary acharam que esse disfarce era a melhor ideia, mas dada a presença de vários detentores de classe de nível 3, não havia mal nenhum em ter o nobre presente no evento. Então, atrás de Arthur estavam Orson e Dalrak, com quem ele completou sua missão de mudança de classificação de rank ouro. Do outro lado, Senna e Grisalde estavam de pé, atendendo principalmente pelas bebidas alcoólicas e lanches gratuitos. 

Entre os convidados do lado de Elodia, havia alguns rostos desconhecidos que Roland não reconhecia ou conhecia muito bem. Muitos deles eram membros da guilda de aventureiros, enquanto outros eram ex-órfãos que já tinham idade suficiente para participar de tais eventos. Para surpresa de Roland, o Mestre da Guilda aceitou o convite como um sinal de respeito. Ele não pôde deixar de notar a estatura imponente e a careca brilhante do homem. Ele só podia esperar que Armand não provocasse nenhum conflito com seu ex-chefe quando a bebedeira começasse. 

Finalmente, o casamento pôde começar e Roland abordou Elodia. Embora não pudesse ver a maior parte do rosto dela, ele conhecia a beleza que havia por trás daquele véu. Seu vestido de noiva, uma obra-prima de artesanato que custava uma boa quantia, parecia brilhar à luz da manhã. Foi adornado com rendas delicadas e bordado com motivos dourados do sol, combinando perfeitamente com o véu. O vestido acentuava sua figura e ela parecia a própria deusa radiante. 

“Elodia…” 

“Wayland…” 

Seu verdadeiro nome permaneceu oculto, mas de certa forma, ele se perguntou se realmente havia se tornado Wayland. O nome Roland havia perdido muito do seu valor sentimental, pois agora apenas o ligava a um lugar para onde não desejava voltar. Roland, o filho do Barão, foi suplantado por Wayland, o Ferreiro Rúnico, que agora ocuparia o centro do palco em sua vida.

“Não, é proibido ao noivo tocar na noiva antes que a cerimônia sagrada seja concluída!” 

Antes que os dois pudessem começar a trocar algumas palavras, uma pessoa se enfiou entre eles. Ela usava uma túnica branca de sacerdote adornada com símbolos do sol para indicar a qual religião ela pertencia. 

“Ah Irmã Kassia… Bom dia…” 

Irmã Kassia, uma sacerdotisa devota de Solaria, era conhecida por sua estrita adesão à tradição e por sua natureza um tanto autoritária. Ela levava muito a sério seu papel na cerimônia de casamento e estava determinada a garantir que tudo corresse de acordo com os costumes da igreja. 

“Bom dia, de fato. Mas lembre-se, estamos na presença da deusa divina hoje e devemos mostrar o máximo respeito e reverência.” 

Roland e Elodia trocaram olhares, ao mesmo tempo, divertidos e um pouco impressionados com o zelo da irmã Kassia. Eles esperavam que ela fosse oficializar a cerimônia, mas sua presença aqui parecia ser mais para fazer cumprir as regras. 

A própria igreja era adornada com tapeçarias douradas e intrincados vitrais que retratavam a história de Solaria. Enquanto Roland e Elodia estavam na entrada, puderam sentir o peso da história e do significado da igreja. Era um lugar onde inúmeros casais vieram até para prometer seu amor e devoção. 

Quando os primeiros raios de sol começaram a brilhar pelas janelas, lançando um tom quente e dourado sobre o interior da igreja, Irmã Kassia sinalizou que era hora de começar. Os convidados sentaram-se de cada lado do corredor e a cerimônia começou com o som melodioso de um coro cantando hinos em louvor a Solaria. No entanto, enquanto esse momento de alegria acontecia, uma presença sombria à distância aproximou-se do casal desavisado… 

Uma caravana apareceu no horizonte, a poucas horas da cidade de Albrook. Do lado de fora, parecia ser um grupo comum de viajantes, mas após uma inspeção mais detalhada em uma das carruagens, a presença de energias sinistras e ocultas não pôde ser escondida. 

Os seres do lado de dentro espiaram por uma das janelas cobertas. Um dos seres dentro da carruagem observou o sol nascente, suas intenções sombrias por enquanto envoltas em mistério. A presença sombria pairava nos arredores da cidade, lançando uma cascata de sombras sobre o que deveria ser uma ocasião alegre…


Gostaria de ter sua novel favorita em PDF ou algum outro formato digital para ler offline?? ACESSE AQUI e saiba como!!

Comentários

0 0 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar