Participe do nosso novo grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx
Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação e veja os benefícios.

The Runesmith – Capítulo 388

Uma Cerimônia Selada à Luz Solar.

Roland e Elodia caminharam juntos pelo corredor, com passos lentos e deliberados, enquanto absorviam a atmosfera solene da igreja. Os hinos reverberaram pelo grande salão, criando um ambiente quase etéreo. Ao chegarem ao altar, eles se viraram, com os olhos presos em um momento de profunda conexão. Irmã Kassia deu um passo à frente, sua voz ecoando pelo espaço sagrado da Igreja Solariana.

“Queridos amados, estamos aqui reunidos hoje na presença da divina deusa Solaria para testemunhar e celebrar a união destas duas almas, Wayland e Elodia.”

A assembléia assistiu com expectativa enquanto Roland e Elodia estavam diante do altar, seus corações cheios de uma mistura de excitação, alegria e talvez um toque de nervosismo.

“O casamento é um vínculo sagrado, uma união de dois corações, duas vidas e dois destinos. É um compromisso de permanecermos juntos no amor, no apoio e na parceria, não importa quais desafios possam surgir em seu caminho.”

Ela então se virou para Roland e Elodia e perguntou.

“Wayland, você aceita Elodia como sua esposa, para amá-la e cuidar dela, para honrá-la e protegê-la, na doença e na saúde, nos momentos de riqueza ou nos mais pobres, enquanto vocês dois viverem sob nosso grande sol?”

Roland olhou profundamente nos olhos de Elodia, seu coração batendo forte de emoção. Ele nunca gostou de grandes gestos ou discursos eloquentes, mas neste momento, encontrou as palavras fluindo naturalmente de seu coração.

“Eu aceito.”

Ele falou com sinceridade inabalável, sua voz ressoando pela igreja e trazendo sorrisos aos rostos dos presentes. Seu olhar permaneceu fixo em Elodia, e mesmo que o rosto dela estivesse obscurecido por um véu, ele podia sentir parcialmente os olhos dela encontrando os seus. Irmã Kassia então voltou sua atenção para Elodia e começou a fazer-lhe a mesma pergunta.

“E Elodia, você aceita Wayland como seu marido, para amá-lo e apreciá-lo, para honrá-lo e protegê-lo, na doença e na saúde, nos momentos de riqueza ou nos mais pobres, enquanto vocês dois viverem sob nosso grande sol?”

“Eu aceito”

A voz de Elodia tremeu ligeiramente enquanto ela respondia à pergunta. Atrás do véu, seus olhos brilhavam com lágrimas de felicidade, e Roland viu uma delas escorrendo por seu rosto. Nesse ponto da cerimônia era permitido tocar, então ele gentilmente colocou a mão na bochecha dela para enxugar a lágrima com a ajuda do polegar.

Enquanto o polegar de Roland enxugava as lágrimas de Elodia, um suspiro coletivo de admiração e ternura varreu a congregação. Foi um momento pequeno e íntimo, mas falou muito sobre a profundidade do amor deles e a sinceridade do compromisso deles. Irmã Kassia sorriu calorosamente para o casal, seu comportamento severo momentaneamente suavizado pela comovente troca de palavras. Com um movimento gracioso, ela continuou a cerimônia.

“Que a deusa Solaria abençoe esta união e cubra vocês dois com sua luz divina. Deixe seu amor ser um farol de esperança e calor neste mundo, assim como o sol nasce para trazer luz e vida a todos. Com o poder investido em mim pela igreja, eu agora os declaro marido e mulher, você pode beijar a noiva!”

Enquanto as palavras finais da Irmã Kassia ecoavam pela igreja, uma explosão de aplausos alegres irrompeu dos convidados reunidos. Roland e Elodia, agora oficialmente marido e mulher, finalmente puderam olhar nos olhos um do outro. O véu que cobria seu rosto foi prontamente removido e os dois trocaram um beijo terno, mas apaixonado. Alguns convidados começaram a assobiar, outros desviaram os olhos diante da demonstração de carinho, enquanto alguns continuaram aplaudindo.

Os sinos da igreja começaram a tocar, suas badaladas melodiosas enchendo o ar, sinalizando o fim da cerimônia. Roland e Elodia se viraram para seus amigos e familiares, com os rostos radiantes de felicidade. Eles caminharam juntos pelo corredor, de mãos dadas ao som da música da igreja. A luz da manhã brilhou através dos vitrais de cima e iluminou o caminho à frente para significar um novo amanhecer.

Fora da igreja, o sol nasceu totalmente, lançando uma luz quente e dourada sobre a cidade de Albrook. As ruas estavam repletas de simpatizantes que se reuniram para ver os recém-casados. Quando Roland e Elodia saíram da igreja, foram recebidos por uma chuva de pétalas de rosa e aplausos da multidão.

Lobélia junto com Solana estavam pulando e torcendo. Dyana com seu filho nas mãos sorria com Bernir ao lado acenando com vigor. Armand junto com o mestre da guilda, em vez de olharem nessa direção, estavam olhando um para o outro e tentando manter a calma para não estragar a ocasião. Seus antigos membros do grupo da guilda de aventureiros também estavam lá, balançando a cabeça com determinação, mas também olhando para as damas que Elodia convidou. Mary, por outro lado, continuou vigilante enquanto Arthur agitava sua bengala.

A cerimônia principal havia terminado e, quando Roland olhou para a multidão reunida, não pôde deixar de se sentir um tanto surpreso. Quando chegou a esta cidade, esperava que sua vida se assemelhasse à de um recluso. Ele planejava passar os dias elaborando itens em sua oficina, raramente se aventurando fora. No entanto, o futuro que ele imaginou como mais simples se transformou diante de seus olhos. Agora ele era o assunto de toda a cidade, rodeado de muitas pessoas, algumas das quais ele poderia até chamar de verdadeiros amigos.

O casal dirigiu-se para uma carruagem lindamente decorada que os aguardava, pronta para transportá-los para a grande celebração que Roland havia planejado. A carruagem estava adornada com fitas brancas e douradas, combinando com as cores do traje de casamento. Ao entrarem, Roland não pôde deixar de lançar outro olhar para sua noiva, que estava agarrada a seu braço e nem sequer olhava para trás.

Quando a porta se fechou atrás deles, Roland e Elodia finalmente se encontraram em um ambiente privado. O plano era fazer as coisas na igreja rapidamente, antes que os cidadãos da cidade percebessem. Alguns já estavam reunidos do lado de fora, mas Arthur providenciou soldados para mantê-los afastados durante a ocasião. Todo o processo se desenrolou de forma tranquila, evitando a criação de uma cena significativa. Apenas rumores sobre o casamento circulariam, enquanto ele e sua esposa estariam longe dos olhares indiscretos dos moradores da cidade.

“Uau…”

“Você realmente não gosta de lugares com muitas pessoas,… meu marido.”

Elodia riu um pouco do modo como Roland estava se comportando. Ele sorriu de volta para Elodia, sentindo uma sensação de alívio agora que estavam longe da multidão agitada. Sem a armadura ele se sentia um tanto nu, mas felizmente tudo estava acabado e ele poderia voltar para seu lugar.

“Você me conhece muito bem, Elo… não, acho que agora você conhece, minha querida esposa…”

A compreensão de que agora ele era um homem casado finalmente ocorreu, e Roland não desgostou nem um pouco da sensação. Embora não mudasse muita coisa em sua vida diária, uma promessa inquebrável foi forjada entre os dois. Neste mundo, os divórcios não eram particularmente comuns. Quando alguém se submetia à cerimônia de casamento, normalmente era entendido como um compromisso até que a morte os separasse. Mesmo entre os nobres, este princípio era verdadeiro, embora muitas vezes o contornassem, tomando múltiplas noivas enquanto as anteriores permaneciam nas suas propriedades.

A prática de ter múltiplas esposas muitas vezes levava a cônjuges descontentes e rixas entre os herdeiros, como ele tinha visto na casa Arden de onde veio. Roland não tinha intenção de seguir os passos de seu pai distante. Para ele, a ideia de ter mais de uma esposa parecia um tanto absurda. Não conseguia compreender por que algumas pessoas optavam por seguir o caminho do harém, pois parecia excessivamente hedonista e repleto de conflitos, o que não se alinhava com seus valores pessoais. Normalmente, as crianças eram as que mais sofriam e o dono original do corpo que ocupava era o melhor exemplo.

‘Teria sido bom se eu pudesse ter convidado Robert para o casamento, ele parecia ter se tornado um bom garoto, pelo menos…’

Seu nome ainda estava escondido e Elodia não aceitou o sobrenome Arden. Seria melhor que seu pai nunca descobrisse que um de seus filhos havia se casado com uma plebeia. No entanto, mais de dez anos se passaram desde que ele viu aquele velho. Seu lugar na Casa Arden já havia acabado, então provavelmente nenhuma das pessoas de lá se importaria com isso.

No entanto, alguns nobres estavam extremamente orgulhosos do seu status, e Roland não estava disposto a pôr em risco a segurança da sua esposa. Ele sabia que não era o primeiro filho nobre a se casar com uma mulher comum, e tais situações poderiam tornar-se perigosamente tensas. Às vezes, eles se tornavam violentos e muitas vezes a mulher acabava do lado perdedor. Não era incomum que o nobre filho fosse forçado à reeducação, e sua esposa fosse expulsa ou, no pior dos casos, executada. Roland não tinha intenção de permitir que tal destino acontecesse com Elodia. Antes que esses pensamentos sombrios nublassem sua mente, Elodia se inclinou e beijou-o suavemente nos lábios.

“Bem, não precisamos mais nos preocupar com isso. Somos só você e eu agora, longe do caos.” 

Roland sorriu calorosamente para Elodia, saboreando o doce momento de intimidade. Ele sabia que o caminho nem sempre seria tranquilo, mas estava determinado a enfrentar quaisquer desafios junto com sua amada esposa. Enquanto a carruagem continuava a caminho da grande celebração, Roland não pôde deixar de refletir sobre a jornada que o levou até aquele ponto. Pelo menos ele tentou, mas com uma criatura tão adorável ao seu lado, era difícil manter as mãos afastadas. 

“E-ei, não podemos, pelo menos não ainda… e certamente não na carruagem!” 

Antes que ele pudesse continuar, sua mão foi beliscada. Ele o moveu para trás, lançando um olhar suplicante para sua esposa, mas recebeu uma bronca severa em resposta. Embora as noites de núpcias fossem de fato uma tradição, primeiro eles precisavam organizar a festa. Eles não teriam permissão para recuar durante a noite antes do pôr do sol. 

“Eu sei…” 

Ele respondeu, percebendo que eles teriam que ser pacientes mais um pouco. Enquanto cavalgavam pela cidade, atraíram os olhos dos cidadãos que estavam acordando. A carruagem estava decorada e claramente pertencia à família Valeriana, da qual foi emprestada. O mestre original, por outro lado, estava usando apenas um destinado a comerciantes e estava logo atrás deles. 

Como já é tradição, os noivos conduziram o grupo de convidados até o local onde aconteceria a festa de casamento. Sua presença conspícua chamou a atenção de quase todos, e rumores sem dúvida começariam a circular pela cidade. Depois de uma viagem tranquila, eles finalmente chegaram ao seu destino, onde foram recebidos pelo uivo retumbante de um lobo rubi particularmente entediado. 

“Ah, Agni…” 

Roland disse com um sorriso afetuoso ao desembarcar da carruagem com sua esposa aninhada em seu ombro. 

“Você não podia mais esperar, não é? Mas da próxima vez, por favor, evite pular as paredes…”

O enorme lobo rubi pulou a cerca no momento em que percebeu que eles estavam próximos, balançando o rabo furiosamente. Parecia que Agni sentiu a atmosfera alegre e não resistiu em fazer parte dela. Elodia riu da exuberância de Agni e acariciou sua cabeça. 

“Acho que ele está animado para comemorar conosco, se eu achar que deveria haver um pouco de carne no…” 

“Ele vai ficar bem e você está proibido de levantar um dedo, hoje é tudo sobre você, Agni terá que aprender a se conter.” 

“Woof!” 

Com um latido feliz, Agni pareceu entender que hoje era um dia especial para seu mestre e sua amante. Ele obedientemente se acomodou, seu grande corpo ocupando uma parte significativa da entrada. Roland não pôde deixar de sorrir para seu fiel companheiro, grato pelo apoio que Agni lhe deu durante sua jornada neste mundo. 

Sua casa foi construída com um design semelhante ao de uma fortaleza, com paredes íngremes e um layout interior que não era ideal para receber uma grande festa. Porém, para esta ocasião especial, ele fez com que os trabalhadores que estavam montando o novo dormitório preparassem um espaço externo dedicado, onde pudessem receber os convidados. Ainda tinha uma ligação com sua casa, para onde mais tarde ele se retiraria junto com sua esposa após o pôr do sol. 

A área de celebração foi esplendidamente decorada com faixas vibrantes, flores perfumadas e uma variedade de mesas repletas de comidas e bebidas deliciosas. A pessoa responsável por esse planejamento meticuloso não foi Roland, mas sim Elodia. Ele havia confiado a ela a tarefa de contratar as pessoas certas e garantir que tudo estivesse em ordem, já que ele não tinha nenhum senso para essas coisas. Demorou um pouco para convencê-la a gastar o dinheiro para tornar a ocasião verdadeiramente grandiosa e, no final, serviu até para uma celebração nobre. 

Os convidados começaram a chegar e a atmosfera mudou rapidamente de expectativa para alegria. Risos, música e conversas enchiam o ar enquanto amigos, familiares e conhecidos se reuniam para celebrar os noivos. Roland e Elodia, ambos vestidos com trajes mais confortáveis, misturaram-se aos convidados, aceitando parabéns e votos de felicidades de todos os lados. 

A comida era requintada, com uma grande variedade de pratos para agradar a todos os paladares. Carnes assadas, legumes frescos e uma seleção de sobremesas fizeram deste um banquete inesquecível. As bebidas fluíam livremente, com taças de vinho fino e canecas de cerveja à disposição dos convidados. Agni também não foi esquecido e teve uma refeição farta preparada especialmente para ele. 

À medida que o dia avançava, a celebração continuou, com música e dança no centro do palco. Uma banda animada tocava músicas tradicionais e os convidados se revezavam na pista de dança, girando e girando ao som das melodias. Até mesmo Roland, que não era conhecido por suas habilidades de dança, foi puxado para o chão por Elodia e juntou-se às festividades. 

Com a ajuda das melhores bebidas alcoólicas disponíveis na cidade, alguns convidados começaram a ficar turbulentos. Armand se viu em uma competição de bebida contra o Mestre da Guilda, com Bernir torcendo entusiasticamente por ambos. No lado oposto, as mulheres conversavam animadamente enquanto observavam as travessuras dos homens. Até mesmo alguns novos relacionamentos estavam sendo formados enquanto o sol irradiava sobre este lindo dia. 

À medida que a noite se aproximava, Roland e Elodia escaparam por um momento da multidão, encontrando um local tranquilo onde pudessem recuperar o fôlego e refletir sobre o dia. Eles conseguiram permanecer quase sóbrios, pois nenhum deles gostava de beber vinhos doces. 

“Este foi um dia incrível.” 

Elodia disse, seus olhos brilhando de felicidade. 

“Eu não poderia ter pedido um casamento melhor.”

Roland concordou com a cabeça, com o coração cheio. 

“Fico feliz que você esteja feliz, para ser honesto, eu não tinha certeza disso… mas não tem sido ruim ter mais pessoas por perto…” 

Eles compartilharam um momento de ternura, inclinando-se para um beijo amoroso. Enquanto se afastavam, Roland não pôde deixar de pensar no futuro que os esperava. Ele havia encontrado seu lugar neste mundo, ao lado de uma mulher que amava profundamente. Sem dúvida haveria desafios e aventuras nos dias que viriam, mas ele estava pronto para enfrentá-los com Elodia ao seu lado. 

A noite se aproximou e o céu começou a escurecer. A celebração continuou, mas Roland e Elodia sabiam que era hora de se retirarem para o culminar do casamento. Eles se despediram de seus convidados e se retiraram para seus aposentos privados, onde poderiam finalmente ficar a sós como marido e mulher. Seus convidados estavam em sua maioria incapacitados pelo álcool ou cansados demais para se moverem. Alguns deles estavam desmaiados em algumas cadeiras ou até dormindo no chão coberto de grama. 

Enquanto estavam deitados juntos na escuridão silenciosa, Roland não pôde deixar de sentir uma sensação de contentamento tomar conta dele. Ele percorreu um longo caminho desde os dias solitários e incertos quando chegou a este mundo. Agora ele tinha uma esposa amorosa, amigos leais e um futuro cheio de possibilidades. 

“Eu te amo, minha querida esposa.” 

Ele sussurrou baixinho para Elodia que estava em seus braços e ela respondeu com a voz cheia de calor e carinho. 

“Eu também te amo, meu querido marido.” 

Enquanto eles se entreolhavam com nada além de amor nos olhos, Roland estendeu a mão para acariciar a bochecha de Elodia. Porém, em meio a esse momento emocionante, algo peculiar aconteceu. A mão dele deslizou lentamente da bochecha até o pescoço, os dedos se apertando com firmeza, algo não estava certo aqui, algo deu errado…


Gostaria de ter sua novel favorita em PDF ou algum outro formato digital para ler offline?? ACESSE AQUI e saiba como!!

Comentários

0 0 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar