Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

Shadow Slave – Capítulo  1310

Abandonado

Traduzido usando o ChatGPT



‘Um Titã Corrompido…’

O rosto de Sunny se tornou sombrio. As memórias de Falcon Scott vieram à sua mente, trazendo consigo um sabor amargo. Era outra cidade que fora destruída por um Titã Corrompido, mesmo que a escala e a rapidez da destruição fossem diferentes.

Ele permaneceu em silêncio por alguns momentos, então perguntou quietamente:

“Não são os Titãs geralmente… enormes?”

Ananke hesitou, então deu de ombros. Seus olhos azuis estavam desanimados.

“A maioria é. Mas alguns não são. Mais do que isso, os Profanados… eles eram humanos uma vez. O caminho deles para o poder profano é único.”

Ele assentiu, sentindo um profundo senso de desconforto. Um Titã Corrompido… se uma dessas Seis Pragas fosse realmente tão poderosa quanto a Besta do Inverno, então o quão aterrorizante seria o Senhor do Pavor?

Ainda assim, Sunny sentiu um desejo sombrio e cáustico de matar aquele Príncipe Louco.

Era estranho, na verdade… ele tinha encontrado todos os tipos de horríveis Criaturas dos Pesadelos, mas saber que o louco carniceiro que destruiu Weave fora um humano uma vez o encheu de ira sombria.

‘Até que ponto uma pessoa pode cair…’

Odioso. O Príncipe Louco, quem quer que tenha sido antes de sucumbir à Corrupção, era simplesmente odioso. Uma criatura tão vil não tinha o direito de existir.

Sunny rangeu os dentes, pensando em quantas das abominações que ele havia matado no passado também eram ex-humanos. Após milhares de anos de Corrupção, a distinção estava praticamente apagada, mas… aqui no Pesadelo, parecia diferente.

Nephis, enquanto isso, tinha outra pergunta. Olhando para a vista desolada de Weave com uma carranca, ela hesitou por alguns momentos, então perguntou suavemente:

“Ananke… você disse que os Forasteiros eram os guerreiros mais poderosos da sua cidade. O Príncipe Louco os matou facilmente. Isso não significaria que ele poderia ter matado todos os Nascidos do Rio também? Por que ele te poupou?”

Sunny fez uma careta. Ele estava se fazendo as mesmas perguntas, mas não queria falar em voz alta com medo de magoar ainda mais a jovem sacerdotisa.

Ananke permaneceu em silêncio por um tempo, com a cabeça baixa. Eventualmente, ela respirou fundo e disse quietamente:

“Talvez ele quisesse que sofressemos por mais tempo. Talvez ele precisasse que vivêssemos um pouco mais, por qualquer motivo. Talvez ele simplesmente não se importasse. Os Nascidos do Rio… ele matou alguns. No entanto, então, ele abaixou a espada e se ajoelhou diante da menina que ele poupou. Ela era uma criança que havia acabado de chegar da Casa da Juventude. Ele fez uma pergunta a ela e depois partiu.”

Sunny e Nephis se olharam sombriamente. Ela perguntou:

“O que os Profanados perguntaram?”

A jovem sacerdotisa hesitou, então sacudiu lentamente a cabeça.

“Ele perguntou a ela… você deseja viver? Ela disse que sim. Ouvindo isso, o Príncipe Louco explodiu em risos, limpou sua espada ensanguentada na túnica dela e desapareceu. Ele nunca mais voltou, e como todos os nossos anciãos estavam mortos, nunca mais ouvimos falar dele.”

‘Maldito louco.’

Sunny franziu o cenho, lembrando o pedaço de destroço em que havia flutuado nos primeiros dias no Pesadelo. Era uma conexão tênue no máximo… mas por que o Príncipe Louco havia perguntado à menina o que ela desejava? Seria ele, talvez, o lunático que havia esculpido as runas frenéticas na madeira antiga?

Se sim, então talvez as Seis Pragas já tivessem se tornado cinco. Considerando que o pedaço de destroço havia parecido um fragmento de uma embarcação destruída, o Titã Profanado poderia ter perecido em uma batalha com uma das aterrorizantes Criaturas dos Pesadelos rio acima.

Dito isso, havia uma coisa muito perturbadora em conectar a jangada improvisada de Sunny a um dos Profanados de Verge. Havia letras do alfabeto do mundo desperto entre as runas, também… como diabos o Príncipe Louco as conheceria?

‘Maldição…’

Era tudo muito sinistro e misterioso.

Abanando a cabeça, Sunny deu uma última olhada na praça inundada. A feroz batalha que havia ocorrido ali deve ter fraturado os alicerces da ilha artificial, o que explicava o alagamento… ele suspirou e virou-se para Ananke.

“Ainda precisamos reunir suprimentos, certo?”

Ela assentiu.

Sunny afastou a jovem mulher da praça e disse com voz suave:

“Então nos mostre ao redor de Weave. Podemos pegá-los no caminho.”

Ananke sorriu um pouco, enquanto Nephis lhe lançava um olhar agradecido por cima do ombro.

‘Se Ananke quer que nos lembremos de sua cidade, é o mínimo que podemos fazer. Vou me certificar de escrever um trabalho de pesquisa detalhado depois de voltar para NQSC, para que todos no mundo desperto possam aprender sobre isso também.’

Sunny sorriu.

“Sabe, Ananke, eu sou um professor muito respeitado no futuro.”

Ela o olhou com um leve ar de confusão em seus olhos azuis.

“Um… professor?”

Ele assentiu.

“Um professor. Ensino jovens Despertos a sobreviver e se sustentar na natureza selvagem. Na academia mais famosa do mundo, nada menos! No entanto, nosso conhecimento sobre as complexidades de sobreviver em ambientes marinhos não é tão extenso. Tenho certeza de que aprenderei muito ao conhecer Weave. Então, poderei ensinar meus alunos sobre isso também. Eles vão me agradecer com lágrimas nos olhos!”

A jovem sacerdotisa parecia mais confusa do que tocada. Sunny franziu o cenho.

“O que foi?”

Ela sacudiu a cabeça levemente.

“Não, não é nada. Mas, meu Senhor… você é um comerciante de alimentos no futuro, não é? Como você também pode ser um professor?”

O canto da boca de Sunny tremeu. Ele permaneceu em silêncio por alguns momentos e depois respondeu estoicamente:

“As pessoas instruídas também precisam comer, não é? É assim quão grandioso eu sou. Acadêmico respeitado, guerreiro renomado, comandante militar realizado, empreendedor próspero… sou a imagem de um cavalheiro perfeito.”

Ananke olhou para ele, depois assentiu com brilhos intensos em seus olhos azuis.

“Meu Senhor é incrível!”

Enquanto Sunny sorria, Nephis acrescentou baixinho:

“…E tão modesto.”

Seu sorriso diminuiu, mas apenas por um momento.

Assentindo energicamente, Sunny concordou.

“De fato, incrível é uma palavra que pode ser usada para me descrever…”

Eles viajaram por Weave para coletar tudo o que precisavam para a longa jornada à frente. Mesmo depois de muitos anos de abandono, a cidade ainda parecia estar em boas condições. No entanto, sob a bela superfície, ela já começara a desmoronar.

Sunny sabia que Weave não iria durar por muito mais tempo. Talvez em uma década ou duas, a cidade flutuante se quebraria e seria engolida pelas correntes do Grande Rio, desaparecendo para sempre sob as ondas.

Antes que isso acontecesse…

Eles reuniram frutas dos bosques selvagens e outros suprimentos de vários esconderijos que Ananke havia estabelecido por toda a cidade. Havia comida, especiarias, vinho, folhas de chá e necessidades que alguém precisaria para viajar pelo Grande Rio.

Havia também itens. As armas e armaduras que o povo de Weave havia fabricado e usado eram de qualidade inferior às poderosas Memórias que Sunny e Nephis empunhavam, mas eles conseguiram coletar muitas coisas que facilitariam a travessia da Tumba de Ariel — de simples cobertores e talheres a redes de pesca resistentes o suficiente para capturar Criaturas dos Pesadelos e kits de reparo de velas.

Tudo foi colocado no Cofre Cobiçoso.

Enquanto se deslocavam de um distrito para outro, Ananke também compartilhou histórias de Weave e de seu povo com eles. Como viviam, que rituais observavam, que paixões os impulsionavam e a que vícios às vezes sucumbiam.

Havia detalhes interessantes sobre a vida cotidiana das Pessoas do Rio e anedotas divertidas. Sunny realmente aprendeu muito ao ouvir essas histórias, e quanto mais aprendia, mais se maravilhava.

Seu mundo era tão diferente de tudo que ele conhecia, e assim, eles haviam se adaptado às suas estranhas circunstâncias com a tenaz engenhosidade inerente a todos os humanos.

Seu conhecimento de como sobreviver no Grande Rio havia sido construído ao longo de muitas gerações de aprendizado persistente e melhoria incessante.

Os humanos eram a espécie mais adaptável, de fato.

Quando Ananke começou a falar sobre Weave, havia uma sombra de tristeza em seus olhos. No entanto, à medida que ela lembrava das pessoas de seu passado, eles gradualmente se tornavam luminosos e calorosos.

Um doce sorriso apareceu em seus lábios.

…Mas quanto mais a jovem sacerdotisa falava, mais desanimado Sunny ficava.

Ele escondeu sua expressão e encarou as ruas vazias da cidade desolada, seus próprios olhos velados por uma escuridão sombria.

‘É injusto…’

Ananke tinha sido nada além de gentil com eles, então era injusto. Sunny e Nephis iriam deixar Weave para viajar para o passado distante e desafiar o Pesadelo, mas ela… ela nunca poderia sair.

Porque ela era Nascida do Rio.

Depois de guiá-los o máximo que pôde, a jovem sacerdotisa iria voltar para a cidade em ruínas. E viver o resto de sua vida ali, sozinha e abandonada.

O coração de Sunny estava pesado, e seu ódio pelo Príncipe Louco queimava mais escuro.

Desviando o olhar, ele rangeu os dentes.

‘Maldito seja aquele bastardo vil…’


Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

5 1 voto
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
1 Comentário
Mais recente
Mais Antigo Mais votado
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Leywin
Membro
Leywin
7 dias atrás

Que grande arrombado esse príncipe louco…

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar