Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx
Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Shadow Slave – Capítulo  4

Rei da Montanha

Traduzido usando o ChatGPT



Virando na direção do ruído estrondoso, muitos escravos ergueram a cabeça, apenas para ver rochas e pesados pedaços de gelo chovendo sobre eles de cima. Eles entraram em pânico instantaneamente, se afastando em uma cacofonia de gritos. Sombras dançavam alegremente sobre pedras negras enquanto, enredados pela grossa corrente, esses escravos caíam no chão e arrastavam outros com eles.

Sunny foi um dos poucos que permaneceu de pé, principalmente porque estava pronto para algo assim acontecer. Calmo e coletado, ele olhou para o céu noturno, seus olhos aprimorados pelo Atributo perfurando a escuridão, e deu um passo medido para trás. No segundo seguinte, um pedaço de gelo do tamanho do torso de um homem atingiu o chão bem na frente dele e explodiu, chovendo fragmentos afiados em tudo ao redor.

Outros não foram tão rápidos. À medida que o gelo e as pedras continuavam a cair, muitos ficaram feridos e alguns até perderam a vida. Gemidos agonizantes encheram o ar.

“De pé, tolos! Cheguem ao muro!”

O soldado veterano – aquele que havia chicoteado Sunny algumas horas antes – estava gritando com raiva, tentando fazer os escravos se moverem em direção à relativa segurança da encosta da montanha. No entanto, antes que alguém pudesse obedecer a seu comando, algo maciço veio caindo, enviando um tremor pelas pedras sob seus pés. Cair entre a caravana e a parede da montanha, mergulhando tudo em silêncio por alguns segundos.

A princípio, parecia uma bola de neve suja, aproximadamente redonda em forma e tão alta quanto um cavaleiro montado. No entanto, assim que a criatura desenrolou seus longos membros e se ergueu, ela se ergueu sobre a plataforma de pedra como um presságio noturno de morte.

“Aquele coisa deve ter pelo menos quatro metros de altura”, pensou Sunny, um pouco atordoado.

A criatura tinha duas pernas atarracadas, um torso esquelético e arqueado e mãos desproporcionalmente longas e multijuntas – duas delas, cada uma terminando com um conjunto de garras ósseas horripilantes, e outras duas, estas mais curtas, terminando com dedos quase humanos. O que a princípio parecia ser neve suja acabou por ser sua pelagem, amarelada e desgrenhada, grossa o suficiente para parar flechas e espadas.

Em sua cabeça, cinco olhos brancos e leitosos observavam os escravos com indiferença semelhante à de um inseto. Abaixo deles, uma terrível boca lotada de dentes afiados como navalhas estava meio aberta, como se em antecipação. Saliva viscosa escorria pelo queixo da criatura e pingava na neve.

O que mais perturbava Sunny eram as formas estranhas que se moviam sem parar, como vermes, sob a pele da criatura. Ele podia vê-las claramente porque, infelizmente, era um dos desafortunados que estavam mais próximos da monstruosidade, tendo uma visão nauseante da primeira fila.

‘Bem, isso é simplesmente… demais’, pensou ele, estupefato.

Assim que Sunny terminou esse pensamento, tudo virou um caos. A criatura se moveu, golpeando com suas garras em sua direção geral. Mas Sunny estava um passo à frente: sem perder um único momento, ele saltou para o lado – o mais longe que a corrente permitia – colocando convenientemente o escravo de ombros largos entre si e o monstro.

Sua reação rápida salvou sua vida, já que aquelas garras afiadas, cada uma tão longa quanto uma espada, cortaram o homem de ombros largos uma fração de segundo depois e mandaram jatos de sangue voando pelo ar. Encharcado no líquido quente, Sunny caiu no chão e seu companheiro escravo – agora apenas um cadáver – caiu sobre ele de cima.

‘Diabos! Por que você é tão pesado!’

Temporariamente cego, Sunny ouviu um uivo arrepiante e sentiu uma enorme sombra passando por cima dele. Imediatamente depois, um coro ensurdecedor de gritos preencheu a noite. Não dando atenção a isso, ele tentou rolar o cadáver para o lado, mas foi impedido por um puxão forte da corrente que torceu seus pulsos e encheu sua mente com uma dor intensa. Desorientado, sentiu-se sendo arrastado alguns passos, mas então a corrente de repente afrouxou, e ele foi capaz de controlar suas mãos novamente.

‘Veja, as coisas poderiam ter sido piores…’

Colocando as palmas das mãos contra o peito do homem morto, ele empurrou com toda a força que tinha. O cadáver pesado resistiu teimosamente a todas as suas tentativas, mas finalmente caiu de lado, libertando Sunny. No entanto, ele não teve tempo de comemorar essa nova liberdade, já que seu sangue de repente se transformou em gelo.

Porque naquele momento, com as palmas das mãos ainda pressionadas contra o corpo sangrando do escravo de ombros largos, ele sentiu claramente algo se contorcendo sob a pele do homem morto.

‘Você tinha que pensar em como as coisas poderiam piorar, não é, idiota?’ ele pensou, e em seguida recuou.

Empurrando o corpo com as pernas, Sunny se arrastou o mais longe que pôde – cerca de um metro e meio, graças à corrente sempre presente. Ele rapidamente olhou ao redor, notando uma massa de sombras dançantes e a silhueta do monstro arrasando os escravos gritando no extremo oposto da plataforma de pedra. Então ele se concentrou no corpo morto, que começou a se contorcer com crescente violência.

Do outro lado do corpo, o escravo malandro olhava para ele com a mandíbula frouxa e uma expressão horrível no rosto. Sunny acenou para chamar sua atenção.

“Por que está olhando para ele?! Se afaste!”

O escravo malandro tentou, mas imediatamente caiu. A corrente estava torcida entre os três, presa sob o peso do homem de ombros largos.

Sunny cerrou os dentes.

Bem diante de seus olhos, o cadáver estava passando por uma metamorfose que causava pesadelos. Estranhos crescimentos ósseos perfuravam a pele, estendendo-se como espinhos. Os músculos inchavam e se contorciam, como se tentassem mudar de forma. As unhas dos dedos estavam se transformando em garras afiadas; o rosto rachou e se abriu, revelando uma boca torcida com uma fileira a mais de presas ensanguentadas e em forma de agulha.

‘Isso não está certo.’

Sunny tremeu, sentindo uma forte vontade de vomitar.

“A corrente!”

O escravo instruído estava logo atrás do malandro, apontando para suas algemas com um rosto pálido como um fantasma. Aquela observação estava longe de ser útil, mas, dadas as circunstâncias, seu choque era compreensível. Ser acorrentado já era ruim o suficiente, mas ser acorrentado a um horror daqueles era realmente injusto.

Mas a conclusão de Sunny de que as coisas não estavam certas não veio de autopiedade. Ele simplesmente quis dizer que toda essa situação estava literalmente errada: o Feitiço, misterioso como era, tinha suas próprias regras. Também havia regras para que tipo de criaturas podiam aparecer em qualquer Pesadelo dado.

As Criaturas dos Pesadelos tinham sua própria hierarquia: desde Bestas sem mente até Monstros, seguidos por Demônios, Diabos, Tiranos, Terrores e, finalmente, Titãs míticos, também conhecidos como Calamidades. O Primeiro Pesadelo era quase sempre povoado por bestas e monstros, raramente com um demônio misturado. E Sunny nunca, jamais ouviu falar sobre qualquer coisa mais forte do que um único diabo aparecendo nele.

No entanto, a criatura claramente acabara de criar uma versão inferior de si mesma — uma habilidade que pertencia exclusivamente aos tiranos, os soberanos do Feitiço do Pesadelo, e aqueles acima deles.

O que esse tirano estava fazendo em um Primeiro Pesadelo?

Quão poderoso era esse maldito atributo [Fadado]?

Mas não havia tempo para ponderar.

Injusto ou não, agora havia apenas uma pessoa que poderia salvar Sunny — ele mesmo.

O homem de ombros largos — o que restava dele — lentamente se levantou, sua boca produzindo estranhos ruídos de clique. Sem dar-lhe tempo para se recuperar completamente, Sunny praguejou e pulou para a frente, agarrando o comprimento da corrente afrouxada.

Um braço do monstro, agora totalmente equipado com cinco garras pontiagudas, avançou para encontrá-lo, mas Sunny o evitou com um movimento calculado.

O que salvou sua pele desta vez não foi a reação rápida, mas simplesmente a presença de espírito. Sunny pode não ter aprendido nenhuma técnica de combate sofisticada, já que sua infância foi gasta nas ruas em vez de na escola. Mas as ruas, também, eram uma espécie de professor. Ele tinha passado toda a sua vida lutando pela sobrevivência, muitas vezes literalmente. Essa experiência permitiu que ele mantivesse a cabeça fria no meio de qualquer conflito.

Então, em vez de congelar ou ser consumido pelo medo e pela dúvida, Sunny simplesmente agiu.

Ao se aproximar, ele jogou a corrente em volta dos ombros do monstro e puxou, prendendo suas mãos ao corpo. Antes que a criatura, ainda lenta e grogue de sua transformação, pudesse reagir adequadamente, Sunny envolveu a corrente várias vezes ao redor dela, mal salvando seu rosto de ser arrancado pela boca aterrorizante da criatura.

A boa notícia era que o monstro não podia mais mover as mãos.

A má notícia era que o comprimento da corrente que ele usou para imobilizá-lo havia desaparecido, deixando quase nenhuma distância entre eles.

“Vocês dois!”, Sunny gritou, dirigindo-se aos seus dois companheiros escravos. “Puxem essa corrente como se suas vidas dependessem disso!”

Porque elas dependiam.

O escravo astuto e o estudioso o encararam e, em seguida, compreendendo o que ele estava pensando, começaram a se mover. Agarrando a corrente pelas direções opostas, eles puxaram com toda a força, apertando ainda mais o agarre sobre o monstro e não permitindo que ele se soltasse.

‘Ótimo!’ pensou Sunny.

O monstro contraiu os músculos, tentando se libertar. A corrente rangeu, presa nos espinhos ósseos, como se lentamente se despedaçasse.

‘Não tão ótimo!’

Sem perder mais tempo, ele jogou as mãos para o ar e pegou o pescoço da criatura com a corrente curta e fina que conectava seus grilhões juntos. Então ele circulou o monstro com um passo rápido e puxou, acabando de costas com ele – tão longe de sua boca quanto possível.

Sunny sabia que não era forte o suficiente para estrangular um homem com as mãos nuas – muito menos um mutante estranho e aterrorizante como o que tentava comê-lo. Mas agora, usando suas costas como alavanca e o peso de todo o seu corpo para puxar os grilhões para baixo, pelo menos tinha uma chance.

Ele puxou com toda a sua força, sentindo o corpo do monstro pressionando contra ele, espinhos de osso roçando sua pele. O monstro continuou a lutar, clicando alto e tentando quebrar a corrente que o prendia.

Agora era apenas uma questão de qual coisa se romperia primeiro – a corrente ou o próprio monstro.

‘Morra! Morra, seu bastardo!’

Suor e sangue rolavam pelo rosto de Sunny enquanto ele puxava, e puxava, e puxava com toda a força que conseguia reunir.

Cada segundo parecia uma eternidade. Sua força e resistência – que já eram poucas para começar – estavam rapidamente se esgotando. Sua costa ferida, pulsos e músculos perfurados pelos espinhos de osso, estavam em agonia.

E então, finalmente, Sunny sentiu o corpo do monstro ficar mole.

Um momento depois, uma voz ligeiramente familiar soou no ar.

Era o som mais lindo que ele já tinha ouvido.

[Você matou uma besta adormecida, Larva do Rei da Montanha.]


Comentários

4.9 17 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
4 Comentários
Mais recente
Mais Antigo Mais votado
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
SunnyD
Membro
Sunny
2 meses atrás

Sunny is Goat

Lordemongrel00
Membro
Lordemongrel00
3 meses atrás

Bom, para uma melhor compreensão de onde o rei da montanha saiu. no capítulo anterior, no início do pesadelo o mc tem um flashback do que aconteceu.

Ice
Visitante
Ice
7 meses atrás

Tenho muita experiência com novel n. Alguém me explica melhor como esse bixo apareceu?

Yves
Visitante
Yves
7 meses atrás
Resposta para  Ice

Leu o capítulo anterior?

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar