Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

The Runesmith – Capítulo 403

Podemos Reconstruir.

“Não parece tão ruim…”

“… Acho que algumas das paredes ainda estão de pé.”

Roland respondeu a Elodia enquanto enfiava a mão através de um buraco do tamanho de um punho na parede de sua casa. Numerosas lacunas semelhantes adornavam a estrutura. O encontro do Horror Eldritch deixou todo o seu complexo em ruínas, com gavinhas e tentáculos causando estragos. Praticamente tudo sofreu algum dano, a maioria dos geradores eólicos foram destruídos e a oficina paralela onde Bernir gostava de trabalhar desabou.

Ele não pôde deixar de sentir uma ponta de arrependimento enquanto observava a destruição. A propriedade outrora pacífica e bem cuidada era agora uma confusão caótica de escombros e estruturas quebradas. No entanto, em meio aos destroços, houve uma estranha sensação de alívio por terem sobrevivido ao encontro com o Horror Eldritch. O fato de Gideon e Loreena da Igreja Solariana estarem presentes durante a batalha adicionou outra camada de problemas à situação.

Tornou-se evidente para ele que o envolvimento da igreja não era uma mera coincidência. Eles montaram uma armadilha para atrair os cultistas, e o caos que se seguiu foi o resultado. O seu compromisso com a guerra santa contra forças profanas teve precedência sobre as preocupações com danos colaterais. Embora tivesse pensado em colaborar com eles, esta revelação sublinhou a necessidade de abordar a aliança com cautela. A presença de Agni abriu um novo caminho para ele. Sem a ‘Besta Sagrada’, não seria surpreendente se ele se encontrasse atrás das grades, aguardando o interrogatório de um determinado Inquisidor.

“Bem, pelo menos ninguém morreu, isso é o que importa.”

“Acho que sim, pelo menos o dormitório sobreviveu e por alguma razão, o edifício Alquímico permaneceu ileso… pelo menos Rastix não vai gritar sobre isso…”

Ele olhou para o dormitório destinado a abrigar órfãos da cidade. Roland ficou inseguro sobre a ideia, especialmente depois do recente encontro com o cultista. Porém, se as coisas prosseguissem favoravelmente, talvez não precisassem alterar seus planos. Embora desejasse que sua esposa permanecesse na segurança de sua casa, entendia que se Elodia considerasse isso muito perigoso para os filhos, uma separação poderia ser necessária. Eles não viveriam muito distantes e ele sempre poderia visitá-los para garantir que permanecessem conectados.

O curso dos acontecimentos dependia das decisões da igreja e dos seus planos para a área. Apesar da discussão de Roland com os paladinos Solarianos, muitos detalhes permaneceram obscuros. Os soldados não eram tomadores de decisão, autoridades superiores precisavam avaliar quaisquer ações decisivas. Devido à difícil agenda do Alto Inquisidor, a decisão concedeu licença gratuita, pelo menos por enquanto.

Roland foi libertado, mas alguns dos paladinos juniores mantiveram vigília em torno de sua casa e patrulharam a cidade. O potencial para outro ataque cultista, semelhante ao que ocorreu durante seu teste de classificação de rank ouro, era uma possibilidade real. No entanto, outro motivo foi o lobo de aparência feliz que corria em sua direção.

“Ah!”

“Ei, Agni.”

Roland acenou para sua “Besta Sagrada”, seu companheiro quando se aproximou. Com o segredo revelado, sua forma permaneceu a de um Lobo da Luz do Sol. A dupla esposa e marido entrou pelo buraco na parede criado pelo cultista, confundindo momentaneamente Agni. No entanto, assim que o Lobo Sagrado os avistou, ele avançou em direção a Roland com uma velocidade impressionante.

“Ele parece feliz.”

“Sim… um pouco feliz demais… Ei, CALMA GAROTO… GUH”

Apesar do físico superior de Roland, ele não estava preparado para o desarme e foi derrubado no chão. Quase imediatamente, algo úmido atingiu seu rosto repetidamente quando Agni começou a cobri-lo com lambidas entusiasmadas.

“Ei, saia de cima de mim!”

“Ele realmente gosta de seu mestre.”

Elodia riu ao observar Roland se contorcendo, tentando afastar o lobo de fogo. As chamas que dançavam ao redor do corpo de Agni se intensificaram, significando sua maior alegria ao se reunir com seu mestre. Essas chamas sagradas eram quentes ao toque e inofensivas para qualquer pessoa que Agni não pretendesse prejudicar.

“Ok, já chega, você já se divertiu…”

Com determinação, Roland começou a empurrar para trás, forçando Agni a ficar nas patas traseiras. Após uma breve luta, Roland conseguiu se libertar do ataque de lambidas. No entanto, o resultado deixou seu rosto carregando o aroma distinto da boca de Agni. Felizmente, criaturas como Agni eram imunes a cáries, por isso, embora não fosse uma experiência agradável, pelo menos não havia preocupações com cheiros pungentes.

“Woof!”

“Pare de pular, como você pode ver, estou bem.”

Agni circulou em torno de seu mestre há muito perdido algumas vezes, trotando de uma forma bastante cômica. Os paladinos da Ordem Dourada observaram à distância, um tanto surpresos com a cena. Pode ter parecido estranho testemunhar sua besta sagrada agindo como um cachorro, acolhendo com entusiasmo seu dono. No entanto, a exibição solidificou as afirmações de Roland sobre seu relacionamento único e genuíno.

“Eles têm te tratado bem?”

“Awoo~!”

“Entendo, isso é bom então.”

O entendimento mútuo entre eles era evidente e Roland podia sentir que nenhum mal havia acontecido ao seu lobo rubi. Para uma agradável surpresa, um pequeno santuário se materializou em frente à sua porta. Nele foi colocada uma coleção de carnes bem caras, permanecendo intocadas por enquanto. Agni foi inteligente o suficiente para evitar aceitar ofertas de fontes desconhecidas. Ele não consumiria nada a menos que viesse de alguém em quem confiasse ou que ele mesmo o caçasse, cauteloso com o potencial de veneno ou adulteração.

‘Vejo que ele subiu um pouco de nível, assim como eu…’

Em seu recente encontro, Roland e Agni enfrentaram um formidável grupo de cultistas, três dos quais se fundiram para criar uma entidade monstruosa. Embora eles não tenham dado o golpe final, seu esforço colaborativo produziu um feitiço de imitação do sol que causou danos significativos à monstruosidade. A Ordem Dourada posteriormente interveio para acabar com o ser, pois ultrapassou o seu nível. A experiência adquirida ao matar um inimigo tão formidável foi substancial, equivalente talvez a vários meses de guerra. Valeu a pena a experiência obtida.

Seu aumento de nível não trouxe apenas um aumento constante nas estatísticas, mas também duas novas habilidades. A primeira o lembrou da habilidade de uivar de Agni, pois tinha um efeito muito semelhante.

A nova habilidade lembrava um efeito impressionante que Roland percebeu que poderia ser útil contra oponentes mais fracos. Embora compartilhasse algumas semelhanças com sua habilidade de Supressão Rúnica na superfície, havia diferenças notáveis. Ao contrário da Supressão Rúnica, ele não precisava de nenhuma runa e não havia necessidade de infundir mana continuamente para manter o efeito. Embora a habilidade possa não ser eficaz contra oponentes de níveis e poder semelhantes, ela tinha potencial para atordoar aqueles que estavam nas proximidades. Roland imaginou sua utilidade contra um grande grupo de detentores de classe de nível 2, onde ele poderia potencialmente incapacitá-los todos de uma vez.

Outra habilidade intrigante no repertório de Roland foi Imbuir Runa. Embora compartilhasse alguns pontos em comum com a forja rúnica básica, possuía aplicações únicas. Embora fosse tecnicamente viável forçar runas em superfícies sem um martelo de ferreiro, isso consumia uma quantidade considerável de mana e exigia materiais metálicos robustos. Imbuir Runa, no entanto, permitia que Roland usasse materiais não destinados à forja rúnica, como pedras comuns, expandindo as possibilidades de suas habilidades rúnicas.

A caminho de sua casa, Roland já havia testado a habilidade Imbuir Runa. Sua simplicidade era sua força – após o uso, uma runa aparecia na superfície de um objeto, pronta para ser ativada a seu critério. A habilidade recém-descoberta permitia que ele fabricasse bombas simples a partir de pedras comuns com eficiência, consumindo menos mana do que a forja rúnica tradicional. Roland poderia imaginar várias aplicações de combate para esta habilidade. As únicas restrições eram o contato direto com o material e a exigência de que a superfície não fosse viva. Isso significava que ele poderia colocar a runa em um pedaço de papel, mas não em uma árvore viva, mesmo que o papel fosse feito dela.

Apesar do desastre causado pelo ataque dos cultistas, o aspecto positivo deste mundo foi o progresso contínuo de Roland. Seu poder havia crescido e a capacidade de reconstrução permanecia ao seu alcance. Embora subir de nível na masmorra e criar novas defesas fossem suas táticas habituais, ele duvidava que fossem suficientes desta vez. A principal preocupação em sua mente era Bernir, que havia perdido o braço direito. Havia algumas opções que poderia fazer para restaurá-lo e ele não tinha certeza se confiar na igreja seria uma opção.

Após uma discussão com Loreena, Roland não recebeu resposta sobre o braço perdido de Bernir. A Igreja oferecia dois métodos potenciais para restauração de membros – através de sacerdotes de alto nível ou elixires divinos. No entanto, os sacerdotes eram conhecidos pela sua natureza caprichosa, tornando-os um desafio para influenciar até mesmo para a Ordem Dourada. Na melhor das hipóteses, Roland poderia solicitar uma carta de encaminhamento para Bernir e esperar um resultado favorável. Quanto aos elixires divinos, Roland não tinha os fundos e o prestígio necessários para adquirir um grande elixir de recuperação, uma mistura de nível 4. As opções eram limitadas e o caminho a seguir permanecia incerto.

Considerando a troca pelo elixir divino ou pelos serviços da igreja, Roland ponderou os possíveis termos de tal acordo. No entanto, ele estava cauteloso com possíveis condições que poderiam não ser favoráveis. Havia a possibilidade de exigirem algo significativo em troca, talvez até propondo a transferência de seus direitos de mestre sobre Agni para um de seus membros. Embora a igreja não tivesse necessidade imediata de dinheiro ou ajuda de um Runesmith, sua reverência por todas as coisas relacionadas ao sol poderia empurrá-los nessa direção. Não querendo aceitar a ideia de trocar Agni pelo braço de Bernir, Roland inclinou-se para a terceira opção – criar uma prótese.

Tendo consultado Brylvia, uma colega Runesmith, Roland procurou ajuda para criar um membro substituto. No entanto, as informações que ela forneceu não eram promissoras. Embora os anões se destacassem no artesanato exterior, sua experiência nas complexidades do funcionamento interno era limitada. Para questões relacionadas ao sistema operacional que imitaria os movimentos das mãos, Roland precisava da experiência de magos rúnicos especializados em levar as construções rúnicas ao seu limite. Projetar uma réplica fiel do braço estava dentro da tarefa dos anões. As capacidades ao menos, mas as complexidades do funcionamento interno exigiam a assistência de magos rúnicos. Havia um lugar onde ele poderia procurar ajuda para esse problema, mas era um assunto problemático com um problema evidente.

“Está tudo bem? Você continua preocupado com o que aconteceu?

“Como?”

Ele havia se distraído por um momento e foi libertado ao ter sua mão agarrada por Elodia. Sua esposa o conhecia bem e imediatamente percebeu que estava preocupado com os acontecimentos atuais.

“Você precisa parar de se culpar por tudo, ninguém poderia saber que isso iria acontecer, você fez o seu melhor, todos nós fizemos.”

Roland ficou sem palavras. Sua tendência sempre foi assumir responsabilidades sozinho. Porém, com Elodia e os demais ao seu lado, ele começou a reconhecer que não estava mais sozinho para enfrentar os desafios que viriam. Talvez precisasse se acostumar a consultá-la sobre quaisquer planos futuros, sem esconder nada, ela era sua única esposa afinal.

Ela sorriu gentilmente, apertando a mão dele de forma tranquilizadora. Agni, sentindo as tendências emocionais, aninhou-se em Roland como se também oferecesse seu apoio. Foi uma cena reconfortante e, por um momento, Roland permitiu-se aproveitar o calor da presença deles.

“Você está certa.”

Roland suspirou, um peso tirando de seus ombros enquanto ele agarrava totalmente o apoio que tinha ao seu redor. A destruição em torno de sua propriedade e as incertezas do futuro ainda pairavam, mas saber que ele não estava enfrentando isso sozinho trouxe uma sensação de conforto.

“Vamos nos concentrar na reconstrução e na preparação para o que vier a seguir e tenho certeza de que alguém já tem algo em mente, espero que esse alguém esteja disposto a abrir mão desse conhecimento.”

“Eu acho que sei quem é…”

Os dois sorriram e acenaram um para o outro antes de irem para o que sobrou de sua casa. Havia muitos buracos, mas nada que não pudesse ser consertado. Ele previu que um cerco aconteceria aqui, então tudo foi construído para durar. Com um pouco de magia da terra era fácil tapar os buracos para uma solução rápida e mais tarde os construtores cuidariam disso.

Enquanto Roland e Elodia avaliavam os danos e planejavam a reconstrução, os pensamentos de Roland giravam em torno dos próximos passos. A ideia de deixar este lugar não era atraente, mas se o perigo fosse muito grande, poderia ser a única opção viável. Ele nutria o desejo de contra-atacar e confrontar diretamente os cultistas, mas sua evasão representava um desafio. A segurança deste lugar e torná-lo um santuário dependia de um potencial acordo com a igreja. Mesmo assim, não queria passar os dias vigiando por cima do ombro com medo desses maníacos, algo precisava ser feito.

À medida que a noite se aproximava, Roland ainda aguardava uma resposta da igreja. Depois de acompanhar Elodia de volta à cidade para passar um tempo com os outros, ele voltou para continuar seu trabalho. Apesar da repreensão de sua esposa preocupada, sua inquietação prevaleceu, impedindo-o de dormir. Com seu corpo agora recuperado, ele direcionou seu foco para a confecção da prótese rúnica para Bernir. A urgência da tarefa alimentou sua determinação em levá-la até o fim.

Ele foi até a oficina e o primeiro esquema foi colocado no quadro. Contemplou a possibilidade de criar um membro falso básico com um martelo para seu amigo ferreiro, mas esse não era seu objetivo. Roland imaginou algo mais complexo. Observando os fantasmas de mana que cercavam a todos, ele ponderou a ideia de integrar esse fenômeno nas estruturas rúnicas. Se conseguisse encontrar uma maneira de registrar e interagir das estruturas rúnicas com o fantasma de mana, criar um membro totalmente funcional poderia não ser tão desafiador quanto parecia inicialmente.

“O fantasma de mana sempre se move um pouco mais rápido do que os músculos se contraem… Parece ignorar o atraso inicial ou o sinal que o cérebro envia…”

O olhar de Roland fixou-se em sua própria mão, produzindo o mesmo fenômeno de mana que havia observado em outras pessoas. Assim como na batalha, o mana avançava em qualquer ação, criando a ilusão de prever o futuro. Entendeu que eram simplesmente sinais do cérebro emitidos mais rápido do que o corpo poderia reagir. Na falta de amplo conhecimento médico e das habilidades de um neurocirurgião, explorar diretamente essas ondas cerebrais, parecia, impossível para ele. Porém, cogitou a ideia de criar uma prótese que pudesse ler o mana em movimento, tarefa que deveria estar ao seu alcance apesar de seu conhecimento limitado na área.

Apesar de ter ficado acordado a noite toda na tentativa de aproveitar a indescritível onda de mana, Roland ficou desapontado. Nenhuma de suas habilidades atuais poderia persuadir o fantasma de mana a se mover ou influenciar qualquer runa que criasse. Parecia que o fenômeno não existia de verdade, ou pelo menos Roland não conseguia encontrar uma maneira de interagir com ele usando seu atual conjunto de habilidades.

Exausto e frustrado, Roland deixou-se cair numa cadeira, esfregando as têmporas. A luz do amanhecer penetrava pelas janelas de seu escritório, lançando longas sombras sobre os desenhos rúnicos espalhados pelas mesas. Agni estava deitado perto da entrada da casa, com a cabeça apoiada nas patas enquanto dormia.

“É mais complicado do que eu pensava, talvez não consiga fazer isso com meu conhecimento atual”

Roland murmurou para si mesmo, contemplando as complexidades de integrar esses fantasmas de mana na prótese rúnica. Quando ele estava prestes a desistir, um estranho brilho verde chamou sua atenção para a janela. Lá ele viu um pardal feito de luz que ele não via há algum tempo.

“É o gato? Ele quer algo de novo… Espere… “

O pardal mágico servia como meio de comunicação com um certo mago rúnico dentro do reino. Roland, sem uma visão profunda do mundo dos magos, já havia encontrado ajuda na literatura emprestada desse contato. No entanto, ainda não havia se aprofundado em tópicos mais avançados que pudessem potencialmente ajudá-lo em seu empreendimento atual. Talvez consultar magos rúnicos reais fornecesse o conhecimento necessário para superar os desafios que ele enfrentou…

Um pouco antes em outro local.

“Essas são suas ordens, Alto Inquisidor?”

“Preciso me repetir?”

“… Perdoe meu atrevimento, isso será feito!”

“Bom, agora vá embora.”

“Sim senhor!”

Um cavaleiro de armadura dourada brilhante abaixou a cabeça ao sair dos aposentos pessoais de um homem em particular. Assim que a porta foi fechada atrás dele, o homem começou a esfregar sua longa barba branca enquanto estudava cuidadosamente um pergaminho. O documento continha planos para uma cidade chamada Albrook, completos com várias anotações. Certos locais foram circulados, com o foco principal fora dos limites da cidade, em uma loja especializada em artigos rúnicos. O nome do proprietário junto com todos os seus dados foram apresentados e o velho não pôde deixar de rir.

“É aquele menino de novo, ele gosta muito de se meter em encrencas… Tal pai, tal filho… Agora o que devo fazer com ele… já se passaram mais de vinte anos desde aquele incidente? Hum…”

A luxuosa sala era adornada com intrincadas tapeçarias representando cenas de batalhas contra seres de outro mundo. Estantes de livros cobriam as paredes, cheias de tomos sobre magia, história e artes divinas. O Alto Inquisidor, um homem de idade avançada, mas que ainda mantinha um corpo adequado a um guerreiro, contemplou a situação em questão. Seu olhar caiu sobre o mapa do país enquanto um suspiro profundo lhe escapou…


Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

0 0 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar