Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

The Runesmith – Capítulo 409

Intervenção Chocante.

‘Este lugar está um pouco lotado. Acho que isso é o máximo que conexões de segunda mão podem me dar.’

Roland ponderou enquanto se recostava no banco desconfortável da grande sala reservada para aventureiros contratados e guardas no convés intermediário da aeronave. Apesar de terem permissão para ficar com as armas, os guarda-costas não podiam sair do local. Ao chegar ao navio, os guardas principais instruíram-no a aguardar ali, considerando-o nada mais do que reserva e pouco apresentável nos conveses superiores.

O dirigível, bem grande, ostentava até um salão de baile onde tocava música, atraindo nobres que se misturavam com mercadores influentes. Era um lugar para os ricos e poderosos. Roland não podia reclamar, pois estava ganhando uma carona grátis para o Instituto. Outros na sala pareciam estar descansando, aparentemente despreocupados, já que a aeronave deste calibre era considerada relativamente segura.

‘Algo está bloqueando meu sinal. Não poderei ligar para Elodia até chegarmos ao destino.’

Enquanto a mente de Roland voltava para a casa da qual ele já sentia falta, não podia negar que havia mudado desde que chegou a Albrook. Inicialmente, a sobrevivência e a paz eram suas únicas preocupações, mas agora se preocupava com os outros. Durante sua ausência, esperava que nada inesperado acontecesse. Elodia assumiu o papel de novo líder em sua ausência, mas ainda havia o imprevisível Alquimista para enfrentar. Apesar de ter conversado com ele, Roland só podia esperar que o Gnomo não causasse nenhum desastre em sua ausência.

‘Já passei por muita coisa nestes onze anos… ou já se passaram doze?’

Sem muito o que fazer, Roland se viu preso em seus próprios pensamentos, algo raro para ele. Geralmente preocupado com diversas tarefas, raramente pensava no passado ou ponderava sobre a natureza do mundo em que se encontrava. Até hoje, não tinha ideia de como veio parar aqui ou por quê. No entanto, em meio à incerteza, estava começando a sentir um sentimento de pertencimento. À medida que os acontecimentos se desenrolavam em Albrook, Roland percebeu que não estava sozinho e que a vida neste mundo não era tão indesejável como ele pensava.

Roland teve um início desafiador, marcado pela repulsa da família. Naqueles anos difíceis, os livros e o sonho de se tornar um mago foram seu consolo. No entanto, esse sonho foi destruído durante seu primeiro teste de ascensão, quando descobriu sua falta de afinidades elementares. Até hoje, permaneceu incerto sobre as razões por trás desta anomalia. Várias teorias passaram por sua mente, como seu corpo ser especial ou sua mente substituir a do Roland original. Ele até questionou se era a mesma pessoa da Terra, pensando se suas memórias foram meramente copiadas ou se existia em um vasto sonho enquanto estava deitado em uma cama de hospital.

‘Eu provavelmente deveria parar de pensar em teorias como essa, este mundo é real demais para ser uma ilusão ou o sonho de um moribundo. Preciso me concentrar nos artigos de pesquisa certos. Se não tomar cuidado, posso demorar muito mais do que deveria.’

Embora Roland nunca tivesse frequentado uma academia mágica formal, ele mergulhou em pesquisas produzidas por mágicos. Foi uma experiência desafiadora, já que os mágicos muitas vezes abordavam seu trabalho de forma caótica e sem anotações padronizadas. Cada indivíduo tinha seus próprios métodos enigmáticos, dificultando a decifração de seus papéis. Decodificar a essência da pesquisa consumia mais da metade da tarefa, e Roland se viu em perigo de perder meses na busca por conhecimento nas bibliotecas labirínticas da academia mágica.

“Ei, cuidado, você sabe quanto custa esse manto?”

“Eu… sinto muito…”

“Você sente muito? Não acho que isso seja bom o suficiente, você até sujou tudo.”

Enquanto pensava em uma maneira rápida de realizar todas as suas pesquisas, ele ouviu uma comoção. Um grupo de três aventureiros sorria e gargalhava enquanto olhava para uma garota de aparência um tanto comum. Suas orelhas a denunciavam, alguém da raça dos coelhos e suas roupas certamente eram comuns. À primeira vista, parecia um dos carregadores que vinha com eles na viagem. Assim como alguns dos aventureiros, eles foram forçados a entrar em uma seção diferente desta aeronave.

“Eu não…”

“Você não fez o quê? Olha aqui menina, essas coisas são caras, olha esse buraco, você rasgou direto e agora o encantamento não vai funcionar! Mas sou um homem generoso. Eu vou deixar você ir, se você pagar pelos danos que causou.”

“M-mas foi você quem esbarrou em mim…”

“Hah? Você está respondendo? Meu amigo tem sido muito legal, mas você está tentando fugir depois de manchar seu único manto mágico?”

Roland tentou desconsiderar a perturbação e se concentrar em sua pesquisa, mas os gritos dos aventureiros dificultaram ignorá-la. Parecia que o grupo estava de olho na garota. Roland os observou anteriormente, reconhecendo emblemas específicos em suas roupas, significando sua afiliação a um grupo mercenário. Esses símbolos sugeriam que provavelmente foram contratados por outro comerciante. A Guilda dos Aventureiros não era a única entidade que recrutava os serviços de aventureiros, grupos mercenários mais pequenos também eram envolvidos em necessidades de segurança maiores.

Embora esses grupos mercenários pudessem ser menores e menos poderosos que a Guilda dos Aventureiros, eles possuíam vantagens distintas. Sua força residia na capacidade de reunir uma força maior, e muitas vezes eram contratados para funções temporárias semelhantes às do exército. Durante disputas entre nobres, estes grupos eram por vezes alistados para reforçar as suas forças. No entanto, uma desvantagem significativa foi o processo de contratação, ou melhor, a falta de avaliações rigorosas. Contanto que os indivíduos não fossem criminosos procurados e possuíssem uma classe de batalha, eles eram considerados aptos para o emprego. Até a primeira parte às vezes era esquecida, o que explicava o comportamento deles aqui. A garota era porteira e a seção deles ficava abaixo dessa área.

A única saída da carregadora era passar pela grande cabana onde descansavam os aventureiros e mercenários. A força física não era um pré-requisito para quem carregava bagagem, possuir fundos suficientes para adquirir uma bolsa espacial e itens para redução de peso era suficiente. Mesmo uma garota de aparência comum poderia ser suficiente para a tarefa, desde que conseguisse manter o ritmo exigido.

Parecia que ela havia acabado de completar uma tarefa dentro da aeronave. Frequentemente, os indivíduos que desempenhavam essas funções recebiam várias formas de trabalho manual. Bernir, que tinha experiência nesta profissão, contou algumas histórias. As tarefas incluíam preparar comida para o grupo e até lavar as roupas íntimas sujas durante a viagem. Erros podem levar à ameaça de violência física, tornando-a uma profissão desafiadora e exigente. Aqueles que ocupavam tais funções só podiam esperar fazer parte de um grupo de aventureiros razoável, mas muitas vezes essa era a única maneira de ganhar dinheiro.

‘Não é como se eles pudessem se sindicalizar…’

Apesar de sua relutância inicial, Roland se viu incapaz de ignorar a escalada da situação. Seu antigo eu teria normalmente evitado tais assuntos, já que muitas vezes não havia razão convincente para intervir nos assuntos dos outros. Embora ainda mantivesse a mesma perspectiva, ele reconheceu que agir ocasionalmente levava a recompensas imprevistas. Nesse caso específico, intervir poderia interromper todo o episódio absurdo, e Roland também não estava disposto a testemunhar o trio agredindo alguém quando tinha a capacidade de evitá-lo.

Nenhum dos três representava uma grande ameaça e os outros detentores de classe de nível 3 que estavam assistindo não eram muito melhores. Todos eles estavam em torno da força de um grupo rank platina que ele derrotou na masmorra. Agora que seu nível subiu, ele se sentiu ainda mais confortável.

“Eu não fiz nada…”

“Ei, onde você pensa que está indo? Se você não tiver a moeda, poderá pagar de diferentes maneiras…”

O suposto líder do grupo, um homem robusto com uma cicatriz no rosto, avançou ameaçadoramente em sua direção. Seus lábios emitiram um som obsceno quando ele estendeu a mão para agarrar a garota visivelmente assustada. Era evidente para ela o que os homens queriam, e ela procurou desesperadamente a ajuda dos outros aventureiros dentro da câmara espaçosa. Roland observou que havia pouco interesse em ajudá-la, principalmente porque metade dos indivíduos presentes pertenciam ao mesmo grupo mercenário e não estavam dispostos a intervir.

Uma oportunidade se apresentou para ele quando a coelhinha tentou fugir, e seu único caminho levava diretamente em direção a ele. Ela disparou, exibindo uma velocidade impressionante, provavelmente devido aos seus atributos de raça bestial. Infelizmente, ela enfrentava adversários equipados com classes de batalha proficientes, e o espaço limitado oferecia pouco espaço para manobras ou fuga. Na pressa, ela tropeçou em um solavanco e inclinou-se para frente.

Roland observou que o trio parecia estar se divertindo muito, seus rostos irradiando alegria como se estivessem prestes a explodir em gargalhadas. No entanto, por trás dessas expressões aparentemente alegres escondia-se um tom malévolo. Eram indivíduos intoxicados pelo poder, deleitando-se com o exercício da força sobre alguém indefeso. Era uma dura realidade deste mundo, onde os fortes ditavam as regras, e a existência de classes distintas condenava certos indivíduos à subjugação perpétua aos seus caprichos.

No entanto, mesmo num mundo injusto como este, alguns indivíduos resistiram a sucumbir a tais impulsos. Nem todos se elevaram acima dos outros apenas com base em sua classe ou nível superior. Roland, como pessoa de um mundo mais moderno, onde as coisas eram um pouco mais iguais, exemplificou tais princípios. Ele também tentou se cercar de pessoas com ideias semelhantes que pelo menos não intimidassem os outros.

“Huh…?”

“O que é aquilo?”

Os aventureiros que estavam gostando de atormentar a coelhinha pararam abruptamente quando um fenômeno peculiar se desenrolou. A garota, prestes a cair, parou repentinamente no ar e começou a flutuar. Ela agitou os braços e as pernas de uma forma um tanto cômica antes de flutuar suavemente para o lado. Os mercenários identificaram rapidamente a fonte da luz azul, e Roland deixou isso bem claro. Ele estava apontando diretamente para a garota com o dedo, que emitia uma luz mágica, desviando a atenção dela a ele.

“Acho que é o bastante.”

Sua voz profunda ressoou pela câmara, captando a atenção de todos os presentes. O trio de aventureiros virou-se para Roland, suas expressões mudando de diversão para perplexidade. A garota, percebendo que não era mais o foco da atenção deles, desceu graciosamente até o chão. Ela tropeçou ligeiramente ao pousar, ainda recuperando o fôlego devido à reviravolta inesperada dos acontecimentos.

“Quem diabos é você?”

O líder com cicatriz no rosto cuspiu suas palavras, claramente irritado com a interrupção. Roland, imperturbável, manteve seu comportamento estóico e acentuou tudo fazendo seus olhos brilharem. Escondido atrás de um capacete e capuz, ele apresentava uma ameaçadora demonstração de poder. Uma coisa era certa, a maioria dos aventureiros e mercenários não estava acostumada a encontrar magos. Mesmo agora, eles estavam em alerta máximo, já que os usuários de magia estavam entre os indivíduos mais temidos. Sua força estava no desconhecido, no uso de itens estranhos e feitiços.

“Eu não fui claro? Você precisa que eu repita?”

Numa situação como esta, era sempre melhor adotar um tom severo. Pessoas como esses mercenários não eram do tipo que se restringiam e só entendiam uma regra: a pessoa que tinha o maior poder sempre tinha razão. Mesmo agora eles estavam tentando medir sua força e apoio potencial para ver se deveriam se envolver ainda mais. Roland não tinha emblemas ou insígnias que o ligassem a qualquer facção, mas a magia que ele usava era suficiente. Porém, para fazê-los entender a diferença de poder, ele precisava se exibir um pouco mais.

“Cuide da sua vida, estranho. Estamos apenas nos divertindo um pouco.”

“Um pouco de diversão? Entendo, então que tal eu me divertir um pouco com você?”

Embora ele não fosse o único detentor de classe de nível 3 na sala, aqueles não afiliados a esta empresa mercenária não o ajudariam ou atacariam. Entre os dez indivíduos que ele precisava vigiar, apenas dois representavam ameaças reais. Percebendo a necessidade de uma ação rápida e decisiva, Roland, sem esperar por uma resposta, deixou sua mana avançar em direção ao homem.

Havia várias maneiras de lidar com essa situação, mas era importante lidar com ela sem produzir danos residuais nesta grande sala. Se ele causasse muita confusão, poderia até ser expulso no meio do vôo, portanto, um feitiço de ligação seria o que ele decidira. Para os espectadores, parecia uma onda peculiar de energia azulada atacando seu companheiro, enquanto apenas Roland percebia a intrincada teia de algemas dentro dele.

O homem com cicatriz no rosto não conseguiu nem sacar a arma antes que seus braços estivessem firmemente presos ao corpo. Apesar de seu tamanho e constituição muscular, semelhante ao Mestre da Guilda de Albrook, ele se esforçou em vão para se libertar. Em pouco tempo, se viu flutuando no ar, contorcendo-se como um verme. Desamparado, ele se contorceu até aparecer na frente de seu captor, que lhe presenteou com um dedo eletrificado.

A maioria dos ocupantes da câmara se distanciou apressadamente enquanto o som crepitante ressoava com intensidade estrondosa. O consenso predominante era evidente – eles enfrentaram um mago irado exalando uma onda surpreendente de energia mágica. Uma bola de energia elétrica se materializou no dedo de Roland, expandindo-se ameaçadoramente diante do rosto do homem com cicatriz.

“Agora, podemos fazer isso do jeito mais fácil ou do jeito mais difícil… eu vou te dar essa escolha.”

“O-o que você está…”

“E você, aí atrás, não pense que não posso te ver. Antes de acertar aquela flecha, vou incinerar o rosto do seu amigo.”

O outro detentor de classe de nível 3, pertencente à Companhia Mercenária, estremeceu ao ser instantaneamente localizado e destacado do grande grupo. Apesar de tentar se esconder atrás de seus companheiros, seu oponente percebeu suas intenções instantaneamente.

“Agora, você e seus amigos podem calar a boca pelo resto da viagem ou teremos um problema… Então, teremos um problema?”

Roland fez questão de aproximar a bola de relâmpago do rosto do homem, alguns dos raios menores até atingiram seu corpo, eletrizando-o no processo. O homem com cicatriz no rosto rapidamente percebeu que estava perdendo a cabeça e começou a balançar a cabeça.

“S-sim… quero dizer, e-e os encantamentos…”

“Encantamentos? Esse trapo perdeu há muito tempo todas as suas cargas e não pode mais ser usado, é inútil neste momento. Então, deixe-me perguntar novamente, teremos algum problema?”

“Não, nós não…”

“Bom, então vá se foder.”

Satisfeito com a resposta, Roland dissipou o raio crepitante, mas ainda assim fez o homem voar. O homem com cicatriz na cara colidiu com as duas pessoas que assediavam a coelhinha, levando-as consigo e quebrando algumas caixas de madeira ao longo do caminho. A sala inteira ficou em silêncio, a tensão pairando no ar. O olhar de Roland varreu os outros aventureiros e mercenários, seus olhos brilhantes exalando uma aura imponente.

Acabou e o resultado foi óbvio. Os homens que antes eram barulhentos se acalmaram e não ousaram levantar a voz. Mesmo os três perpetradores não ousaram falar, ficou claro que tinham medo de perder a cabeça. Roland olhou de lado para todos nesta área e pousou finalmente o olhar na garota que ele resgatou. Seus olhos ainda brilhavam, o que a deixou nervosa e fez com que ele abandonasse momentaneamente o papel de durão.

“O-obrigada…”

“Hum.”

Ele não respondeu e simplesmente assentiu, mantendo a fachada de que suas ações não eram apenas para o bem da garota, mas para manter o silêncio. Ao se retratar como um mago excêntrico que não gostava de barulhos altos e conversas excessivas, ele pretendia garantir que todos aqui se comportassem durante o restante da viagem aérea. De certa forma, estava protegendo todos os outros carregadores abaixo de serem pegos no fogo cruzado, muito parecido com a situação atual da garota coelho.

A garota continuou a se curvar em gratidão e só partiu depois que Roland acenou para ela. Ela desapareceu rapidamente em direção à área onde o restante dos carregadores estava estacionado, marcando o fim daquele incidente em particular. Consequentemente, uma jornada muito desconfortável e cheia de tensão começou para os outros aventureiros. Roland tornou difícil para eles dormirem, incutindo medo de que até mesmo o ronco pudesse irritar o formidável mago. Alguns recorreram a tapas para acordar seus amigos para garantir que todos permanecessem alerta. O ar permaneceu denso e desconfortável durante toda a viagem.

Depois de suportar um dia de tensão e desconforto, finalmente chegaram ao seu destino. Roland sentiu uma ponta de insatisfação com a forma que passou seu tempo no navio. Ele não podia espiar através de nenhuma janela para testemunhar o reino a partir de uma vista aérea, nem poderia explorar o navio com o olhar de um artesão. Ele ansiava por inspecionar a sala de máquinas e adquirir esquemas mágicos para uso futuro. Talvez, então, construir uma embarcação tão grande se tornasse uma possibilidade.

A aeronave pousou suavemente em uma cidade movimentada e os aventureiros e guardas começaram a desembarcar. Roland reuniu-se à sua comitiva temporária perto da prancha de embarque. Embora sua tarefa imediata estivesse chegando ao fim, sua verdadeira jornada para o Instituto estava apenas começando. Com propósito, ele deu um passo à frente, sua mente pensando nas possibilidades que essa jornada poderia trazer para elevar sua magia rúnica ao próximo nível.


Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

0 0 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar