The World After the End – Capítulo 92

Caminho do Abismo (1)

A Guerra da Renovação acabou. Terminou com o <Caos> libertado das <Grandes Terras>. No entanto, isso foi apenas o começo.

Jaehwan falou com o paciente de rosto pálido na sala dos curandeiros da Fortaleza de Gorgon.

— Você estava vivo.

Era Jagel Meng.

— Eu pensei que estava morto.

— Sou o líder de um dos Dez-Clãs. Não vou morrer tão facilmente.

Ele sorriu, mas seus ferimentos eram graves. Foi um milagre que ele tenha sobrevivido.

— Foi tudo graças ao Médico do Desespero.

Quando foi ferido, Chunghuh tinha acabado de voltar para Gorgon e rapidamente cuidou de Jagel Meng. Se não, ele teria morrido.

— Ouvi dizer que você derrotou Sameng Garam.

Jaehwan sabia que foi Sameng Garam que fez Jagel Meng ficar nesse estado. Então, em certo sentido, Jaehwan se vingou dele.

— Ele era um General Superior.

Jaehwan sabia que Jagel Meng queria dizer algo mais profundo.

— Você conhecia ele?

— Todos os membros da família Jagel conhecem a família Sameng.

A família Sameng era uma das Famílias Renomadas das <Grandes Terras>.

— Você pode já estar ciente disso, mas ‘elas’ agora estarão de olho em nós também.

— Elas?

— As famílias renomadas. Sameng com certeza já está.

O Palácio pertencia aos Monarcas e às Famílias Renomadas. O <Caos> também matou um membro das Famílias Renomadas. Jaehwan balançou a cabeça.

— Está bem. Eles não virão mais aqui.

Jagel Meng arregalou os olhos em choque.

— Você… Você pegou a [Porta Estreita]?

Jaehwan assentiu e Jagel Meng deu um suspiro de alívio.

— Isso é bom… Mas é muito cedo para ficar aliviado.

— Eu sei.

Jaehwan entendeu do que ele estava falando. Meng já avia alertado os outros líderes sobre isso em uma reunião anterior. Havia outra maneira normal de entrar no <Caos>.

— Vou matá-los de novo.

Jagel Meng suspirou. Ele agora podia acreditar que aquelas palavras eram verdadeiras.

— Se estão aqui para me matar, mesmo ao custo de suas vidas, pode valer a pena lutar contra eles.

— Entendo.

Jagel Meng sorriu e virou-se para a janela. Parecia que finalmente havia uma paz curta no <Caos>.

Ele também percebeu que essa paz era possível por causa de uma pessoa.

Alguém chamou Jaehwan, e ele se levantou de seu assento.

— Cuidem-se.

Jagel Meng olhou para Jaehwan. Aonde ele estava indo agora? O que havia além do caminho que ele estaria tomando? Era um caminho que poderiam seguir? Ou… Era seu destino, andar sozinho por aquele caminho traiçoeiro?

— Mestre.

Jaehwan parou, sem olhar para trás.

— Não é nada…

Jaehwan saiu. Jagel Meng teve a sensação de que nunca mais o veria. Mas não conseguiu detê-lo.

Muitas pessoas vieram ver Jaehwan. Os primeiros que vieram foram Chunghuh e Cayman.

— Garoto, não pense em ir embora às escondidas.

— Não vou deixar você ir sozinho dessa vez.

Eles estavam com medo de que Jaehwan viajasse para o <Abismo> sozinho. No entanto, aquele que veio ver Jaehwan em seguida tinha um motivo totalmente diferente.

— O que foi?

Era um homem de cabelo loiro e uma única asa prateada nas costas. Ele saudou Jaehwan e falou.

— Tenho alguns assuntos a discutir, mestre.

— Por que o Euren não veio?

— O chanceler está ocupado com o trabalho que você deu a ele.

Era Carlton.

— Tudo bem, continue.

— Sim, senhor. O primeiro é sobre a reunião…

Carlton começou a relatar o que havia preparado enquanto Jaehwan olhava para ele. Em certo sentido, Carlton era semelhante a Sameng Garam. Ele era alguém que queria manter a ordem de alguma coisa.

“Ele também não se tornou um Despertado?”

A palavra-chave [Suspeita] permitia criar seu próprio mundo único. O mundo de Jaehwan era o ‘Fim’ enquanto o mundo de Cayman era o ‘Grande Mar’. Então, qual era o mundo de Carlton? Jaehwan ficou curioso.

— E… Mestre, você está ouvindo?

— Oh, sim. Onde estávamos?

— De acordo com as Leis de Gorgon, capítulo vinte e quatro linha cinco, o comportamento de não ouvir o relato do…

Ele não havia mudado nem um pouco, mesmo depois de se tornar um Despertado. Carlton então sorriu e parou.

— Estávamos falando sobre a torre.

— Que torre?

— A Carpe Diem, senhor.

Jaehwan então se lembrou da torre que havia feito com Meikal. Agora estava mais refinada e estável do que quando foi feita pela primeira vez.

— E o que tem?

— Há reclamações de que o fluxo de tempo está muito rápido.

— Entendi. É compreensível.

— Há taxas crescentes de suicídio entre aqueles que a desafiam para se tornarem Despertados.

O tempo era ruim para o espírito. As pessoas eram punidas pelo uso excessivo do tempo. Mesmo para Jaehwan, a corrupção estava vazando de seu corpo devido a não consumir chifres regularmente.

No entanto, o Despertar exigia a superação de tais dificuldades. Jaehwan então falou.

— Ela está mesmo com o fluxo muito rápido. Fale com Meikal para mudar.

— Sim, senhor.

— Eles não podem se tornar Despertados simplesmente repetindo [Estocada] ou [Corte]. Ordene ao sistema que crie Despertados constantemente e retire aqueles que não querem Despertar. Treinar para subir os estágios da adaptação também é uma solução.

— Adaptação… Você acha mesmo que é uma solução?

— As pessoas têm opiniões diferentes. Despertar não é a salvação. Pode-se encontrar vida dentro da Adaptação.

Carlton parecia ter pensamentos complicados ao ouvir isso.

— Há algo errado?

— Há um problema pessoal.

— Problema pessoal? O que aconteceu?

— Agora sou um Despertado de terceiro estágio. Acho que você já sabe disso.

Jaehwan assentiu.

— Mas não vejo meu mundo único.

— O quê?

Isso era impossível. Todos os que se tornaram Despertados de terceiro estágio tinham um mundo único. Diferia em forma e tamanho, mas não havia casos em que não se adquirisse um mundo único.

“Espere, talvez o mundo único dele seja…”

Jaehwan lembrou-se das palavras de Sameng Garam. Ele disse à Jaehwan que cada ser tinha seu ‘mundo’, mesmo que não fosse único.

“Talvez Adaptação e Despertar sejam bastante semelhantes em algum sentido.”

Jaehwan tranquilizou Carlton.

— Não se preocupe. Talvez o seu mundo único seja o próprio ‘Sistema’.

— Isso é possível?

— É uma possibilidade. Eu não sei tudo sobre o Despertar.

Carlton então perguntou:

— Se meu mundo único é o ‘Sistema’, terei que lutar contra você algum dia?

Foi uma pergunta inesperada com uma pitada de humor. Mas Jaehwan ponderou seriamente.

— Pode ser. Se você realmente tentar proteger este mundo.

— Você realmente pretende destruí-lo?

— Sim.

— Então, mesmo que eu tente protegê-lo quando chegar a hora, você não vai mudar de ideia?

— Não vou. Você será destruído junto dele.

Depois de pensar um pouco, Carlton perguntou:

— Mestre, leve-me com você.

— Para onde?

— Para o <Abismo>, senhor.

Jaehwan não respondeu. Na verdade, muitas pessoas já estavam levantando a questão da expedição.

“Acho que já está na hora de escolher quem levar para o <Abismo>.”

Ele não podia levar todos. O <Abismo> era perigoso o suficiente para assustar os Monarcas das <Grandes Terras>. Como Jaehwan ficou em silêncio, Carlton acrescentou:

— De acordo com as Leis de Gorgon Capítulo três, Linha quatro, todos os Capitães de Posto têm a responsabilidade de proteger o Mestre da Fortaleza em uma emergência.

Jaehwan riu.

— Mas você não é mais o Capitão.

— …

— E não serei o Mestre quando partir.

Carlton pareceu chocado com aquelas últimas palavras.

— Eu esperava isso… Mas você realmente vai deixar de ser um Mestre?

Carlton desejou que fosse mentira. Eles precisavam de uma figura central para manter o <Caos> em ordem mais do que nunca. Os líderes estavam até pensando em pedir a Jaehwan para se tornar seu rei.

— Sim. Estarei partindo em uma semana.

— Mas se você sair, Gorgon vai cair. Não, o <Caos> vai…

— Não se preocupe.

Jaehwan virou-se para a janela e olhou para o céu.

— Tenho uma ideia para isso.

E Carlton percebeu quatro dias depois o quão ridícula era essa ‘ideia’.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar