Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

Shadow Slave – Capítulo  113

Poço Escuro

Traduzido usando o ChatGPT



Depois que a Santa de Pedra eviscerou impiedosamente o centurião carapaça e confirmou a suspeita de Sunny de que ele não seria capaz de cultivá-la dessa forma, ele não tinha muito o que fazer.

A noite ainda era jovem, mas ele já havia alcançado seu objetivo. Agora, ele estava livre para fazer o que quisesse… entretanto, não havia muitas opções disponíveis na cidade amaldiçoada.

Ele poderia continuar caçando, se deleitando com o poder recém-descoberto. Com a Santa de Pedra sob seu comando, Sunny seria capaz de banhar as ruínas no sangue dos monstros. No entanto, esse pensamento, por mais sedutor que fosse, deixava-o inquieto.

Caçar neste lugar infernal exigia paciência e preparação. Ele só sobreviveu até agora observando cuidadosamente os possíveis campos de batalha com antecedência e estudando sua presa das sombras para aprender seus pontos fortes e fracos, sem se apressar em lutar até ter certeza absoluta de que havia uma sólida chance de vitória.

Santa de Pedra ou não, trair esses princípios ainda o levaria à morte. E com seu estado mental, uh… levemente instável, Sunny não confiava em si mesmo para permanecer cauteloso quando as vitórias fáceis se acumulassem. Ele tinha que avançar lentamente.

Olhando em volta das ruínas silenciosas, Sunny sorriu levemente. Na verdade, ele não estava tão longe da Biblioteca…

Ele realmente havia transformado a caça às Criaturas do Pesadelo em uma espécie de profissão, mas era apenas isso: um trabalho. Como qualquer jovem bem ajustado, ele também tinha um hobby.

Em seu tempo livre, Sunny gostava de explorar as ruínas.

A sensação calorosa de satisfação que ele havia experimentado depois de encontrar o ninho escondido da Prole do Pássaro Ladrão Vil nunca deixou sua memória. Havia algo profundamente envolvente em descobrir fragmentos de história há muito perdida e juntá-los. Talvez Sunny tivesse herdado essa paixão do Professor Julius, ou talvez ela sempre estivesse adormecida em seu coração.

Em qualquer caso, ele gostava muito de explorar a cidade antiga. Estava cheia de todos os tipos de mistérios, tanto grandes quanto pequenos. Depois de milhares de anos, a maior parte dos vestígios do passado havia sido apagada pelo fluxo implacável do tempo. Mas olhando nos lugares certos e exercitando o pensamento crítico, a perspicácia e a imaginação, era possível juntar minúsculos fragmentos da verdade.

Toda vez que as pistas aparentemente díspares se encaixavam em uma imagem coerente, Sunny sentia uma agradável emoção. Curiosamente, não importava se essa imagem se referia a algo importante ou completamente inútil.

De fato, ele gostava mais de aprender sobre os pequenos detalhes da vida cotidiana que os habitantes da cidade antiga já tinham levado do que gostava de aprender sobre as possíveis origens da catástrofe que os havia acometido – apesar de o último estar diretamente relacionado à sua própria sobrevivência.

Por exemplo, ele estava muito curioso para saber mais sobre a jovem sacerdotisa cujos aposentos particulares ele havia transformado em seu esconderijo secreto. As coisas que ela havia deixado para trás contavam muito sobre como as pessoas da cidade costumavam se vestir e pensar sobre o mundo, preenchendo sua imaginação com imagens coloridas de ruas movimentadas e catedrais solenes. Mas ainda não era o suficiente.

Seu último projeto de exploração eram as ruínas de uma grande biblioteca. Claro, nenhum dos livros e pergaminhos havia sobrevivido aos milhares de anos na escuridão amaldiçoada. Felizmente, as pessoas que costumavam viver na cidade antes de sua queda gostavam muito de gravuras em pedra. Ele passava muito tempo estudando as esculturas de parede intactas, bem como fragmentos de afrescos sobreviventes.

Um afresco, em particular, era especialmente grandioso e tentador, cobrindo todo o chão do salão principal da biblioteca. Infelizmente, estava quase completamente enterrado sob escombros. Sunny havia conseguido remover parte dele, mas a maioria dos pedaços do telhado desabado era muito pesada para ele levantar. Talvez a Santa de Pedra tivesse mais sorte.

Era um plano adequado, mas, por algum motivo, Sunny sentia-se estranhamente relutante em voltar à exploração da biblioteca naquela noite em particular.

‘Hã… o que mais posso fazer?’

Ele pulou do coluna de pedra e se aproximou do centurião carapaça morto para cortar um pouco de carne e os fragmentos de alma.

Pensando bem… pensando bem, o local marcado no mapa grosseiro que ele havia encontrado no corpo do líder do estranho grupo de caçadores também não estava tão longe.

Talvez ele pudesse dar uma olhada.

Sunny balançou a cabeça veementemente.

‘Não, não… o mapa deve ser falso de qualquer maneira. Certo?’

Tentando suprimir o fogo insalubre de curiosidade que ardia em seu peito, Sunny se concentrou na tarefa em mãos. Depois que a carne e os fragmentos estavam em sua posse, no entanto, o desejo persistente de seguir o mapa retornou.

‘E se não for falso, isso é ainda pior. Quem sabe que tipo de horror esses tolos estavam procurando?’

Certamente, não haveria nenhum tesouro ou segredos importantes escondidos ali. Essa coisa toda cheirava apenas a perigo. Na verdade, exalava algo sinistro, aterrorizante e absolutamente maligno.

Sunny suspirou.

‘Mas, honestamente, qual é o mal de dar uma olhadinha? É só uma olhada… o que pode acontecer de pior?’


Caminhando silenciosamente pelos escombros de pedra, Sunny se aproximou cautelosamente do local marcado no mapa. Por alguma estranha razão, poucas Criaturas do Pesadelo pareciam escolher essa parte remota da cidade como terreno de caça. Era como se fossem compelidas a evitar esse lugar.

Pensando bem, esse fato por si só seria suficiente para afugentar Sunny. Em circunstâncias normais. Mas com a Santa de Pedra escondida em sua sombra, ele se sentia um pouco mais corajoso.

Ele conseguiria fugir se algo acontecesse, pelo menos.

Ao se aproximar de um grande edifício que já foi magnífico, Sunny escalou a parede desmoronada e se viu em um pátio escuro e isolado.

No centro do pátio, havia um poço. Sua boca redonda se destacava como uma ferida aberta na pedra, preenchida apenas pelo vazio negro. O poço estava coberto com uma estranha e ornamentada grade de ferro. Deve pesar várias toneladas, pelo menos, como se alguém desesperadamente quisesse impedir que algo a erguesse e deixasse o poço aberto.

Sunny engoliu em seco antes de se aproximar e olhar através da grade. O poço silencioso era tão profundo que ele não conseguia ver o fundo.

… Talvez não houvesse um.

Pegando uma pequena pedra, Sunny a deixou cair. A boca negra do poço engoliu a pedra, fazendo-a desaparecer.

Vários segundos se passaram, mas não houve som da pedra batendo em nada.

Sunny estava quase pronto para tentar novamente, mas então…

O poço falou.

Uma voz melódica e estranhamente encantadora ecoou das profundezas escuras, enchendo os ouvidos de Sunny com doçura.

“Ah, um visitante…”

Ele cambaleou para trás, seus olhos se arregalaram de medo.

‘Não. Não vou fazer isso!’

Sunny queria virar as costas e fugir, mas algo o impedia de seguir seu instinto. Ele sentiu que sair sem descobrir mais seria uma decisão errada.

E a voz soava tão… tão humana…

Era como a voz de alguém que você gostaria de ter como amigo.

Ele balançou a cabeça, libertando-se do devaneio.

‘O que esses malditos estavam aprontando?! O que estão fazendo lá naquele maldito castelo?! Preciso avisar Nephis… não, espera… preciso descobrir mais primeiro. Tentarei entender o que está acontecendo aqui, mas se houver algum sinal de perigo, eu fujo.’

Apertando os dentes, Sunny se forçou a ficar parado.

Um momento depois, o poço sussurrou:

“Que maravilha. Eu não sou alimentado há muito, muito tempo…”


Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

4.9 19 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
8 Comentários
Mais recente
Mais Antigo Mais votado
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Likolt
Membro
Likolt
13 dias atrás

Depois da experiência com a árvore da alma? Nem fodendo q ele devia ficar aí

Yago
Membro
Yago
1 mês atrás

Tinha tudo pra da errado. Essa frase é praticamente um karma negativo: “Mas, honestamente, qual é o mal de dar uma olhadinha? É só uma olhada… o que pode acontecer de pior?”

Manhwa
Visitante
Manhwa
1 mês atrás

Eu já vi de tudo ,mas agora um poço que fala primeira vez

IfosD
Membro
Ifos
1 mês atrás

sai fora maluco. que medo

Wan
Visitante
Wan
3 meses atrás

te loucooooo, que medo

LloydD
Membro
Lloyd
4 meses atrás

Eu ja tinha corrido sobre as águas do oceano negro uma hora dessas

Nonno
Membro
Nonno
8 meses atrás

kkkk essa frase man
obg pelo cap

Matheus Hendrew
Membro
Matheus Hendrew
9 meses atrás

Corre berg

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar